Tao Porchon, a atriz que se tornou a mais velha instrutora de Yoga do mundo


Tao Porchon foi uma das muitas beldades contratadas por Hollywood, que passaram quase despercebidas nas telas de cinema das décadas de 40 e 50. Sua fama se deve, principalmente, por ter se tornado instrutora de Yoga após deixar o cinema, profissão que ela continua exercendo até os dias de hoje, aos 101 anos de idade.

Em 2012, ela foi considerada pelo Guinnes Book como a mais velha instrutora de Yoga em atividade.


Täo Andrée Porchon nasceu em 13 de agosto de 1918, a bordo de um navio que cruzava o canal da mancha. Ela foi criada em Pondichery, sul da Índia, quando esta era uma colônia francesa. Seu pai era francês, e sua mãe uma nativa da região.


A mãe de Tao faleceu quando ela tinha apenas sete meses de idade, e seu pai a entregou para ser criada por uns tios. Seu tio trabalhava em uma ferrovia, e constantemente levava a menina consigo em viagens por todo o oriente, onde ela absorveu diversas influências culturais.


Mas a vida da menina seria marcada profundamente a partir dos oito anos de idade. Tao passeava por uma praia quando viu um grupo praticando Yoga. Ela ficou fascinada com o que eles faziam com seus corpos, e pouco tempo depois também tornou-se praticante da atividade, embora na época, apenas homens pudessem praticar Yoga na Índia. Ainda muito jovem, ela também conheceu Mahatma Ghandi, e marchou ao lado dele diversas vezes, brigando pela independência indiana.


Sua família achou que sua atividade política poderia ser perigosa, e a enviou para estudar em Paris. Lá, ela começou a trabalhar como modelo, sendo uma das modelos mais bem pagas da França da década de 40. Na época, recebeu o título de "as mais belas pernas da Europa".


Tao Porchon, como modelo


Tao Porchon, a dona das pernas mais bonitas da Europa


Em 1940 ela mudou-se para Londres, fugindo da invasão nazista à França. Também dançarina de tango e dança de salão, ela arrumou um emprego em um cabaré, sendo dirigida por Noël Coward. Neste mesmo ano fez seu primeiro filme, Três Marinhos na Chuva (Sailors Three, 1940), uma produção inglesa. Ao mesmo tempo, fazia demonstrações de Yoga e chegou a dar aulas para nomes como Charles de Gaulle, Marcel Marceau e Coco Channel.


Tao Porchon como dançarina

No começo da década de 50 ela foi contratada pela MGM, que a levou para Hollywood. Entre 1951 e 1957 ela atuou em 10 filmes, geralmente fazendo pequenos papéis, em produções como O Barco das Ilusões (Show Boat, 1951) e A Última Vez que Vi Paris (The Last Time i Saw Paris, 1954).

Tao Porchon e Bob Hope

Apesar de seu nome ser desconhecido pelo público, ela era muito popular nos bastidores, dando aulas grátis de Yoga para estrelas como Marlene Dietrich, Elizabeth Taylor, Michael Wilding, Marilyn Monroe, Bob Hope, BIng Crosby, Fred Astaire, Clark Gable, Spencer Tracy, Burt Lancaster, Lana Turner, Debbie Reynolds, Vincent Price, Leslie Caron, Arlene Dahl, e Joan Crawford.

Após abandonar o cinema, em 1957, passou a dar aulas de Yoga profissionalmete. Em 1962 ela se casou-se com Bill Lynch, passando a usar o nome Tao Porchon-Lynch, que adota até hoje. Na década de 60, também engrossou as filas de protestos por Direitos Civis e igualdade racial, ao lado de Martin Luther King.

Tao Porchon Lynch escreveu diversos livros sobre Yoga, lançou DVDs de exercícios e tem sua própria academia, onde ainda dá aulas, oito vezes por semana. Ela costuma dizer que "vai lecionar Yoga enquanto ainda respirar."




Em 2012 ela entrou para o livro dos recordes, e em 2016 foi agraciada com uma medalha oferecida pela ONU, em reconhecimento ao seu trabalho no mundo esportivo.


Tao Porchon-Lynch ainda pratica dança de salão, e em 2015, foi vencedora do programa American Got Talent. Na época, ela tinha 96 anos.


"Eu não acredito na idade, eu acredito na energia. Não deixe que a idade diga o que você pode ou não fazer!"

Tao Porchon-Lynn



Curta nossa página no Facebook

Se inscreva no nosso canal do Youtube

0 comentários:

Enviar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil