Sophia Loren, os 85 anos de um ícone do cinema


A italiana Sophia Loren é um dos maiores ícones da história do cinema. Bela e talentosa, a atriz acumula prêmios e fãs ao longo de sua carreira, que já dura quase 70 anos.


Sofia Villani Scicolone nasceu em Roma, em 20 de setembro de 1934. Seu pai, um engenheiro de origem francesa, abandonou sua mãe, Romilda Villani, quando ela estava grávida da segunda filha, Maria. Com dificuldades financeiras, Romilda, que era professora de piano, foi morar com os avós de Sophia, em Pozzuoli, perto de Nápoles.

A situação financeira da família era difícil, e a cidade onde eles moravam foi alvo de diversos bombardeios durantes a Segunda Guerra Mundial. Durante um ataque, Sophia chegou a ser ferida por estilhaços de uma bomba.

Ainda criança, a menina começou a trabalhar como garçonete no bar mantido por sua avó, dentro da casa da família.

Aos 14 anos de idade ela participou do concurso de Miss Itália, em 1950. E apesar de não ganhar, ficou entre as finalistas. A vencedora foi Annamaria Bugliari, que também fez alguns trabalhos como atriz posteriormente. Outra participante do concurso foi Giovanna Ralli, que também fez muitos filmes na Itália.

Sophia Loren no Miss Itália

Apesar de não ganhar o concurso, Loren chamou a atenção e foi chamada para fazer sua estréia no cinema. Ela tinha uma participação pequena na comédia Totó Tarzan (Tototarzan, 1950), uma paródia  dos filmes de Tarzan, estrelada pelo cômico Totó. Ainda em 1950, Sophia fez diversas pontas em filmes italianos.

Em 1951 ela foi uma das muitas figurantes na super produção norte-americana Quo Vadis (Idem, 1951), filme norte-americano rodado na Itália. A mãe de Sophia, Romina, também fez figuração neste épico.

Sophia Loren, de vestido rosa e túnica azul, em Quo Vadis

Até 1952 Sophia continuou fazendo pequenos papéis, muitas vezes não creditada. Nesta época, ela atuava com o nome Sophia Scicolone, mas também usou o nome artístico de Sophia Lazzaro. Um de seus primeiros papéis com mais destaque foi em O Sonho do Zorro (Il Sogno di Zorro, 1952).

Os papéis foram melhorando, e sua carreira começou a deslanchar, com filmes como Mercado de Mulheres (La Tratta delle bianche, 1952), A Sereia do Mar Vermelho (Africa Sotto i Mari, 1953) e Aconteceu em Roma (La Domenica della buona gente, 1953).

Seu primeiro papel como protagonista foi em Aida (Idem, 1953), baseado em uma famosa ópera. No filme, Loren foi dublada pela cantora lírica Renata Tebaldi.

Sophia Loren em Aida

Ela interpretou a rainha do Egito Cleópatra na comédia Duas Noites Com Cleópatra (Due Notti con Cleopatra, 1954) e cantou e dançou no colorido Carrossel Napolitano (Carosello Napoletano, 1954).

Sophia Loren e Alberto Sordi em Duas Noites Com Cleópatra


Sob direção de Vittorio de Sica ela recebeu boas críticas por seu trabalho em O Ouro de Nápoles (L'Oro di Napoli, 1954), ao lado de Silvana Mangano. O filme chamou atenção internacional para a jovem atriz.

Sophia Loren e Giacomo Furia em O Ouro de Nápoles 

Em 1957 Sophia Loren assinou um contrato de cinco  com a Paramount, para atuar em Hollywood. Seu primeiro filme norte-americano foi A Lenda da Estátua Nua (Boy on a Dolphin, 1957), ao lado de Alan Ladd.

A Lenda da Estátua Nua

Ao lado de Cary Grant e Frank Sinatra, estrelou Orgulho e Paixão (The Pride and The Passion, 1957), e com John Wayne fez A Lenda dos Desaparecidos (Legend of the Lost, 1957).

Sophia Loren e John Wayne

Com William Holden fez Desejo (Desire Unde the Elms, 1958), e brilhou ao lado de Anthony Perkins em A Chave (The Key, 1958). Fez mais um filme com Cary Grant, e dois filmes com Anthony Quinn. Também contracenou com Tab Hunter e Maurice Chevalier. Na América, foi apelidada de "A Marilyn Monroe italiana".

Ao lado de Clark Gable, fez muito sucesso na comédia Começou em Nápoles (It Started in Naples, 1960).

 Shopia Loren e Elvis Presley

Sophia Loren olhando o decote de Jayne Mansfield

Sophia Loren e Clark Gable em Começou em Nápoles


De volta a Itália, protagonizou o drama Duas Mulheres (Two Women, 1961), dirigido por De Sica. Sophia interpretava uma mulher que tenta proteger a filha de 12 anos em meio a uma Itália devastada pela guerra. O papel rendeu a Sophia vários prêmios, incluindo o de Melhor Atriz no Festival de Cannes. Por seu desempenho, recebeu também um Oscar, tornando-se a primeira atriz a conquistar o prêmio por um filme não falado em inglês. Ao longo de sua carreira, Sophia recebeu mais de 30 prêmios internacionais.


Na década de 60, ela era uma das atrizes mais populares do cinema, conciliando sua carreira entre os Estados Unidos e Europa. Em 1964 tornou-se a segunda atriz (a primeira foi Elizabeth Taylor) a ganhar um salário de um milhão de dólares, para atuar no épico A Queda do Império Romano (The Fall of the Roman Empire, 1964).


Sophia Loren e Stephen Boyd em A Queda do Império Romano

Entre seus maiores sucessos na década estão El Cid (Idem, 1961), com Charlton Heston (ambos brigaram muito nos bastidores), Com Milhões e Sem Carinho (The Milionairess, 1960) com Peter Sellers, Ontem, Hoje e Amanhã (Ieri Oggi Domani, 1963), ao lado de Marcello Mastroianni, Lady L (Idem, 1965), com Paul Newman e A Condessa de Hong Kong (A Countess from Hong Kong, 1967), ao lado de Marlon Brando e Charles Chaplin. Em 1965 recebeu uma segunda indicação ao Oscar por Matrimônio à Italiana (Matrimonio all'Italiana, 1964), novamente dirigida por De Sica, e contracenando com o amigo Mastroianni.

Marlon Brando, Charles Chaplin e Sophia Loren

Marcello Mastroianni e Sophia Loren

Em 1957 Sophia se casou no México com o produtor Carlo Ponti. Ela havia conhecido Ponti quando tinha 16 anos, e ele 37. Ponti havia sido casado, e o divórcio não era permitido na Itália, tonando a relação ilegal. Eles só conseguiram se casar oficialmente no país em 1966. O casal teve dois filhos, e permaneceram juntos até a morte de Carlo Ponti, em 2007.

Carlo Ponti e Sophia Loren

Em 1962 sua irmã, a cantora Maria Scicolone, casou-se com Romano Mussolini, filho do ditador Benito Mussolini. Maria é mãe de Alessandra Mussolini, que atualmente é deputada da alta ultra conservadora.

Casamento de Maria Scicolone

Com o nascimento dos filhos, Sophia Loren reduziu suas atividades artísticas, para dedicar-se a família. Embora tenha atuado em filmes como Os Girassóis da Rússia (I Girasoli, 1970), A Viagem Proibida (Il Viaggio, 1974) e Um Dia Muito Especial (Una Giornata Particolare, 1977), este último lhe valeu seu quarto prêmio Globo de Ouro.

Ao lado de Peter O'Toole, também estrelou o musical O Homem de La Mancha (Man of La Mancha, 1972), uma grande aposta do diretor Arthur Hiller, que obteve um retumbante fracasso de bilheteria.

James Coco, Peter O'Toole e Sophia Loren em O Homem de La Mancha


Em 1980 a atriz lançou sua biografia, mas não em livro, e sim no filme Sophia Loren, A Vida de Uma Estela (Sophia Loren: Her Own Story, 1980). Sophia interpretou a si mesma, e também a sua mãe. A atriz Theresa Saldana interpretava a estrela quando jovem.

Theresa Saldana como Sophia Loren

Na década de 80 Sophia Loren praticamente não trabalhou, fazendo apenas alguns filmes esporádicos para a televisão. Ela chegou a ser convidada para interpretar Alexis Carrington na série Dinastia (Dynasty) e para estrelar a série Falcon Crest, mas recusou ambos os papéis, que foram para Joan Collins e Gina Lollonbrigida, respectivamente.

Em 1981, convidada por Lina Wertmüller, Sophia Loren esteve no Brasil filmando. Ela seria a primeira atriz a interpretar a personagem Tieta, de Jorge Amado. Mas o filme tinha um alto orçamento, e Sophia era a produtora. 

Porém, o banco que investia dinheiro na obra quebrou, e a atriz ficou com muitas dívidas, e chegou a ser presa por 18 dias por Evasão Fiscal em 1982. O projeto nunca foi finalizado e Sophia perdeu praticamente todo seu patrimônio.

A brasileira Claudia Ohana iria estrear no cinema neste filme, fazendo o papel de Tieta quando jovem. Quando a obra foi transformada em uma novela, em 1989, Ohana enfim interpretou a jovem Tieta.

Jorge Amado e Sophia Loren

Em 1990 a atriz retornou ao cinema, novamente sob direção de Wertmüller, em Sábado, Domingo e Segunda (Sabato, Domenica e Lunedi, 1990). Sua sobrinha, a hoje deputada Alessandra Mussolini ,também atuou no filme. Alessandra, que abandonaria a carreira de atriz (e cantora) naquele ano, atuou em 13 filmes, e chegou a ganhar prêmios durante sua carreira. Ela também trabalhou com a tia em Um Dia Muito Especial, onde interpretou sua filha.

Alessandra Mussolini, Lina Wertmüller e Sophia Loren

Em 1991 Loren recebeu um Oscar Especial pelo conjunto de sua carreira. Em seu prêmio constava os dizeres "um dos tesouros do cinema mundial". Emocionada, ela recebeu a estatueta das mãos de Gregory Peck. Em 1995, ela também receberia o Globo de Ouro especial.

Dois anos depois, ela subiria ao palco da premiação, ao lado de Marcello Mastroianni, para entregar o Oscar Especial a Federico Fellini. O cineasta italiano, que morreria naquele ano, estava produzindo um filme que seria estrelado por Loren.

Marcello Mastroianni, Federico Fellini e Sophia Loren

Ainda trabalhando pouco no cinema, atuou em Prêt-à-Porter (1994), de Robert Altman, e retornou aos Estados Unidos na comédia Dois Velhos Mais Rabugentos (Grumpier Old Men, 1995), ao lado dos veteranos Walther Matthau, Jack Lemmon, Ann-Margret e Burgess Meredith.


Preferindo dedicar-se aos negócios, como seus livros de receitas e grifes de moda, Sophia tem trabalhado muito pouco no cinema desde então. Ela voltou as telas sob a direção de Lina Wertmüller em A Pequena Orfã (Francesca e Nunziata, 2001) e A Casa dos Gerânios (Peperoni Ripieni e Pesci in Faccia, 2004) e estrelou Desejo de Liberdade (Between Strangers, 2002), dirigido por seu filho Edoardo Ponti.

Gerard Depardieu e Sophia Loren em Desejo e Liberdade

Em 2009 atuou no musical Nine (Idem, 2009), que recebeu quatro indicações ao Oscar. Depois, atou em um telefilme, novamente baseado em sua vida, La Mia Casa è piena di Specchi,(2010), feito para a televisão. No filme, Sophia interpretava a sua mãe, Romilda Villani. A atriz Margareth Madè interpretava Sophia.


Sophia Loren em Nine

Até o momento, seu último filme foi o curta Voce Umana (2014), também dirigido por seu filho Edoardo. O filme lhe valeu um prêmio Donatello, o décimo de sua carreira. Afastada desde então, a atriz recentemente anunciou que voltará as telas em La Vita Davanti a Sé, que ainda não começou a ser filmado, e que também é dirigido por seu filho.

Desde 2006 Sophia Loren vive em Genebra, na Suíca. Além de sua grife de bolsas e óculos e perfumes, também é dona de imóveis em Nápoles e Roma.

Sophia Loren atualmente



Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

0 comentários:

Enviar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil