A atriz Lucille Ricksen, morta aos 14 anos de idade, tornou-se símbolo da exploração infantil no cinema



Nos tempos do cinema mudo Lucille Ricksen era chamada de "a mais jovem protagonista das telas". Ricksen trabalhou em 36 filmes em um período de 5 anos, mas a exaustão do trabalho fez a atriz sucumbir, falecendo aos 14 anos de idade. 

Lucille Ricksen tornou-se um símbolo do abuso e exploração do trabalho infantil.


Ingeborg Myrtle Elizabeth Ericksen nasceu em Chicago, em 13 de março de 1910 (embora documentos dos estúdios tenham sido alterados para fingir que ela era mais velha). Seus pais eram imigrantes dinamarqueses, e seu irmão mais velho Marshall Ricksen (1907-1975), também foi ator.

Lucille Ricksen com sua mãe e o irmão Marshall

Lucille começou a trabalhar como modelo infantil aos dois anos de idade, e seu pai abandonou a família quando ela tinha dez anos. Foi nesta época que sua mãe mudou com os filhos para Hollywood, em 1920.

Lucille já era uma modelo e atriz mirim famosa na época, disputando trabalhos com crianças prodígios como Madge Evans, Helen Chandler e Kittens Reichert (todas se tornaram atrizes de cinema também).

Samuel Goldwyn logo contratou Lucille, que estreou no cinema Edgar and The Teatcher's Pet (1920), primeiro de uma série de doze filmes do personagem Edgar Pomeroy que ela participou.


Em 1922 ela contracenou com Marie Prevost em The Married Flapper (1922), e chamou a atenção do ator e diretor Marshall Neilan, que a contratou. Marshall fez de tudo para mudar a imagem de criança da atriz, que tinha 13 anos na época, e passou a escalá-la para papéis de mulheres muito mais velhas que sua idade real.

Seus documentos foram  alterados para que ela pudesse fazer papéis de protagonistas adultas, e sua mãe a incentivou a ter relacionamentos com homens mais velhos, para demonstrar que de fato já era uma mulher.

Marshall Neilan foi um dos seus namorados, e haviam rumores que a menina chegou a fazer um aborto de um filho do diretor.

Lucille Rickesen e John Harron

A critica aclamava seu talento e maturidade diante dos papéis e ao longo de sua carreira contracenou com astros como Dorothy Davenport (viúva de Wallace Reid), Conrard Nagel, James Kirkwood, Jack Pickford, Louise Fazenda, Laura La Plante, Anna Q, Nilsson, Blanche Sweet, Bessie Love e Patsy Ruth Miller.




Em 1924, aos 14 anos de idade, ela foi eleita uma das Wampas Baby Stars, que era uma campanha promocional que escolhia treze atrizes adultas com as jovens estrelas do ano (Dorothy Macknaill, Marian Nixon e Clara Bow também estavam na lista deste ano).


Quando estava filmando a comédia The Galloping Fish (1924), ao lado de Sydney Chaplin (com quem também namorou), Lucille Ricksen ficou doente. Ela já tinha atuado em dez filmes naquele ano, e estava exausta.

Sua condição de saúde piorou no começo de 1925, e ela foi diagnosticada com tuberculose, embora ainda tenha filmado Mãe Madrasta (The Denial, 1925), ao lado de Claire Windsor e William Haines, já bastante debilitada.


Gravemente doente, Lucille Ricksen ficou dois meses em uma cama, e sua mãe não saiu de seu lado durante o período. Mas em fevereiro de 1925 a mãe da atriz teve um ataque cardíaco fulminante, e caiu morta em cima da filha acamada.

A atriz Louis Wilson então passou a cuidar de Louise, que faleceu duas semanas depois de sua genitora, em 13 de março de 1925. Ela tinha apenas 14 anos de idade.



O legista atestou que ela estava desnutrida e apresentava sintomas de exaustão devido ao excesso de trabalho. Sua morte levantou o debate da exploração infantil, e fez com quem os Estados Unidos criassem as primeiras leis trabalhistas para crianças no entretenimento.

Os atores Rupert Hughes e Conrard Nagel criaram um fundo fiduciário para garantir os estudos de seu irmão Marshall Ricksen, então com 17 anos de idade.



Veja Também: Lia Torá, a Primeira Brasileira em Hollywood


Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube
Siga também nosso Instagram

0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil