O retorno da pioneira Leslie Uggams


Recentemente Deadpool (Idem, 2016) e sua sequência Deadpool 2 (Idem, 2017), tornaram-se sucessos de bilheteria em todo o mundo. Além de popularizar o anti-herói dos quadrinhos da Marvel, Deadpool marcou o retorno da veterana atriz e cantora Leslie Uggams, no papel de "Blind Al" (a cega Al, na tradução) cuja carreira tem quase 70 anos.

Leslie Marian Uggams nasceu no bairro do Harlem Nova York), em 25 de maio de 1943. Filha de Juanita Ernestine, uma corista no famoso Cotton Club, e de Harold Couden Uggams, um operador de elevadores e integrante do coral do famoso Hall Johnson, Leslie começou a se apresentar com apenas quatro anos de idade, influenciada pela carreira dos pais. Ela se apresentava no Teatro Apollo, no Harlem, como uma atração adicional, abrindo shows de artistas como Louis Armstrong, Ella Fitzgerald e Dinah Washington.

Em 1951 estreou como atriz profissionalmente, atuando na série de televisão Beulah (1950-1952), o primeiro siticom estrelado por artistas negros da televisão. Surgido inicialmente na rádio CBS, contava a história de Beulah Brown, uma dona de casa que era excelente cozinheira.

Na TV, Beulah foi interpretada por diversas atrizes, como Ethel Walters, Louise Beavers e Hattie MacDaniel, a primeira atriz negra a vencer um Oscar, por seu papel em ...E O Vento Levou (...Gone With The Wind, 1939). Assista Hattie recebendo seu prêmio, com legendas em português aqui.


Na série Uggams interpretou uma sobrinha de Beulah, na época em que a protagonista era a atriz Ethel Walters. Infelizmente, muitos dos episódios da série se perderam com o tempo.

Como cantora, Leslie estreou na televisão no programa The Lawrence Welk Show, e participou regularmente do programa de TV Sing Along With Mich, estrelado pelo produtor de discos Mitch Miller. Em 1954 ela tornou-se uma espécie de ídolo teen, e seus discos One More Sunrise e House Built on Sand entraram para a lista dos mais vendidos da Billboard.

Leslie Uggams cantando na televisão em 1954

Em 1960 duas canções suas foram incluídas na trilha sonora do filme O Vento Será Tua Herança (Inherit the Wind, 1960), de Stanley Kramer. Em 1962 ela estreou no cinema, aparecendo como cantora no filme A Cidade dos Desiludidos (Two Weeks in Another Town, 1962). Dirigido por Vincete Minelli, o filme tinha um elenco de astros como Kirk Douglas, Cyd Charrise, Edward G. Robinson, Claire Trevor, George Hamilton, Daliah Lavi e Rosanna Schiaffino. Leslie na época tinha 17 anos, e apareceu cantando "Don't Blame Me".

TRAILER DE A CIDADE DOS DESILUDIDOS

Após estrear no cinema, Leslie fez aparições como atriz em séries de televisão como A Garota da U.N.C.L.E (The Girl form U.N.C.L.E) e Os Destemidos (I Spy). Em 1969 ela ganhou o seu próprio programa de televisão, o The Leslie Uggams Show, tornando-se a primeira apresentadora negra na televisão norte-americana. Mas apesar do pioneirismo, o programa só foi ao ar entre setembro e dezembro daquele ano.

Leslie Uggams e Dick Van Dyke na estréia do The Leslie Uggams Show

Leslie Uggams e os The Temptations no The Leslie Uggams Show

Sem muitas oportunidades no cinema e televisão, passou a dedicar a atenção a carreira de cantora e aos trabalhos na Broadway. Em 1967 ela estrelou Aleluia, Baby!, depois que Lena Horne recusou o papel principal. Por este trabalho ela recebeu o prêmio Tony de Melhor Atriz.

Leslie em Aleluia, Baby!

No teatro, destacou-se ainda em Blues in the Night (1982), Jerry's Girl (1985), Anything Goes on Broadway (1989), August Wilson King Hedley II (2001), Thorought Modern Millie (2003-2004) e On Golden Pond (2004). Em 1991 ela deu vida a Ethel Walters na peça Stringbean e em 2009 ela interpretou Lena Horne em Stormy Wheather.

Leslie e James Earl Jones em One Golden Pond,
que nos cinemas ganhou o nome de Num Lago Dourado

Foi no teatro também que Leslie conheceu o seu marido, o ator Grahame Pratt. Eles se casaram em 1965 (e permanecem casados até hoje). Como eram um casal inter-racial, enfrentaram muitos problemas com o preconceito, e precisaram mudar de estado, devido as leis de segregação racial dos Estados Unidos.

Leslie e o marido Grahame Pratt

No cinema atuou em poucos filmes, aparecendo em Black Girl (1972), Poor Pretty Eddie (1975), Vôo 502: Em Perigo (Skykacked, 1972), Duelo em Chicago (Sizzle, 1981) e Inferno Branco (Sugar Hill, 1993).

Leslie, Yvette Mimieux e Susan Dey em Vôo 502: Em Perigo 

 Na televisão, apareceu em séries como O Barco do Amor (The Love Boat) e Magnun (Magnun P.I.). Mas seu papel mais marcante será sempre o de Kizzy Reynolds na minissérie Raízes (Roots, 1977), que lhe valeu uma indicação ao Emmy e ao Globo de Ouro. Ela receberia outra indicação ao Emmy por seu papel na minissérie Backstairs at the White House (1979). Também recebeu dois prêmios Emmy como apresentadora do game show Fantasy (183-1984).

Leslie Uggams em Raízes

Após um tempo atuando em papéis inexpressivos, Leslie foi escalada para a mega produção Deadpool, onde interpreta Blind Al, a senhora cega que cuida do personagem principal, interpretado por Ryan Reynolds.

Leslie e Ryan Reynolds

O sucesso do filme garantiu a atriz um retorno às telas. Além de atuar na sequência do filme em 2017, ela foi convidada para atuar no filme A Vida Imortal de Henrietta Lacks (The Immortal Life of Henrietta Lacks, 2017) e ganhou um papel fixo na série Empire: Fama e Poder (Empire, 2016-2017).

Leslie em Empire

Fora das telas, a atriz dedica seu tempo a causas sociais. É membro de uma associação de teatro infantil para crianças carentes e fundadora da BRAVO, uma organização de caridade dedicada ao estudo, tratamento e erradicação de toas as doenças relacionadas ao sangue. Suas filhas Danielle Chambers e Justice Pratt também são atrizes e cantoras.


Leslie e Nat King Cole

Leslie e Sidney Poitier

Leslie no programa The Ed Sullivan Show

Leslie ainda estrela mirim

No programa Vila Sésamo (The Muppets Show)

Leslie Uggams

Leslie e o marido em 2018



Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube


0 comentários:

Enviar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil