Por Onde Anda? Mara Wilson, de Matilda


Na década de 1990 Mara Wilson era uma das mais populares e talentosas atrizes mirins do cinema. E apesar da pouca idade, ele começou a atuar com 5 anos, demonstrou sensibilidade e uma maturidade fora do normal em filmes como Uma Babá Quase Perfeita (Mrs. Doubtfire, 1993), Milagre na Rua 34 (Miracle on 34th Street, 1994) e Matilda (Idem, 1996).


Mara Wilson em Matilda


Mara Elizabeth Wilson nasceu em Los Angeles, em 27 de julho de 1987. O irmão mais velho de Mara Wilson, Daniel Ben Wilson, foi também ator mirim (embora tenha abandonado a carreira), e por influência do irmão, a pequena Mara pediu para  a família que também queria atuar.


Daniel Ben Wilson


Após a relutância dos pais, devido a sua pouca idade, eles aceitaram, desde que a menina só fizesse filmes que fossem feito para famílias e crianças. Mara teve seus primeiros trabalhos na publicidade, e estreou no cinema em Uma Babá Quase Perfeita (Mrs. Doubtfire, 1993), onde interpretou uma das filhas de Robin Williams.


Mara Wilson (nos braços de Robin Williams) em Uma Babá Quase Perfeita


A menina agradou aos produtores, e encantou o coração do público, e recebeu muitos novos convites. Ela apareceu em muitas séries de televisão, e atuou no drama A Time to Heal (1994), onde interpretou uma menina cuja mãe havia sofrido um grave derrame. Mas sua grande chance veio com o remake de Milagre na Rua 34 (Miracle on 34th Street, 1994), fazendo o papel que havia sido anteriormente de Natalie Wood.

Mara interpretava uma menina inteligente e cínica, que se rendia a magia do natal. Curiosamente, ela havia sido criada para não acreditar em Papai Noel, o que de certa forma a ajudou a sentir empatia com a postura de seu personagem, que não acreditava na sua existência.


Mara Wilson em Milagre na Rua 34


Após este filme, a atriz ficou dois anos afastada, até que retornou ao cinema em um de seus papéis mais famosos, a menina Matilda, que desenvolve poderes mágicos para lidar com a arrogante família e Agatha Trunchbull, a diretora opressiva de sua escola.

Durante as filmagens, a mãe de Mara Wilson morreu (vítima de câncer de mama, e o filme é dedicado a sua memória). O diretor Danny DeVitto perguntou se a menina queria desistir do projeto, mas ela disse que iria cumprir seus compromissos, e corajosamente seguiu em frente no projeto.



Danny DeVitto e Mara Wilson em Matilda


A menina atriz ainda fez Um Passe de Mágica (a Simple Wish, 1997), A Fazenda dos Balões (Ballom Farm, 1999) e Thomas e a Ferrovia Mágica (Thomas and the Magic Railroad, 2000), que acabou sendo um grande fracasso nas bilheterias.




Aos 13 anos de idade, ela foi convidada para atuar no cult Donnie Darko (Idem, 2001), mas recusou o papel, e afastou-se da carreira artística. Ela preferiu voltar para a escola, e se dedicar aos seus estudos, indo posteriormente para a faculdade, onde estudou direção de cinema e atuação.

Ela chegou a dirigir um documentário em 2005, com tom semi auto biográfico, e em 2011 voltou a atuar, participando de um curta-metragem dirigido por um amigo.

Mara Wilson tornou-se dramaturga, e também passou a escrever colunas para revistas. Em sua obra, ela fala abertamente sobre seu transtorno obsessivo compulsivo (TOC), os abusos psicológicos que sofreu quando era criança (por parte de profissionais do cinema) e a sexualização precoce que sofreu quando atuava, além de falar sobre sua bissexualidade. Ela também escreveu sua autobiografia em 2016, chamada "Onde estou atualmente".






Em 2015, após muitos anos longe dos longa metragens, atuou (como ela mesma) no filme Billie Bob Joe (2015). E atualmente, também faz trabalhos eventuais como dubladora, tendo emprestado sua voz para animações como BoJack Horseman (2016) e Operação Big Hero: A Série (Big Hero 6; The Series, 2020-2021). Também atuou recentemente no curta Pre-Emptive Defence (2021).

Hoje em dia, Mara Wilson também é atriz de teatro.



Mara Wilson atualmente

Mara Wilson, antes e depois



0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil