A breve Carole Landis, a atriz que morreu por amor


Carole Landis hoje é mais conhecida por ter estrelado O Despertar do Mundo (One Million B.C., 1940), ao lado de Victor Mature. Bela e talentosa, Carole teve poucas chances para demonstrar o seu potencial, geralmente sendo lembrada apenas pela sua beleza.

Em 12 anos de carreira, atuou em quase 60 filmes, mas poucos foram seus papéis importantes. Em 1948 Carole Landis faleceu, com apenas 29 anos de idade.

Carole Landis

Frances Lillian Mary Ridste nasceu em 01 de janeiro de 1919, no Wisconsin. Vinda de uma família humilde, Carole Landis foi criada apenas pela mãe, após ser abandonada pelo pai. Dois dos quatro irmão de Carole morreram em acidentes trágicos, um deles foi baleado acidentalmente por um amigo que brincava com uma arma, e o segundo morreu com apenas um ano de idade, quando por acidente uma panela de água fervente caiu sobre o bebê.

A figura materna forte fez de Carole uma mulher decidida, a frente do seu tempo. Na escola, ela tentou funda um time de futebol para garotas, que eram impedidas de jogar. Anos mais tarde, considerada uma feminista rebelde, a atriz veria sua carreira ser prejudicada em Hollywood.

Em 1934, após terminar o colégio, Carole Landis se casou com o ator Jack Robbins, mas a união foi anulada com menos de um mês, pois ela só tinha 15 anos de idade. Landis e Robbins voltaram a se casar ainda em 1934, e permaneceram juntos até 1939.

Com o novo marido, ela fugiu de casa e foi para Los Angeles, em busca de trabalhos no cinema. Landis começou a cantar em boates em Los Angeles, e Robbins chegou a fazer pequenos trabalhos no cinema. Fã da atriz Carole Lombard, a jovem se inspirou na estrela para criar seu nome artístico.

Carole Landis conseguiu seu primeiro trabalho no cinema como corista no filme Cavadoras de Ouro de 1937 (Gold Diggers, 1936). Em 1937 ela assinou contrato com a Warner Brothers. Mas o estúdio pouco aproveitou sua nova contratada, e Carole apareceu como figurante em cerca de 30 filmes nos anos seguintes, sem sequer ser creditada. Foi o diretor Busby Berkley quem mais lhe deu trabalho neste perídio, escalando Carole para seus balés elaborados.

Carole Landis, corista

O primeiro papel importante da atriz foi em Demônios do Círculo Vermelho (Daredevils of The Red Circle, 1939), um filme barato feito na Republic. Hal Roach então convidou Carole para estrelar O Despertar do Mundo (One Million B.C., 1940), o primeiro filme em que a atriz chamou a atenção da crítica e público. Seu figurino, ousado para época, talvez tenha ajudado na publicidade em torno da artista.

Carole Landis e Victor Mature em O Despertar do Mundo

Foi então que sua carreira começou a deslanchar. Ela foi então contratada pela Fox, onde atuaria em 12 filmes, sendo Quem Matou Vicki? (I Wake Up Screaming, 1941). O ano de 1942 foi o melhor de sua carreira, e ela atuou em diversos filmes, como Um Blefe Formidável (A Gentleman at Heart, 1942), Serenata Azul (Orcherstra Wives, 1942) e Fala Manilha (Manilla Calling, 1942).


Popular entre os soldados norte-americanos, Carole Landis começou uma turnê pela USO, departamento do governo norte-americano que promovia show para entreter os soldados no front. Em sua turnê inicial, Carole dividiu os palcos com a comediante Martha Raye, a dançarina Mitizi Mayfair e a atriz Kay Francis. Landis foi a artista que mais fez shows para as tropas, percorrendo quase 200 mil quilômetros, estando inclusive na África do Sul, e outros lugares considerados muitos perigosos. Ela também visitava soldados feridos nos hospitais, algo que muitos atores se recusaram.

Durante sua turnê, ela contraiu disenteria amebiana, malária e uma pneumonia quase fatal.


Carole Landis com os soldados norte-americanos na Nova Guiné

A atriz escreveu um livro sobre sua experiência durante a Guerra, e a Fox transformou a obra no filme Quatro Moças num Jipe (Four Jills in a Jeep, 1944), onde ela contracenou com suas companheiras de USO:  Martha Raye, Mitzi Mayfair e Kay Francis.

A nossa Carmen Miranda também ingressou no elenco da produção, cantando a clássica Mamãe eu Quero.


Carmen Miranda em Quatro Moças num Jipe


Mas a carreira de Carole Landis, afastada das telas devido ao seu trabalho na Segunda Guerra, havia enfraquecido sua carreira, e a Fox a dispensou depois de Quatro Moças num Jipe.

Rejeitada pelos grandes estúdios, principalmente por sua postura firme que fazia a atriz recusar fazer papéis que apenas exploravam a sua beleza, Carole Landis começou a atuar em filmes de baixo orçamento em estúdios menores.

Sua vida pessoal também não ia bem. Carole Landis havia tido outros três casamentos fracassados, e pelo menos um deles foi um deles, com Willis Hunt Jr., havia sido abusivo (em 1970 ele foi morto a facadas pela nova esposa, a atriz Deannie Best, que se defendeu após ser agredida por um Hunt embriagado). Além disto, a atriz sofria dores constantes devido a endometriose, que acabou com os sonhos de Carole de ser mãe.

Sem trabalhos em Hollywood, a atriz foi para à Inglaterra, em busca de novos papéis. Na época, ela declarou: "Não tenho intenção de terminar minha carreira morando em uma pensão, com um álbum de recortes cheio e o estômago vazio".

Carole atuou em dois filmes ingleses, A Forca (Noose, 1948) e Brass Monkey (1948). Ela então decidiu voltar para Hollywood, e lá conheceu o ator inglês Rex Harrison, recém chegado a Hollywood.

Carole Landis se apaixonou pelo ator, e foi correspondida, mas Harrison era casado com a atriz Lili Palmer.

Rex Harrison e Carole Landis

A dupla iniciou um tórrido romance, que era conhecido por todos em Hollywood. Darryl F. Zanuck, o todo poderoso da Fox, que acabará de contratar Rex Harrison (e que já havia tido Carole Landis como estrela), recomendou que a atriz não criasse expectativas, e desistisse do relacionamento.

Carole Landis não ouviu o conselho e na noite de 04 de julho de 1948, Carole foi até a casa de Rex Harrison para jantar, e pediu para o amado ficar com ela. Harrison disse que não abandonaria a esposa, pois isto atrapalharia sua carreira.

No dia seguinte, Harrison tentou ligar para a atriz, mas ninguém atendia. Ele então foi até a sua casa, e junto com uma empregada, encontrou o corpo de Carole Landis caído no chão. Ela havia cometido suicídio tomando uma alta dose de compridos para dormir. Junto com ela, uma nota de despedida para a mãe.

Segundo a empregada de Landis, havia um outro bilhete, destinado a Rex Harrison, que teria destruído o mesmo. O ator impediu que um médico ou a polícia fossem chamado, e somente muitas horas depois a morte da atriz foi comunicada.



Alguns suspeitaram de assassinato, e a Fox rescindiu o contrato do ator, que compareceu no enterro de Carole Landis junto com a esposa Lili Palmer. Ao ser questionado pela imprensa, ele declarou que Landis era apenas uma colega, que ele conhecia de vista devido ao seu trabalho no cinema.

*** Existem fotos do corpo de Carole Landis disponíveis pela internet, mas não achei apropriado colocá-las aqui.

Rex Harrison e Lili Palmer no enterro de Carole Landis

Carole Landis tinha apenas 29 anos de idade quando faleceu, em 05 de julho de 1948. 

Rex Harrison voltou para à Inglaterra, mas só conseguiu retornar ao cinema em 1951. Posteriormente, ele voltaria com sucesso a Hollywood. O casamento com Lili Palmer terminou em divórcio, em 1957.







Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

2 comentários:

  1. Não conheci essa atriz. Ou nunca prestei atenção no nome dela quando passa os créditos.
    Mas, foi bom conhecer esse Blog.
    Já me inscrevi no YouTube.
    Grata,

    ResponderExcluir
  2. Não acredito em suicídio. Se pesquisarmos bem na própria internet, existem muitos indícios de assassinato e ocultação de provas. Existe até um site em memória dela que a família criou.

    ResponderExcluir

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil