Morre, aos 69 anos, o escritor e jornalista Artur Xexéo





O escritor, jornalista e dramaturgo Artur Xexéo morreu neste domingo (27) aos 69 anos. Ele estava internado na Clínica São Vicente, na Zona Sul do Rio.

Xexéo foi diagnosticado apenas duas semanas atrás com um linfoma de não hodginks das células T. Fez a primeira sessão de quimioterapia na quinta e passou mal à noite. Na sexta, teve uma parada cardiorrespiratória, logo revertida. Mas, em função dela, não resistiu e morreu na noite deste domingo. Artur Xexéo deixa o companheiro, Paulo Severo.

Entre os seus livros estão "Janete Clair: a usineira de sonhos", "O torcedor acidental (crônicas)" e "Hebe, a biografia". Escreveu ainda, junto com Carlos Heitor Cony e Heródoto Barbeiro, "Liberdade de Expressão".

Colunista do jornal "O Globo" e comentarista da GloboNews, ele também teve passagens por "Veja" e "Jornal do Brasil". Desde 2015, participava da transmissão do Oscar na Globo. Também ficou conhecido no rádio. Na CBN, estreou ao lado de Carlos Heitor Cony como comentarista.

Xexéo também foi dramaturgo. Escreveu o musical “A Garota do Biquíni Vermelho” e a peça "Nós sempre teremos Paris". Traduziu o espetáculo musical "Xanadu", dirigido por Miguel Falabella, e "Love Story, o musical", dirigido por Tadeu Aguiar. Foi responsável também pelos musicais "Cartola - o mundo é um moinho" e "Minha Vida Daria Um Bolero". Em 2019, fez a adaptação do musical "A cor púrpura".

Um de seus últimos espetáculos escritos foi “Bibi, uma vida em musical”, em homenagem à diva do teatro Bibi Ferreira.

Xexéo começou no "Jornal do Brasil" em 1978 como repórter na sucursal do Rio de Janeiro. Conheceu o jornalista Zuenir Ventura e, em 1982, foi convidado para trabalhar na revista "IstoÉ". Em 1985, virou subeditor da Revista de Domingo, suplemento cultural do Jornal do Brasil.

Também foi editor do Caderno B, do caderno de Cidade e subsecretário de redação. Em 1992, foi convidado para ser um dos colunistas do jornal. Em 2000, mudou de casa. Virou colunista do jornal "O Globo". Foi também editor do suplemento Rio Show e do Segundo Caderno.

Uma das maiores inspirações do jornalista foi o cronista Sérgio Porto, conhecido pelo pseudônimo Stanislaw Ponte Preta. Embora o autor tivesse se notabilizado por livros, Xexéo disse que a obra de Porto o inspirou até para falar sobre televisão. Atualmente, era comentaria de cinema e cultura na Globo News.




0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil