Claire Bloom Completa 90 Anos de Idade

Claire Bloom e Charles Chaplin em Luzes da Ribalta

Claire Bloom já tinha feito alguns trabalhos como atriz, mas ainda era desconhecida quando foi escolhida por Charles Chaplin para viver a aspirante a atriz Thereza (Terry), uma moça depressiva salva por um famoso comediante, no sensível Luzes da Ribalta (Limelight, 1952), um dos últimos trabalhos de Chaplin no cinema.


Patricia Claire Blume nasceu Londres, em 15 de fevereiro de 1931. Ela estudou interpretação na  Guildhall School of Music & Drama e na Central School of Speech and Drama, e começou a trabalhar profissionalmente na Rádio BBC

Claire tinha 15 anos de idade quando estreou no teatro e em 1948 foi aclamada pela crítica como a Ofélia, em Hamlet. Foi neste ano também que ela fez seu primeiro filme, The Blind Goddess (1948).

Claire Bloom em The Blind Goddess

Após alguns trabalhos na televisão, ela foi escolhida por Charles Chaplin para viver a atriz suicida em Luzes da Ribalta (Limelight, 1952), que a tornou famosa instantaneamente.


Claire se tornou uma estrela, e foi convidada para atuar em muitos filmes, na maioria deles interpretando papéis de época, em filmes como Ricardo III (Richard III, 1955), Alexandre Magno (Alexander the Great, 1956), Os Irmãos Karamazov (The Brothers Karamazov, 1958), Lafite, O Corsário (The Buccanneer, 1958), Anna Karenina (Idem, 1961) e O Mundo Maravilhoso dos Irmãos Grimm (The Wonderful World of the Brothes Grimm, 1962).

Claire Bloom e Richard Burton em Alexandre Magno

Claire Bloom e Yul Brynner em Os Irmãos Karamazov

Claire também atuou no filme A Vida Íntima de Quatro Mulheres (The Chapman Report, 1962), O Profesor de Vigevano (Il maestro di Vigevano, 1963), Desafio do Além (The Hauting, 1963), Quatro Confissões (The Outrage, 1964), Os Dois Mundos de Charly (Charly, 1969) alguns deles feitos na Europa.


Com Richard Burton, seu colega de Alexandre Magno, ainda fez Odeio Essa Mulher (Look Back in Anger, 1959) e O Espião que Saiu do Frio (The Spy Who Came in from the Cold, 1965).

Richard Burton e Claire Bloom em O Espião que Saiu do Frio

Também atuando na Broadway, fez sucesso como uma oriental em Rashomon (1959), onde contracenou com Rod Steiger, com quem se casou. Eles atuariam juntos também no cinema, nos filmes Uma Sombra Passou Por Aqui (The Illustrated Man, 1969) e Triângulo Proibido (Three Into Two Won't Go, 1969).

Claire Bloom e Rod Steiger em Rashomon

Claire Bloom e Rod Steiger em Uma Sombra Passou Por Aqui

Após atuarem juntos em dois filmes, o casal de atores se divorciou. Steiger é pai de sua única filha, a cantora de óperas Anna Steiger.

Anna Steiger

Nos anos seguintes atuou menos no cinema, mas teve papéis fortes em filmes como Amantes Infiéis (A Severed Head, 1971), A Casa das Bonecas (A Doll's House, 1973) e A Ilha do Adeus (Islands in the Stream, 1977). Depois, trabalhou mais no teatro e na televisão, onde fez muitos papéis que eram clássicos do teatro universal.

Claire foi aclamada pela crítica pelo desempenho na minissérie Memórias de Brideshead (Brideshead Revisited, 1981) e voltou ao cinema no épico de aventuras capa e espada Fúria de Titãs (Clash of the Titans, 1981).

Harry Hamlin, Claire Bloom e Judy Bowker em Fúria de Titãs

No cinema, ganhou um Bafta por seu trabalho em Terra das Sombras (Shadowlands, 1993), e foi dirigida por Woody Allen em dois filmes: Crimes e Pecados (Crimes and Misdemeanors, 1989) e Poderosa Afrodite (Mighty Aphrodite, 1995). Também fez uma participação no filme de ação Daylight (Idem, 1996), estrelado por Sylvester Stallone, uma obra estranha em sua carreira, mais artística.

Claire Bloom e Max Landau em Crimes e Pecados

Claire Bloom em Daylight

Em janeiro de 2006 apresentou-se no teatro, em Londres, numa produção de Arthur Allan Seidelman, atuando junto a Billy Zane.

Claire Bloom e Billy Zane

Podemos ainda apreciar seu trabalho na minissérie Anastácia: O Mistério de Ana (Anastasia: The Mystery of Anna, 1986) e na série Lei e Ordem (Law & Order) e em filmes como Num Passado Distante (Déjà Vu, 1985), O Discurso do Rei (The King's Speech, 2010) e Max Rose (2013).

Recentemente esteve na série Summer of Rocktes (2019) e esta filmando Sophie's War, ainda sem data para lançamento.

Claire Bloom e Jerry Lewis em Max Rose

Claire Bloom e Keeley Hawes em Summer of Rocktes

Bloom casou-se três vezes. Seu primeiro marido, em 1959, foi o ator Rod Steiger, que conheceu quando ambos encenaram a peça Rashomon. Steiger e Bloom divorciaram-se em 1969. Neste mesmo ano voltou a casar-se, desta feita com o produtor Hillard Elkins. O matrimônio durou três anos, até 1972. Seu terceiro casamento foi em 1991 com o escritor Philip Roth que terminou em 1995.

Bloom escreveu dois livros com suas memórias sobre a vida e a carreira. O primeiro, Limelight and After: The Education of an Actress, foi lançado em 1982 e aborda seus papéis em filmes e no teatro. O segundo, intitulado Leaving a Doll's House: A Memoir, de 1996, traz maiores detalhes sobre sua vida pessoal, falando não apenas dos casamentos, como dos relacionamentos com Richard Burton e Laurence Olivier.


Laurence Olivier e Claire Bloom




Claire Bloom em 2020

Veja também: Tributo a Cary Grant

Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil