Morre a atriz Iolanda Braga, a primeira protagonista negra de uma novela brasileira




Morreu no dia 12 de maio a atriz Iolanda Braga, primeira atriz negra a protagonizar uma novela no Brasil. Em 1965 Iolanda estrelou A Cor da Sua Pele (1965), na TV Tupi. A morte foi informada pela sua neta, que informou a pesquisadora Gabriella Baliego, do site Caixa de Sucessos.

Iolanda tinha 79 anos de idade.



Em 1996 chegou a se publicar que Taís Araújo, ao protagonizar Xica da Silva (1996-1997) seria a primeira protagonista negra de uma telenovela. Erroneamente, também é dito que a pioneira foi Ruth de Souza em A Cabana do Pai Tomás (1969-1907). Mas foi Iolanda Braga (assim com I, embora muitas vezes tenha sido creditada como Yolanda) a dona deste feito.

Em 27 de julho de 1965 estreava na TV Tupi a novela A Cor da Sua Pele (1965), estrelada por Iolanda Braga e Leonardo Villar. Com direção de Wanda Kosmo, a produção ainda tinha Patricia Mayo, Jacyra Sampaio e Araken Saldanha no elenco.

Leonardo Villar interpretava Dudu, um jovem de família rica que tinha que renunciar a sua herança para poder ficar com sua amada Clotilde (Iolanda Braga), por a família ser contra um relacionamento inter-racial.

Clotilde era a empregada doméstica da família.


Iolanda Braga e Leonardo Villar em A Cor da Sua Pele


Em entrevista a Revista Intervalo, em 1965, a atriz declarou: " É esta a primeira vez que uma atriz negra tem um papel tão importante na televisão. Por isso é grande a minha responsabilidade. A novela Cor da Tua Pele pode abrir inúmeras oportunidades para pessoas negras na televisão. Não há necessidade de atrizes brancas pintarem seu rosto para interpretarem pessoas negras. Nós mesmos podemos interpretar esses personagens e melhor do que ninguém."

Nascida no Rio de Janeiro, em 11 de outubro de 1941 iniciou a sua carreira no começo da década de 1960, atuando na linha de show dos programas da TV Excelsior do Rio de Janeiro. Ela também atuou em alguns espetáculos de Carlos Machado, antes de ser convidada por Cassiano Gabus Mendes para protagonizar a novela, que ficou no ar até outubro de 1965.



Após a novela, Iolanda foi convidada pelo cômico português para fazer a revista Minha Querida Mulatinha (1966), em Portugal. No país, também participou do programa Risos e Ritmos (1966), na RTP.

De volta ao Brasil, a atriz estrelou o filme Arrastão (1967), ao lado de Jardel Filho. O filme era dirigido pelo francês Antoine d'Ormesson e era uma coprodução franco-brasileira, e ainda tinha no elenco o cantor e compositor Pierre Barouh.


Raul Solnado e Iolanda Braga


Jardel Filho e Iolanda Braga

Mas a atriz recebeu poucos convites ao longo de sua carreira, aparecendo ainda nos filmes 2000 Anos de Confusão (1969) e O Jogo da Vida e da Morte (1972). Também fez uma participação no remake de O Direito de Nascer (1978), que tinha Cléa Simões como Mamãe Dolores. Iolanda ainda se apresentou em shows até a década de 1980, quando encerrou sua carreira artística.

Em 2018 a atriz deu uma entrevista ao canal Caixa de Sucessos (Youtube), onde relembrou sua trajetória.


Iolanda Braga em 2018

A entrevista completa está disponível aqui



Para conhecer mais sobre a carreira de Iolanda Braga, acesse a matéria sobre a atriz no site Caixa de Sucessos, disponível aqui.

Conheça também a página do Caixa de Sucessos no Facebook, aqui.


0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil