O inesquecível Dudley Moore


O ator, músico e compositor Dudley Moore ficou marcado por suas atuações nas comédias, e na década de de 1960 tornou-se um fenômeno do humor inglês, antes de conquistar Hollywood.




Dudley Stuart John Moore nasceu em Essex, Inglaterra, em 19 de abril de 1935. Dudley Moore nasceu com deformidade nos pés e pernas, o que fez dele alvo de bullying nos tempos da escola. Baixinho (ele media 1,57), ele desenvolveu um enorme senso de humor como forma de auto defesa.

Aos seis anos de idade ele começou a estudar música, e aos onze ganhou uma bolsa de estudo para aperfeiçoar seu talento tocando piano, cravo, órgão, violino além de aprender teoria musical e composição.

Organista talentoso, ele começou a trabalhar aos quatorze anos de idade, tocando órgão em casamentos. Ele acabou ganhando uma bolsa de estudos para estudar música na Universidade de Oxford, onde conheceu o amigo Peter Cork.

Na Universidade, ele ingressou em uma banda de jazz, como pianista, mas em 1960 ele deixou o piano para trabalhar na peça Beyond the Fringe, ao lado de Peter Cook. O espetáculo de comédia satírica fez um enorme sucesso, e chegou a fazer uma turnê pelos palcos da Broadway, entre 1962 e 1964.

Moore também tocava piano na peça, além de fazer parte das esquetes cômicas.


Dudley Moore em Beyond the Fringe

De volta à Inglaterra, ele ingressou na televisão, atuando em Not Only... But Also (1965-1966 e depois novamente em 1970). Produzido pela BBC, o programa era estrelado por Peter Cook e Dudley Moore. Em 1968, a dupla teve outro programa, Goodbye Again.

Em 1966 a dupla estreou no cinema, na comédia A Loteria da Vida (The Wrong Box, 1966).


Dudley Moore, Ralph Richardson e Peter Cook em A Loteria da Vida

Depois a dubla escreveu o roteiro e estrelou o bem sucedido O Diabo é Meu Sócio (Bedazzled, 1967), dirigido por Stanley Donen, e com Rachel Welch no elenco. O filme fez um grande sucesso internacional.


Cartaz de O Diabo é Meu Sócio

A dupla encerrou a década de 1960 atuando nos filmes Os Intrépidos Homens em Seus Calhambeques Maravilhosos (Monte Carlo or Bust!, 1969) e The Bed Sitting Room (1970).


Dudley More e Peter Cook em  Os Intrépidos Homens em Seus Calhambeques Maravilhosos

Dudley ainda fez ainda alguns filmes sem Cook: 30 Is a Dangerous Age, Cynthia (1969) e As Aventuras de Alice no Mundo das Maravilhas (Alice's Adventures in Wonderland, 1972), e também estrelou estrelou a peça Play It Again, Sam (1969), escrita por Woody Allen.


Dudley Moore (o rato) em Alice no Mundo das Maravilhas 

Nos anos seguintes, a relação dos amigos ficou estremecida devido ao alcoolismo de Cook, que começou a afetar o seu trabalho. Eles ainda fizeram a peça Good Evening juntos, que fez muito sucesso, e ganhou um Tony e um Grammy.

Após fazer uma turnê com o espetáculo na Broadway, Dudley Morre resolveu ficar nos Estados Unidos, para tentar uma carreira em Hollywood. Os amigos ainda trabalhariam juntos em O Cão dos Baskervilles (The Hound of the Baskervilles, 1978), cuja trilha sonora foi composta por Moore. O filme foi um grande fracasso comercial e foi condenado pela crítica.


Peter Cook e Dudley Moore em O Cão dos Baskervilles 

Em Hollywood, ele fez um papel de coadjuvante em Golpe Sujo (Foul Play, 1978), uma comédia estrelada por Goldie Hawn e Chevy Chase. O papel chamou muita atenção, e no ano seguinte ele foi convidado para estrelar Mulher Nota 10 (10, 1979), um grande sucesso em sua carreira, co-estrelado por Bo Derek.

Mulher Nota 10 foi um dos dez filmes mais vistos do ano, e fez de Dudley Moore um astro em Hollywood.


Goldie Hawn e Dudley Moore em Golpe Sujo


Bo Derek e Dudley Moore em Mulher Nota 10

Ele então protagonizou a comédia A Outra Face de Moisés (Wholly Moses!, 1980), que não fez sucesso. Mas em seguida fez Arthur, o Milionário Sedutor (Arthur, 1981), ao lado de Liza Minelli e John Gielgud. O filme fez um sucesso ainda maior que Mulher Nota 10, e rendeu ao ator uma indicação ao Oscar, e lhe deu um Globo de Ouro de Melhor Ator.


Dudley Moore e Liza Minelli em Arthur, o Milionário Sedutor


Dudley Moore e seu Globo de Ouro


Seus filmes seguintes, Seis Semanas (Six Weeks, 1982), O Amor Tem Seu Preço (Lovesick, 1983), Uma Comédia Romântica (Romantic Comedy, 1983) e Infielmente Tua (Unfaithfully Yours, 1984) fizeram moderado sucesso, mas consagraram o pequeno Dudley Moore como um improvável astro de comédias românticas.


Dudley Moore e Nastassja Kinski em Infielmente Tua


Em 1984 ele ganhou outro Globo de Ouro pela comédia Minhas Duas Mulheres (Micki + Maude, 1984). Mas seus trabalhos posteriores não foram bem recebidos, incluindo Arthur, o Milionário Arruinado (Arthur 2: On the Rocks, 1988).


John Gielgud, Dudley Moore e Liza Minelli em Arthur, o Milionário Arruinado


Dudley Moore ainda atuou nos filmes Santa Claus: A Verdadeira História de Papai Noel (Santa Claus: The Movie, 1985), Tal Pai, Tal Filho (Like Father Like Son, 1987), Escândalos no Hotel (Blame It on the Bellboy, 1992), Uma Estréia Divertida (The Pickle, 1993) e Vidas Paralelas (Parallel Lives, 1994).

O ator se negou a fazer uma nova sequência de Arthur, e estrelou a série de TV Dudley (1993), que foi cancelada após o sexto episódio. Sua série seguinte, Daddy's Girls (1994), teve uma vida ainda mais curta, durando apenas três episódios.




Dudley Moore, que havia composto músicas para diversos de seus filmes também gravou dois discos na década de 1990.

Em 1995 ele entrou em uma profunda depressão após a morte de Peter Cook. O ator costumava ligar para sua casa diversas vezes apenas para ouvir a voz do amigo na secretária eletrônica.

Em 1995 também a sua carreira estava entrando em declínio, e o ator já não conseguia mais decorar suas falas. Ele acabou demitido do elenco de O Espelho Tem Duas Faces (The Mirror Has Two faces, 1996), de Barbra Streissand.

Dudley então resolveu dedicar-se ao piano, mas suas mãos também não respondiam mais aos seus comandos. A fala arrastada e a perda de equilíbrio que o artista apresentava foi mal interpretada, e constantemente era divulgada pela mídia como embriaguez.




Entretanto, suas dificuldades eram devidas a sua condição médica, que futuramente o levariam à morte. O ator ainda atuou em Conquistas & Confusões (A Weekend in the Country, 1996) e dublou a animação O Poderoso Kong (The Mighty Kong, 1998), e depois deixou o cinema definitivamente.




Em abril de 1997 Dudley Moore passou mal, e ficou cinco dias hospitalizado. Ele foi diagnosticado com uma doença que causava danos irreversíveis em seu cérebro. Em setembro do mesmo ano, ele precisou fazer uma cirurgia no coração, e ainda em 1997 sofreu quatro derrames.

Em 1999 ele anunciou que sofria de uma doença degenerativa cujos sintomas havia sido confundidos com bebedeira pelo público.

Em novembro de 2001, o ator fez sua última aparição pública, quando foi nomeado Comandante do Império Britânico. Já bastante debilitado, Dudley Moore recebeu a honraria em uma cadeira de rodas.





Em 27 de março de 2002 o ator faleceu, aos 66 anos de idade.


Dudley Moore foi casado quatro vezes: com a atriz Suzy Kendal (1968-1972), com a atriz Tuesday Weld (1975-1980), com quem teve um filho, e com Brogan Lane (1988-1991) e Nicole Rothschild (1994-1998), com quem teve um segundo filho.

Ele manteve bom relacionamento com as três primeiras esposas, mas deixou ordem expressas proibindo Rothschild de ir ao seu funeral.



Tuesday Weld e Dudley Moore






0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil