Por onde anda? Dick Van Dyke,de Mary Poppins


Dyck Van Dyke é um ator, cantor e dançarino, que encantou gerações em filmes como Mary Poppins (Idem, 1964) e O Calambeque Mágico (Chitty Chitty Bang Bang, 1968).


Richard Wayne Van Dyke nasceu em 13 de dezembro de 1925, em West Plains, Missouri. Dick cresceu em Danville, onde andava com um grupo de amigos que incluíam seu irmão Jerry Van Dyke (também ator), o ator Gene Hackman, o cantor Bobby Short, e o ator Donald O'Connor. Os dois últimos, colegas de Dick na escola.

Dick começou a trabalhar cedo, como carregador de malas em um hotel e seu primeiro contato com a carreira artística foi como locutor em uma rádio em Danville, Illionois, aos 16 anos. Mas o emprego durou pouco, em 1944 ele se alistou no exército, pretendendo entrar na Força Aérea, mas foi dispensado por não ter o peso mínimo. Mas o exército aproveitou o rapaz, como anunciante de programas radiofônicos para os soldados durante a Segunda Guerra Mundial.

No front, Dick começou também a fazer shows para entreter os soldados. De volta aos Estados Unidos, arrumou seu primeiro emprego na televisão, como meteorologista, em um jornal em Nova Orleans.

Aos poucos, Dick começou a fazer pequenos papéis em séries de TV, e chegou a apresentar alguns programas como The Price is Right (O Preço Certo) em 1956. Foi somente em 1957 que ele começou a dançar, embora nunca tenha tomado aulas de dança. Sozinho, o ator desenvolveu seu próprio estilo (muito peculiar) de dançar.

Em 1961 ele começou a apresentar seu próprio programa, The Dick Van Dyke Show, que durou até 1966.

Dick Van Dyke na televisão, na década de 50

Em 1959 ele estreou na Broadway, e no ano seguinte ele interpretou Albert Peterson no musical Bye Bye Byrd (1960), que lhe valeu um prêmio Tony de Melhor Ator Coadjuvante. Quando a peça foi adaptada para o cinema, Dick foi convidado para repetir o papel em sue primeiro filme, Adeus, Amor (Bye Bye Bird,1963).

Dick Van Dyke e Janet Leigh em Adeus, Amor

Seu filme seguinte foi A Senhora e Seus Maridos (What a Way to Go!, 1964), estrelado por Shirley McLaine e Robert Mitchum. E em dezembro de 1964 chegava aos cinemas seu maior sucesso cinematográfico, Mary Poppins (Idem, 1964), que se tornou um clássico da Disney.

Dick interpretava o limpador de chaminés Bert Dawes, e também aparecia maquiado como  um parente idoso. O filme, que mesclava atores com animação, fez um enorme sucesso. Julie Andrews, que estrelou o filme com ele, ganhou o Oscar de melhor atriz pelo papel, e a música Chim Chim Cher-ee levou o Oscar de melhor canção. Dick foi indicado ao Globo de Ouro de melhor ator em comédia ou musical.

Em novembro de 2018 o ator admitiu em uma entrevista que pagou a Walt Disney para entrar no filme. Disney não queria o ator, pouco conhecido, e Dick via no filme uma grande oportunidade. Ele procurou o produtor e disse que pagava 4.000 mil dólares (o que ele ganhava por trabalhos na época) para ter um pequeno papel, como um dos funcionários do banco. Disney aceitou a oferta, mas acabou gostando do ator, e o promoveu a co-protagonista.

Dick Van Dyke e Julie Andrews em Mary Poppins

Após Mary Poppins, ele estrelou uma série de filmes que não fizeram sucesso, como Artistas do Amor (The Art of Love, 1965), O Fantástico Robin Crusoé (Lt. Robin Crusoe, U.S.N., 1966), Divórcio à Americana (Divorce American Style, 1967), O Mordomo Trapaceiro (Fitzwilly, 1967) e Como Roubar Milhões Sem Fazer Força (Never a Dull Moment, 1968).

O sucesso voltou  com o filme O Calambeque Mágico (Chitty Chitty Bang Bang, 1968), baseado em um livro de Ian Fleming (o autor dos livros de James Bond). Em 1969 o ator chegou a ser cotado  interpretar o agente secreto 007, em 007 - Ao Serviço de Sua Majestade (On Her Majesty's Secret Service, 1969), papel que ficou com George Lazenby.

 
Mas se sua carreira no cinema não ia bem, na televisão ele era um sucesso. O programa The Dick Van Dyke Show durou até 1966, e lançou a atriz Mary Tyler Moore. Seu irmão, Jerry Van Dyke também aparecia no programa.

Em 1969 ele estrelou Glória e Lágrimas de um Cômico (The Comic, 1969), onde interpretava um antigo comediante do cinema mudo, decadente e alcoólatra, levemente inspirado em seu ídolo Buster Keaton. Dick era fã de Keaton e Stan Laurel, que considerava suas influências cinematográficas.

Dick Van Dyke em Glória e Lágrimas de um Cômico

Na década de 70 ele praticamente só trabalhou na televisão. Em 1976 ele foi a primeira opção do diretor Richard Donner para A Profecia (The Omen, 1976), mas recusou o papel, alegando que era um ator muito querido pelas crianças, e o papel era pesado demais. Gregory Peck estrelou o filme, que fez um grande sucesso. Anos mais tarde Dick declarou que foi o maior erro de sua carreira.


Em 1979 ele fez seu primeiro papel totalmente dramático, interpretando um padre em O Assassinato da Freira (The Runner Stumbles, 1979), que não chegou nem perto do sucesso de A Profecia.

 Kathleen Quinlan e Dick Van Dyke em O Assassinato da Freira

Na década de 80 ele anunciou sua aposentadoria, mas nunca cumpriu a promessa realmente, continuando a aparecer em diversas séries na televisão. Desde 1968 ele havia deixado Hollywood para viver em um rancho no Arizona, e só aceitava trabalhos que não despendessem muito tempo de gravação.

Ele só retornou ao cinema em Dick Tracy (Idem, 1990), após o insistente convite do diretor Warren Beatty. Dick intrepreou um vilão, e recebeu muitos elogios da crítica por seu desempenho.

Dick Van Dyke em Dick Tracy

Em 1993 ele retornou a televisão, estrelando a série Diagnosis Murder, que durou até 2001. Aos 70 anos, ele voltou a ser um astro da televisão.

Dick Van Dyke e Andy Griffith em Diagnosis Murder

Em 2006 ele interpretou o vigia ladrão em Uma Noite no Museu (Night at the Museum, 2006), ao lado dos veterano Mickey Rooney e Bill Cobbs. Dick atuou na sequência, Uma Noite no Museu 2 (Night at the Museum: Battle of the Smithsonian, 2009), mas suas cenas foram cortadas na edição (estando disponível em alguns dvds). Ele voltou a saga no terceiro filme, Uma Noite no Museu 3 (Night at the Museum: Secret of the Tomb, 2014), que foi o último filme de Rooney.

Mickey Rooney, Dick Van Dyke e Bill Cobbs em Uma Noite no Museu 

No filme Walt nos Bastidores de Mary Poppins (Saving Mr. Banks, 2013), o ator foi interpretado por Kristopher Kyer.

Em janeiro de 2018 seu irmão Jerry Van Dyke faleceu. Dick ficou bastante comovido, e mudou seu nome nas redes sociais para Jerry Van Dyke brother (o irmão de Jerry Van Dyke), após ficar chateado ao ver os jornais se referindo a Jerry como seu irmão, sem considerar sua carreira de artista.

Ainda em 2018 ele voltou a interpretar o velho Sr. Dawes em O Retorno de Mary Poppins (Mary Poppins Returns, 2018), repetindo a caracterização que usou há 54 anos atrás. O filme é uma espécie de continuação do clássico, mostrando Mary Poppins agora ajudando outra família. A atriz Julie Andrews recusou-se a atuar no filme, alegando que não queria roubar as atenções da atriz Emily Blunt, a estrela do filme. Angela Lansbury, outra veterana do cinema, também está no longa.

 Dick Van Dyke em Mary Poppins e em O Retorno de Mary Poppins 

 Dick Van Dyke e Angela Lansbury em O Retorno de Mary Poppins

O ator também está no elenco de Capture the Flag, que ainda esta sendo filmado.

Leia também: Biografias: Skip Homeier

Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

0 comentários:

Enviar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil