Por onde anda? A atriz Djenane Machado


Na década de 70, Djenane Machado era uma das atrizes mais requisitadas e queridas pelo público. A bela jovem de olhos verdes era uma das maiores estrelas da teledramaturgia brasileira, marcando presença no teatro, cinema e televisão.


Djenane Vasconcelos Machado nasceu no Rio de Janeiro, em 10 de junho de 1951. Filha do famoso produtor de teatro de revistas Carlos Machado e de sua esposa, a figurinista Gisela Machado, Djenane cresceu entre a produção de shows e espetáculos de revista.

 Carlos e Djenane Machado

Djenane estreou como atriz na novela Passo dos Ventos (1968), na Rede Globo. No ano seguinte, fez Rosa Rebelde (1969) e A Ponte dos Suspiros (1969). No mesmo ano, estreou no cinema em A Penúltima Donzela (1969), dirigido por Fernando Amaral e com Paulo Porto, Adriana Prieto, Carlo Mossy e ela nos principais papéis. 

 João Paulo Adaour e Djenane Machado em A Ponte dos Suspiros

Carlos Mossy e Djenane Machado em A Penúltima Donzela

Sua telenovela seguinte foi Assim na Terra Como no Céu (1970), onde ela conquistou o público, mas sua consagração veio com a Lucinha Esparadrapo em O Cafona (1971), onde ela interpretava uma hippie que vivia em uma comunidade. Na mesma época, era uma requistada vedete dos espetáculos do pai.

Djenane Machado e Carlos Vereza em O Cafona

Em 1972 Djenane interpretou a personagem Bebel na primeira versão de A Grande Família (1972), mas ela abandonou o programa sem grandes explicações em 1974, precisando ser substituída pela atriz Maria Cristina Nunes.

Na época, a atriz abusava de álcool e drogas e constantemente chegava atrasada nas gravações. Djenane também deixou o programa porque seu pai havia falido, as revistas já não eram mais tão populares, e ele precisava de um nome famoso pra estrelar o espetáculo Hip Hip Rio (1974), para tentar saldar suas dívidas.


Por deixar o programa, Djenane Machado foi colocada na lista negra do produtor Boni, e ficou na geladeira da emissora por alguns anos. Neste período, ela voltou para o cinema, atuando em As Alegres Vigaristas (1974) e Já Não Se Faz Amor Como Antigamente (1976).


Carlos Machado então pediu a Boni, que na época era casado com a vedete Laís Simões, que desse mais uma chance para sua filha, e ele atendeu. Djenane então foi escalada para viver Glorinha na novela Estúpido Cúpido (1976), integrante da turma de jovens rebeldes da pequena cidade de Albuquerque, filha do delegado local, mas muito namoradeira e cheia de arrumar confusões com a turma e o namorado Caniço, interpretado por João Carlos Barroso

 Djenane Machado e João Carlos Barroso em Estúpido Cupido

Mas a atriz ainda tinha problemas com vícios, o que afetou sua carreira. Ela permaneceu na Globo até 1981, quando foi demitida depois de atuar nas novelas Espelho Mágico (1978) e Ciranda de Pedra (1981).

Com problemas para se afastar das drogas, Djenane perdeu espaço na TV Globo e teve que procurar trabalho em outras emissoras. Entre uma novela e outra, ela ainda fez o filme Sábado Alucinante (1979), de Cláudio Cunha, ao lado Sandra Bréa, outra atriz que começava a enfrentar problemas com a direção da TV Globo.

Ao sair da Globo, fez alguns trabalhos na TV Cultura, mas tinha dificuldades de conseguir papéis maiores na televisão. Neste período, a atriz fez mais dois filmes ela faz dois filmes, mas em papéis menores. O primeiro foi Águia na Cabeça (1984), contracenando com Christiane Torloni e Nuno Leal Maia, e, dois anos depois, Ópera do Malandro (1986), do diretor Ruy Guerra, com Edson Celulari e Cláudia Ohana. No filme, Djenane vive Shirley Paquete, uma das meninas do bordel de Otto Struedel, personagem vivida por Fábio Sabag.

Seu último trabalho como atriz foi na novela Tudo ou Nada (1986), na TV Manchete. Desempregada e em depressão com a morte do segundo marido, que morreu de AIDS, Djenane pediu ajuda a amiga Odete Lara para largar as drogas. Nos oito anos seguintes ela lutou para deixar o vício, mas nunca mais conseguiu recuperar sua carreira.

Atualmente a atriz vive da renda de dois apartamentos deixados de herança por seu pai. Com problemas de saúde, a atriz vive no Bairro Peixoto, no Rio de Janeiro, junto com uma cuidadora.

Djenane Machado atualmente, com sua cuidadora

Carlos Vereza, Renata Sorrah, Dina Sfat e Djenane Machado no intervalo
da novela Assim Na Terra Como no Céu (1970)



Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

13 comentários:

  1. Parece até surreal, nós que conhecemos um mulherão desse, um tremendo sexy-simbol, de repene se transformar num zumbi!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não fale assim, todas as pessoas envelhecem.

      Eliminar
    2. Um dia vc tb será um Zumbi. Seu comentário é ridículo!

      Eliminar
    3. Idiota...agradeça à Deus se vc envelhecer...isso é uma dádiva pra poucos..

      Eliminar
  2. Foi uma bela atriz nos anos 70, eu a vi em Estupido Cupido em 1976, teve outras participações lindas em várias novelas, com um talento e tanto, era muito linda.

    ResponderEliminar
  3. Drogas:o prazer instantâneo que transforma pessoas em zumbis.

    ResponderEliminar
  4. Tristeza!!!Os jovens deviam ver os resultados do uso das drogas.

    ResponderEliminar
  5. Tristeza!!!Os jovens deviam ver os resultados do uso das drogas.

    ResponderEliminar
  6. QUE O ALTÍSSIMO TE ABENÇOE E TE GUARDE . QUE VOCÊ POSSA TER O ENCONTRO COM O SALVADOR AMADO DE NOSSAS ALMAS. TUDO COMEÇA DO OUTRO LADO.

    ResponderEliminar
  7. Creio que o zumbi ao qual ele se refere é o resultado que as drogas deixaram nela, não a idade.

    ResponderEliminar
  8. Ana Terra, muito triste o que você disse, mas infelizmente é uma realidade, principalmente quando temos amigos e familiares neste caminho podre.

    ResponderEliminar

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil