Carmen Sevilla, a estrela de Violetas Imperiais


Em 1952 o mundo ficou encantado com a graça da espanhola Carmen Sevilla no filme Violetas Imperiais (Violetas Imperiales, 1952). A atriz e cantora interpretava a cigana Violeta, por quem o nobre Don Juan de Ayala (papel do tenor Luis Mariano) se apaixona.


O sucesso do filme (lançado anos antes de La Violetera, de Sarita Montiel) projetou o nome de Carmen Sevilla mundialmente, embora ela já fosse uma grande estrela na Espanha e México.


Maria del Carmen García Galisteo nasceu em Sevilha, na Espanha, em 16 de outubro de 1930. A cantora, atriz e dançarina espanhola deu seus primeiros passos na carreira artística aos 12 anos de idade, quando ingressou na Companhia de Estrelita Castro. O ensaiador não decorava seu sobrenome, e como haviam outras Carmens no grupo, passou a chamá-la de Señorita Sevilla, que acabou tornando-se seu sobrenome artístico.

Em seguida a jovem foi contratada pelo Balé de Montemar, dançando ao lado de Paquita RicoAna Esmeralda (atriz que viria fixar residência no Brasil). No cinema, seu primeiro papel foi em uma pequena participação, não creditada, no filme Serenata Espanhola (Serenata Española, 1947).

O estrelato, entretanto, chegou quando ela foi escolhida para contracenar com o mexicano Jorge Negrete no filme Jalisco canta en Sevilla (1949), uma produção mexicana, rodada na Espanha.



Nos anos seguintes ela protagonizou diversos filmes espanhóis, e chegou a filmar La Guitarra de Gardel (1949), na Argentina. Em 1951 contracenou no cinema pela primeira vez com o tenor basco Luis Mariano, em O Sonho de Andaluzia (El Sueño de Andalucía, 1951). 

Luis Mariano (1914-1970) era um astro das operetas espanholas (embora também tenha atuado com sucesso na França). Ele morreu com apenas 55 anos de idade, após sofrer uma hemorragia cerebral.



Carmen e Mariano repetiram a parceria em Andaluzia (Andalouise, 1951), antes de protagonizarem o sucesso Violetas Imperais (Violetas Imperiales, 1952), a maior bilheteria da carreira da dupla.


Ainda em 52 a artista atuou em dois filmes franceses Le Désir et L'Amour (1952) e Plume au Vent (1952). De volta à Espanha, contracenou com Paulette Goddard em Muchachas de Bagdad (1953).


No México, fez Reportagem (Reportaje, 1953) e Gitana Tenías Que Ser (1953) e contracenou com Luis Mariano novamente no francês A Bela de Cadiz (La Belle de Cadix, 1953), que foi outro grande sucesso.

Carmen Sevilla seguiu atuando na Espanha, França, México e Argentina. E ao lado de Fernandel, protagonizou outro sucesso, Os Amores de Dom Juan (Don Juan, 1956). E embora tenha recusado todos os convites de trabalhar em Hollywood, Hollywood foi até ela. Contratada pela Paramount, estrelou Cigana Espanhola (Spanish Affair, 1957), dirigido por Don Siegel. O Ator Yul Brynner chegou a trabalhar no elenco, mas acabou deixando a produção, não aparecendo no filme.



Ao lado de Raf Vallone, estrelou A Vingança (La Venganza, 1958), vencedor da Palma de Ouro de Cannes daquele ano. O filme também concorreu ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.


Na Itália, fez Pão, Amor e Andalusia (Pan, amor y Andalucía, 1958), onde contracenou com Vittorio de Sica, e sob direção de Nicholas Ray, interpretou Maria Madalena em Rei dos Reis (King of Kings, 1961).

Carmen Sevilla em O Rei dos Reis

Em 1960 a atriz havia anunciado que iria deixar a carreira, para se casar com um empresário chileno. Mas isto acabou nunca ocorrendo. Mas devido ao noivado, Carmen recusou alguns contratos, o que acabou afetando sua carreira posteriormente.

Carmen Sevilla acabou se casando com o compositor e maestro Augusto Algueró, e passou a cantar basicamente músicas de seu repertório. 

Seu filme seguinte foi o argentino Buscando a Mónica (1962), onde contracenou com o brasileiro Jardel Filho.

Jardel Filho e Carmen Sevilla

No mesmo ano estrelou O Cabaré das Ilusões (El Balcón de la Luna, 1962), ao lado da antiga colega Paquita Rico e da estrela do flamenco Lola Flores.


Em novembro de 1964 foi uma das atrações internacionais que se apresentaram nos palcos da TV Record (em São Paulo) e na TV Rio (no Rio de Janeiro).




Carmen Sevilla já havia estado no Brasil anteriormente, mas sempre rapidamente, durante escalas de viagem rumo a Buenos Aires. Mas em 1967 ela retornou ao país, desta vez como jurada do Festival Internacional da Canção, produzido pela Rede Globo. No juri ainda nomes como a atriz Joan Collins e o cantor e ator Ed Evanko, que mais tarde se tornou padre. (leia mais sobre Ed Evanko aqui).

Nos anos seguinte, em decadência, fez muitos filmes menores na Espanha, alguns similares as pornochanchadas brasileiras. Em 1972 foi dirigida por Charlton Heston em À Sombra das Pirâmides (Antony and Cleopatra, 1972), rodado na Espanha e Inglaterra, e estrelado por Heston. Seu último trabalho no cinema foi em 1978.

 Carmen Sevilla e Charlton Heston

1974

Em 985 Carmen Sevilla se divorciou de Augusto Algueró, casando-se novamente no mesmo ano, com Vicente Patuel, que morreu em 2000. Em 1986 retornou a carreira de atriz, atuando na novela La Viuda Blaca. Mais tarde, estrelou a série Ada Madrina (1999-2000).


Em 2009 também apresentava um programa Cine de Barrio na televisão espanhola, quando foi diagnosticada com Alzheimer. Com a doença avançada, a atriz foi substituída por Concha Velasco.

Atualmente, com 89 anos de idade, infelizmente, Carmen Sevilla não recorda-se da sua carreira, e nem mesmo reconhece seus familiares, nem mesmo Augusto Jose Algueró Garcia, seu único filho.

Carmen Sevilla (de rosa) em Cine de Barrio

Carmen Sevilla, aos 89 anos


Leia também:  A espanhola Paquita Rico

Curta nossa página no Facebook

Se inscreva no nosso canal do Youtube

0 comentários:

Publicar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil