Por Onde Anda? O Ator Chistopher Lloyd, de De Volta Para o Futuro


Com uma vasta carreira, que incluiu mais de 200 créditos, Christopher Lloyd talvez seja mais lembrado pelo icônico personagem Dr. Emmet Brown na trilogia De Volta Para o Futuro (Back to the Future), onde encarnou um cientista que inventa uma máquina do tempo ao adaptar um DeLeorean voador em uma engenhosa máquina que permite viajar no tempo.



Christopher Allen Lloyd nasceu em Stamford, Connecticut, em 22 de outubro de 1938. Filho de uma família tradicional norte-americana, ele é descendente dos primeiros imigrantes dos Estados Unidos, e neto de um dos fundadores da Texaco, e sobrinho de Roger Lapham, que foi prefeito da cidade de San Francisco. Seu pai era advogado, e sua mãe era a cantora Ruth Laphan.

Christopher também era irmão do ator Sam Lloyd Sr. (1925-2017).


O jovem Christopher Lloyd

Christopher Lloyd começou a atuar aos 19 anos, trabalhando no teatro, e foi colega de palco da também novata Meryl Streep em produções off Broadway.


Christopher Lloyd e Meryl Streep no teatro, no começo da carreira de ambos

Sua atuação marcante e um rosto peculiar chamou a atenção dos produtores cinematográficos, que o convidaram para estrear no cinema interpretando um dos pacientes internados no hospital psiquiátrico no filme Um Estranho no Ninho (One Flew Over the Cuckoo's Nest, 1975).

Para se preparara para o papel ele se internou por 6 meses em uma clínica, para observar os internos.


Christopher Lloyd em Um Estranho no Ninho

Apesar de ter chamado a atenção por sua atuação no filme, sua carreira cinematográfica demorou a deslanchar, e ele fez apenas pequenos papéis (alguns deles não creditados) em filmes como Outro Homem, Outra Mulher (Un Autre Homme, Une Autre Chance, 1977) e O Pequeno Guerreiro (Three Warriors, 1977). Em 1978 ele ganhou um papel de destaque no filme Com a Corda no Pescoço (Goin' South, 1978), ao lado de Jack Nicholson e de Mary Steenburgen, que anos mais tarde interpretaria sua esposa em De Volta Para o Futuro III.


Jack Nicholson e Christopher Lloyd em Com a Corda no Pescoço

Em 1978 o ator conquistou a televisão ao interpretar Jim Ignatowski na série de comédia Taxi (Idem, 1978-1983), que rendeu dois prêmios Emmy de melhor ator coadjuvante. O sucesso do programa garantiu ao ator melhores papéis no cinema nos anos seguintes.

Lloyd interpretava um taxista hippie, vindo de uma rica e tradicional família americana.


Christopher Lloyd em Taxi

Ele apareceu em A Lenda do Cavaleiro Solitário (The Legend of the Lone Ranger, 1981), Sou ou Não Sou (To be or Not to Be, 1983), Mr. Mom: Dona de Casa Por Acaso (Mr. Mom, 1983), As Aventuras de Buckaroo Banzai (The Adventures of Buckaroo Banzai Across the 8th Dimension, 1984) e viveu o comandante Kruge em Jornada nas Estrelas III: à Procura de Spock (Star Trek III: The Search for Spook, 1984).


Christopher Lloyd em Jornada nas Estrelas III: à Procura de Spock

Aos 47, caracterizado com uma maquiagem e cabelos brancos que davam a impressão de o ator ser mais velho, ele foi consagrado no papel do Doc. Emmet Brow no clássico De Volta Para o Futuro (Back to the Future, 1985), ao lado do ator Michael J. Fox, que vivia o intrépido Marty McFly. O filme fez um enorme sucesso, e se tornou uma das maiores bilheterias daquele ano.


Christopher Lloyd e Michael J. Fox em De Volta Para o Futuro


No mesmo ano ele interpretou o professor Plum no filme Os Sete Suspeitos (Clue, 1985), que era baseado no jogo de tabuleiro Detetive. Seus créditos na época também incluem Um Divórcio Complicado (Miracles, 1988) e Fora de Jogada (Eight Men Out, 1988).


Christopher Lloyd em Os Sete Suspeitos


Em 1988 ele interpretou outro personagem marcante, o malvado juiz Doom em Uma Cilada para Roger Rabbit (Who Framed Roger Rabbit, 1988), um grande sucesso que mesclava animação com atores reais.


Christopher Lloyd em Uma Cilada Para Roger Rabbit


Lloyd ainda atuou em De Médico e Louco Todo Mundo Tem Um Pouco (The Deram team, 1989) e voltou a encarnar o Doutor Emmet Brow em De Volta Para o Futuro II (Back to the Future Part II, 1989), e também fez a parte final da trilogia, De Volta Para o Futuro III (Back to the Future Part III, 1990), no ano seguinte.


Christopher Lloyd, Mary Steenburgen e Michael J. Fox em De Volta Para o Futuro III

Em 1991 ele fez outro grande sucesso cinematográfico, ao interpretar o Tio Fester em A Família Addams (Addams Family, 1991). Ele repetiria o papel em A Família Addams 2 (Addams Family Values, 1993).


Christopher Lloyd em A Família Addams

Como Doc Brow, ele apareceu em live-action (atores de verdade em meio a uma animação) nos desenhos animados De Volta Para o Futuro (Back to the Future, 1991-1993), embora a dublagem do personagem tenha sido feita pelo ator Dan Castellaneta.

Mas Christopher Lloyd fez alguns trabalhos notáveis como dublador em longas de animação como Duck Tales, o Filme: O Tesouro da Lâmpada Perdida (DuckTales the Movie: Treasure of the Lost Lamp, 1990) e o Rasputin em Anastasia (Idem, 1997).

Em 1992 o ator ganhou seu terceiro prêmio Emmy por uma participação na série Road to Avonlea. No ano seguinte interpretou outro papel marcante de sua carreira, o ladrão que ronda a pacata cidade em Dennis, o Pimentinha (Dennis The Menace, 1993).


Christopher Lloyd em Dennis, o Pimentinha 

Atuando bastante na década de 1990, o ator fez diversas produções para a televisão, e apareceu em filmes como Cash: Em Busca do Dólar (Twenty Bucks, 1993), os Anjos Entram em Campo (Angelis in the Outfield, 1994), Férias em Alto Astral (Camp Nowhere, 1994), Assassinatos na Rádio WBN (Radioland Murders, 1994), Pagemaster, o Mestre da Fantasia (The Pagemaster, 1994) e Coisas Para Se fazer em Denver Quando Você Está Morto (Things to Do In Denver When You're Dead, 1995).


Christopher Lloyd e Macaulay Culkin em Pagemaster, o Mestre da Fantasia


Em 1995 o ator voltou a atuar em uma série de televisão, Deadly Games (1995-1997), interpretando o vilão Sebastian Jackal. No cinema, seguiu atuando  em Uma Loira de Verdade (The Real Blonde 1997), O Pequeno Chefe Vermelho (The Ranson of Red Chief, 1998), Alice no País das Maravilhas (Alice in Woonderland, 1999) e Bebês Geniais (Baby Geniuses, 1999).


Christopher Lloyd e Tina Majorino em Alice no País das Maravilhas

Na década de 1990, entretanto, seu último grande papel foi como o marciano Martin em Meu Marciano Favorito (My Favorite Martian, 1999), que era baseada em uma antiga série de televisão, estrelada por Ray Waltson. O filme não atendeu as expectativas de bilheterias, e acabou causando prejuízo ao estúdio.


Christopher Lloyd em Meu Marciano Favorito

Ainda em 1999 ele fez uma participação especial na série Spin City, protagonizada por Michael J. Fox. Ele também fez uma participação especial no filme O Mundo de Andy (Man in the Moon, 1999), cinebiografia de Andy Kaufman, astro da série Taxi, programa em que Lloyd atuou na década de 1970.


Christopher Lloyd e Michael J. Fox em Spin City

Christopher Lloyd em O Mundo de Andy


Mesmo sem nunca ter parado de atuar, sua carreira foi menos marcante nos anos seguintes. Lloyd atuou em diversos filmes feitos diretamente para a televisão, fez trabalhos em dublagens (inclusive para video games) e diversas participações em séries de TV.

Eventualmente, interpretou Emmett Brown em produções que remetiam ao filme De Volta Para o Futuro. O cientista do filme também serviu de inspiração para a animação Ricky and Morty.


Christopher Lloyd dublando episódio de Os Simpsons, que remetia ao seu personagem de Taxi


Christopher Lloyd em The Big Bang Theory




No cinema, apareceu em filmes como Viagem Sem Destino (Interstate 60: Episodes of the Road, 2002), João e o Pé de Feijão (Jack and the Beanstalk, 2009), Piranha (Piranha 3D, 2010), Amor, Felicidade ou Casamento (Love, Wedding, Marriage, 2011), Lições da Vida (Excuse Me For Living, 2012) e Piranha 2 (Piranha 3DD, 2012).

Ele também teve papéis regulares nas séries Clubhouse (2004-2005), Stacked (2005-2006) e Granite Flats (2014-2015).


Christopher Lloyd em Piranha


Em 1999 ele interpretou novamente o Dr. Emmet Brow em Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola (A Million Ways to Die in the West, 1999), retomando o personagem nos tempos em que ele viveu no velho oeste.

No mesmo ano, atuou também em Sin City: A Dama Fatal (Sin City: A Dame to Kill For, 2014).


Christopher Lloyd e Seth MacFarlane em Um Milhão de Maneiras de Pegar na Pistola


Christopher Lloyd em Sin City: A Dama Fatal 



Lloyd ainda pode ser visto no elenco de Despedida em Grande Estilo (Going in Style, 2017), O Som (The Sound, 2017), Limites (Boundaries, 2018) e Anônimo (Nobody, 2021). Em 2020 ele também fez uma participação especial na série NCIS: Investigações Criminais (NCIS: Naval Criminal Investigative Service) e desde 2002 dubla a animação Cyberchase: A Corrida do Espaço (Cyberchase).


Recentemente, ao lado de Josh Gates protagonizou o reality Expedition: Back to the Future (2021), onde buscavam o paradeiro do DeLeorean original de De Volta Para o Futuro para doar para a Fundação Michael J. Fox, que arrecada fundos para a pesquisa contra o Mal de Parkinson. Michael J. Fox, o Marty McFly sofre a anos com a doença, e ao longo dos anos já arrecadou mais de um bilhão de dólares para pesquisas médicas que investigam o tratamento e cura da doença.


Trabalhando intensamente, ele está no elenco de pelo menos 9 produções que devem ser lançadas ainda em 2021.




Chistopher Lloyd e Michael J. Fox em 2021



Christopher Lloyd foi casado cinco vezes, incluindo com a atriz Catherine Boyd, com a atriz Kay Tornobrg e com a produtora e roteirista Jane Walker Wood, e tem um único filho.  Desde 2016 ele é casado com a agente imobiliária Lisa Loicono.

Seu sobrinho, Sam Lloyd também era ator, e ficou conhecido ao interpretar o advogado Ted Buckland na série de TV Scrubs. Ele faleceu em 2020, aos 56 anos de idade.


O ator Sam Lloyd, sobrinho de Christopher Lloyd






Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube
Siga também nosso Instagram


Alec Baldwin mata diretora de fotografia em acidente de filmagem


O ator Alec Baldwin matou acidentalmente a diretora de fotografia Halyana Hutchins, de 42 anos, durante as filmagens do filme Rust. Baldwin disparou a arma cenográfica, que deveria estar carregada com balas de festim, atingindo a profissional e ferindo também o diretor do filme, Joel de Souza, de 48 anos, que foi levado para um hospital de Santa Fé.

O acidente ocorreu por volta das 14 horas, durante as filmagens de Rust, um western independente protagonizado e produzido por Baldwin. Halyana chegou a ser levada de helicóptero para um hospital universitário, mas morreu pouco tempo depois. O diretor Joel de Souza, que já trabalhou com Baldwin anteriormente, está em estado grave.


 Halyana Hutchins

O caso foi registrado como homicídio culposo (sem intenção de matar), e os investigadores estão analisando que tipo de projetil foi usado para causar os ferimentos fatais. Não foram apresentadas acusações contra o ator, que foi visto chorando em frente a delegacia, onde prestou depoimento, e as filmagens foram suspensas.

Esta não foi a primeira vez que uma arma cenográfica causou a morte de um profissional nos set de filmagens. Em 1993 o ator Brandon Lee morreu durante um disparo cenográfico, e em 1984 o jovem ator Jon-Erik Hexum morreu após brincar com a arma de festim, disparando acidentalmente contra a sua própria cabeça.


Alec Baldwin nos bastidores de filmagens de Rust

Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube
Siga também nosso Instagram

Glória Menezes Completa 87 Anos de idade


Uma das mais talentosas atrizes brasileiras, Glória Menezes brilhou nos palcos, cinema e televisão. Estrela do primeiro filme nacional indicado ao Oscar de Melhor filme estrangeiro, ela consagrou-se como uma das damas das telenovelas brasileiras, e seu casamento com o ator Tarcísio Meira, com quem contracenou em diversas ocasiões, foi um dos mais longevos entre os artistas do Brasil, tendo durado quase 6 décadas.




Glória Menezes nasceu em Pelotas, Rio Grande do Sul, em 19 de outubro de 1934. Seu verdadeiro nome é Nicedes, que é uma junção do nome dos seus pais, José Nilo e Mercedes.


Glória Menezes, quando criança

Aos 6 anos de idade ela se mudou com a família para São Paulo, e na capital paulista, anos mais tarde cursou a Escola de Arte Dramática da Universidade de São Paulo. Glória iniciou sua carreira profissional no final da década de 1950, quando montou um grupo de teatro chamado Jovens Independentes.

Em 1959 ela estreou na televisão, atuando na novela Um Lugar Ao Sol (1959), na TV Tupi. Por este trabalho, Glória ganhou o Troféu Imprensa de Atriz Revelação.

Na emissora, ela ainda fez as novelas Há Sempre o Amanhã (1960) e A Estranha Clementine (1962), e também atuou em diversos teleteatros.


Francisco Negrão, Glória Menezes e Marisa Sanchez em um teleteatro da Tupi


Marisa Sanches e Glória Menezes em A Estranha Clementine

Foi também em um teleteatro na Tupi que Glória Menezes conheceu o ator Tarcísio Meira, quando eles contracenaram em Uma Pires Camargo (1961), no Grande Teatro Tupi. O casal já havia conversado meses antes quando Tarcísio havia a encontrado no famoso restaurante Gigetto, e elogiado uma atuação da atriz, e após contracenaram juntos, ele foi ver Glória no teatro, e assim surgiu uma grande amizade, que aos poucos, se tornou amor.

Em 1961, entretanto, Glória deixou a televisão para trabalhar em seu primeiro filme, O Pagador de Promessas (1962), do cineasta Anselmo Duarte. Ela interpretava Rosa, a companheira de Zé do Burro (papel de Leonardo Villar) neste clássico do cinema brasileiro, baseado em um texto de Dias Gomes. Originalmente o papel havia sido oferecido para Odete Lara, que o recusou.


Glória Menezes e Leonardo Villar em O Pagador de Promessas

O filme fez um enorme sucesso, e transformou Glória em uma grande estrela brasileira, reconhecida internacionalmente. O Pagador de Promessas foi indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, e recebeu a Palma de Ouro em Cannes como o melhor filme do ano.

Após retornar da Europa, onde foi promover o filme, e participar de diversos festivais, ela reencontrou Tarcísio, com quem se casou em 1962. Glória havia se separado recentemente de um primo, em um casamento arranjado pela sua família. Desta primeira união, nasceram os filhos João Paulo e Maria Amélia.

Tarcísio Filho, filho do casal, nasceu em 1964.


Tarcísio Meira, o jovem Tarcísio Filho (o Tarcísinho) e Glória Menezes





Em 1963 ela retornou a televisão em grande estilo. Ao lado de Tarcísio, e agora contratada pela TV Excelsior, a atriz estrelou a novela 2-5499 Ocupado (1963), a primeira telenovela diária da história da teledramaturgia brasileira. Esta foi também a primeira novela gravada em videotape.




Glória Menezes e Tarcsío Meira em 2-5499 Ocupado


Na Excelsior, Glória Menezes brilhou em diversas novelas, e também protagonizou A Deusa Vencida (1965), primeira produção a ter uma trilha sonora composta especificamente para a produção.




Na emissora Glória ainda fez Uma Sombra em Minha Vida (1964), Pedra Redonda, 39 (1965), Almas de Pedra (1966), As Minas de Prata (1966), e O Grande Segredo (1967), algumas dela ao lado do marido, já que Tarcísio e Glória haviam se tornado um dos casais mais queridos junto ao público.

Em 1967 Tarcísio e Glória foram para a Rede Globo, onde protagonizaram Sangue e Areia (1967). Na emissora, a atriz também fez Passo dos Ventos (1968) e Rosa Rebelde (1969).


Tarcísio Meira e Glória Menezes em Sangue e Areia


Glória Menezes e Carlos Alberto em Passo dos Ventos



Ainda ao lado de Tarcísio, com quem dividiu grandes momentos de sua carreira, Glória interpretou uma mulher de diversas personalidades em Irmãos Coragem (1970), um dos maiores sucessos da televisão brasileira.



Glória Menezes em Irmãos Coragem


O papel consagrou definitivamente Glória Menezes nas telenovelas, fazendo dela um dos maiores nomes do gênero. Com diversos trabalhos na televisão, ela deixou atuações marcantes como a mulher do povo Ana Preta em Pai Herói (1979), as românticas Jordana de Jogo da Vida (1981) e a Roberta Leone de Guerra dos Sexos (1983), a ambiciosa Teresa de Corpo a Corpo (1984), a brega Rosemere em Brega e Chique (1987), a rica decadente vilã Laurinha Figueiroa de Rainha da Sucata (1990), a divertida Bárbara Bueno de Deus Nos Acuda (1992) e a Marta de Torre de Babel (1998), Zoroastra Marques de O Beijo do Vampiro (2002), a baronesa de Senhora do Destino (2004), a riquíssima Irene Fontini de A Favorita (2008) e a divertida Stelinha Alcântara de Totalmente Demais (2015), sua última  novela.

Em 1988 ela também interpretou a alienígena Ava Becker no seriado cômico Tarcísio & Glória (1988), também ao lado do marido.


Glória Menezes em Rainha da Sucata

Glória Menezes em Totalmente Demais

Abertura de Tarcísio & Glória



No cinema, Glória Menezes reencontrou Leonardo Villar no filme Lampião, o Rei do Cangaço (1963), que também tinha a estrela internacional Vanja Orico. Em seu terceiro filme, contracenou com Tarcísio Meira em A Máscara da Traição (1969) e com ele novamente fez o sucesso Independência Ou Morte (1972), onde interpretou a Marquesa de Santos. O casal ainda faria juntos O Caçador de Esmeraldas (1979).


Glória Menezes e Dionísio Azevedo em Lampião, o Rei do Cangaço


Vanja Orico e Glória Menezes em Lampião, o Rei do Cangaço


Tarcísio Meira e Glória Menezes em Independência ou Morte



Na telona, ela ainda atuou em O Descarte (1973), onde fez par romântico com o cantor Ronnie Von, e atou também em Para Viver um Grande Amor (1984) e Se Eu Fosse Você (2006).



Glória Menezes e Ronnie Vonn em O Descarte


Paulo Goulart e Glória Menezes em Para Viver Um Grande Amor


No teatro, Glória Menezes fez diversos papéis, e foi agraciada com o troféu APCA como Melhor Atriz Revelação por As Feiticeiras de Salém (1960). Ao longo de sua carreira, recebeu diversos prêmios por seus trabalhos em cinema e televisão, tendo inclusive ganho outros três Troféus Imprensa, além de ter recebido diversas outras indicações.



Glória Menezes em As Feiticeiras de Salém

Glória Menezes em Ensina-me A Viver (2011)


Em 2015 ela e Tarcísio Meira foram demitidos da Rede Globo, passando a viver a aposentadoria em um sítio em Porto Feliz, interior de São Paulo. Infelizmente, em 06 de agosto de 2021 ela e o marido foram internados no hospital Albert Einstein, em São Paulo, após serem diagnosticados com Covid-19. O casal precisou ser entubado, e Tarcísio acabou falecendo em 12 de agosto, pondo fim a uma união feliz que durou 59 anos.




Foto de Glória Menezes, tirada por Tarcísio Meira no sítio do casal, poucos dias antes da internação dos dois


Quatro dias depois, Glória Menezes teve alta, deixando o hospital bastante abatida. Pouco tempo antes, o casal havia gravado o especial Os Casais Que Amamos (2020), para o Canal Viva.









Glória Menezes em foto recente, postada após ela deixar o hospital, por sua nora








Veja também: A História de Eva Wilma



Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil