Por onde anda? Ron Ely, o inesquecível Tarzan


Ron Ely foi o décimo sétimo ator a interpretar Tarzan, personagem criado por Edgar Rice Borroughs, estrelando a série de televisão Tarzan (Idem, 1966-1968), que foi exibida no Brasil pela Rede Globo na década de 70.

O produtor Sy Weintraub havia feito três filmes do personagem, estrelados pelo ator Mike Henry, e pretendia fazer a série de TV com o mesmo ator. Mas Henry havia se machucado durante as filmagens dos longa-metragens, e recusou-se a continuar no projeto. Weintraub convidou então o jovem texano de 1,95 de altura, que havia estrelado uma série de televisão que não havia sido bem sucedida, The Aquanauts (1961).

Para a surpresa do produtor, o rapaz havia lido todos os romances do personagem publicados, e conhecia a história com uma riqueza de detalhes que nenhum outro ator que interpretar Tarzan anteriormente tinha.


Ronald Pierce Ely nasceu em 21 de junho de 1938, em Hereford, no Texas. Ely frequentou a universidade do Texas em Austin, mas no final da década de 50 mudou-se para Hollywood para tentar a carreira de ator. 

Ely estreou no cinema fazendo figuração em filmes como No Sul do Pacífico (South Pacif, 1958) e O Terror do Oeste (The Fiend Who Walked the West, 1958). Em 1959 ele ganhou um papel de destaque em Tudo Azul com o Barba Azul (The Remarkable Mr. Pennypacker, 1959), estrelado por Cliffton Webb. Ely fazia par romântico com a atriz Jill St John.

Ron Ely e Jill St. John

Cliffton Webb, homossexual assumido, se encantou com o rapaz, e o chamou para sair. Dizem que, ao perceber que suas investidas não obtiveram sucesso, boicotou a carreira do estreante ator. E apesar de ter sido protagonista de uma série de TV bem sucedida, Ely nunca se tornou um astro em Hollywood.

Sem conseguir trabalhos no cinema, ele migrou para televisão, atuando em papéis esporádicos em séries como Papai Sabe Tudo (Father Knows Best), Playhose 90 e Como Agarrar um Milionário (How to Marry a Millionarie), estrelada por Barbara Eden, antes de se tornar a Jeannie é Um Gênio (I Dream of Jeannie).

Em 1961 ele interpretou o mergulhador Mike Madison na série The Aquanauts (1961), uma tentativa de repetir o sucesso da série Aventura Submarina (Sea Hunt), estrelada por Lloyd Bridges. Ely era o protagonista, mas a série foi cancelada após a primeira temporada. Ele então retornou ao cinema, atuando em um pequeno papel em Satã, o Urso Cinzento (The Night of the Grizzly, 1966). Em seguida, atuou em Chamas da Paixão (Once Before I Die, 1966), estrelado por John Derek e Ursula Andress, que havia sido sua namorada anos antes.

Foi então que surgiu sua grande chance, a série Tarzan, que durou até 1968 e teve episódios gravados no Brasil. Ely sempre disse nas entrevistas que esta foi a sua grande chance como ator.

O diretor James Komack, que dirigiu alguns episódios da série, numa entrevista dada para a revista TV Guide, disse certa vez ter ouvido de Ron Ely a seguinte frase: "Essa é a minha grande chance. Eu nunca tive um papel de destaque. Eu nunca estive numa série de qualidade. É uma boa sensação, tão boa que, de certo modo, custo muito a acreditar que me machucarei seriamente".

Na verdade, por não usar dublês, o ator teve inúmeros ferimentos e fraturas ao longo das gravações da série. 

Manuel Padilla Jr. e Ron Ely

A série era um pouco diferente dos filmes feitos anteriormente. Jane, a fiel companheira de Tarzan não aparecia. Em compensação, a série criou uma nova personagem tão popular quanto, Jay, o menino órfão protegido pelo "Homem das Selvas". Jay era interpretado pelo ator Manuel Padilla Jr. (leia sobre ele aqui).

A série durou duas temporadas, somando ao todo 57 episódios. Com o fim da série, o ator não repetiu o sucesso. Ele fez participações especiais em séries como Mulher Maravilha (Wonder Woman), O Barco do Amor (Love Boat) e A Ilha da Fantasia (Fantasy Island).

Ron Ely e Linda Carter nos bastidores de Mulher Maravilha

Ele estrelou também o piloto de uma série chamada Doc Savage, mas o projeto não teve continuidade. O material gravado então foi lançado como um longa metragem, chamado Doc Savage: O Homem de Bronze (Doc Savage, 1978).


Sem grandes chances de trabalho em Hollywood, foi tentar a carreira na Europa. Na Alemanha estrelou Onde atuou em O Uivo dos Lobos (Der Schrei der Schwarzen, 1972), MitGift (1972) e Escravos (Slavers, 1978) e na Itália fez Alleluia e Sartana (Alleluja e Sartana figli di... Dio, 1972), uma produção ítalo-germânica.

Ron Ely e Senta Berger em MitGift (1972).
Com papéis cada vez mais escaços, foi afastando-se das telas. Chegou a apresentar alguns programas de televisão, sendo inclusive o apresentador do concurso de Miss América entre 1979 e 1981.
Em 1987 ele foi convidado para estrelar o remake de Aventura Submarina (Sea Hunt, 1987), interpretando o personagem que fora anteriormente de Lloy Bridges. Mas a série só durou uma temporada.
Ron Ely e Kimber Sissons em Aventura Submarina

Na década de noventa, fez aparições esporádicas na televisão. Chegou a gravar um episódio da nova série Tarzán, estrelada por Wolf Larson, em 1992. Também interpretou o Superman aposentando em Superboy (1991) e apareceu como convidado especial em um episódio de Sheena, em 2001. Em 2014 retornou ao cinema fazendo um pequeno papel no filme Entre a Religião e o Amor (Expecting Amish, 2014).

Na década de 90, lançou-se como escritor de romances de mistério. Desde 1984 é casado com Valerie Lundeen, em Miss Flórida.
Foto publicitária da década de 60, Ely, ao centro, entre Johnny Weissmuller e James Pierce,
antigos astros que interpretaram Tarzan anteriormente

Ron Ely

Ron Ely, atualmente

Relembre a abertura brasileira da série Tarzan




Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

3 comentários:

  1. Matei muitas aulas para ver meu Tarzan. O melhor,nunca o esqueci e seu nome sempre esteve em minha mente. Ron Ely te adoro.

    ResponderEliminar
  2. Isto me fez lembrar de um personagem das HQs nacionais p adultos em 1980. Trata-se do hilário Zartan, paródia do lendário homem macaco.

    ResponderEliminar

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil