Ator João Acaibe morre vítima da Covid-19


O ator João Acaibe morreu na noite de 31 de março, aos 76 anos de idade. Ele estava internado devido a complicações da Covid-19, e sua morte foi divulgada por parentes em sua rede social.




João Batista Acaibe nasceu em Espírito Santo do Pinhal em 14 de maio de 1944. Trabalhou como ator, locutor, radialista, contador de histórias e dublador. Acaibe começou a sua carreira como locutor, e formou-se em teatro pela Escola de Arte Dramática de São Paulo. No teatro, protagonizou Jesus Homem, de Plínio Marcos, onde interpretava um Cristo Negro.


Jesus Homem


Ele estreou na televisão atuando nas novelas da TV Tupi, onde fez A Viagem (1975), O Profeta (1977), Cinderela 77 (1977), Salário Mínimo (1978) e Gaivotas (1978).

Na TV também atuou em diversas outras emissoras, mas ficou marcado por seus trabalhos dedicados ao público infantil, como no programa Bambalalão, na TV Cultura, e como o Tio Barnabé no Sítio do Pica Pau Amarelo (2001-2006) e como o chef Chico, o cozinheiro da segunda versão de Chiquititas (2013-2015). Gésio Amadeu, que interpretou o Chico na primeira versão, também morreu de Covid, em agosto de 2020.






No cinema, Acaibe atuou em mais de 20 filmes, destacando-se em Elas São do Baralho (1977), que marcou sua estreia no cinema, e filmes como Eles Não Usam Black-Tie (1981), Chico Rei (1986), Cronicamente Inviável (2000), Casa de Areia (2005), Família Vende Tudo (2011) e M8: Quando a Morte Socorre a Vida (2020), seu último trabalho no cinema.



João Acaibe em Chico Rei


Em 1986 ele ganhou o Kikito de Melhor Ator no Festival de Cinema de Gramado, pelo filme O Dia em Que Dorival Encarou a Guarda (1986), de Jorge Furtado e José Pedro Goulart.


João Acaibe em O Dia em Que Dorival Encarou a Guarda


Veja também: Raul Gil já foi ator


Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube
Siga também nosso Instagram

Morre Lafayette, o rei dos teclados da Jovem Guarda


O músico Lafayette Coelho, que com seus teclados ajudou a imprimir a identidade da Jovem Guarda faleceu aos 79 anos de idade. O músico estava internado no Rio de Janeiro com pneumonia, e sua morte foi confirmada por sua esposa, a cantora Dina Lúcia, através das redes sociais.

Em fevereiro o artista havia sido internado, após fraturar o fêmur. Com uma saúde debilitada, ele também fazia sessões regulares de hemodiálise.


O pianista e tecladista carioca Lafayette Coelho Varges Limp nasceu em 11 de março de 1943, e participou da gravação de mais de 50 discos no período conhecido como Jovem Guarda, acompanhando astros como Roberto Carlos, Wanderléa, Erasmo Carlos, Sérgio Reis e Golden Boys

Basta ouvir as gravações originais das músicas Quero que vá tudo pro inferno hino da Jovem Guarda que consolidou definitivamente a carreira então ascendente de Roberto Carlos – e Coração de papel  de Sérgio Reis, 1966) para perceber a marca do órgão de Lafayette nos discos da Jovem Guarda lançados a partir de 1965.




Lafayette participou ativamente dos arranjos musicais dos filmes de Roberto Carlos, e chegou a aparecer em um número musical do filme Roberto Carlos em Ritmo de Aventura (1967).


A sonoridade do órgão do tecladista era tão marcante que, após álbum inicial dedicado em 1965 à mulher Dina Lúcia, o artista começou a gravar a série de discos Lafayette e os sucessos, com abordagens instrumentais de hits da época. A série rendeu 20 volumes editados de 1966 a 1978 pela gravadora CBS, na qual Lafayette permaneceu até 1980, até ser dispensado e ter que gravar em companhias fonográficas de menor peso no mercado, como as já extintas Copacabana e Continental



Lafayette e Seu Conjunto também animaram diversos bailes nesta época. Mesmo com menor regularidade, Lafayette gravou discos até o fim da década de 1980, amargando nos anos 1990 um período de menor visibilidade que somente seria encerrado quando, nos anos 2000, músicos cariocas da nova geração pop – fãs assumidos da Jovem Guarda – reabilitaram o organista com a criação em 2004 de grupo, Lafayette e os Tremendões, centrado na figura do tecladista.





Josh Saviano, o Paul de Anos Incríveis, Completa 45 Anos de Idade


Josh Saviano ficou famoso como o Paul Pffeifer, o melhor amigo de Kevin Arnold (Fred Savage) na bonita série Anos Incríveis (The Wonder Years, 1988-1993). No Brasil, a série encantou uma geração quando exibida na TV Cultura.


Josh Saviano, Fred Savage e Danica McKellar em Anos Incríveis



Joshua David Saviano nasceu em Nova York, em 31 de março de 1976. Filho de um consultor financeiro, ele começou a fazer a publicidade na infância, atuando em um comercial de pasta de dentes.

Aos nove anos de idade ele estreou no cinema atuando na comédia Chutando o Pau da Barraca (The Wrong Guys, 1988). Pouco tempo depois ele foi escalado para viver o nerd meio desengonçado Paul Pffeifer em Anos Incríveis (The Wonder Years, 1988-1993).

A série fez muito sucesso, e rendeu a Saviano duas indicações ao Yong Artist, um prêmio dedicado a atores mirins.



Paul, o personagem de Josh Saviano, serviu de inspiração para a criação do personagem Milhouse Van Houtten de Os Simpson (The Simpsons), programa que foi criado em 1989.



Enquanto gravava a a série, Saviano ainda fez uma fez uma participação na série The Ray Bradbury Theater (1989), e também atuou na comédia Cucamonga: Um Acampamento Muito Louco (Camp Cucamonga, 1990), ao lado de sua colega Danica McKellar, a Winnie Cooper de Anos Incríveis.


Elenco de Cucamonga: Um Acampamento Muito Louco

Quando a série foi cancelada, Josh Saviano deixou de atuar. Ele terminou os seus estudos, e posteriormente formou-se em ciências políticas, em 1998. Depois fez outro curso, formando-se em direito direito na conceituada Universidade de Yale.

Quando estava na Universidade, surgiu um boato que ganhou ares de lenda urbana, que dizia que Josh Saviano e o roqueiro Marilyn Mason eram a mesma pessoa. Em entrevista a revista Star Magazine ele disse que recebia cerca de 20 emails por dia perguntando se ele era mesmo Mason, e ainda acrescentou que achava engraçado ser confundido com o cantor. "O que você prefere, que as pessoas pensem que você é o garoto idiota de Anos Incríveis ou uma estrela satânica do rock? A segunda opção é muito mais legal!", declarou o ex ator.


Josh Saviano e Marilyn Mason

Aos 38 anos de idade, Josh Saviano fez um breve retorno, atuando em três episódios de Lei & Ordem: Unidade de Vítimas Especiais (Law & Order: Special Victims Unit), interpretando um advogado e conselheiro legal. 


Josh Saviano em Lei & Ordem: Unidade de Vítimas Especiais

Saviano trabalhou em conceituados escritórios de advocacia nova iorquinos, mas em 2015 montou seu próprio escritório. Em 2002 ele se casou com Jennifer Romer, e tem uma filha.

Ele e Fred Savage são grandes amigos até os dias de hoje.


Josh Saviano e esposa

Josh Saviano e a filha



Josh Saviano atualmente



Reunião do elenco de Anos Incríveis, em 2019

Como a filha de Peter Lorre sobreviveu ao ataque de Serial Killers


Peter Lorre foi um dos maiores coadjuvantes de Hollywood nas décadas de 1940 e 1950. Quem não se lembra dele em Casablanca (Idem, 1942)? Mas foi como o assassino Hans Beckert de M, O Vampiro de Dusseldorf (M - Eine Stadt Sucht Einen Mörder, 1931), um clássico do expressionismo alemão, que o ator ficou mundialmente conhecido.

Peter Lorre

Lorre teve uma única filha, Catharine Lorre, que nasceu em Hollywood, em 1953. Catherine nunca seguiu os passos artísticos do pai, mas em 1977 tornou-se personagem de uma história aterrorizadora, semelhante aos filmes de terror estrelados por seu pai.

Ela tinha 24 anos de idade quando foi abordada pelos primos Angelo J. Buono e Kenneth A. Bianchi, os "Estranguladores de Hillside". 



Os primos assassinos abordavam jovens bonitas no bairro de Hillside, onde moravam famílias de classe média alta, na Califórnia. As moças eram sequestradas, torturadas, estupradas e mortas, e seus corpos jogando em uma colina próxima aos crimes.

Ao todo, a polícia atribuiu aos serial killers a morte de doze vítimas, incluindo uma menina de 12 anos de idade.

As vítimas dos "estranguladores de Hillside"

Catherine quase foi uma das vítimas da dupla. Ela voltava a pé do trabalho quando a dupla a abordou. Eles fingiam ser ser policiais e mostraram um distintivo falso, obrigando-a a entrar no carro, e pediram a sua bolsa, fingindo interesse em conferir seus documentos.

Na carteira de Catharine, eles não só perceberam o sobrenome famoso, como também viram uma antiga foto da jovem, quando criança, sentada no colo do pai. Buono e Bianchi reconheceram o ator Peter Lorre, que já havia falecido, e soltaram a moça imediatamente.

A foto que salvou a vida de Catharine Lorre

Catherine Lorre não entendeu nada, mas mais tarde viu um retrato falado dos suspeitos na televisão, e ligou os pontos. Ela foi até a polícia e ajudou a identificar seus quase algozes, o que foi essencial para  capturá-los. 

Na delegacia os primos confessaram que soltaram Catherine por serem fãs dos filmes de Peter Lorre. Além disto tinham medo da publicidade que a morte da filha de um artista de cinema poderia render. Em 1979 eles foram condenados a prisão perpétua pelos crimes brutais. 

Os assassinatos de Hillside já inspiraram quatro filmes.

Catharine Lorre


A triste vida de Catharine Lorre

Catharine Lorre sobreviveu aos estranguladores psicopatas, mas morreria pouco tempo depois, com apenas 32 anos de idade. 

A vida de Catharine Catharine Evelyn Lorre Baker foi bastante conturbada e triste. Peter Lorre era viciado em morfina, e conheceu sua terceira esposa em uma clínica de reabilitação. Anne Marie Brenning também lutava contra o vício, e deu à Luz a Catherine em 21 de setembro de 1953.


Peter e Catharine Lorre

Anne Marie, Peter Lorre e Catharine

Seus pais se separaram em 1962, e dois anos depois Lorre faleceu, aos 59 anos de idade. Anne Marie, que era alcoólatra, morreu em 1971, aos 49 anos de idade.

Catharine tinha 17 anos, e ninguém se interessou em ficar com a guarda da adolescente. A atriz Celia Lovsky, primeira esposa de Peter Lorre ficou com pena da garota, e cedeu um quarto para ela morar. Depois o crítico de cinema James Powers, que era viúvo da atriz Karen Verne (segunda esposa de Lorre, que cometeu suicídio em 1967) acabou tornando-se seu guardião.

Em 1980 Catharine casou-se, e parecia ter encontrado a felicidade. Mas seu marido morreu pouco tempo depois, em um acidente de motocicleta.

Pouco tempo depois ela adoeceu. Catharine havia nascido com problemas de saúde, devido ao fato de sua mãe ter consumido drogas em sua gestação. Entre outras comorbidades, ela desenvolveu diabetes infantil, que nunca foi realmente tratada.

Catharine Lorre

Em 1984 ela foi internada em um hospital, após perder a visão, além de possuir sérios problemas circulatórios. Após quase um ano internada, ela faleceu em 07 de maio de 1985, vítima de uma encefalomalácia e complicações da diabetes, aos 32 de idade.

Seu corpo ficou mais de um mês no necrotério municipal, sem ser reclamado. Por fim um primo providenciou seu funeral, no qual compareceram apenas quatro pessoas: o primo, um antigo advogado de Peter Lorre acompanhado de seu filho e a uma das enfermeiras que cuidou dela durante sua internação.

Humphrey Bogart, Peter Lorre e Catharine Lorre




John Astin, o Gomez Addams, Completa 91 Anos de Idade


John Astin ficou eternizado por seu trabalho como o exótico e apaixonado Gomez Addams na série de televisão A Família Addams (The Addams Family, 1964-1966), que fez muito sucesso na televisão mundial.


John Allen Astin nasceu em Baltimore, em 30 de março de 1930. Ele é filho do renomado físico Dr. Allen Varley Astin, e seu irmão Alexander W. Astin também é um importante cientista e acadêmico.

John Astin também quase seguiu os passos do pai, e se formou em matemática na Universidade. Mas depois de formado, começou a estudar teatro, abandonando as ciências exatas.

Ele começou a trabalhar na Broadway, como ator substituto, e também fez alguns comerciais. Sua estreia na televisão foi na série de televisão Studio One, em 1957. Seu primeiro filme foi o independente The Pusher (1960), onde interpretou um detetive.

No ano seguinte participou do vencedor do Oscar de Melhor Filme Amor Sublime Amor (West Side Story, 1961), em um pequeno papel. Raramente os fãs do filme lembram que Astin esteve no elenco deste clássico do cinema.

John Astin em Amor, Sublime Amor

Astin começou a fazer muitas participações na televisão, em séries como O Pimentinha (Dennis The Menace) e 77 Sunset Strip. O comediante Tony Randall viu seu trabalho, e indicou Astin para atuar em Carícias de Luxo (That Touch of Mink, 1962), estrelado por sua amiga Doris Day.


Doris Day e John Astin Carícias de Luxo

Astin ainda faria outro filme de Doris Day, A Mais Querida do Mundo (Billy Rose's Jumbo, 1962), e teria pequenos papéis em comédias românticas como Contramarcha Nupcial (Period of Adjustment, 1962), Simpático, Rico e Feliz (The Wheeler Dealers, 1963) e Eu, Ela e a Outra (Move Over, Darling, 1963).

E entre 1962 e 1963 estrelou a série de televisão I'm Dickens, He's Fenster junto com o ator Marty Ingels.

Mas foi em 1964 que ele ficou conhecido do grande público, ao ser escalado para o papel de Gomez Addams, o patriarca de  A Família Addams (The Addams Family, 1964-1966), séria baseada nos quadrinhos de Charles Addams.

A família exótica e mórbida agradou muito ao público, e quando a CBS soube que a rede ABC estava produzindo A Família Addams, correu para estrear uma série similar antes, Os Monstros (The Munsters), porém, A Família Addams estrelou seis dias antes.





A Família Addams estreou no Brasil em agosto de 1965, na programação da TV Rio. Em 1969 os direitos de transmissão foram para a TV Globo, e na década de 70 a série também foi exibida pela TV Record.

Na primeira dublagem brasileira, Gomez chamava-se Covas.


Com o fim da série John Astin continuou na televisão, tanto como convidado ou como personagem regular em várias séries. Ele interpretou o Charada em dois episódios de Batman e Robin (Batman), em 1967, mas depois foi substituído por Frank Gorshin.


John Astin como Charada em Batman

Em 1967 ele interpretou o cunhado de Phyllis Diller na série The Pruitts of Southampton, aparecendo em seis episódios do programa. Também interpretou um padre em A Noviça Voadora (The Flyng Nun, 1967) e atuou no filme Está Sobrando Um Fantasma (The Spirit Is Willing, 1967).

No ano seguinte Astin estreou na direção, com o curta metragem Prelude (1968), que lhe deu uma indicação ao Oscar. Nos anos seguintes ele faria muitos trabalhos na direção, geralmente dirigindo séries de TV, tendo inclusive dirigido alguns episódios de CHiPS.

Em 1968 ele também atuou na comédia Candy (Idem, 1968), que ainda tinha no elenco a brasileira Florinda Bolkan.


Ewa Aulin e John Astin em Candy

Nas telas do cinema apareceu em Viva Max! (Viva Max, 1969), Bunny O'Hare (1971), O Perverso Roy Slade (Evil Roy Slade, 1972), O Homem de Duas Vidas (Get to Know Your Rabbit, 1972), Confusões Por Todos os Lados (Every Little Crook and Nanny, 1972) e Brothers O'Toole (1973).



E em 1972 dublou o seu famoso personagem Gomez Addams em alguns desenhos do Scobby Doo. Ele retornou ao papel em Halloween With the New Addams Family (1977), um filme feito para a televisão.



Halloween With the New Addams Family

Em 1976 John Astin interpretou o pai de Jodie Foster na comédia da Disney Se Eu Fosse Minha Mãe (Freaky Friday, 1976). No filme Jodie trocava de corpo com sua mãe, interpretada por Barbara Harris.




Entre 1977 e 1978 ele foi um dos astros da comédia O Caso das Anáguas (Operation Petticoat), série que ele também dirigiu alguns episódios.


John Astin em O Caso das Anáguas


A partir da década de 1980 John Astin fez muitos trabalhos como dublador, e apareceu como convidado em diversas séries de TV. Ele atuou também no filme O Garoto do Futuro 2 (Teen Wolf Too, 1987) e Gremlins 2: A Nova Geração (Gremlins 2: The New Batch, 1990), mas talvez seja mais lembrado como o Professor Mortimer Gangreen no trash A Volta dos Tomates Assassinos (Return of the Killer Tomatoes!, 1988). Ele interpretou o personagem em outros dois filmes e ainda participou de uma série de televisão derivada de os Tomates Assassinos.


John Astin em A Volta dos Tomates Assassinos

Apesar de ser uma participação pequena, ele esteve impagável na comédia Férias Frustradas II (National Lampoon's European Vacation, 1985). Austin interpretava o apresentador do programa de televisão Pin in a Poke.

Entrte 1985 e 1986 também fez a série Mary, estrelada por Mary Tyler Moore.

John Astin Férias Frustradas II

Entre 1992 e 1993 ele voltou ao papel de Gomez Addams, desta vez dublando uma animação, que lhe valeu uma indicação ao prêmio Emmy por seu trabalho. Austin também dublou o jacaré Bull Gator no desenho Taz-Mania.




Sob direção de Peter Jackson, atuou no filme Os Espíritos (The Frighteners, 1996). Anos mais tarde Jackson dirigiria seu filho, Sean Astin (de Os Goonies) na saga Senhor dos Anéis. A neta de John, Ali Astin, também atuou no mesmo filme.

Ainda trabalhando, John Astin tem feito mais trabalhos como dublador nos últimos anos. 

John Astin em Os Espíritos

Sean Astin e sua filha Ali Astin


Entre 1998 e 1999 ele interpretou o Vovô Addams na série The New Addams Family.




John Astin foi casado com a atriz Suzanne Hahn (entre 1956 e 1972), com quem teve três filhos. Em 1972 ele se casou com a atriz Patty Duke, com quem teve dois filhos, incluindo o ator Sean Astin.

John criou Astin acreditando ser o pai biológico do menino, mas em 1990 Patty Duke revelou que Sean era filho do ator Desi Arnaz Jr. Mais tarde, um exame de DNA provou que Sean Astin na verdade era filho de Michael Tell, um homem que dividiu apartamento com Duke na época.

E embora Sean Astin hoje tenha contato com os seus "três pais", ele considera John Astin como o verdadeiro, pois foi quem o criou. John Astin sempre afirma que Sean é seu filho, e não existe exame que diga o contrário.


Sean Astin e John Astin

Patty Duke e John Astin se divorciaram em 1985, e desde 1989 o ator é casado com Valerie Ann Sandobal. 

Atualmente ele também é professor de teatro na Columbia Center for Theatrical Arts, em Columbia, e na John Astin Fundation, que ensina alunos da Universidade Johns Hopkins.

Com a morte de Ken Weatherwax (que interpretou seu filho Feioso) em 2014, apenas Astin e Lisa Loring (a Wandinha) estão vivos dentre os atores originais de A Família Addams.


John Astin com uma turma de alunos


Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil