Cléa Simões, a Dama Injustiçada



Cléa Simões teve uma longa carreira nos palcos, cinema e televisão, mas poucas vezes teve seu talento aproveitado, normalmente relegada a papéis de pretas velhas ou mães pretas, como a abnegada Mammy de ...E O Vento Levou. Seu trabalho mais lembrado talvez seja o de Mamãe Dolores na novela O Direito de Nascer, de 1978.


Cléa Simões (também creditada como Cléia Simões) era o nome artístico de Esther Taitt Alexander. Filha de pai norte-americano e mãe de Barbados, Cléa nasceu em Belém do Pará, em 04 de janeiro de 1927.

Sua avó trabalhava na casa de um padre inglês, e apesar de em sua certidão de nascimento ela se chamar Esther, o padre resolveu chamá-la de Clare, mais britânico, quando a batizou. Cléa foi um apelido natural de Clare.

Ainda no Pará, ela começou a demonstrar interesse artístico, participando de concursos de danças em troca de balas ou bonecas. Com a mãe, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde tornou-se uma das pastoras da Portela, escola de samba do qual ela fez parte até o final de sua vida.

No Rio, Cléa conheceu Abdias do Nascimento, do Teatro Experimental do Negro (TEN). E foi com Abdias que ela estreou nos palcos, substituindo uma atriz que ficara doente, na montagem lendária de Orfeu da Conceição (1956). A atriz seguiu em pequenos papéis, até Maria Clara Machado lhe dar sua grande chance na peça Do Mundo Nada Se Leva (1959).

A peça não foi muito bem sucedida, mas foi suficiente para chamar a atenção de produtores norte americanos, que estavam rodando um filme no Brasil. O filme era Mistério na Ilha de Vênus (Macumba Love, 1960), uma produção de terror, colorida, estrelada por Ruth de Souza

Cléa Simões também foi convidada para integrar a lista de brasileiros do elenco. Leia mais sobre este filme aqui.


Cléa Simões continuou trabalhando no teatro, participando de peças como Mister Sexo (1964), e Pindura a Saia (1967). Ela também atuou em Pobre Menina Rica (1964), escrita por Carlos Lyra e Vinícius de Moraes. Lyra gostou tanto de seu desempenho, que chegou a escrever um espetáculo para Cléa apresentar em boates, como cantora. 

Cléa Simões em Pindura a Saia

Outra peça importante de sua carreira foi As Feiticeiras de Salém (1965), estrelada por Eva Wilma. Este espetáculo marcou também a estréia de Marieta Severo nos palcos.

Valdir Onofre e Cléa Simões no Teatro

Eva Wilma e Cléa Simões em As Feiticeiras de Salém

Em 1966 ela estreou na televisão, primeiro participando do Grande Teatro Tupi, e depois foi contratada pela Rede Globo para viver a criada de Yoná Magalhães na novela Eu Compro Essa Mulher (1966). Em sua carreira, constantemente acabou fazendo papéis de criadas e governantas.

Yoná Magalhães e Cléa Simões

Na televisão, atuou em novelas como A Rainha Louca (1967), Uma Rosa Com Amor (1972), Senhora (1975), Sem Lenço, Sem Documento (1977) e teve sua melhor oportunidade como a doce Mamãe Dolores no remake de O Direito de Nascer (1978), da TV Tupi.

Cléa Simões e Carlos Augusto Strazzer em O Direito de Nascer


Quando foi feita a primeira versão da novela, em 1964, o colega Paulo Gracindo chegou a comentar que Cléa devia ter sido a Mamãe Dolores, que foi interpretada por Isaura Bruno.

Na televisão, seguiu atuando em obras como Os Gigantes (1979), Meu Destino è Pecar (1984), Livre Para Voar (1984), Desejo (1990), Deus nos Acuda (1992), Fera Ferida (1993), Quem é Você? (1996), A Guerra dos Pinto  (1999), Laços de Família (2000) e Coração de Estudante (2002), que foi sua última telenovela.


No cinema teve melhores oportunidades, em filmes como Em Compasso de Espera (1969), Como É Boa Nossa Em´pregada (1973), Costinha, o Rei da Selva (1975), Ladrões de Cinema (1977), A Deusa Negra (1978), O Coronel e o Lobisomen (1979) e Menino de Engenho (1993).

Também atuou no italiano Noite Malditas (Demoni 3, 1991) e em Sabor da Paixão (Woman on Top, 2000), uma produção norte-americana estrelada por Penelope Cruz.

Cléa Simões em Noite Maldita

No teatro, ainda brilhou em Frank Sinatra 4815 (1970), Balbina de Iansã (1971), Orfeu Negro (1974) e Tupã (1985).

Cléa Simões na montagem de Orfeu Negro (1974)

Em 2005 ela deu um depoimento para o documentário O Negro No Pará? Cinco décadas depois....

Cléa Simões faleceu de falência múltipla de órgãos em 24 de fevereiro de 2006, aos 79 anos de idade.



Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

1 comentário:

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil