Kurt Russell, a última aposta de Walt Disney


Kurt Russell ficou famoso como astro de filmes de ação nas décadas de 1980 e 1990. Mas antes de despontar em sucessos como Os Aventureiros do Bairro Proibido (Big Trouble in Little China, 1986) e Fuga de Los Angeles (Escape From L.A., 1996), Kurt foi um ator mirim que trabalhou muito no cinema, e foi o último astro infantil descoberto por Walt Disney.


Kurt Russel nasceu em Springfield, Massachussetts, em 17 de março de 1951. Ele cresceu nos bastidores de Hollywood, porque era filho do ator Bing Russell, e aos 10 anos de idade começou a atuar.

Sua primeira aparição foi na TV, na série O Pimentinha (Dennis The Menace), em 1962. No ano seguinte fez uma pequena ponta chutando a canela de Elvis Presley em Loiras Morenas e Ruivas (It Happened at the World's Fair, 1963).

Kurt Russel chutando Elvis Presley

Mas seu primeiro grande papel foi no western da MGM As Armas do Diabo (Guns of Diablo, 1964), no qual contracenou com Charles Bronson.

Charles Bronson e Kurt Russell

O menino buscava sua grande chance como ator, porém foi rejeitado em testes para Bill Robinson (em Perdidos no Espaço) e para ser uma das crianças Von Trapp em A Noviça Rebelde (The Soud of Music).

Mas o produtor cinematográfico Walt Disney viu o trabalho do menino, e o chamou para conversar. Disney tinha uma tradição de revelar atores mirins talentosos, e viu no jovem Russell o talento que procurava, colocando-o sob seu contrato.

Russell estreou nos estúdios Disney aos 15 anos de idade, atuando em Nunca é Tarde Para Amar (Follow Me, Boy!, 1966), contracenando com os veteranos Fred MacMurray, Vera Milles e Lillian Gish. No filme ele também dividia cenas com a então adolescente Luana Patten, antiga estrela mirim de A Canção do Sul (South of the South, 1946).


Mas poucos meses depois da estreia do filme, Walt Disney faleceu (em 15 de dezembro de 1966). Reza a lenda urbana que suas últimas palavras teriam sido: "Kurt Russell!".

Mas isto não é totalmente verdade. Antes de morrer, Disney escreveu uma nota, deixada em cima de sua escrivaninha, onde lia-se no papel Kirt Russell (com a grafia incorreta). Foi a última anotação deixada pelo produtor, diretor e criador do Mickey Mouse (e de todo um império).

E mesmo com Disney morto, Russell ainda estrelaria outros filmes do estúdio. Em seu próximo filme na Disney, A Banda da Família Bower (The One and Only, Genuine, Original Family Band, 1968), ele conheceu a atriz Goldie Hawn (em seu primeiro filme).

Anos mais tarde, em 1983, os dois se casariam.

Goldie Hawn e Kurt Russell em A Banda da Família Bower

Na Disney, Kurt ainda faria A Sorte Tem Quatro Patas (The Horse in the Gray Flannell Suit, 1968), Guns in the Heather (1969), O Computador de Tênnis (The Computer Wore Tennis Shoes, 1969), O Chimpanzé Manda-Chuva (The Barefoot Executive, 1971), Invencíveis e Invisíveis (Now You See Hum, Now You Don't, 1972), Um Anjo da Guarda Muito Especial (Charley and the Angel, 1973), Superdad (Idem, 1973) e O Homem Mais Forte do Mundo (The Strongest man in the World, 1975).



Ao todo Kurt Russell atuou em 10 filmes da Disney, sendo um dos artistas que mais filmou no estúdio. Ele deixou para trás a imagem de astro adolescente quando interpretou Elvis Presley, aquele que ele chutou em seu primeiro filme, na cinebiografia Elvis (Idem, 1979).

Kurt Russell como Elvis

E depois de estrelar Fuga de Nova York (Escape from New York, 1981), ele iniciou uma bem sucedida carreira como astro de filmes de ação.

Em 2004 ele voltou a Disney, atuando em Desafio no Gelo (Miracle, 2004), e depois fez Super Escola de Heróis (Sky High, 2005). E em 2017 o diretor James Gunn disse que chamou Kurt Russell para interpretar o vilão Ego em Guardiões da Galáxia Vol. 2 (Guardians of the Galaxy Vol. 2, 2017), por causa da lenda de Walt Disney.

Com a fusão da Marvel com a Disney, o filme também é uma produção dos estúdios de Walt Disney.

Kurt Russell em Guardiões da Galáxia Vol. 2 

0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil