Morre o ator Kirk Douglas, aos 103 anos de idade

Kirk Douglas morreu esta quarta-feira. O famoso ator de Hollywood faleceu aos 103 anos.

O anúncio foi feito pelo filho, o ator Michael Douglas, à revista norte-americana People.

“É com enorme tristeza que eu e os meus irmãos anunciamos que Kirk Douglas nos deixou hoje, aos 103 anos”, disse Michael Douglas.

Kirk Douglas, um dos mais importantes atores da história do cinema, nasceu Issur Danielovitch, em 9 de dezembro de 1916, em Amsterdã, Holanda. Nascido em uma família muito pobre, ainda criança, migrou com a família para os Estados Unidos, onde mais tarde nacionalizou-se americano. Judeu, seu primeiro idioma foi ídiche.


Desde criança Douglas já trabalhava para ajudar no sustento da família.

Foi vendedor de sanduíches, entregador de jornais, jardineiro e exerceu mais de 40 profissões diferentes entre a infância e a adolescência. Durante o ensino médio, começou a atuar no grupo de teatro amador da escola, mas não tinha dinheiro para matricular-se na faculdade de interpretação ao final do curso.

Ele, então, procurou o reitor da Universidade St. Lawrence e mostrou seu currículo com honras ao mérito e explicou sua situação. O reitor lhe fez um empréstimo pessoal, que Douglas pagou trabalhando como servente da propriedade do reitor. Posteriormente, ele conseguiu uma bolsa como lutador de luta livre.

Kirk Douglas conseguiu uma bolsa para atuar na American Academy of Dramatics School, em Nova York. Lá conheceu uma jovem aspirante a atriz, que foi fundamental para o lançamento de sua carreira: Lauren Bacall. Eles tiveram um breve romance, mas perceberam que seriam melhores como amigos. Ao fim do relacionamento, Douglas se apaixonou por uma atriz amiga de Bacall, Diana Dill, com quem ele se casou em 1943.

Lauren Bacall e Kirk Douglas 


Kirk e Diana ficaram casados até 1951, e tiveram dois filhos, os atores Michael e Joel Douglas.

Em Nova York, Douglas passou por grandes dificuldades financeiras. Chegou a ser preso por vadiagem por morar na rua e seu único casaco para se aquecer no inverno fora dado por Lauren Bacall, que pediu a um tio um casaco sobressalente para presentear ao amigo.

Como ator, fez pequenos trabalhos no rádio e no teatro, além de atuar em alguns comerciais para a televisão. Em 1943, ganhou destaque no teatro ao substituir Richard Widmark em Kiss and Tell (1943). O ator não almejava o cinema, mas recebeu um convite vantajoso para ingressar na grande tela.


O produtor Hal B. Wallis convidou Kirk para um papel importante em O Tempo Não Apaga (The Strange Love of Martha Ivers, 1946), estrelado por Barbara Stanwick. Foi a amiga Lauren Bacall, já uma estrela, quem o indicou para o produtor.

  Barbara Stanwick e Kirk Douglas em O Tempo Não Apaga

A carreira do ator foi crescendo rapidamente, e ele consagrou o estilo de homem durão.

O estrelato chegou ao protagonizar O Invencível (Champion, 1949), que lhe valeu sua primeira indicação ao Oscar. Em seguida, o ator atuou em Êxito Fugaz (Young Man with a Horn, 1950), ao lado de Doris Day e da amiga Bacall. Eles só trabalhariam juntos em mais um filme, Em Busca dos Diamantes (Diamonds, 1999), rodado quase 50 anos depois.




Doris Day, Kirk Douglas e Lauren Bacall em Êxito Fugaz
 

 Em 1951, Kirk viveu o jornalista inescrupuloso em A Montanha dos Sete Abutres (Ace in the Hole, 1951), do diretor Billy Wilder. Entre seus maiores sucessos estão os filmes Assim Estava Escrito (The Bad and the Beautiful, 1952), que lhe valeu sua segunda indicação ao Oscar, e 20.000 Léguas Submarinas (20.000 Leagues Under the Sea, 1954). Cada vez mais o ator procurava atuar em papéis desafiadores e em filmes com histórias fortes, geralmente com críticas sociais.



 Kirk Douglas em 20.000 Léguas Submarinas

 Em 1955, ele montou a sua própria produtora, a Bryna Productions, que recebeu o nome de sua mãe. Em sua produtora realizou filmes como Glória Feita de Sangue (Paths of Glory, 1956) e Spartacus (Idem, 1960), ambos com o então desconhecido diretor Stanley Kubrick. Em Spartacus, Douglas enfrentou o Machartismo e contratou o roteirista Dalton Trumbo, incluído na lista negra, para escrever o roteiro e usar seu nome verdadeiro para assinar a obra. Curiosamente, Trumbo não gostou da atuação de Kirk no filme, dizendo que ele exagerou um pouco no papel.



Kirk Douglas em  Spartacus
Douglas recebeu sua terceira indicação ao Oscar por seu papel como Vincent Van Gogh em Sede de Viver (Lust for Life, 1956), mas nunca ganhou o prêmio. Em 1998, ele foi agraciado com um Oscar Especial pelo conjunto de sua obra. Assista ao vídeo, com legendas em português, aqui.

Douglas também atuou em diversos filmes onde interpretou oficiais militares e em muitos westerns. Inclusive, ele considera o western Sua Última Façanha (Lonely Are the Brave, 1962) seu melhor filme. Também escrito por Trumbo, o filme recebeu boas críticas, mas foi um fracasso de bilheteria por ter tido dificuldades de distribuição devido à perseguição política a Trumbo.

Em 1963 o ator veio ao Brasil, acompanhado de sua esposa Anne Buydens. Por aqui, visitou Brasília, o Rio de Janeiro (onde pulou o carnaval) e São Paulo, além de se refugiar por uns dias no Guarujá. Já contamos esta história aqui.

O ator continuou atuando com muita frequência no cinema e televisão nos anos seguintes. Em 1973, dirigiu seu primeiro filme, As Aventuras de um Velhaco (Scalawag, 1973). Neste mesmo ano atuou em uma versão musical de O Médico e o Monstro (Dr. Jekyll and Mr. Hyde, 1973), feita para a televisão.

Na década de 1990, demonstrou ser um bom comediante atuando em filmes como Oscar - Minha Filha Quer Casar (Oscar, 1991) e Os Puxa-Sacos (Greedy, 1994). Em 1996, sofreu um acidente vascular cerebral, que o deixou com dificuldades de fala. Em 1991, ele sobreviveu a um grave acidente de helicóptero.

Ainda querendo atuar, fez tratamento para melhorar sua dicção. Retornou ao cinema no filme Em Busca dos Diamantes (Diamonds, 1999), onde interpretou um antigo pugilista que tentava se recuperar de um AVC. Douglas sugeriu sua velha amiga Lauren Bacall para o elenco.

 Kirk Douglas e Lauren Bacall em Em Busca dos Diamantes


Em 2003, seus filhos Michael e Joel Douglas produziram o filme Acontece nas Melhores Famílias (Runs in the Family, 2003). Kirk protagonizou a obra, coadjuvado por vários membros de sua família, como o filho Michael, o neto Cameron e Diana Dill, sua primeira esposa e mãe de seus filhos. Ele ainda faria mais dois filmes antes de se aposentar definitivamente.

Acontece nas Melhores Famílias

 Em 1954 Kirk Douglas se casou com a produtora Anne Buydens, que conheceu durante as filmagens de Sede de Viver. O filme foi rodado na França, onde Anne, uma judia alemã, vivia desde que fugiu do nazismo na década de 1940. Em maio de 2019, o casal comemorou 64 anos de casados. Aposentado, ele dedica o seu tempo a causas filantrópicas e desde 2012 mantinha um blog pessoal, sendo creditado como o blogueiro mais velho do mundo em atividade.

E 07 de janeiro de 2018, o ator fez uma aparição surpresa na festa do Globo de Ouro, ao lado da nora, a atriz Catherine Zetha-Jones.

Kirk Douglas faleceu em 05 de fevereiro de 2020, aos 103 anos de idade.

 Kirk Douglas e Catherine Zetha-Jones


 Confira um tributo ao ator Kirk Douglas:

Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

2 comentários:

  1. Assisti os filmes do Kirk Douglas, sempre fui seu fã. Uma vida muito rica.👏👏👏

    ResponderEliminar
  2. Quanto respeito e delicadeza na construção desta matéria e no vídeo homenagem. Emocionante. Parabéns!

    ResponderEliminar

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil