Pernell Roberts, o eterno Adam Cartwright, de Bonanza


Bonanza (1959-1973), foi uma das séries duradouraa e bem sucedidas da televisão norte-americana. Também foi a primeira série transmitida à cores na história da TV Mundial.

As aventuras da família Carwright, moradores da fazenda Ponderosa, encantaram gerações de fãs pelo mundo todo, e Pernell Roberts, o Adam Cartwright (embora não tenha permanecido na série até o fim), era um dos personagens mais queridos do público.


Pernell Elven Roberts Jr. nasceu em Waycross, na Georgia, em 18 de maio de 1928. Ainda adolescente, Pernell começou a atuar e cantar na escola e apresentações da igreja. Logo o talentoso rapaz começou a se apresentar nos shows da United Service Organizations (USO), uma organização que leva entretenimento para os soldados norte-americanos em campos de batalha.

Em 1946 ele se alistou no Corpo de Fuzileiros Navais dos Estados Unidos, onde permaneceu por dois anos. Mas mesmo no exército não se afastou da veia artística, tocando tuba e corneta na banda naval. Ao deixar o exército, matriculou-se na Universidade de Maryland (embora não tenha se formado), e foi lá que teve sua primeira experiência com textos clássicos do teatro.

Em 1949 ele estreou profissionalmente nos palcos, e em 1952 ele se mudou para Nova York, em busca de maiores oportunidades. Em 1955 ele ganhou seu primeiro premio como ator teatral, por seu desempenho em Macbeth.

Em 1956 ele estreou na televisão, participando do programa
Kraft Television Theatre. Ele fez muitos trabalhos na televisão, até assinar um contrato com a Columbia, no ano seguinte. 

Roberts estreou no cinema interpretando o filho de Burl Ives em Desejo (Desire Under the Elms, 1958), que ainda tinha Sophia Loren e Anthony Perkins no elenco. No mesmo ano, fez O Irresistível Forasteiro (The Sheepman, 1958), ao lado de Glenn Ford, Leslie Nielsen e Shirley MacLaine.

Leslie Nielsen e Pernell Roberts (o primeiro a direita) em O Irresistível Forasteiro

No ano de 1958, ele ainda faria inúmeras aparições em séries para a televisão. Em 1959 ele teve um papel importante no filme O Homem que Luta Só (Ride Lonesome, 1959), ao lado de Lee Van Clift, James Coburn (em sua estréia no cinema) e Randolph Scott. O filme era outro western, como quase todos os papéis que Pernell Roberts fizera até então no cinema e televisão, embora fosse um ator com vasto currículo de teatro clássico.

No mesmo ano, ele foi escalado pela rede
norte-americana NBC para atuar em Bonanza, onde ele passou a interpretar Ben Cartwrigh, o filho mais velho de Ben Cartwright (papel de Lorne Greene). E ao contrário dos irmãos, que eram homens mais brutos, Adam era um engenheiro arquitetônico com formação universitária.

 Pernell Roberts, Lorne Greene, Michael Landon e Dan Blocker, os Cartwright

A série fez um grande sucesso, e fez de Pernell Roberts, ainda desconhecido do grande público um astro. Ele era o único cantor entre os atores do elenco, e apareceu cantando em diversos episódios.

Mas o ator não estava feliz com seu papel. Ele tinha um bom relacionamento com todo o elenco (até o fim da vida ele manteve grande amizade com com Michael Landon e Dan Blocker, que interpretavam seus irmãos), mas achava a série simplista. Ele deu algumas entrevistas onde afirmava achar absurdo homens com mais de trinta anos sem grandes ambições, e que tinham que pedir autorização do pai para tudo.

E ainda sentia que não era muito desafiado como ator neste papel.


Em 1965 Roberts deixou a série definitivamente. Foi dito que seu personagem havia mudado-se para longe, para resolver alguns negócios familiares. O ator Guy Willians (que havia feito muito sucesso na série Zorro) chegou a entrar no elenco, como um primo da família. Mas Guy achou o clima dos bastidores tenso, e sentiu que a pressão de substituir um personagem tão querido era muito grande, e acabou pedindo para ser afastado.

Foi alegado que o ator deixou a série por exigir um aumento de salário, e por criticar a série publicamente, chamando-a de lixo. Mas isto não é bem verdade. Pernell Roberts era um humanitário, e se envolveu em diversas causas sociais. Ele lutou ao lado de Martin Luther King contra a segregação e pela igualdade dos direitos civís, sendo um dos artistas (como Bob Dylan, Joan Baez e Harry Belafonte) que participaram da famosa Marcha de Selma a Montgomery, contra o racismo e a segregação.

 Pernell Roberts e a esposa Judith na Marcha de Selma

Muitos fãs não gostaram da atitude do ator, e enviavam cartas reclamado dele, principalmente nos estados do sul, que eram mais racistas, e onde a série tinha grande audiência.

Também eram notórias as declarações de Roberts dizendo que a série não respeitava as minorias, que era sexista, e que mostrava os gurpos etnicos de forma estereotipadas, além de não contratar atores negros ou nativos americanos para  os episódios, preferindo pintar o rosto de atores brancos. Nos bastidores do programa, ele era chamado de "O Cartwright Liberal".

Sabendo que o personagem ainda assim era muito querido, a NBC sugeriu que Adam se casasse, e aparecesse em alguns episódios eventualmente, mas o produtor David Dortort recusou a oferta, dizendo que não gostava de Roberts, e não achava ele nada especial.

Roberts também não tinha mais interesse em permanecer, já que lhe foi prometido que seu personagem amadureceria com o tempo, coisa que nunca aconteceu. Ele também reclamava que lhe haviam prometido intervalos de filmagens, para que ele pudesse atuar no teatro o que também nunca foi cumprido.

Mesmo com a saída do ator, a série permaneceu no ar até 1973.

A Vida Após Bonanza

Enquanto gravava a série, Pernell Roberts só fez um filme, a comédia Mocinho Encrenqueiro (The Errand Boy, 1961), estrelada por Jerry Lewis. Era uma pequena participação, onde ele aparecia como o personagem Adam Cartwright.

 Jerry Lewis e Pernell Roberts em O Mocinho Enquenqueiro

Ao pedir para deixar a série, o ator entrou para uma espécia de lista negra em Hollywood, que não lhe ofereciam grandes papéis. Ele seguiu fazendo participações em séries de TV, mas parecia não se importar com a falta de trabalho na indústria do entretenimento, mergulhando de cabeça no teatro.

Ele estrelou peças como O Rei e Eu (Te King and I), Kiss Me Kate, Camelot, The Music Man, A Noviça Rebelde (The Sound of Music), Carrossel, e até na tumultuada produção de Mata Hari, dirigida por Vincent Minnelli. A peça teve pouco tempo de ensaio, e recebeu péssimas crítcas devido a isto.


Vincente Minnelli, Pernell Roberts e Marisa Mell, nos bastidores de Mata Hari

Em 1972 ele contracenou com Ingrid Bergman na Broadway, em  Captain Brassbound. No mesmo ano, interpretou nos Reth Buttler nos palcos, papel eternizado por Clark Gable em ...E o Vento Levou (Gone With the Wind, 1939). Em 1973 ele foi nomeado ao importante prêmio Joseph Jefferson Award, por seu desempenho em Welcome Home, encenada nos palcos de Chicago.


Pernell Roberts e Leslie Ann Warrem em ...Gone With the Wind

Apesar de nunca ter abandonado a televisão, atuando em séries como Gunsmoke e The Big Valley, ele só retornou ao cinema cinco anos após deixar o elenco de Bonanza, atuando no filme espanhol E Quatro Partiram a Cavalo (Four Rode Out, 1970), ao lado de Sue Lyon, a antiga Lolita de Kubrick. Ainda na Espanha ele atuou em Tibetana (1970). Ambos os filmes foram dirigidos por John Peyser.

Sue Lyon e Pernell Roberts em E Quatro Partiram a Cavalo 

Na década de 70 ele só faria outros três filmes,  Paco (1976), A Magia de Lassie (The Magic of Lassie, 1978) e O Cavaleiro da Noite (The Night Rider, 1979). Mas atuou como convidado em diversas séries para a televisão.

 Pernell Roberts em A Magia de Lassie

Em 1979 ele recuperou seu status de astro da televisão, ao interpretar o médico John McIntyrena série Trapper John, M.D. (1979-1986), que lhe valeu uma indicação ao prêmio Emmy.

Já maduro, e sem esconder uma calvíce precoce (ele já usava perucas nos tempos de Bonanza), ele era novamente protagonista de uma série popular, exibida no horário nobre. Lorna Luft, a outra filha atriz de Judy Garland, também fazia parte do elenco.

 Pernell Roberts em Trapper John, M.D.

Com o fim da série, em 1986, ele atuou nos telefilmes A Saga de um Fugitivo (Desperado, 1987) e Expresso Para Kathmandu (The Night Train to Kathmandu, 1988), um dos primeiros trabalhos da atriz Milla Jovovich. No começo dos anos 90 foram produzidos dois filmes de retorno da série Bonanza, mas o ator não foi convidado para se juntar com o elenco original.

Em 1989 o ator sofreu um dos piores momentos de sua vida, quando seu único filho, Christopher Roberts, morreu em um acidente de moto, com apenas 38 anos de idade. Deprimido, Pernell Roberts foi cada vez mais se afastando da carreira de ator.

 Pernell Roberts e seu filho Christopher

Em 1991 ele fez seu último filme, Veneno Do Asfalto (Checkered Flag, 1991). E em 1997, após atuar em um episódio da série Diagnosis Murder, o ator se aposentou definitivamente.

O ator morreu de câncer de pâncreas em 24 de janeiro de 2010, aos 81 anos de idade.


Ele foi o último dos membros do elenco de Bonanza a falacer. Dan Blocler morreu em 1972, Lorne Greene em 1987 e Michael Landon em 1991. Mesmo Guy Williams, o primo Will Cartwright, faleceu em 1989.

                                          Relembre a abertura de Bonanza




Curta nossa página no Facebook 
Se inscreva no nosso canal do Youtube

0 comentários:

Enviar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil