Roger Moore, o James Bond que veio ao Brasil


O ator Roger Moore havia ficado famoso na televisão após protagonizar séries como Ivanhoé (1958-1959) e O Santo (The Saint, 1962-1969), e em 1973 tornou-se o terceiro ator a interpretar o agente James Bond, no filme Viva e Deixe Morrer (Live and Let Die, 1973), após Sean Connery e George Lazenby já terem dado vida ao inesquecível 007.

Em 1979 ele atuou em 007 Contra o Foguete da Morte (Moonraker, 1979), décimo primeiro filme de James Bond, e quarto filme com Moore no papel principal (ele seria o protagonista de sete produções no total).

Inspirado no sucesso do filme Guerra nas Estrelas (Star Wars, 1977), o filme tem um teor de aventura futurista, com o agente inglês tendo que destruir cúpulas de orquídeas negras produzidas no espaço que se entrarem na órbita da terra causaram a destruição da humanidade.


O filme teve locações em diversos países, como Reino Unido, Estados Unidos, França, Itália,  Guatemala e Brasil. Por aqui foram rodadas cenas nas Cataratas do Iguaçu e no Rio de Janeiro. As cenas do Rio são de grande importância na trama, e muitas delas se passam durante o carnaval carioca.

 


Entre as cenas no Rio destacam-se a luta de James Bond com o vilão Jaws (vivido por Richard Kiel) em cima do Bondinho do Pão de Açúcar. O super vilão com dentes de metal rompe os cabos do mesmo com sua mordida poderosa.


 


A atriz e modelo brasileira Adele Fátima chegou a gravar algumas cenas, que a tornariam a primeira Bond Girl brasileira. Um cartaz publicitário com Adele chegou a ser feito, mas ela foi excluída do filme e substituída pela atriz Emily Bolton.

 


Roger Moore e Emily Bolton

Dizem que Moore teria ficado encantando com a beleza da mulata brasileira, o que causou ciúmes em sua esposa. Para evitar maiores confusões, o ator teria pedido que a substituíssem.

Adele Fátima e Roger Moore

 Adele perdeu o papel, mas fez inúmeros filmes brasileiros, a maioria deles do gênero pornochanchadas, dos quais destacamos Histórias que Nossas Babás Não Contavam (1979), onde interpretou "Clara das Neves" uma paródia de Branca de Neve.

Sem Adele, o único ator brasileiro no elenco foi o humorista Carlos Kurt. Kurt é mais lembrando como coadjuvante do seriado Os Trapalhões, ele é o homem loiro de olhos esbugalhados que geralmente interpretava vilões e pais das moças pelos quais os rapazes da trupe se interessavam.


Renato Aragão e Carlos Kurt

Kurt faz uma pequena participação, ele é o fiscal do aeroporto do Galeão (hoje Tom Jobim) que fica surpreso quando o Jaws, o vilão dos dentes de metal, passa pelo detector de metais. 

 


007 Contra o Foguete da Morte foi indicado ao Oscar de Melhor efeitos especiais. Roger Moore faria ainda mais três filmes no papel de 007. Ele voltaria ao Brasil outras vezes, mas não como ator, e sim como embaixador da Unicef, para fazer trabalhos voluntários em defesa dos menores de rua. 

Roger Moore em 23 de de maio de 2017, vítima de um câncer. Ele tinha 89 anos de idade.


Roger Moore com Renato Aragão no Brasil, em 1997

Leia também:  Coadjuvantes que Amamos: Carlos Kurt

Leia também:  George Lazenby, o James Bond que não vingou

0 comentários:

Publicar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil