A violinista, compositora, pesquisadora e atriz, Elisabeth Waldo completa 104 anos de idade


Pouco conhecida entre os fãs de cinema, a história de Elisabeth Waldo é fascinante, e merece ser conhecida. Violinista, compositora, pesquisadora, regente, etnomusicologista e atriz, ela é considerada uma das maiores pesquisadoras das músicas típicas e nativas da América Latina, trabalho que executa deste da década de 1940.

Elisabeth também é irmã da atriz Janet Waldo, a dubladora original de Judy Jetson (de Os Jetsons) e de Josie (de Josie e as Gatinhas).



Elisabeth Ann Dentezek nasceu em Tacoma, Washington, em 15 de junho de 1918.  Sua mãe Jane Althea Blodgett era cantora, e seu pai Benjamin Franklin Waldo era descendente do filósofo e abolicionista Ralph Waldo Emerson.

Sua irmã mais nova, Janet Waldo (1919-2016), também era atriz.


Janet Waldo

As irmãs Waldo foram criadas em Yakima, perto de uma reserva indígena, o que gerou seu interesse por culturas nativas. Elisabeth começou a cantar aos 3 anos de idade, e aprendeu a tocar violino aos 5. A violinista russa Jascha Heifetz viu uma composição da jovem musicista, e conseguiu para ela uma bolsa de estudos para receber educação musical na Filadélfia.

E foi lá que ela conheceu o maestro Leopold Stokowski, que a convidou para ingressar na recém formada Orquestra Juvenil All-American. A orquestra fez uma longa turnê pela América do Sul, iniciada em 1940, e percorreu todos os países do continente.

Em 1940 a Orquestra Juvenil All-American esteve também no Brasil, e Stokowski, onde gravaram o lendário disco Native Brazilian Music, produzido em parceria com o maestro Villa-Lobos. O disco procurava resgatar a genuína música brasileira 

Foram gravadas quase 200 músicas, e as gravações reuniam artistas como Donga, Pixinguinha e Cartola, mas o álbum só foi lançado nos Estados Unidos, e chegou no Brasil tardiamente, em 1987.



Heitor Villa-Lobos e Leopold Stokowski

Em 1941 a orquestra voltou para os Estados Unidos, e se dissolveu após a entrada dos Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial. No ano seguinte, Stokowski apareceria como o maestro regente da animação Fantasia (Fantasy, 1942), clássico de Walt Disney.

Foi nesta viagem que Elisabeth Waldo decidiu que devia preservar as canções nativas latino-americanas, e em 1944 ela retornou ao Brasil para pesquisar a nossa música tradicional.

A musicista, que havia sido casada com o filho do prefeito de Berverly Hills, então mudou-se para o México, estabelecendo em um rancho, onde mora até os dias de hoje. Seu marido, Carl Schaefer Dentzel, havia sido diretor do Museu do Sudoeste de Los Angeles, também nutria um amor pela cultura e os artefatos nativos americanos, e apoiou sua decisão.

Em carreira solo, Elisabeth Waldo se apresentou no Panamá, Costa Rica, Colômbia, Peru, Chile, Cuba e México, onde passou a atuar na recém inaugurada Rádio Nacional..

No México, colaborou em diversas gravações de Agustín Lara, e fez amizade com o muralista Diego Rivera e sua esposa Frida Khalo. Fascinada pela música pré-colombiana, ela desenvolveu um método para ensinar a tocar instrumentos e músicas incas, maias e astecas.

No México também atuou no filme A Canção do México (Song of Mexico, 1945), uma produção de Hollywood rodada no país.




Waldo gravou diversos discos, e tocou violino acompanhando a soprano peruana Yma Sumac, na década de 1950.



A partir da década de 1970 ela também passou a pesquisar a cultura chinesa, montando um grupo musical e de dança da China em Los Angeles. E em suas muitas visitas ao país, tocou com a Orquestra Sinfônica de Xian.




Elisabeth Waldo ainda trabalha, e além de tocar dá diversas palestras sobre seus estudos, e gravou seu último disco em 2017.





Elisabeth Waldo em dezembro de 2021


Veja também: Tributo a Rita Moreno


Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube
Siga também nosso Instagram


0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil