Relembrando Robert Guillaume, o 'Poderoso Benson'



Na década de 80, a Rede Globo de Televisão exibia, no final da tarde, a Sessão Comédia, na qual eram apresentadas sitcoms norte-americanas, e O Poderoso Benson (Benson) era uma delas.

Criada pela ABC, a série foi produzida entre 1979 e 1986, mas chegou no Brasil somente após o seu término, no ano de 1987. A história da série girava em torno do mordomo Benson DuBois, que trabalhava para a família Tate. Muito irônico, Benson despreza o patrão Chester, mas era muito querido pela sua esposa Jessica e seu filho Billy.

A série falava de temas polêmicos para a época, como infidelidade ou homossexualidade.


O personagem na verdade surgira em outra série, Tudo em Família (Soap, 1977-1981). Quando esta foi cancelada, Benson foi reaproveitado em seu próprio programa.

O Poderoso Benson foi produzida entre 1979 e 1986. Em 1987 a série não foi renovada, e acabou sem nunca ter tido um final. Por seu trabalho, ele foi indicado a três globos de ouro e cinco vezes ao prêmio Emmy. Em 1985 ele tornou-se o primeiro ator negro a vencer o Emmy em um papel de protagonista.


Robert Guillaume, o protagonista, nasceu em Robert Peter Williams, em 30 de novembro de 1927, em St. Louis, Missouri. Ele começou a atuar ainda na escola e em 1959 entrou para o elenco de Free and Easy, na Broadway. Chegou a ser indicado ao Tony em 1977, por seu papel no espetáculo Guys and Dolls. Sua estreia na televisão foi no telefilme Porgy in Wien (1966). No cinema, sua primeira participação foi em Superfly TNT (Super Fly T.N.T., 1973).

 Robert Gullaume e Ron O'Neal em Super Fly T.N.T

Mas apesar de trabalhar em muitas séries, só passou a ser reconhecido por seu trabalho em Tudo em Família, que lhe valeu um prêmio Emmy de ator coadjuvante em série de comédia.

 Katherine Helmond, Cathryn Damon, Robert Guillaume, Robert Mandan, e Richard Mulligan em Tudo em Família (Soap, 1977).


A série lidava com a questão do racismo, falando abertamente sobre um tema até então tabu na televisão norte-americana.

Guilhame inclusive havia sido alvo de forte campanha racista quando substituiu Michael Crawford no musical da Broadway O Fantasma da Ópera (The Phantom of the Opera), de Andrew Lloyd Webber. Mesmo antes da peça estrear, centenas de ingressos foram devolvidos quando o público soube da escalação de um artista negro para o papel.

 Robert Guillaume em O Fantasma da Ópera

Dono de uma voz potente, ele também era cantor, e gravou alguns discos e dublou o sábio Rafiki em O Rei Leão (The Lion King , 1994).


No cinema, ainda atuou em filmes como Parece Que Foi Ontem (Seems Like Old Times, 1980), Exterminador Implacável (Wanted: Dead or Alive, 1987), Homem Meteoro (The Meteor Man, 1993) e Peixe Grande e Suas Histórias Maravilhosas (Big Fish, 2003). Também fez inúmeras participações em séries de televisão, a última delas em Wanda Sykes Presents Herlarious, em 2013.

Robert Robert Guillaume e Will Smith em
Um Maluco no Pedaço (Fresh Prince of Belair)


Robert Guillaume era pai do ator Kevin Guillaume. Ele faleceu em 24 de outubro de 2017, aos 89 anos, vítima de complicações de um câncer na próstata.

Assista a um trecho de O Poderoso Benson 
com dublagem clássica 

Curta nossa página no Facebook

Se inscreva no nosso canal do Youtube

0 comentários:

Enviar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil