Mary Wickes, de Mudança de Hábito, foi a primeira Mary Poppins


Em 1992 Whoopi Goldberg protagonizou a comédia Mudança de Hábito (Sister Act, 1992), onde interpretava uma mulher que era colocada em convento no programa de proteção a testemunha, revolucionando os hábitos das freiras que a acolhiam.

A comédia fez um enorme sucesso, e ganhou uma bem sucedida sequência no ano seguinte. Além de Whoopi, uma grande estrela na época, suas  coadjuvantes também encantaram o público, incluindo a veterana Mary Wickes, que interpretava a sisuda Madre Superiora Mary Lazarus.

Whoppi Goldberg e Mary Wickes em Mudança de Hábito

Aos 82 anos de idade, Mary Wickes, uma veterana com quase sessenta anos de carreira, retornou ao estrelato, sendo inclusive indicada ao American Comedy Awards no ano seguinte. As novas gerações, entretanto, desconheciam sua longa carreira no teatro, cinema e televisão.


Mary Isabele Wickenhauser nasceu em 13 de junho de 1910, em St. Louis, Missouri. Seus pais eram aficionados por teatro, e desde bebê já a levavam para assistir diversos espetáculos. Excelente aluna, ela pulou dois anos, e formou-se aos 16 anos de idade, ingressando com esta idade na Universidade de Washington, onde ela se formou em 1930, com especialização em literatura inglesa e ciência política.

Mary desejava ser juíza, mas um professor a incentivou a tentar o teatro, e ela acabou mudando os rumos de sua carreira. O mesmo professor convenceu a atriz Kay Thompson, sua colega de classe, a fazer o mesmo.

Em 1934 ela estreou na Broadway, contracenando com Henry Fonda. Ela estreou no cinema em um curta-metragem no mesmo ano. No final da década de 30 ingressou na lendária companhia de Orson Welles em seu programa radiofônico The Mercury Theatre on the Air, participando da famosa irradiação de Guerra dos Mundos (War of Worlds, 1938), que causou pânico na população que creditou ser vítima de um ataque alienígena real.

O primeiro longa-metragem da atriz foi Too Much Johnson (1938), primeiro filme dirigido por Welles.
 Howard Smith, Mary Wickes, Orson Welles, Virginia Nicolson, William Herz, Erskine Sanford, Eustace Wyatt e Joseph Cotten em frente ao Stony Creek Theatre, que exibia o primeiro de Welles
Mary chamou a atenção de Hollywood, que a contratou para viver a enfermeira Preen em Satã Janta Conosco (The Man Who Came to Dinner, 1942), estrelado por Bette Davis e Ann Sheridan. Ela já havia feito este mesmo papel na Broadway anos antes, e em 1972 voltou a fazê-lo em um especial de televisão, onde novamente contracenou com Orson Welles. 

Mary Wickes e Monty Walley em Satã Janta Conosco 

Mary Wickes tornou-se uma coadjuvante requisitada, geralmente em papéis cômicos, que marcaram sua carreira. Ela atuou em filmes com Papai em Apuros (Blondie's Blessed Event, 1942), Private Buckaroo (1942), Que é o Culpado (Who Done It?, 1942), O Prefeito da Rua 44 (The Mayor 44th Street, 1942), Meu Reino Por Uma Cozinheira (My Kingdom for a Cook, 1943) e Filho Querido (Happy Land, 1943). Mas também fez papéis sérios, como a enfermeira que ajuda Bette Davis em A Estranha Passageira (Now, Voyager, 1942). Ela ainda trabalharia com Davis em Noiva da Primavera (June Bridge, 1948). 

Bette Davis e Mary Wickes em  Noiva da Primavera 
Freelancer, ou seja, sem contrato fixo com um estúdio, revessava-se entre o cinema e a televisão, onde estreou em 1948.
Em 1948 estrelou a versão televisiva de Mary Poppins, sendo a primeira atriz a dar vida a babá criada por Pamela Lyndon Travers, em 1934. O especial de TV foi transmitido pelo programa Studio One em 19 de dezembro de 1948, nas celebrações de final de ano. O menino Tommy Rettig, que ficaria famoso na série Lassie, anos mais tarde, fazia o pequeno Michael Banks.



Mary Wickes como Mary Poppins



Equipe fazendo Mary Wickes voar em Mary Poppins (1948)

Outro papel marcante da atriz na TV foi como a Madame Lamound, a professora de balé de Lucille Ball em I Love Lucy, em 1952. Lucille e Mary eram vizinhas, e grandes amigas, e atuariam juntas em diversos episódios de The Lucy Show, Here's Lucy e no telefilme Lucy Calls the President (1977). 

Lucille Ball e Mary Wickes em I Love Lucy

Na televisão, ainda fez um papel regular na série Denis, O Pimentinha (Dennis, The Menace, 1959-1962), estrelada por Jay North. Também atuou em participações especiais em séries como Zorro e Columbo, estrelada por Peter Falk. Também viveu Ida Goff na série Temple Houston (1964), com Jeffrey Hunter.

No cinema, ainda destacou-se em Natal Branco (White Chrismas, 1954) e O Vendedor de Ilusões (The Music Man, 1961) e serviu de modelo de rotoscopia (onde atores reais eram filmados, para servirem de base para os desenhistas) para a personagem Cruella de Vil em Os 101 Dálmatas (One Hundred e One Dalmatians, 1961), de Walt Disney.

Mary Wickes como Cruella

Também grande amiga de Doris Day, contracenou com a atriz em quatro filmes: Meus Braços Te Esperam (On Moonligh Bay, 1951), Sonharei com Você (I'll See You in My Dreams, 1951), Lua Prateada (By the Light of the Silvery Moon, 1953) e A Viuvinha Indomável (It Happened to Jane, 1959). Também participou de um episódio de The Doris Day Show (1968).

Doris Day, Danny Thomas e Mary Wickes em Sonharei com Você

No cinema ainda fez sucesso no papel da Irmã Clarissa em Anjos Rebeldes (The Trouble with Angels, 1966) e sua continuação Diabruras dos Anjos Rebeldes (Where Angels Go Trouble Follows!, 1968), ambos estrelados por Rosalind Russell.  
Mary Wickes em Anjos Rebeldes

Ela voltaria a interpretar uma freira na série Punky, a Levada da Breca (Punky), em 1984.

Na década de 90 interpretou a mãe de Shirley McLaine em Lembranças de Hollywood (Postcards from the Edge, 1990), mas foi novamente como uma freira, em Mudança de Hábito (Sister Act, 1992), que voltou ao estrelato. Mary Wickes voltou a interpretar a rabugenta irmã Mary Lazarus na sequência do filme, Mudança de Hábito 2: Mais Confusões no Convento (Sister Act 2: Back in the Habit, 1993).
  
Kathy Najimy, Wendy Makkena e Mary Wickes em Mudança de Hábito

Após o filme, ela ainda atuou em Adoráveis Mulheres (Little Women, 1994) e começou a dublar a gárgula Laverne na animação O Corcunda de Notre Dame (The Hunchback of Notre Dame, 1996), mas faleceu antes do filme ser terminado, e a antiga estrela mirim Jane Withers foi chamada para terminar a dublagem, mas as gravações de Mary Wickes foram mantidas no filme.

Laverne, de O Corcunda de Notre Dame

Em 22 de outubro de 1995 Mary Wickes faleceu aos 85 anos de idade, devido a complicações cirúrgicas. A atriz sofria de diversas doenças, incluindo insuficiência renal, sangramento gastrointestinal, pressão arterial baixa grave, cardiomiopatia isquêmica, anemia e câncer de mama (que nem havia sido diagnosticado até sua morte). 

Mary Wickes nunca se casou, e nem teve filhos, e deixou todo seu patrimônio para o Fundo da Biblioteca Memorial de Televisão, Cinema e Teatro da Isabella e Frank Wickenhauser na Universidade de Washington em St. Louis. E seu acervo pessoal foi doado para a Universidade de Washington, onde ela estudou. 



1 comentário:

  1. Amo, esses filmes vi muitos... sou apaixonada e triste por alguns astros e estrelas se foram!

    ResponderEliminar

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil