Por Onde Anda? Millie Perkins, de O Diário de Anne Frank


Millie Perkins estreou no cinema em grande estilo, como a protagonista de O Diário de Anne Frank (The Diary of Anne Frank, 1959), um clássico do cinema sobre a tragédia real da menina judia Anne Frank, morta em um campo de concentração nazista.

Mas apesar de ter conquistado o cobiçado papel, não conseguiu manter uma carreira de estrela em Hollywood.



Mildred Frances Perkins nasceu em Newark, New Jersey, em 12 de maio de 1936. Millie Perkins começou a trabalhar como recepcionista de uma agência de publicidade em Nova York, e acabou sendo convidada para trabalhar como modelo na agência.

Ela apareceu em diversas capas de revistas, e foi assim que foi vista pelo diretor George Stevens, que procurava uma atriz para estrelar  O Diário de Anne Frank (The Diary of Anne Frank, 1959), que estava sendo produzido desde 1957, quando Otto Frank (o pai de Anne) havia vendido os direitos do diário de sua filha para o cinema.


Millie Perkins como modelo


Stevens já havia testado muitas atrizes, como Natalie Wood e a israelense Alan Eden, mas Otto Frank queria Audrey Hepburn para o papel. Porém, Audrey recusou, alegando que morava na Holanda na época da Segunda Guerra Mundial, e viu muitas pessoas sendo executadas ou levada para os trens que levavam aos Campos de Concentração, e isto lhe traria lembranças dolorosas e traumáticas.


Millie também não queria o papel, pois não tinha nenhuma experiência em atuação. Além disto, ela tinha 23 anos na época, e achava que estava muito velha para interpretar uma menina de 16 anos. Mas George Stevens insistiu muito, até convencê-la a voar para Hollywood.


Millie Perkins em O Diário de Anne Frank

O filme foi muito elogiado pela crítica, que também enalteceu o trabalho de Perkins. Indicado a 8 Oscars, ele venceu três, incluindo Melhor Atriz Coadjuvante para Shelley Winters, que doou o prêmio para Otto Frank, e ele até hoje permanece exposto no Museu Anne Frank em Amsterdã. 

O Diário de Anne Frank também ganhou a Palma de Ouro em Cannes.

O sistema dos grandes estúdios estava chegando ao fim, mas mesmo assim a Fox contratou Millie Perkins e queria promovê-la a uma grande estrela. Mas a atriz recusou o papel que lhe foi oferecido em Surpresas do Destino (Tess of the Storm Country, 1960), e a recusa não foi bem vista, fazendo com que o estúdio a punisse.

A Fox a colocou para fazer uma participação na série de TV Caravana (Wagon Train), como castigo, no ano de 1961. No mesmo ano, ela coadjuvou Elvis Presley em Coração Rebelde (Wild in the Country, 1961).


Millie Perkins e Elvis Presley em Coração Rebelde

Em baixa em Hollywood, ela foi para à Espanha, onde filmou Dulcinea (1962), filme sobre a musa de Don Quixote. De volta aos Estados Unidos, Joshua Logan a selecionou pessoalmente para ser a protagonista de O Barco do Desespero (Ensign Pulver, 1964), mas o filme foi um grande fracasso. Ela ficaria duas décadas sem atuar em outro grande sucesso de bilheteria.

Millie então fez dois westerns estrelados por Jack Nicholson, O Tiro Certo (The Shooting, 1966) e A Vingança de Um Pistoleiro (Ride in the Whirlwind, 1966) e atuou em Violência nas Ruas (Wild in the Streets, 1968), cujo roteiro foi escrito pelo seu marido, Robert Thom (com quem ela se casou em 1964).


Millie Perkins e Jack Nicholson em Tiro Certo

Perkins e Thom ficaram casados até 1970, e tiveram dois filhos. Ela já havia sido casada anteriormente, com o ex ator mirim Dean Stockwell, entre 1960 e 1962.


Millie Perkins e Dean Stockwell

Após algumas aparições esporádicas na TV, ela só voltaria ao cinema alguns anos depois, quando atuou em Galo de Briga (Cockfighter, 1974). Ela ainda fez alguns filmes de baixo orçamento na década de 1970, como Lady Cocoa (1975), Alias Big Cherry (1975) e o terror A Bruxa que Veio do Mar (The Witch Who Came From Sea, 1976), e depois desapareceu das telas.


Millie Perkins em A Bruxa Que Veio do Mar

Em 1979 em uma sessão de perguntas da revista Variety, um leitor escreveu perguntando "por onde anda Millie Perkins?", e o crítico de cinema Dick Kleiner respondeu "Millie Perkins morreu recentemente".

Foi a própria Millie quem escreveu para a revista, dizendo que estava viva, morando no Oregon, onde dava aulas de atuação para o ensino médio. Kleiner pediu desculpas, mas na nota ainda escreveu "quase todos em Hollywood acreditavam que Perkins havia morrido".

Em 1981 ela retornou a Hollywood, atuando no telefilme A Gun in The House (1982). Nesta época, ela também estava dando aulas em uma universidade no Oregon, mas voltou as telas atuando em filmes e na TV, normalmente fazendo papéis de mães.

Millie Perkins foi a esposa de Jon Voight em Com Amor e Ternura (Table for Five, 1983), seu retorno as telas de cinema. Ela também foi a mãe de Sean Penn em Caminhos Violentos (At Close Range, 1986), a mãe de Charlie Sheen em Wall Street: Poder e Cobiça (Wall Street, 1987), uma mãe judia desamparada em O Segredo (The Chamber, 1996) e a mãe de Andy Garcia em A Cidade Perdida (Lost City, 2005).


Millie Perkins em Wall Street: Poder e Cobiça 

No cinema, ela ainda atuou em alguns telefilmes, e fez os filmes Dançando com o Perigo (Slam Dance, 1987), Um Toque de Sedução (Two Moon Junction, 1988), Necronomicon - O Livro Proibido dos Mortos (Necronomicon, 1993) e  O Assassino (Bodily Harm, 1995).

Ela também apareceu em algumas séries de TV, e foi a mãe de Elvis Presley, Gladys, na minissérie Elvis (Idem, 1990).


Millie Perkins em Elvis


Millie Perkins em Necronomicon - O Livro Proibido dos Mortos

Millie Perkins se aposentou definitivamente após atuar na novela The Young and the Restless, em 2006.


Millie Perkins e George Stevens Jr. em 2019, na celebração dos 50 anos de O Diário de Anne Frank


Millie Perkins atualmente




Leia também:  Sal Mineo, o doce rebelde
Veja também: Tributo a Rita Moreno


Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube
Siga também nosso Instagram


0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil