O centenário de Zorro, e suas versões cinematográficas


Zorro, um dos mais icônicos personagens ficcionais completou 100 anos no dia 09 de agosto de 2019. Criado por Johnston McCulley, ele surgiu nas páginas do pulp All-Story Weekley, numa série publicada em cinco partes. A identidade secreta do justiceiro mascarado era revelada ao final do quinto volume.


Primeira edição de Zorro

Ao longo do tempo, Zorro tornaria-se um personagem muito popular, principalmente após ser publicado nas páginas das histórias em quadrinhos. As adaptações cinematográficas também ajudaram a consagrar o alter-ego de Don Diego de La Vega.

Zorro, nos quadrinhos brasileiros

Muitas foram as inspirações para a criação do fidalgo Don Diego, do Pimpinela Escarlate (criado pela Baronesa Emma Orczy) a bandoleiros mexicanos reais, como Joaquín Murietta, "O Robin Hood do El Dorado", Salomon Maria Simenon Pico e William Lamport. Murietta, tal como Zorro, foi levado às telas de cinema muitas vezes.

Warner Baxter como Joaquín Murietta
em O Bandoleiro do El Dorado (Robin Hood of El Dorado, 1936)

Outros historiadores afirmam ver semelhanças com Dick Turpin, outra figura da vida real. Turpin foi um ladrão de cavalos inglês, adno romance Rookwood, de William Harrison Ainsworth, e também foi representado nos cinemas algumas vezes.

Tom Mix como Dick Turpin,
em O Bandido Mascarado (Dick Turpin, 1925)

Zorro no Cinema


O livro de McCulley fez muito sucesso, e foi lido pelos astros Douglas Fairbanks e sua esposa Mary Pickford durante a lua de mel do casal. Eles compraram os direitos da obra, e decidiram fazer a primeira versão cinematográfica da obra, tendo Fairbainks como protagonista.

A Marca do Zorro (The Mark of Zorro, 1920)

O filme não foi só a primeira adaptação do personagens para as telas, mas também foi a primeira produção da United Artists, o estúdio criado pelo casal, junto com Charles Chaplin. O filme fez um enorme sucesso mundial e inspirou Johnston McCulley a escrever novos romances.

Foi em A Marca do Zorro que o vingador mascarado fez pela primeira vez a marca do Z com a espada, depois adotada por McCulley em seus livros.





O Filho do Zorro (Don Q Son of Zorro, 1925)

Segundo filme do personagem, também foi estrelado por Douglas Fairbanks, mas desta vez tendo o ator interpretando Don Cesar de La Vega, o filho de Zorro.


Senhorita (Señorita, 1927)

Embora este filme não tenha relação alguma com o personagem, ele mostrava a atriz Bebe Daniels vestindo-se de homem e encarnando um justiceiro, que lutava com uma espada, ao melhor estilo do personagem de Johnston McCulley. O filme era uma paródia de O Filho de Zorro.

Em Portugal, foi batizado como A Neta de Zorro, e na Espanha, chamou-se La Nieta del Zorro.


A Marca do Zorro (The Bold Caballero, 1936)

Primeiro filme falado com o personagem. Zorro era interpretado por Robert Livingston. Também foi o primeiro filme colorido do herói, e foi produzido pela Republic Pictures, estúdio famoso pelos filmes serializados.


A Volta de El Zorro (Zorro Rides Again, 1937)

Feito em doze episódios, foi o primeiro seriado de Zorro, também produzido pela Republic Pictures. O ator John Carroll interpretava James Vega, descendente de Don Diego.


Legião do Zorro (Zorro's Fighting Legion, 1939)

Segundo seriado do personagem, feito pela Republic. Reed Headley interpretava Zorro.


A Marca do Zorro (The Mark of Zorro, 1940)

Super produção da Twentieth Century Fox, custou mais de um milhão de dólares na época. Estrelada por Tyrone Power e Linda Darnell, o filme recebeu uma indicação ao Oscar de Melhor trilha sonora, composta por Alfred Newman.


O Chicote do Zorro (Zorro's Black Whip, 1944)

Outro seriado da Republic, não é exatamente uma adaptação de Zorro. Em uma atitude ousada, o estúdio colocou uma mulher como protagonista, Linda Stirling, que interpretava "o chicote negro", uma descendente de Don Diego de La Vega.


O Filho do Zorro (Son of Zorro, 1947)

Outro seriado da Republic, tinha George Turner como protagonista. A mocinha do filme, Peggy Stewart, faleceu recente, aos 95 anos. Leia mais sobre ela aqui.

George Turner e Peggy Stewart

O Fantasma do Zorro (Ghost of Zorro, 1949)

Ultimo seriado do personagem, também produzido pela Republic. Era estrelado por Clayton Moore, que ficaria famoso como o personagem Cavaleiro Solitário (Lone Ranger), que no Brasil, foi confundido com Zorro por muitos anos. Entenda esta história aqui.


Bandit Queen (1950)

Filme feito pela Universal, não era um filme do personagem, mas teve forte inspiração. A atriz Barbara Britton interpretava Zara, que junto a um personagem chamado Murieta (papel de Phillip Reed), tenta vingar a morte dos pais. Na Itália foi chamado de La Figlia di Zorro e na Venezuela de La Hija del Zorro.


King of the Bullwhip (1950)

Western estrelado por Lash LaRue, também não tinha nada relacionado a Zorro, mas foi batizado de La Pistole di Zorro, na Itália.


A Marca do Renegado (The Mark of the Renegade, 1951)

Também não é um filme sobre Zorro, mas um capa espada da Universal com um elenco  estrelar (Ricardo Montalban e Cyd Charrise), ambientado na antiga Califórnia. E embora Montalban chame-se Marcos Zappa, o roteiro do filme foi inspirado no livro A Marca de Zorro, de McCulley. Leia mais sobre Ricardo Montalban aqui.


Don Darevil Rides Again (1951)

Produzido pela Republic Pictures e protagonizado por Ken Curtis, este é outro filme rebatizado como Zorro erroneamente. Foi chamado de Zorro na França, Canadá, Alemanha, Finlândia e Dinamarca.


A Vingança do Látego (Man With the Steel Whip, 1954)

Mais um filme da Republic  batizafo de forma errada no exterior. Richard Simons intepretava o personagem Látego, mas foi chamado de Zorro na Áustria, Alemanha, Canadá e Grécia.



O Signo do Zorro (The Sign of Zorro, 1958)

Não era exatamente um filme, mas um compilado dos primeiros 13 episódios da famosa série de TV produzida pelos Estúdios Disney. O ator Guy Williams era o Zorro, e Henry Calvin, o atrapalhado sargento Garcia. O ator Tony Russell, que interpretava Pedro, anos mais tarde, viria a encarnar Zorro em produções europeias. Leia mais sobre Guy Williams aqui.


Zorro, o Aventureiro (Zorro, The Avenger, 1959)

Outro compilado da série de Guy Williams, lançado em versão cinematográfica.


As Aventuras Eróticas do Zorro
(The Erotic Adventures od Zorro, 1973)

Na década de 70, foram feitas diversas adaptações eróticas de personagens famosos, como Tarzan, Robin Hood e até Pinóchio. Esta co-produção entre os EUA, Itália e França, foi estrelada pelo ator Douglas Frey.


A Marca do Zorro (The Mark of Zorro, 1974)

Primeiro filme do personagem feito para a televisão, tinha o ator Frank Langella como protagonista. Os veteranos Ricardo Montalban e Yvonne de Carlo também estavam no elenco.


As Duas Faces de Zorro (Zorro: The Gay Blade, 1981)

Versão satírica de Zorro, com George Hamilton, antigo galã da MGM, como um herói um tanto afeminado. Hamilton foi indicado ao Globo de Ouro por este papel.


A Máscara do Zorro (The Mask of Zorro, 1998)

Após muitos anos longe das telas norte-americanas, Zorro voltava aos cinemas em grande estilo. Anthony Hopkins interpretava Don Diego, que envelhecido, passava o bastão para um aprendiz, interpretado por Antonio Banderas. O filme recebeu dias indicações ao Oscar.

No filme, Banderas chama-se Alejandro Murrieta, uma referência ao personagem Joaquím Murrieta, o Robin Hood do El Dorado, personagem que inspirou a criação de Zorro. No filme, Banderas é um irmão (fictício) de Joaquím.


A Lenda do Zorro (The Legend of Zorro, 2005)

Sequência do filme anterior, novamente estrelada por Antonio Banderas.



Django Zorro

Em junho de 2019 o diretor Quentin Tarantino divulgou um novo projeto, Django Zorro, onde Zorro encontrará o lendário Django dos westerns italianos. O filme ainda não começou a ser produzido e nenhum ator ainda foi anunciado.


Os filmes europeus de Zorro

Todas as produções citadas anteriormente, são filmes norte-americanos, mas o personagem protagonizou diversos filmes pelo mundo, muitas vezes em adaptações não oficiais.


À La Manière de Zorro (1926)

Filme belga, ainda dos tempos do cinema mudo. Protagonizado por William Elie, é considerado perdido. Infelizmente, não localizamos nenhuma imagem dele, e nem mesmo um retrato de seu protagonista.

O Sonho do Zorro (Il Sogno di Zorro, 1952)

Filme italiano, a primeira produção sonora de Zorro feita na Europa. O italiano Walter Chiari era o protagonista.


La Montaña sin Ley (1953)

Filme espanhol, estrelado pelo espanhol José Suárez e a portuguesa Isabel de Castro.


Zorro Ataca de Novo (Zorro alla Corte di Spagna, 1962)

Outro filme espanhol, desta vez estrelado pelo italiano George Ardisson.


La Venganza del Zorro (1962)

Outro filme espanhol. Na década de 50, com a popularização da televisão nos Estados Unidos, os grandes estúdios de cinema entram em declínio financeiro, e acabaram com o sistema que colocava artistas sob contratos que duravam anos. Muitos atores, desempregados, migraram para Europa em busca de trabalho. Frank Latimore, antigo coadjuvante em Hollywood, interpretava Zorro.


A Sombra de Zorro (L'Ombra di Zorro, 1962)

Segundo filme espanhol estrelado por Frank Latimorre no papel principal. Jesús Franco, em começo de carreira, foi um dos roteiristas.


As 3 Espadas de Zorro (Le tre Spade di Zorro, 1963)

Versão franco italiana, estrelada por Guy Stockwell, antigo ator mirim de Hollywood (irmão do astro Dean Stockwell), também desempregado. Após ser preso, os filhos de Zorro trabalham para libertar o pai.

Zorro e os 3 Mosqueteiros (Zorro i the Mochettieri, 1963)

Estranha versão italiana, onde Zorro ajuda Dartagnan, Athos, Portos e Aramis. Gordon Scott, outro americano desempregado, havia sido um dos Tarzans de Hollywood.


Sansão e a Rainha Escrava (Zorro contro Maciste, 1963)

Outro encontro inusitado, entre Zorro (papel do francês Pierre Brice, famoso por interpretar o nativo Winnetou em diversos filmes) e o personagem italiano Maciste (papel de Alan Steel). Erroneamente, Maciste foi chamado de Sansão tanto nos Estados Unidos quanto no Brasil.


O Incrível Justiceiro Mascarado
(L'Invincibile Cavaliere Mascherato, 1963)

Outro filme estrelado por Pierre Brice.


A Marca da Vingança (Il Segno di Zorro, 1963)

Filme franco italiano estrelado por Sean Flynn, filho do astro dos filmes capa e espada Errol Flynn com a atriz Lily Damita. Na década de 70 Sean Flynn desapareceria durante a Guerra do Vietnã, e seu paradeiro até hoje não é conhecido. Leia mais sobre Sean Flynn aqui.


O Juramento do Zorro (El Zorro Cabalga Outra Vez, 1965)

Produção franco-italiana, estrelada por Tony Russell, que interpretava o Pedro no seriado norte-americano estrelado por Guy Williams.


Zorro, o Destemido (Zorro il Ribelle, 1966)

Produção italiana. Howard Ross, apesar do nome norte-americano, era italiano.


Zorro, o Justiceiro Mascarado (El Zorro, 1968)

Produção franco-espanhola, novamente estrelada por George Ardisson.


I Nipoiti di Zorro (1968)

Filme italiano, com os cômicos Franco Franchi e Ciccio Ingrassia interpretando os sobrinhos de Zorro. O cantor norte-americano Dean Reed, que na década de 50 havia feito mais sucesso na América Latina que Elvis Presley, interpretava o tio Zorro.


Zorro kamcili Süvari (1969)

Filme turco, estrelado pelo ator Tamer Yigit.


Zorro'num intikami (1969)

Segundo filme feito na Turquia, também estrelado por Tamer Yigit.



Zorro contra o Império da Espada
(Zorro Marchese di Navarra, 1969)

Filme italiano estrelado por Nadir Moretti (também conhecido como Nadir Baltimore), antigo fortão dos filmes de Hércules italiano. Zorro enfrentava o exército de Napoleão!


Zorro alla Corte d'Inghiterra (1969)

Filme italiano, protagonizado pelo grego Spyros Fokas.


El Zorro Justiciero (1969)

Versão franco italiana estrelada por Fabio Testi, que usou o nome americano de Martin Moore.


La Última Aventura del Zorro (1969)

Co-produção italo-espanhola, a primeira estrelada por Carlos Quiney.



Zorro il Cavaliere della Vendetta (1971)

Segundo filme estrelado por Carlos Quiney.


Zorro, o Espadachim Invencível (El Zorro de Monterrey, 1971)

Último filme de Carlos Quiney como Zorro.


As Galantes Aventuras de Zorro
ou Zorro Erótico (Les Aventures Galantes de Zorro, 1972)

Outra produção erótica (softcore) com o personagem. Jean-Michel Dhermay interpretava Zorro.


Il Figlio di Zorro (1973)

Filme franco-espanhol, estrelado por Alberto Dell'Acqua, usando o nome norte-americano de Robert Widmark.



Il Sogno di Zorro (1975)

Comédia italiana, novamente estrelada por Franco Franchi.


A Marca do Zorro (Zorro, 1975)

Ao contrário das outras produções europeias, de baixo orçamento, esta foi uma superprodução, estrelada pelo francês Alain Delon. No Brasil, também foi exibido nos cinemas como Zorro 76.


La Marque de Zorro (1975)

Outro filme francês feito em 1975, tinha direção de Jesús Franco (não creditada) e o desconhecido Clint Douglas no papel principal.


Marca do Zzorro (Ah Sì? E io lo dico a Zzzzorro!, 1975)

Comédia italiana estrelada por George Hilton, astro dos western spaghetti. Nascido no Uruguai, Hilton faleceu recentemente. Leia mais sobre ela aqui.


Os filmes mexicanos

O México também teve diversos filmes de Zorro, muitos deles também sem autorização do autor original. Além de diversos filmes com o personagem, eles também criaram personagens similares, como El Coyote (Zorro, em espanhol, significa raposa), muito similar ao herói mascarado. O personagem foi criado por José Mallorquí Figuerola (usando o nome de Carter Mulford), em 1943.



Foram feitos ao menos quatro filmes de El Coyote, mas iremos listar apenas alguns dos muitos filmes mexicanos com Zorro.

El Nieto del Zorro (1948)

Protagonizado pelo peruano Leopoldo 'Chato' Ortín (que morreria pouco tempo depois, de ataque cardíaco), que interpretava o neto de Zorro, Don Diego foi vivido por Gabriel Aragón 'Gaby'.


O Filhote do Zorro (La Marca del Zorrillo, 1950)

Paródia de A Marca de Zorro, com Tyrone Power. o Filme foi estrelado por Germán "Tin-Tan" Valdés, astro do cinema mexicano e irmão de Ramón Valdés, conhecido no Brasil como o Seu Madruga, de Chaves. Ramón Valdés faz um pequeno papel neste filme.



El Zorro escarlata en la venganza del Ahorcado (1958)

O ator Luis Aguilar interpretava Luis, O Zorro Escarlate (com capa e máscara vermelha). O Zorro Escarlate muito parecido com o Latigo Negro, personagem que ele interpretara no filme A Vingança do Chicote Negro (El Misterio del Látigo Negro, 1958), também chamado de Zorro Negro.

O Zorro Escarlate apareceria em outros três filmes nos anos seguintes. Embora seus personagens fosse adaptações que pouco tinham do herói de Johnston McCulley, Aguilar foi o artista que mais vezes vestiu a máscara do fidalgo justiceiro.



El jinete solitario' en El valle de los desaparecidos:
La venganza del jinete solitario (1960)

O personagem de Demétrio González na verdade se chamava Jinete Solitário, e o ator usou o nome americano de Jeff Ston. Porém, na Itália, o filme foi lançado como Zorro Nella Valle dei Fantasmi.


El Zorro Vengador (1962)

Novamente Luis Aguilar interpretava Zorro, desta vez, mais próximo do original.


Las Hijas del Zorro (1964)

Kitty de Hoyos e Dacia Gonzalez interpretavam as filhas do herói mascarado.



El Zorro Blanco (1978)

Juan Miranda encarna Zorro, com uniforme branco ao invés da tradicional máscara negra.


A Grande Aventura de Zorro
(La Gran Aventura del Zorro, 1976)

Rodolfo de Anda interpretava Don Diego de La Vega, o Zorro original.


Os outros Zorros

Madam Zorro (1962)

Bollywood, a indústria cinematográfica indiana, tem uma das maiores produções mundiais. A Índia também teve seus próprios filmes do Zorro, com direito a canto e dança, tracionais nos filmes do país. A atriz Nadira interpretava Zorro, na versão feminina (indiana, é claro).


The Magnificent Zorro (1968)

Versão cômica feita nas Filipinas, estrelada por Chiquito.


Zorro (1975)

 Navin Nischol era o Zorro indiano.


Zorro tem ainda outras versões não autorizadas, diversas séries de televisão e desenhos animados por todo o mundo.

Zorro brasileiro?

O Brasil nunca adaptou Zorro para o cinema, mas o cantor Sidney Magal viveu Zorroh, um Zorro gay e aposentando na novela Bang Bang (2005), de Mário Prata.

Sidney Magal como Zorroh

Antes de Magal, no ano de 1954, a TV Tupi levou ao ar o seriado Falcão Negro, escrito por Péricles do Amaral. Não era uma obra baseada em Zorro, mas tinha grande inspiração.

O ator José Parisi interpretava o herói John de St. Germain, o Falcão Negro, na versão paulista, e Gilberto Martinho era o protagonista da produção carioca (iniciada em 1957). Ficou no ar até 1963.

A série fez tanto sucesso que virou história em quadrinhos e ganhou até um disco com histórinhas (com a voz de Martinho).

José Parisi e Zuleika Maria, na versão paulista

Gilberto Martinho, o Falcão Negro carioca, na capa de um Gibi

Uma curiosidade, Péricles do Amaral foi quem trouxe o personagem Lone Ranger, erroneamente chamado de Zorro por aqui (anos mais tarde), em uma rádio-novela irradiada pela Rádio Farroupilha, do Rio Grande do Sul, em 1943.

O programa, chamado na época de O Vingador, era patrocinado pela Colgate Palmolive, e ganhou as tirinhas dos jornais por aqui, ilustradas por Fernando Dias da Silva. Seu cavalo chamava-se Blackie (Silver, no original) e o índio Tonto foi rebatizado de Calunga na primeira versão brasileira do personagem.




Menção Honrosa

No Brasil, ainda era muito popular o personagem El Cabong, o alter-ego justiceiro do personagem Pepe Legal, criado pela Hanna Barbera. No Brasil o personagem foi dublado por David Neto e Amaury Costa.




Curta nossa página no Facebook


Se inscreva no nosso canal do Youtube

2 comentários:

  1. Quem deu o nome do Zorro ao Lone Ranger foi O Globo Juvenil em 1938. A Sombra de Zorro (L'Ombra di Zorro, 1962) teve roteiro do criador do Coyote, na Grécia, o filme do Coyote de 1955 foi chamado de O Zorro ekdikeitai. Pedro Armendáriz estrelou El Zorro de Jalisco (1941), o filho dele Pedro Armendáriz Jr., aparece em A Máscara do Zorro e A Lenda do Zorro.

    Tenho um post sobre o Zorro e o Lone Ranger:
    https://quadripop.blogspot.com/2014/09/os-quadrinhos-do-zorro-no-brasil.html

    https://quadripop.blogspot.com/2016/09/lone-ranger-o-cavaleiro-solitario.html

    ResponderEliminar

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil