Carlos Gonzaga completa 96 anos!


O cantor Carlos Gonzaga foi um dos pioneiros do rock brasileiro. As versões de Diana e Oh Carol!, gravadas por ele, ocuparam as paradas de sucesso brasileiras, fazendo do artista um dos mais tocados entre 1956 e 1962.

Precursor da "música para a juventude", Carlos Gonzaga foi um dos maiores astros do cenário musical brasileiro.




José Gonzaga Ferreira nasceu em Paraisópolis (interior de Minas Gerais) em 10 de fevereiro de 1924. Desde criança, já cantava na escola, o que não agradava nada aos seus pais, e aos 15 já era um "astro" entre seus colegas de colégio, devido as apresentações nas festas da escola.

Aos 17 anos ingressou no rádio, cantando PRJ7 Rádio Clube de Pouso Alegre. Depois resolveu mudar-se para São Paulo, para tentar a carreira profissional. Cantando com o nome de José Gonzaga, ficou dois anos participando de programas de calouros em diversas rádios. E após vencer um concurso na Rádio Bandeirantes, acabou contratado na emissora em 1952, onde ficou por seis meses.

Após vencer um novo concurso de calouros, promovido pelos Conhaques Ipiranga, foi contratado pela Rádio Piratininga. Mas o cachê do rádio não era suficiente, e Gonzaga dividia seu tempo trabalhando também em uma fábrica de pratarias.

Carlos Gonzaga, ainda como José Gonzaga, em 1953

Foi o Capitão Furtado quem sugeriu ele mudar o nome para Carlos Gonzaga, por já existia no rádio outro José Gonzaga (irmão de Luiz Gonzaga). Além disto, seu nome também era muito parecido com o da também cantora Zezé Gonzaga.

Em 1955, já chamado de Carlos Gonzaga, gravou seu primeiro disco pela RCA Victor, um 78 RPM onde cantava a canção-guarânia Anahí ( de Osvaldo Sosa Cordeiro, versão de José Fortuna) e o tango Perdão de Nossa Senhora (de Teddy Vieira e Diogo Mulero, o Palmeira).

Apesar de ter ficado conhecido como um dos pais do rock' and roll brasileiro, o cantor gravou diversos estilos, de valsas a sambas, incluindo a marchinha de carnaval Tomara que Caia, que fez um enorme sucesso no carnaval de 1956.

Ainda em 1956 gravou Meu Fingimento, versão de The Great Pretender, sucesso na voz dos The Platters. A música, adaptada por Haroldo Barbosa, foi seu primeiro sucesso neste estilo musical, que marcaria sua carreira. Neste mesmo ano foi contratado pela Rádio Record, passando a atuar também na televisão.

A cantora Cinderela e Carlos Gonzaga, na Rádio Record


Na Record, a popularidade do cantor disparou, ainda mais com a gravação de Diana, em 1957 (vendeu mais de 300 mil discos na época). Além de cantar na rádio, também se apresentava na televisão, em programas como Astros do Disco e Alegria dos Bairros.

Ainda em 1957 Carlos Gonzaga estreou no cinema, cantando no filme Dorinha no Soçaite (1957), onde cantava o sucesso Diana, além da canção Made in USA.


Contratado pela emissora paulista, o cantor teve a oportunidade de cantar junto com grandes astros internacionais, como Paul Anka e Johnny Ray, e também foi agraciado com cinco troféus Chico Viola e outros cinco Roquettes Pinto.

Carlos Gonzaga e Johnny Rey

Carlos Gonzaga e um troféu Roquette Pinto

Carlos Gonzaga, apelidado de "O Rei do Rock Balada" e "O Príncipe da RCA" era um dos cantores mais queridos do Brasil, tendo uma legião de fãs.

Carlos Gonzaga e Antonio Aguilar




Em 1958 outro grande sucesso na carreira do cantor foi a música tema do seriado Batmasterson. Carlos Gonzaga também cantou no show de Gene Barry, o astro da série, quando este se apresentou na TV Record.


Na década de 60 foi também o introdutor do twist no Brasil, gravando muitos discos do gênero, também com muito sucesso.


Em 1960 retornou ao cinema, cantando Estou com a Vida, no filme Virou Bagunça (1960).


Veterano, Carlos Gonzaga foi um dos atros do programa Excelsior a Gogo (1966), exibido pela TV Excelsior, e apresentado por Jerry Adriani. Era uma resposta da emissora ao Programa Jovem Guarda, da Record, onde Roberto Carlos e uma nova geração de cantores despontavam.


Com uma nova geração de artistas, Carlos Gonzaga, recordista de vendas entre 1956 a 1962, foi perdendo destaque na mídia, mas nunca deixou de cantar. Ele ainda gravou muitos discos, e fez diversos shows.

Em 1976 voltou as paradas de sucesso graças ao sucesso da novela Estúpido Cúpido.



8 comentários:

  1. O texto para em 76... como ele está aos 96?

    ResponderEliminar
  2. Parabéns pelo bonito acervo de memorabilias do cantor!!!

    ResponderEliminar
  3. realmente Carlos Gonzaga canta muito bem, eu curto muito as músicas dele.

    ResponderEliminar
  4. A música "Diana" ainda é pedida, cantada e dançada nas festas de bailes dos anos 60.

    ResponderEliminar
  5. Carlos Gonzaga ,este sim é o pai do rock no Brasil,e não Erasmo Carlos como diz o faustão

    ResponderEliminar
  6. Grande Carlos Gonzaga! Fez muito sucesso! Parabéns pelos 96 anos! Saúde e felicidades!

    ResponderEliminar
  7. Eu adoro. Carlos Gonzaga está vós maravilhosa que viva muitos anos .música marcante. Diana

    ResponderEliminar

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil