Jeff Chandler, o astro de cabelos prematuramente grisalhos


Jeff Chandler foi um popular ator na década de 50, geralmente em filmes de faroeste e ação. Muito jovem, o ator começou a apresentar cabelos grisalhos, e ele passou a adotar o visual. Chandler faleceu muito cedo, com apenas 42 anos de idade.


De origem judaíca, Jeff Chandler foi batizado como Ira Grossell, em 15 de dezembro de 1918, no Bairro do Brooklyn, em Nova York. Desde criança ele sempre quis ser ator, mas não tinha dinheiro para fazer cursos de teatro.

Ainda adolescente, começou a trabalhar como caixa em um restaurante, e começou a juntar dinheiro para enfim pagar aulas de interpretação. No curso, ele foi colega da atriz Susan Hayward.

Chandler montou sua própria companhia de teatro, mas interrompeu a carreira para ingressar no exército. Por quatro anos ele serviu em Pearl Habor durante a Segunda Guerra Mundial. De volta aos Estados Unidos, ingressou no rádio, onde interpretou um detetive no programa Our Miss Brooks, que se tornou muito popular.

Um amigo, a ator Jimmy Murphy, recomendou que ele tentasse o cinema, e ele conseguiu uma aparição, como cantor, em Paixão em Jogo (Thrill of a Romance, 1945), estrelado por Esther Williams. Mas sua carreira no cinema não deu continuidade naquele momento.

Ele só retornaria ao cinema quando Dick Powell ouviu seu trabalho no rádio, e levou para Hollywood, onde ele apareceu dizendo apenas uma fala em Dama, Valete e Rei (Johnny O'Clock, 1947), de Robert Rossen.

Apesar de ser um papel pequeno, ele agradou em sua estreia, e a Columbia resolveu testá-lo em papéis um pouco maiores. Ele até tentou um papel importante Rita Hayworth em Os Amores de Carmen (The Loves of Carmen, 1948), mas foi dispensado.

Mas foi na Universal que o ator começou a despontar para o estrelato. O estúdio precisava de um ator para interpretar um israelense em Adagas do Deserto (Sword in the Desert, 1948) e Chandler ficou com o papel. O ator impressionou os produtores, que lhe ofereceram um contrato de sete anos, ainda durante as filmagens.


Dana Andrews, Stephen McNally, Marta Toren e Jeff Chandler
em Adagas do Deserto 

Seu primeiro grande papel de destaque foi quando o diretor Delmer Daves o escalou como o índio Cochise Flechas de Fogo (Broken Arrow, 1950), que lhe valeu uma indicação ao Oscar de Melhor ator coadjuvante. O ator foi emprestado para a Fox para atuar no longa.

 Jeff Chandler em Flechas de Fogo
O filme tornou Jeff Chandler um astro, e mesmo sob contrato com a Universal, ele assinou um contratato para fazer filmes também neste estúdio, além de continuar seu trabalho no rádio. Em 1952 ele foi eleito o 22º ator mais popular de Hollywood.

Ainda na Fox ele voltou a trabalhar com Daves em Ave do Paraíso (Bird of Paradise, 1951), que o ator admitiu ser uma variação de Cochise, papel que ele repetiria na Universal em O Levante dos Apaches (Cochise, 1952) e em Herança Sagrada (Taza, Son of Cochise, 1954), este último feito em 3D, e estrelado por Rock Hudson. Herança Sagrada fez muito sucesso, e deu a Hudson o posto de novo astro da Universal, ocupado anteriormente por Chandler.

Jeff Chandler "abençoando" Rock Hudson nos bastidores de Herança Sagrada

Mas Chandler não ficou marcado como um mero interprete de "peles-vermelhas", apesar de ser constantemente escalado para papéis de diferentes nacionalidades em filmes de aventura ou fantasia, devido aos seus cabelos grisalhos e pele bronzeada.

Chandler costumava dizer que o filme Piratas dos Mares da China (Smuggler's Island, 1951) era um de seus trabalhos favoritos, pois nele pode interpretar um personagem mais perto de sua personalidade. Este foi um dos únicos filmes em que o ator não interpretou um personagem exótico.

Jeff Chandler e Evelyn Keyes no poster de Piratas dos Mares da China

Vendo o sucesso do ator em outros estúdios, a Universal barrou seu empréstimo, impedindo que ele protagonizasse filmes como O Dia em Que a Terra Parou (The Day the Earth Stood Still, 1951), de Robert Wise. Em contrapartida, a Universal dobrou seu salário.

Ele também foi impedido de aceitar um papel em O Manto Sagrado (Te Robe, 1953), que acabou com Victor Mature e em Sublime Obsessão (Magnificent Obsession, 1954), que ficou com Rock Hudson. 

Descontente com as decisões do estúdio e os papéis que era escalado, o ator começou a recusar papéis na Universal, que o colocou em suspensão. Nesta época ele começou a se apresentar em casas noturnas como cantor.

Em 1956 ele montou a sua própria produtora, a Elmar e a Universal o liberou por vários meses para ele atuar em seu próprio filme. Chandler então estrelou Drango (1957). Sobre o filme, o ator declarou "desta vez eu não interpreto um índio, deixem Cochise desacansar."


Poster de Drango 

Drango não fez sucesso e foi um fracasso comercial, tornando-se a única produção da Elmar. De volta a Universal, ele ainda fez mais dois filmes sob contrato.

Depois o ator ficou sem contrato fixo, trabalhando como freelancer. Na Columbia, ao lado de Kim Novak ele atuou em Lágrimas do Triúnfo (Jeanne Eagels, 1957), cinebiografia da trágica estrela do cinema mudo Jeanne Eagles, a primeira atriz a ser indicada a um Oscar póstumo (leia mais sobre ela aqui).

Ele voltou a Universal, contratado por obra, em Tormenta no Paraíso (Raw Wind in Eden, 1954), ao lado da atriz Esther Williams. Chandler e a atriz tiveram um romance, que fez com que sua esposa, a atriz Marjorie Hoshelle (com quem ele era casado desde 1946), pedisse o divórcio. Em 1999 Williams escreveu em sua biografia que terminou com o ator ao descobrir que ele era crossdresser (homens que gostam de se vestir como mulher).

Jeff Chandler e Esther Williams

Ele então fundou uma nova companhia, a Seven Arts, onde atuou em dois filmes: Pilastras do Céu (Ten Seconds to Hell, 1956) e Sol e Sangue (Thunder in the Sun, 1959), co-estrelado por sua antiga colega Susan Hayward. Em ambos os filmes ele interpretou um vilão, o que não agradou ao público.

Seu último sucesso foi De Volta À Caldeira do Diabo (Return to Peyton Place, 1961), ao lado de Eleanor Parker. Em 1961 o ator viajou para as Filipinas, para filmar Mortos Que Caminham (Marauders de Merrill, 1961), uma produção da Warner Bros, co-estrelado por Ty Hardin.

Jeff Chandler e Ty Hardin em Mortos Que Caminham

Durante as filmagens, o ator sofreu uma queda e machucou suas costas enquanto jogava beisebol com soldados das Forças Especiais do Exército dos EUA que serviram como figurantes no filme.O ator precisou usar injeções de morfina para aguentar a dor para conseguir terminar as filmagens.

De volta aos Estados Unidos, procurou um médico para se tratar e descobriu estar com uma hérnia de disco. Em 13 de maio de 1961, ele deu entrada em um hospital em Culver City e operou a hérnia. Houve complicações graves; uma artéria foi danificada e Chandler teve hemorragia. Em 17 de maio, em se submeteu a uma operação de emergência, que durou sete horas e meia acima e precisou de 55 litros de sangue. Uma terceira operação se seguiu, em 27 de maio, onde ele recebeu mais 20 litros de sangue. Jeff Chadler acabou não resistindo, e faleceu em 17 de junho de 1961, aos 42 anos de idade.

Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

0 comentários:

Enviar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil