Alicia Rhett, de ...E o Vento Levou, a atriz que trocou as telas de cinema pelas telas pintadas



O clássico ...E o Vento Levou (...Gone With the Wind, 1939) marcou gerações de espectadores, tornando-se um dos filmes mais famosos da história do cinema. Estrelado por Vivien Leigh e Clark Gable, o filme garantiu a praticamente todos os atores de seu elenco um destaque que os fez brilhar no firmamento de Hollywood, como é o caso de Alicia Rhett, que interpretou India Wilkes,a  irmã de Ashley (papel de Leslie Howard).



Mary Alice Rhett nasceu em Savannah, Georgia, em 01 de fevereiro de 1915. Alicia nasceu em uma tradicional família sulista norte-americana, formada por políticos e militares influentes. Seu avó, por exemplo, era o Coronel Alfred Moore Rhett, comandante da 1ª Artilharia da Carolina do Sul durante a maior parte da Guerra Civil, conflito retratado em ...E o Vento Levou.

A escritora Margareth Mitchell, autora de ...E o Vento Levou, batizou seu protagonista como Rhett Butler em referência a proeminente família Rhett, que desde os tempos coloniais ocupava uma posição de destaque no sul dos Estados Unidos.

Alicia teve uma educação refinada, e começou a atuar nos palcos de Charleston, onde conquistou destaque teatral. Em 1936, quando foi atuava na peça The Recruiting Officer, ela foi vista pelo diretor George Cuckor, que ficou impressionado com sua beleza e talento.


Alicia Rhett no teatro


Cuckor foi o primeiro diretor de ...E o Vento Levou, mas acabou demitido durante a produção. Ele achou que Alicia era a atriz perfeita para viver Scarlet O'Hara, já que era uma verdadeira dama sulista, conhecedora dos trejeitos e maneiras da região.

Mas o estúdio na época não acatou a sugestão, e testou praticamente todas as atrizes já contratadas de Hollywood, de Lana Turner a Katharine Hepburn, e Paulette Goddard até então era a favorita ao posto, já tendo filmado quase todo o filme em testes de câmera.

Para agradar Cuckor, Alicia acabou sendo testada para o papel de Melanie Hamilton, que acabou ficando com Olivia de Havilland. Rhett, como prêmio de compensação, acabou ficando com o papel da cunhada de Melanie, India Wilkes.



Apesar de aparecer pouco no filme, sua presença é marcante, já que Alicia é uma grande inimiga de Scarlet, devido a protagonista ter lhe roubado o noivo, Charles Hamilton. India Wilkes é uma das personagens que externa seu ódio e desprezo contra Scarlet.


Vivien Leigh e Alicia Rhett


Nos intervalos de filmagens, Alicia Rhett costumava pintar retratos de seus colegas de elenco. Ela era uma exímia artista, especializada em retratos, e eternizou todo o elenco em telas durante o longo período de produção e filmagem.


Alicia Rhett desenhando as atrizes Evelyn Keyes e Ann Rutheford (as irmãs de Scarlett), no intervalo de filmagens


Retrato do ator Fred Crane feito por Alicia Rhett


Após o grande sucesso do filme, a atriz recebeu outros convites para o cinema, mas achou que nenhum papel era adequado, e acabou abandonando o cinema. Ela retornou à Carolina do Sul, onde trabalhou como treinadora de sotaque sulista para aspirantes a atores e foi locutora de uma rádio local.

Mas foi como pintora que ela se destacou nos anos seguintes, ela começou pintando retratos de militares norte-americanos, mas logo passou a ser uma requisitada retratista da elite de Charleston. Ela inclusive pintou o retrato da jovem Alexandra Ripley, quando ela tinha 19 anos de idade. Alexandra mais tarde escreveria o romance Scarlett, uma espécie de continuação não autorizada de ...E o Vento Levou, que virou uma mini série em 1994.







Alicia pintou diversos retratos e também trabalhou como ilustradora de livros nos anos seguintes, e nunca mais retornou ao cinema.

Ela morreu em uma casa de repouso em Charleston, em 03 de janeiro de 2014, poucos dias antes de completar 99 anos de idade. Na época, ela era então a pessoa mais velha do elenco de ...E o Vento Levou ainda viva, sendo 17 meses mais velha que Olivia de Havilland.





0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil