Relembrando a breve e triste Margot Kidder, a eterna Lois Lane


Margot Kidder ficou famosa como a intrépida jornalista Lois Lane no grande sucesso Superman: O Filme (Superman, 1978), ao lado de Christopher Reeve. Tal como Reeve, que ficou paraplégico em um acidente em uma competição de montaria, Kidder também teve uma vida cheia de problemas de saúde (e mentais) e morreu tragicamente, aos 69 anos de idade.






Margaret Ruth Kidder nasceu no Canadá, em 17 de outubro de 1948. Ela tinha outros quatro irmãos, incluindo a também atriz Annie Kidder.

Margot foi criada em uma cidade pequena, que nem tinha cinema. Mas aos 12 anos de idade, durante a uma viagem a Nova York, sua mãe a levou para assistir Adeus, Amor (Bye Bye, Bird, 1963), e a menina ficou fascinada, e decidiu ali que queria atuar nos filmes.

Mais tarde, ela descobriu na atuação também uma forma de lidar com seus problemas mentais. Ela sofria de transtorno bipolar desde a tenra idade, embora só tenha sido diagnosticado tardiamente. Aos 14 anos de idade Margot Kidder tentou, pela primeira vez, cometer suicídio.

Kidder descobriu que sendo atriz, ela poderia deixar "seu verdadeiro eu sair", e deu seus primeiros passos na carreira artística como modelo, na década de 1960.

No final da década ela começou a receber convites para atuar na televisão canadense, e fez sua estreia no cinema foi em Uma Certa Casa em Chicago (Gaily, Gaily, 1969), onde ela interpretava uma prostituta. Depois, com Gene Wilder, atuou na comédia Quackser Fortune Has a Cousin in the Bronx (1970).


Beau Bridges e Margot Kidder em Uma Certa Casa em Chicago

Entre 1971 e 1972 ela esteve na série Nichols, e retornou ao cinema no terror Irmãs Diabólicas (Sisters, 1972), onde ela interpretava irmãs gêmeas siamesas, que foram separadas. O filme era dirigido por Brian de Palma.


Margot Kidder em Irmãs Diabólicas


O filme fez um enorme sucesso, e foi aclamado pela crítica. Margot ganhou notoriedade com a obra e foi chamada para atuar em outra produção de terror, Noite do Terror (Black Christmas, 1974), ao lado de Olivia Hussey.

Por este trabalho ela ganhou um importante prêmio no Canadian Film Award.


Margot Kidder e Olivia Hussey em Noite do Terror


Ela voltou a ganhar o prêmio por seu papel em A Quiet Day in Belfast (1974), e interpretou uma prostituta em The Gravy Train (1974), filme cujo roteiro foi escrito por Terrence Malick. Ainda em 1974 ela estreou como diretora, ao dirigir o curta-metragem de 50 minutos chamado Again, produzido pelo American Film Institute.

No ano seguinte ela coadjuvou Susan Sarandon e Robert Redford em Quando as Águias Se Encontram (Thre Great Waldo Pepper, 1975) e estrelou outro filme de terror, A Reencarnação de Peter Pround (The Reincarnation of Peter Pround, 1975). Ela ainda atuaria em 92 Graus à Sombra (92 in the Shade, 1975), ao lado de Peter Fonda.

92 Graus à Sombra era dirigido pelo romancista Thomas McGuane, autor do livro que deu origem ao filme. Margot e McGuane se casaram em 1976, e ele é pai se sua única filha, Maggie McGuane (nascida em outubro de 1975). 


Margot Kidder em  92 Graus à Sombra 


Kidder e McGuane se separaram em 1977.


Foi então que a atriz fez teste para o papel de Lois Lane em Superman: O Filme (Superman, 1978).  Ao encontrar o diretor Richard Donner para a audição, a atriz tropeçou ao entrar na sala, e Donner acabou gostando do jeito desajeitado da atriz, e a escalou para seu personagem mais icônico.

O filme fez um enorme sucesso comercial, e arrecadou 300 milhões de dólares.


Margot Kidder e Christopher Reeve em Superman: O Filme


Após o Superman, ela estrelou outro grande sucesso, Terror em Amityville (The Amityville Horror, 1979), que também fez muito dinheiro nas bilheterias. Ela também estrelou a comédia Willie e Phil - Uma Cama Para Três (Willie & Phil, 1980).



James Brolin e Margot Kidder em Terror em Amityville


Em agosto de 1979 Margot se casou com o ator John Heard, mas o casal se separou seis dias após o matrimônio. O divórcio foi assinado em dezembro de 1980.

Em 1980 Kidder reprisou o papel de Lois Lane em Superman II: A Aventura Continua (Superman II, 1980). Inconformada com a substituição do diretor original, a atriz fez duras críticas aos produtores na imprensa. E novamente, o filme fez um grande sucesso nas bilheterias.




Margor Kidder e Chistopher Reeve se tornaram grandes amigos, e mantiveram relações estreitas até a morte do ator, em 2004.

A atriz então atuou em Corações Explosivos (Heartaches, 1981), Um Herói Diferente (Some Kind of Hero, 1982), Se Viver, Mande Um Postal (Trenchcoat, 1983) e viveu a Eliza Dolittle em Pygmalion (1983), feito para a televisão.


Margot Kidder e Peter O'Toole em Pygmalion


Ela retornou ao papel de Lois Lane em Superman III (Idem, 1983), mas seu papel foi reduzido após criticar a substituição de Richard Donner no segundo filme da saga.  Kidder apareceu em apenas cinco minutos do filme.

Em 1983 ela se casou com o diretor Phillippe de Broca, mas se divorciou em 1984. Kidder ainda atuou em O Pequeno Tesouro (Little Treasure, 1985) e Perseguição Mortal (Keeping Track, 1986), mas em 1985 declarou que não se sentia confortável com a carreira de atriz, e decidiu dar um tempo em sua carreira.

Ela ainda fez algumas dublagens para uma animação japonesa, e alguns trabalhos na televisão, e aceitou atuar em Superman IV: Em Busca da Paz (Superman IV, The Quest for Peace, 1987), por insistência do amigo Christopher Reeve.




Em 1990 ela voltou a atuar, aparecendo em O Segredo do Quarto Branco (White Room, 1990), e no mesmo ano sofreu um grave acidente de carro no set de filmagem da série Nancy Drew and Daughter. A atriz sofreu uma lesão na coluna, que a deixou parcialmente paralisada.

Kidder ficou dois anos impedida de trabalhar, e passou por graves dificuldades financeiras. Ela processou, em vão, o produtor da série. E por ter processado a empresa, se tornou inelegível para o auxílio doença do governo canadense.

A década de 1990 foi complicada para a atriz. Ela voltou a andar, mas sua condição de saúde limitou os convites para atuar. Ela fez algumas participações em séries e atuou em alguns filmes pouco relevantes, a maioria deles feitos para a televisão, e teve um papel não creditado em Maverick (Idem, 1994).


Margot Kidder em Maverick


Além do problema de coluna, sua saúde mental estava piorando. A atriz havia sido diagnosticada com transtorno bipolar em 1988, mas rejeitou fazer tratamento na época.

Em 1996 a atriz teve um surto que foi amplamente divulgado pela imprensa da época. Ela estava escrevendo sua autobiografia fazia três anos, quando um vírus infectou seu computador, e a fez perder três anos de rascunhos já escritos.

Ela entrou em estado maníaco, e desapareceu por quatro dias. Ela foi encontrada vagando desorientada no quintal de uma casa, e estava com os dentes quebrados, resultado de uma tentativa de estupro.

A atriz acusava um de seus ex-maridos de ter colocado o vírus em seu computador, numa trama para persegui-la e matá-la. Sua filha então a convenceu a se internar em uma clínica psiquiátrica, onde ela 
finalmente começou a tratar a bipolaridade.








Ao sair da clínica ela conseguiu papéis em produções independentes, como Never Meet Picasso (1996), Berço Silencioso (Silent Cradle, 1997) e O Palhaço Assassino (The Clown at Midnight, 1998).



Christopher Plummer e Margot Kidder em O Palhaço Assassino


Nos anos seguintes a atriz continuou atuando em filmes menores, e fazendo participações em séries de televisão, como Lei & Ordem (Law & Order). E em 2004 ela fez dois episódios de Smallville, onde interpretou uma emissária do Dr. Swann, que era interpretado pelo seu amigo Christopher Reeve.

Na série ela reencontrou Anette O'Toole, a Lana Lang de Superman III.

Margot Kidder e Annette O'Toole em Smallville


Margot Kidder e Annette O'Toole em Superman III


Tom Welling e Chistopher Reeve em Smallville



Seu último papel em um filme importante foi em H2: Halloween 2 (Halloween II, 2009), embora tenha atuado até pouco antes de morrer. E em 2015 ganhou um Emmy pelo seu trabalho na série infantil infantil A Hora do Arrepio (R. L. Stine's The Hauting Hour).




Margot Kidder em H2: Halloween 2



No final de 2016 Margot Kidder voltou a entrar em profunda depressão, após a morte de sua melhor amiga, a atriz Carrie Fisher. Ela também voltou a sentir fortes dores na coluna.

Em 13 de maio de 2018 a atriz faleceu em sua casa em Montana. Originalmente, foi dito que a atriz havia falecido pacificamente enquanto dormia, mas posteriormente sua filha confirmou que Margot Kidder cometeu suicídio, ingerindo diversos comprimidos que tomava para estabilizar a bipolaridade.

Quando morreu, a atriz estava confirmada como palestrante na Comic Con de Londres.


Margot Kidder e Carrie Fisher


Margot Kidder em 2018




0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil