Morre o cantor Carlos Alberto, o "Rei dos Boleros", aos 86 anos de idade


Morreu no dia 07 de julho o cantor mineiro Carlos Alberto, conhecido como "O Rei dos Boleros", aos 86 anos de idade. O artista estava internado na Santa Casa de Juiz de Fora há oito dias, após ter sofrido um AVC.


Seu nome verdadeiro era Nuno Soares, e ele nasceu na cidade mineira de Astolfo Dutra, em 29 de setembro de 1933. Ele começou a cantar aos oito anos de idade, e na década de 60 foi para o Rio de Janeiro, onde despontou artisticamente. A alcunha de "O Rei dos Boleros" foi dada pelo apresentador Chacrinha.

Ele gravou cerca de 800 músicas, para os selos da CBS, Som Livre, Continental, RCA Victor e Cid. E tornou-se o artista que mais gravou boleros no Brasil. Entre seus maiores sucessos estão as canções Sabe Deus, Aquece-Me Esta Noite, Ilumina-me Senhor e Lado a Lado, entre outras.


Carlos Alberto deixa esposa, três filhos, quatro netos e quatro bisnetos.




Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

Chica Xavier e Clementino Kelé completam 64 anos de casados



A atriz Chica Xavier (88 anos) e o ator Clementino Kelé (92 anos) completam 64 anos de casados no dia 07 de julho. Eles estrearam juntos no teatro em 1956, na peça Orfeu da Conceição, de Vinícius de Morais.

No mesmo ano, contraíram matrimônio.



Com uma longa carreira nos palcos, cinema e televisão, o casal tem passado os dias em quarentena, assistindo os trabalhos dos netos, a atriz Luana Xavier e o ator Ernesto Xavier. Sobre a esposa, Kelé se derrete: "Eu sempre digo que não existe Kelé sem Chica. Eu cheguei aos 92 anos porque a maior parte de minha vida passei ao lado dela. Eu devo tudo a esta senhora!" A atriz completa a declaração de amor: "Sempre disse que me perguntam meu nome, eu digo: "Sou Chica Xavier, mas mais do que isto, sou a Chica do Kelé".

O casal tem três filhos, fruto desta linda união. A eles, muita saúde e felicidades!





Curta nossa página no Facebook

Se inscreva no nosso canal do Youtube

Afinal, quem foi a primeira Miss Brasil?

Bebe Lima Castro, Miss Brasil de 1900

Quando Martha Rocha faleceu, em 04 de julho de 2020, muitos jornais noticiaram que ela foi a primeira Miss Brasil. O que gerou algumas dúvidas, com razão, quanto ao pioneirismo de sua coroa.

Tecnicamente Martha Rocha, consagrada em 26 de junho de 1954, é sim a primeira Miss Brasil. Por uma questão de direitos de propriedade, apenas o concurso ainda em vigor é considerado oficial. Mas antes da baiana das duas polegadas há mais, existiram sim no país outros concursos com o mesmo nome, porém em concursos não oficiais.


Os concursos oficiais de Miss Universo começaram em 1952, na cidade de Long Beach (Califórnia), para promover uma marca de maiô. O Brasil só iniciou sua participação em 1954, quando a baiana Martha Rocha, classificou-se em 2º lugar, justificado pelas lendárias “duas polegadas a mais”. Comentário de um dos jurados, ouvido pelo jornalista João Martins da revista O Cruzeiro, que publicou a notícia até hoje comentada.

Existem várias versões do concurso Miss Brasil, porém, o único Miss Brasil realmente é o que elege a representante do país para o Miss Universo.





As Outras Misses

1900

Em 1900 Violeta Lima Castro, mais conhecida como Bebe Lima Castro, tornou-se a "Primeira Miss Brasil". O concurso, entretanto, foi organizado pelo Jorna Rua do Ouvidor, e apenas moças da alta sociedade e residentes no Rio de Janeiro podiam se inscrever.



Nascida em Paris, em 1879, era filha de brasileiros, e foi registrada no consulado do Brasil, na França. Foi atriz e cantora, e chegou a se apresentar para Mussolini. Ela faleceu em 1965.


1865 (!!!)

Alguns historiadores consideram que existiu uma Miss Brasil anterior a Bebê Lima Castro, a também francesa Aymée. O pesquisador Brício de Abreu considerava Aymée a primeira Miss Brasil, eleita em 1865.

Nascida em 1845, ela tinha 19 anos quando veio ao Brasil, onde se tornou uma estrela dos palcos, normalmente apresentado-se em operetas. Logo tornou-se muito popular por aqui.


Em 1865 o jornal Diário do Rio criou uma enquete para eleger qual era a mais linda artista do Rio de Janeiro. Ayme foi eleita pelo voto popular, e Machado de Assis fez uma crônica tecendo elogios a sua beleza. Para muitos, vencer este pleito (onde novamente só participaram concorrentes do Rio de Janeiro), daria o título de primeira Miss Brasil para Aymée.

Incomodando a alta sociedade conservadora, a atriz praticamente foi expulsa do Brasil, para não ser "um mau exemplo para a juventude". Infelizmente, não existem registros da sua morte.


1912

Outro concurso promovido por um jornal Carioca, Gazeta de Notícias, restrito apenas as residentes do então Distrito Federal. O jornal estampava em suas páginas um cupom para ser recortado, e nele podiam ser indicado qualquer nome de jovens cariocas, a que tivesse mais cupons vencia. Na verdade, era apenas uma estratégia para vender mais exemplares do periódico.

A vencedora foi Noêmia Nabuco de Castro. O prêmio era um frasco de perfume.




Uma curiosidade, Nair de Teffé, a primeira caricaturista brasileira (e talvez do mundo), foi uma das finalistas. Em 1913 ela se casaria com o Marechal Hermes da Fonseca, e tornaria-se a primeira primeira dama brasileira.

1923

Primeiro concurso nacional de beleza, que aceitou inscritas de todo o país. Organizado pela Revista da Semana e pelo jornal A Noite, do Rio de Janeiro, ele foi inciado em 1921, e pedia que as concorrentes enviassem fotografias para sua redação. Um juri, formado pelo pintor Batista da Costa, pelo escultor Correia Lima e pelo caricaturista Raul Pederneiras enfim elegeu a paulista Zezé Leone, em 1923.



Nascida em Campinas, Maria José Leone, nasceu em 01 de dezembro de 1902. Na verdade, ela foi eleita a "Mulher Mais Bela do Brasil". Ao contrário de suas antecessoras, não era artista ou da elite, mas sim filha de um alfaiate, radicado na cidade de Santos. Ela já havia vencido um concurso de beleza organizado pela revista santista Flamma, em 1920.

Zezé Leone se tornou uma celebridade brasileira. Fez campanhas publicitárias, foi homenageada com uma locomotiva com seu nome, e foi cantada no foxtrote Vênus, de José Francisco de Freitas, o Freitinhas. E tal como Martha Rocha, ganhou um doce com seu nome, o creme Zezé Leone.



Creme Zezé Leone

Em 1923 ela estrelou o filme Sua Majestade, a Mais Bela do Brasil (1923), realizado pelo estúdio Botelho Filho. Mas a vida artística durou pouco. Em 1924 ela se casou com Lincoln Feliciano da Silva, futuro prefeito de Santos, e deixou os holofotes. Zezé Leone faleceu em 1965.





1929

Organizado pelo jornal carioca A Noite, o concurso foi vencido pela carioca Orla Bergamini de Sá. Didi Caillet, a Miss Paraná, ficou em segundo lugar. Didi gravou discos, e mais tarde tornaria-se uma poetista muito a frente do seu tempo.

A cantora e atriz Laura Suarez disputou com Olga o título de Miss Guanabara. Mais tarde, em 1936, ela se tornaria a primeira pessoa brasileira a aparecer na televisão, nos Estados Unidos. Leia mais sobre Laura Suarez aqui.




Olga Bergamini de Sá viajou para os Estados Unidos, onde disputou o concurso (não oficial) do Miss Universo

1930


Revoltados com a derrota de Olga no Miss Universo do ano anterior, o Brasil resolveu criar o seu próprio Miss Universo, paralelo ao concurso então organizado pela International Pageant of Pulchritude. A gaúcha Yolanda Pereira (1910-2001), não só foi eleita a Miss Brasil daquele ano, como pasmem, também ganhou o título brasileiro de Miss Universo.





Nos Estados Unidos, no outro concurso, Dorothy Dell sagrou-se a vencedora. Ela se tornaria atriz em Hollywood, mas faleceu com apenas 19 anos de idade. Já contamos sua história aqui

1932


Em 1932 não houve concurso de Miss Brasil por aqui. Porém, devido as reclamações dos brasileiros com o concurso de Miss Universo desde 1929, um grupo de jornalistas brasileiros radicados na França (incluindo Brício de Abreu), elegeram, em um restaurante, a Miss Brasil daquele ano. As candidatas eram jovens brasileiras residentes ou de passagem por Paris.

A pianista Yeda Telles de Menezes, filha da cantora Julietta Telles de Menezes, foi a escolhida para representar o Brasil no Miss Universo daquele ano, que foi vencido pela Miss Turquia.


Keriman Halis (Miss Universo de 1932) e Yeda Telles de Menezes 

1939


Devido ao começo da Segunda Guerra Mundial, o antigo Concurso de Miss Universo, que era realizado na cidade de Galveston, Estados Unidos, foi encerrado. Mas o Brasil já havia elegido suas representantes estaduais no ano anterior.  Em um evento realizado no Cassino da Urca, a carioca Vânia Pinto foi eleita a Miss Brasil. Vânia é considerada  a primeira modelo profissional brasileira.





1949

Em 1949 ocorreu o último concurso extra oficial, da chamada "fase jurássica" do Miss Brasil. Foi realizado no Hotel Quitandinha, em Petrópolis, e sagrou a goiana Jussara Marques como campeã.



Maria da Gloria Drummond, a representante de Minas Gerais, mais tarde se casaria com o colunista social Ibrahim Sued.

Jussara Marques (1931-2006) tornou-se uma celebridade brasileira, e gozou do reinado por cinco anos, até a eleição de Martha Rocha, em 1954. Duas cidades foram batizadas com seu nome, Jussara, uma em Goiás (em 1950) e outra no Paraná (em 1952).




Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube


Compositor Enio Morricone morre aos 91 anos de idade



Ennio Morricone, maestro e compositor de trilhas sonoras que marcaram a história do cinema, morreu aos 91 anos, nesta segunda-feira (6), na Itália.
Segundo a agência Reuters, o artista estava internado há alguns dias em uma clínica em Roma após sofrer uma queda e fraturar o fêmur.
Um comunicado divulgado por Giorgio Assuma, advogado e amigo do artista, informa que o maestro italiano morreu "nas primeiras horas de 6 de julho no conforto de sua família". De acordo com a nota, Ennio Morricone "permaneceu lúcido e com grande dignidade até o fim" e "se despediu de sua amada esposa Maria".
Morricone nasceu em 10 de novembro de 1928, em Roma, e começou a compor aos seis anos. Em 1961, aos 33 anos, estreou no cinema com a música de "O Fascista", de Luciano Salce.


Morricone escreveu para outras centenas de filmes, programas de televisão, canções populares e orquestras, mas foi sua amizade com o diretor italiano Sergio Leone que lhe trouxe fama, com partituras para Spaghetti Westerns estrelado por Clint Eastwood na década de 1960.
Entre as mais de 500 trilhas sonoras para cinema e televisão em seu currículo, há composições para filmes como "Três Homens em Conflito", "A Missão", "Era uma Vez na América", "Os intocáveis", "Cinema Paradiso", entre outros.


"A música de 'A Missão' nasceu de uma obrigação. Tinha que escrever um solo oboé, se passava na América do Sul no século XVI, e tinha a obrigação de respeitar o tipo de música do período. Ao mesmo tempo, eu tinha que compor uma música que também representasse os índios da região. Todas as obrigações me prendiam (...) Mas também fizeram com que saísse algo claro", recordou o compositor em uma entrevista à AFP em 2017.
Ao longo da carreira, Ennio ganhou dois Oscars e dezenas de outros prêmios, incluindo Globos de Ouro, Grammys e BAFTAs.
Em 2007, recebeu um Oscar honorário por sua abundante e elogiada carreira musical. Na ocasião, segundo a agência Deutsche Welle, dedicou o prêmio à esposa Maria Travia, com quem era casado desde 1956 e considerava sua melhor crítica. "Ela não tem treinamento formal em música, mas julga meu trabalho como o público o faria. Ela é muito rígida."
Seu último Oscar foi em 2016, melhor trilha sonora original de "Os Oito Odiados", de Quentin Tarantino. Ele primeiro recusou o trabalho, mas depois cedeu, exigindo que Tarantino lhe permitisse uma "ruptura total com o estilo dos filmes ocidentais".
Além de Leone e Tarantino, Ennio também trabalhou com nomes como Roman Polanski, Terrence Malick e os italianos Giuseppe Tornatore e Bernardo Bertolucci.
No início de junho, Morricone foi anunciado o vencedor, ao lado do também compositor John Williams, com o prêmio Princesa das Astúrias das Artes na Espanha. A entrega do prêmio aconteceria em uma cerimônia, em outubro.


Curta nossa página no Facebook

Se inscreva no nosso canal do Youtube

Ator Nick Cordero morre aos 41 anos de idade, vítima do Corona Vírus



Após treze semanas internado devido a complicações do Corona Vírus (Covid-19), o ator Nick Cordeiro faleceu na tarde de 05 de julho, com apenas 41 anos de idade.

Cordeiro estava internado desde o dia 31 de março, e estava em coma há alguns meses, e teve uma perna amputada durante a internação na UTI.

Devido a infecção no pulmão,sua pressão sanguínea começou a cair, fazendo com que seu coração tivesse atividades irregulares, o que afetou sua circulação. 

Os médicos estavam dando anticoagulantes para o ator, mas o tratamento causou sangramento interno do intestino. A medicação foi suspensa devido os efeitos colaterais, o que afetou a circulação de seus membros inferiores, sendo preciso amputar a perna do do ator.



Astro da Broadway, o ator estreou nos palcos em Bullets Over Broadway (2014), baseado no filme Tiros na Broadway, de Woody Allen. Ele foi indicado ao Tony (principal prêmio teatral norte-americano), por sua atuação em Cheech.

No cinema, atuou em filmes como Don Juan (2011), O Comédia (A Stand Up Guy, 2016), Despedida em Grande Estilo (Going in Style, 2017) e Mob Town (2019). Também atuou nas séries Blue Bloods Lei & Ordem: Unidade de Vítimas Especiais (Law & Order: Special Victimis Unit).

Chazz Palminteri e Nick Cordero

Nick Cordero faleceu no mesmo dia que a pandemia do Corona Vírus levou o dramaturgo brasileiro Antônio Bivar e a atriz egípcia Ragaa Al Geddawy.

Ragaa Al Geddawy e Antônio Bivar

Veja os artistas que perderam a batalha contra o Corona Vírus



Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

Morre a Miss Brasil Marta Rocha


A primeira Miss Brasil, Martha Rocha, morreu no sábado (4), em Niterói, na Região Metropolitana do Rio, aos 87 anos. O corpo da baiana nascida em Salvador foi enterrado neste domingo (5), no Cemitério no Santíssimo Sacramento, segundo confirmou um dos três filhos, Álvaro Piano.
A causa da morte, segundo o filho, foi insuficiência respiratória seguida de infarto.

Maria Martha Hacker Rocha foi eleita a primeira Miss Brasil em junho de 1954, em um concurso no Hotel Quitandinha, em Petrópolis, Região Serrana do RJ. Na época, Martha dizia ter 18 anos, mas o filho confirmou à TV Globo que, na verdade, ela tinha 21 e queria parecer mais nova.


Lenda das 'duas polegadas'

No concurso de Miss Universo, no mesmo ano, ficou em segundo lugar, atrás da norte-americana Miriam Stevenson. Na época, o que se disse foi que ela só perdeu o título por "duas polegadas" na largura do quadril, fato que ela mesmo nunca confirmou.
"Não foi por duas polegadas, não... Mas vamos deixar como se fosse", disse em uma entrevista.
Outra história que justificaria a perda para americana é a de que, no ano em que Martha Rocha participou, havia uma espécie de "compensação" a ser feita, favorecendo a candidata que representasse os Estados Unidos na ocasião.

Martha Rocha chegou a receber convites para atuar em Hollywood, mas os projetos nunca se concretizaram.

Jeff Chandler, Martha Rocha e Tony Curtis

 Em compensação, de volta ao Brasil, gravou marchinhas de carnaval e chegou a ser homenageada com uma torta que leva seu nome.


Em 1995, teria perdido todo seu dinheiro para o cunhado. Em 2019, ela postou em uma rede social: "Em 1995, com a fuga de Jorge Piano com todo o meu dinheiro, superei meus problemas com suporte de meus dois filhos, duas amigas e o meu trabalho honrado, vendendo os quadros pintados por mim, e ganhando cachê para divulgar o concurso Miss Brasil."
Também pelas redes sociais, Martha disse que, por questões financeiras, estava vivendo num lar de idosos em Volta Redonda, no Sul Fluminense.



Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

Orangey, o gato ator, astro de Bonequinha de Luxo


Imagine estrear em Hollywood como protagonista e ao longo da carreira atuar em diversas produções ao lado de nomes consagrados como Audrey Hepburn, Jerry Lewis, Leonard Nimoy, Ray Milland, Boris Karloff, Shirley MacLaine, Anthony Perkins, Mary Tyler Moore, Shirley Temple e Vincent Price. Além disto, ser dirigido por Alfred Hitchcock, George Stevens, Blake Edwards, Norman Taurog e Gene Kelly. Também ser do elenco fixo de três séries de TV, além de ser astro convidados de séries famosas como A Feiticeira (Bewitched), Missão Impossível (Mission: Impossible) e Batman. Pois este currículo invejável por qualquer artista pertence a Orangey, o gato ator mais famoso de Hollywood.


Orangey, o gato ator de Hollywood ficou eternizado por interpretar o gato sem nome de Audrey Hepburn no clássico Bonequinha de Luxo (Breakfast at Tiffany's, 1961). E quem assistiu ao filme provavelmente se emocionou com a cena final, onde Audrey reencontra o bichinho que havia abandonado, debaixo da chuva, embalada pela canção Moon River.


Em 17 anos de carreira, este gatinho talentoso atuou em cerca de 20 produções. Adestrado pelo tratador Arnold Ziffel, o gato laranja (Orange, em inglês significa laranja), estreou no cinema no filme Um Gato em Minha Vida (Rhubarb, 1951). O gato artista era o protagonista deste filme, interpretando o mascote de um time de basebol. O filme fez tanto sucesso, que chegou a virar uma série de histórias em quadrinhos, e Orangey muitas vezes passou a ser creditado como Rhubarb, nome de seu personagem.


Por este filme também ganhou o Patsy Award, uma espécie de Oscar para os animais artistas, que era oferecido pela Hollywood American Humane Association, e colocou suas patas em uma calçada da fama dos vencedores.



Após sua estreia no cinema, passou interpretar Minerva, o animal de estimação de Eve Arden na série Our Miss Brook (1953-1955). 

Sua carreira de artista seguia em ascensão, ele trabalhou com Alfred Hitchcock em dóis episódios de sua serie televisiva, e em 1957 interpretou o gato que persegue Grant Williams no clássico de ficção cientifica O Incrível Homem que Encolheu (The Incridible Shrinking Man, 1957). 

Orangey em O Incrível Homem que Encolheu

Ele interpretou o bichano do jovem Anthony Perkins em A Mercadora da Felicidade (The Matchmaker, 1958), e o amigo das horas difíceis de Anne Frank em O Diário de Anne Frank (The Diary of Anne Frank, 1959). Também interpretou um dos animais com quem o alienígena interpretado por Jerry Lewis, no filme Rabo de Foguete (Visit to a Small Planet, 1960), conseguia se comunicar.

Orangey em O Diário de Anne Frank 

Em 1961 fez seu papel mais famoso, o palerma sem nome de Bonequinha de Luxo (Breakfast at Tiffany's, 1961). Por este papel, ganhou seu segundo Patsy Award.


No ano seguinte interpretou o gato de Jackie Gleason no tocante Gigot (1962), dirigido por Gene Kelly. E chamado de Rhubarb, teve seu nome nos créditos iniciais do terror Farsa Trágica (The Comedy of Terrors, 1963), dividindo a abertura com astros como Vincent Price, Boris Karloff, Peter Lorre e Basil Rathbone.

Orangey (creditado como Rhubarb), em Farsa Trágica

Seu último papel no cinema foi no trash A Cidade dos Gigantes (Village of the Giants, 1965). Mas Orangey continuou brilhando como ator, desta vez na televisão. Ele atuou em Meu Marciano Favorito (My Favorite Martian, entre 1963 a 1964) e foi o mascote da Família Buscapé (The Beverly Hillbillies, entre 1963 a 1966). Também apareceu como astro convidado em séries famosas como A Feiticeira (Bewitched), Missão Impossível (Mission: Impossible). Seu último trabalho como ator foi na série Batman e Robin (Batman), interpretando o bichinho de estimação da Mulher Gato (interpretada por Eartha Kitt), em 1968.

Orangey, em A Feiticeira

Infelizmente seu criador, Arnold Ziffel (o mesmo que adestrou o cãozinho Benji), não registrou sua data de nascimento, nem quando Orangey faleceu. Mas considerando que a média de vida de um gato é de 16 anos, e ele atuou 17 anos em frente as câmeras (entre 1951 a 1968), acredita-se que ele tenha falecido logo após aparecer na série Batman e Robin.

Orangey em Batman

Filmografia de Orangey:

Um Gato em Minha Vida (Rhubarb, 1951). Cinema;
Our Miss Brook (1953-1955). TV;
Guerra Entre Planetas (This Island Earth, 1955). Cinema;
O Incrível Homem que Encolheu (The Incridible Shrinking Man, 1957). Cinema;
Alfred Hitchcok Presents. Episódios: The Older Sisters (1956) e Miss Paisley's Cat (1957). TV;
Shirley Temple's Storybook. Episódio: Dick Whittington and His Cat (1958). TV;
A Mercadora da Felicidade (The Matchmaker, 1958). Cinema;
O Diário de Anne Frank (The Diary of Anne Frank, 1959). Cinema;
Rabo de Foguete (Visit to a Small Planet, 1960). Cinema;

Orangey em Rabo de Foguete

Bonequinha de Luxo (Breakfast at Tiffany's, 1961). Cinema;
The Dick Van Dyke Show. Episódio: Where Tou Been, Fassbinder? (1962). TV;
Gigot (Idem, 1962). Cinema;
Farsa Trágica (The Comedy of Terrors, 1963). Cinema;
Meu Marciano Favorito (My Favorite Martian,1963-1964). TV;
Quinta Dimensão (The Outer Limits). Episódio: Soldier (1964). TV;
A Cidade dos Gigantes (Village of the Giants, 1965). Cinema;
Família Buscapé (The Beverly Hillbillies, 1963-1966). TV;
A Feiticeira (Bewitched). Episódio: The Catnapper (1966). TV;
Missão Impossível (Mission: Impossible). Episódio (The Seal, 1966). TV;
Batman e Robin (Batman). Episódios: The Funny Feline Felonies (1967) e The Joke's on Catwoman (1968). TV.

Veja algumas das melhores atuações de Orangey no cinema


Off Topic, para os bacanudos de bom coração
😻😻😻

Pessoal, peço licença aqui para pedir uma ajuda. Há muitos anos minha irmã faz um trabalho maravilhoso resgatando animais de rua, principalmente gatos. Ela não tem uma ONG e nem recebe nenhum tipo de verba para isto, pagando do seu próprio bolso. Há alguns anos ela resgatou uma gatinha, a Corujinha, que nunca foi adotada, e acabou tornando-se um membro querido de sua família. Esta gatinha agora está com PIF, uma doença rara, e o remédio importado custa muito caro. Pode parecer muito dinheiro para salvar um animal, alguns dirão, mas qual o preço do amor?

Pra poder dar mais alguns anos de vida para a Corujinha, ela criou uma Vakinha on-line, para arrecadas dinheiro para o tratamento. Abaixo vou deixar o link para quem quiser, e puder ajudar. Também deixou aqui o link para a página Reino Gato, onde é possível conferir mais do trabalho de minha irmã: Acesse Reino Gato.


A Vakina online pode ser acessada aqui. Eu sei que as coisas estão difíceis para todos, mas quem puder ajudar, eu agradeço imensamente. Se não tiver condições de ajudar financeiramente, ajude divulgado esta matéria ou o link da Vakinha? Dá pra fazer o bem sem gastar nenhum centavo também.

Gratidão a todos, e dias melhores para todos nós.🐈

Esta matéria foi escrita no dia 05 de julho, dia do nascimento de São Francisco de Assis.

Bora ajudar essa lindona?


Leia também:  O cãozinho Benji
Leia também:  Balto, o cão herói que virou ator
Leia também:  O centenário do Gato Felix

Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil