Ann-Margret completa 81 anos de idade

3

Uma das mais belas atrizes da história do cinema, Ann-margret surgiu na vida artística como cantora, lançada como uma versão feminina de Elvis Presley, com quem ela contracenaria pouco tempo depois. A artista provou seu talento ao longo dos anos, o que lhe permitiu uma carreira bem sucedida de mais de seis décadas.



 

Ann-Margret Olsson nasceu em Estocolmo, Suécia, em 28 de abril de 1941. Seus pais migraram para os Estados Unidos em 1946, e em 1949 ela se naturalizou americana. Ainda na infância, ela teve aulas de dança, e começou a aparecer em alguns programas de televisão, mas ela teve que deixar a carreira após a morte do pai, para ajudar a mãe nas despesas domésticas. 

Margret arrumou um empregou em uma funerária, mas também voltou a se apresentar como dançarinas em boates, onde também começou a cantar. E durante uma viagem a trabalho à Las Vegas, ela foi assistida pelo comediante George Burns, que a contratou para fazer parte de seu show de férias.


Ann-Margret e George Burns


Em 1961  Ann-Margret gravou seu primeiro disco pela RCA Victor, e tinha como cantores de apoio os mesmos que cantavam com Elvis Presley. O estúdio tentou capitalizar com a comparação de "Elvis Feminino", e fez ela gravar Heartbreak Hotel.



Seus álbuns seguintes fizeram muito sucesso, e tiveram canções nas paradas de sucesso da Billboard. E em 1962 ela cantou a canção tema de Solteiro no Paraíso (Bachelor in Paradise, 1961), que havia sido indicada a melhor canção.

Ainda em 1962, ela foi indicada ao Grammy de melhor artista revelação.

Seu sucesso meteórico chamou a atenção de Hollywood, e logo ela foi chamada para fazer um teste na Fox, e acabou recebendo um contrato de sete anos. Mas sua estreia no cinema foi como atriz emprestada para a United Artists, onde ela atuou no remake de Dama Por Um Dia (Pocketful of Miracles, 1961), estrelado por Bette Davis.

No filme, ela ainda aparecia com os cabelos castanhos escuros, naturais de nascença. E foi o lendário cabeleireiro Sydney Guilaroff quem sugeriu que ela adotasse o visual ruivo, que virou sua marca registrada. Anos antes, Sydney havia transformado também os cabelos de Lucille Ball em ruivos.


Ann-Margret e Bette Davis em Dama Por Um Dia


Seu primeiro filme rendeu a atriz o Globo de Ouro de artista revelação.

Em seguida, ao lado de Pat Poone e Bobby Darin, ela estrelou outro remake, Feira de Ilusões (State Fair, 1962). Originalmente ela interpretaria a mocinha, mas os produtores acharam que ela era sedutora de mais para viver uma moça boazinha, e a colocaram no papel da bad girl Emily. O filme fez sucesso, e consagrou Ann como atriz.


Ann-Margret e Pat Boone em Feira de Ilusões

Mas o estrelato veio com Adeus, Amor (Bye Bye Bird, 1963), um estrondoso sucesso que a levou para a capa da revista Life e valeu um convite para cantar parabéns ao presidente John Kennedy, um ano depois da famosa apresentação de Marilyn Monroe

Ann também acabou convidada do famoso desenho Os Flintstones.


Ann-Margret em Adeus, Amor






Ann-Margret e Bobby Rydell no cartaz de Adeus, Amor



Ann-Margret em Os Flintstones



Foi então que ela se juntou a Elvis Presley em Amor a Toda Velocidade (Viva Las Vegas, 1964). E foi ela quem apresentou ao rei do rock o coreógrafo David Winters, que viria a trabalhar com o artista em diversos outros filmes.

Ann-Margret e Elvis Presley gravaram algumas canções juntas, mas estas só foram lançadas comercialmente após a morte do cantor, pois seu empresário, Tom Parker, temia que a cantora pudesse ofuscar o rei.



Ann-Margret e Elvis Presley em Amor a Toda Velocidade






Ann então atuou em Anjo do Diabo (Kitten With a Whip, 1965), Em Busca do Prazer (The Pleasure  Seekers, 1965), Na Voragem do Amor (Bus Riley's Back in Town, 1965) e A Marca de Um Erro (Once a Thief, 1965). Neste último, ela contracenou com o ator Roger Smith, com quem ela se casou em 1967.
Margret e Smith ficaram juntos até a morte dele, em 2017, e ele se tornou seu empresário.



Alain Delon e Ann-Margret em A Marca de Um Erro


Casamento de Ann-Margret e Roger Smith


Ao lado de Steve McQueen a atriz fez A Mesa do Diabo (The Cincinnati Kid, 1966), e também atuou em Feita em Paris (Made in Paris, 1966), A Última Diligência (Stagecoach, 1966) e A Falsa Libertina (The Swinger, 1966). E com seu amigo Dean Martin fez a comédia Matt Helm Contra o Mundo do Crime (Murderers' Row, 1966).



Ann-Margret e Steve McQueen em A Mesa do Diabo


Dean martin e Ann-Margret em Matt Helm Contra o Mundo do Crime


Em 1965 ela fez uma turnê se apresentando para os soldados americanos que estavam na Guerra do Vietnã, e em 1967 fez o primeiro de seus muitos shows em Las Vegas. Elvis Presley foi assisti-la em todas as apresentações, durante cinco semanas. E até a sua morte, sempre enviava um buquê de flores para Ann-Margret cada vez que ela estreava um novo show.

Curiosamente, após o show em Vegas, sua carreira em Hollywood estagnou. Sem novos convites, ela foi para à Europa para trabalhar no cinema, atuando em O Tigre e Gatinha (Il Tigre, 1967) e O Profeta (Il Profeta, 1968), filmes italianos, onde ela contracenava com Victorio Gassman. Ainda na Itália ela fez 7 Uomini e un Cervello (1968), com Rossano Brazzi e Lando Buzzanca.




De volta aos Estados Unidos, atuou em um episódio de Here's Lucy, em 1970. Ann-Margret também fez os filmes R.P.M.: Revoluções Por Minuto (R.P.M., 1970) e C.C. & Cia (C.C. & Comapny, 1970).


Ann-Margret, Lucille Ball e Desi Arnaz Jr. em Here's Lucy


Sua carreira estava em baixa, mas o diretor Mike Nichols a convidou para interpretar uma mulher com um namorado abusador (vivido por Jack Nicholson) no filme Ânsia de Amar (Carnal Knowledge, 1971). Margaret finalmente pode provar que era mais do que apenas uma mulher bonita nas telas de cinema, e seu desempenho lhe rendeu uma indicação ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante, e também deu a atriz um Globo de Ouro, na mesma categoria.



Ann-Margret e Jack Nicholson em Ânsia de Amar



Depois ela atuou no francês Os Gângsters Não Esquecem (Un Homme Est Mort, 1972) e no western Chacais do Oeste (The Train Robbers, 1973), ao lado do veterano John Wayne

O filme foi rodado no México, e o elenco estava nas locações quando Margret concorria ao Oscar. Ela não conseguiu um voo para poder ir a Los Angeles assistir a cerimônia, e Wayne emprestou seu avião particular para que ela não perdesse o evento.


John Wayne e Ann-Margret em Chacais do Oeste


Ainda em 1972, enquanto fazia um show,, ela caiu de uma plataforma elevada do palco, ficando gravemente ferida. Ann quebrou um braço, e vários ossos do seu rosto, tendo que ser submetida a uma cirurgia reconstrutiva da mandíbula. O acidente a obrigou a se afastar por um tempo.


Seu retorno ao cinema ocorreu no musical anti-guerra Tommy (Idem, 1975), que lhe valeu sua segunda indicação ao Oscar.


Ann-Margret e Roger Daltrey em Tommy



Na década de 1970 ela ainda atuou em Vidas em Jogo (Folies Bourgeoises, 1976), Inocente Sedutor (Joseph Andrews, 1977), A Mais Louca das Aventuras de Beau Geste (The Last Remake of Beau Geste, 1977), O Detetive Desastrado (The Cheap Detective, 1978), Um Passe de Mágica (Magic, 1978) e Cactus Jack, O Vilão (The Villian, 1979).


Em 1978 Allan Carr queria que Ann-Margret fizesse o papel de Sandy Dumbrowski no filme Grease - Nos Tempos da Brilhantina (Grease, 1978). Mas então com 37 anos de idade, Ann achou que estava muito velha para o papel, que acabou sendo feito por Olivia Newton-John. A personagem foi rebatizada de Sandy Olsson (sobrenome de Margret), em sua homenagem.


Kirk Douglas, Ann-Margret e Arnold Schwarzenegger em Cackuts Jack, O Vilão


Em 1982 ela estrelou Sonhando com a Fama (I Ought to Be in Picutres, 1982), baseado em uma peça de Neil Simon. Na década de 1980, a atriz atuou em muitos filmes feitos para a televisão, tendo inclusive vivido Blanche Dubois em uma versão de Um Bonde Chamado Desejo feita para a TV, em 1984.





Neste período, também constam em seus créditos os filmes O Retorno do Soldado (The Return of the Soldier, 1982),  Nenhum Passo Em Falso (52 Pick-Up, 1986), Até que a Vida Nos Separe (A New Life, 1988).

Ela também atuou em Lookin' to Get Out, filmado em 1980 mas lançado somente em 1982. Ela interpretava a esposa de Jon Voight, e mãe de Angelina Jolie, então com 5 anos de idade, em sua estreia no cinema.


Ann-Margret e Angelina Jolie em Lookin' to Get Out


Em 1983 a atriz foi indicada ao Emmy por seu trabalho em Minha Vida Por Meus Filhos (Who Will Love My Children?, 1983), mas perdeu para a veterana Barbara Stanwick, que venceu por Os Pássaros Feridos (The Torn Birds). Em seu discurso, Stanwyck pediu desculpas a Margret, dizendo que ela estava soberba, e havia feito uma das melhores atuações que já tinha visto em sua vida.

E em 1987 ela foi novamente indicada ao Emmy por seu papel em O Crime do Século (The Two Mrs. Grenvilles, 1987), onde contracenou com outra veterana, Claudette Colbert, em seu último trabalho como atriz.



Claudette Colbert e Ann-Margret em O Crime do Século


Com Julie Andrews fez o sensível Nossos Filhos (Our Sons, 1991), onde as atrizes interpretavam mães cujos filhos estão morrendo de AIDS. E com o jovem Christian Bale fez o infantil da Disney Extra! Extra! (Newsies, 1992).



Ann-Margret e Christian Bale em Extra! Extra!


Em 1994 ela interpretou a prostituta Belle Watling na minissérie Scarlet (Idem, 1994), que uma espécie de continuação de ...E O Vento Levou (... Gone With The Wind, 1939). O papel originalmente havia sido interpretado por Ona Munson.



Timothy Dalton e Ann-Margret em Scarlet


Ao lado de Walther Matthau e Jack Lemmon, ela atuou na comédia de sucesso Dois Velhos Rabugentos (Grumpy Old Men, 1993), interpretando a bela vizinha disputada pelos rivais. Ela repetiria o papel na sequência, Dois Velhos Mais Rabugentos (Grumpier Old Men, 1995), que agora também contava com Sophia Loren no elenco.





Oliver Stone a dirigiu em Um Domingo Qualquer (Any Given Sunday, 1999). Depois atuou em Viagem Sem Destino (Interstate 60: Episodes of the Road, 2002), e Táxi (Taxi, 2004), estrelado pela modelo brasileira Gisele Bündchen.

No mesmo ano, gravou um novo disco, após muito tempo sem lançar um novo álbum.


Ann-Margret em Táxi


Ann-Margret atuou também em Separados Pelo Casamento (The Break-Up, 2006), Meu Papai é Noel 3 (The Santa Clause 3: The Escape Clause, 2006), Tesouro Perdido (The Loss of a Teardrop Diamond, 2008), Um Amor ao Acaso (All's Faire in Love, 2009), Surpresa em Dobro (Old Dogs, 2009) e Despedida em Grande Estilo (Going in Style, 2017).



Ann-Margret em Despedida em Grande Estilo


Em 2010 ela também atuou na série Lei & Ordem: Unidade de Vítimas Especiais (Law & Order: Special Victims Unit), que lhe rendeu seu primeiro prêmio Emmy, após seis indicações ao longo de sua carreira. Ann-Margret foi aclamada quando subiu ao palco.

Em 2018 ela fez participações na série O Método Kominsky (The Kominsky Method) e em 2019 esteve em Feliz! (Happy). Seu último filme, até o momento, foi Queen Bees (2021).


Alan Arkin e Ann-Margret em O Método Kominsky


Jane Curtin, Loretta Devine, Ann-Margret e Ellen Busrtyn em Queen Bees


Ann-Margret atualmente




0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil