A estrelinha Caryll Ann Ekelund, morta com apenas 4 anos de idade


Hollywood tem muitas histórias tristes e artistas que tiveram finais trágicos. Talvez a mais jovem vítima de uma fatalidade na terra do cinema seja a pequena Caryll Ann Ekelund. Caryll nasceu em 06 de maio de 1935, e faleceu com apenas quatro anos de idade, após atuar em seu primeiro (e único) filme.

O filme era O Pássaro Azul (The Blue Bird, 1940), um clássico estrelado pela atriz mirim Shirley Temple, e que antigamente costumava passar muito na televisão. Dirigido por Walter Lang, o filme foi uma resposta da Warner Brothers para O Mágico de Oz (The Wizard of Oz, 1939), que quase foi estrelado pela própria Temple.

Em busca do Pássaro Azul  da felicidade, Mytyl (a personagem de Shirley no filme) e seu irmão Tytyl (Johnny Russell) viajam ao passado, presente e futuro. No futuro eles conhecem uma irmã que ainda não nasceu, entre as muitas crianças esperando no céu para vir ao mundo.

O Pássaro Azul

Embora muito querido pelo público, o filme foi o primeiro fracasso de Shirley Temple nas bilheterias. Quando o filme estreou, em 15 de janeiro de 1940, uma triste tragédia havia tirado a vida de uma das crianças do céu.

Em 31 de outubro de 1939, no Halloween do ano anterior, a pequena Caryll Ann Ekelund havia saído com os irmãos para pedir doces de porta em porta. Mas sua fantasia de plástico encostou em uma vela dentro de uma abóbora, pegando fogo instantaneamente.

A menina sofreu sérias queimaduras, e acabou falecendo em 03 de novembro de 1939, com apenas quatro anos de idade. Em 1967, no Brasil, a vedete portuguesa Virginia de Noronha faleceria de forma similar, quando um cigarro incendiou sua fantasia em um baile de carnaval no Teatro Municipal do Rio de Janeiro.

Depois de sua morte, foi aprovada uma lei que proibiu a venda de fantasias feitas de plástico para crianças.

Shirley Temple compareceu ao seu funeral, e foi uma das pessoas que cantou Over the Rainbow, o tema de O Mágico de Oz, e canção favorita da pequena atriz, que foi enterrada com a túnica de anjo que usou no filme.

Sua irmã mais velha, Jana Lund, anos mais tarde seria a primeira mulher a beijar Elvis Presley em um filme, A Mulher que Eu Amo (Loving You, 1957), o primeiro filme do cantor.

Jana Lund e Elvis Presley em A Mulher que Eu Amo


Curta nossa página no Facebook

Se inscreva no nosso canal do Youtube

0 comentários:

Enviar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil