A atriz e diretora Wanda Kosmo, uma estrela pioneira



Muitos lembram de Wanda Kosmo como a megera e hilária sogra de Sinhozinho Malta na novela Roque Santeiro (1985), Wanda Kosmo teve uma longa carreira no cinema, teatro e televisão, e foi uma das primeiras mulheres diretoras da TV brasileira.


Wanda Kosmo e elenco em Roque Santeiro


A jovem Wanda Kosmo


Wanda Nerina Luizi nasceu em Santa Rita do Sapucaí, Minas Gerais, em 05 de julho de 1930. Wanda se mudou com a família para Belo Horizonte, e posteriormente para o Rio de Janeiro, por motivos de saúde da mãe.

Na capital carioca, começou a atuar fazendo parte da companhia da atriz Alda Garrido. Ela também trabalharia nas Cias de Henriette Morineau e Maria Della Costa.


Wanda Kosmo, embaixo a direita, ao lado de Alda Garrido e colegas de elenco


Em 1953 a atriz se casou com o ator Zéluiz Pinho, e no mesmo ano seu amigo Olavo de Barros, um dos diretores da TV Tupi Rio a levou para a televisão, onde ela começou a atuar em diversos teleteatros da emissora.


Wanda Kosmo, Fernanda Monetenegro e Ítalo Rossi em um teleteatro da TV Tupi


Wanda acabou viajando para Portugal com Alda Garrido, e acabou permanecendo por um ano no país. De volta ao Brasil, foi morar em São Paulo, ingressando no Teatro Brasileiro de Comédia, o TBC.


Ruth de Souza, Nydia Licia, Carlos Zara, Nieta Junqueira e Wanda Kosmo em Vestido de Noiva (1958)


Na Tupi de São Paulo, além de atuar em diversos teleteatros, também tornou-se adaptadora, roteirista e diretora, até assumir a direção geral do programa TV de Vanguarda e Grande Teatro Tupi, em 1957.

Wanda Kosmo também não era mais novata no cinema, já tendo feito os filmes Caraça, Porta do Céu (1950) e O Pão Que o Diabo Amassou (1957).


Wanda Kosmo em Caraça, Porta do Céu


Wanda trabalhava muito, e precisou se impor para conquistar o espaço de diretora de televisão, sendo muitas vezes chamada de maluca. Não contente com seu trabalho nos teleteatros, também começou a atuar em novelas, estreando em David Copperfield (1958).

Depois, fez Prelúdio, A Vida de Chopin (1962), Se o Mar Contasse...(1964) e Gutierritos, o Drama dos Humildes (1964), que foi também a primeira novela que Wanda dirigiu.

Em 1966 ela escreveu dirigiu e atuou em O Pecado de Cada Um (1966).



Rita Cléos, Debora Duarte, Patrícia Mayo e Wanda Kosmo em O Pecado de Cada Um


Como diretora, também foi responsável por O Mestiço (1965), Olhos que Amei (1965), O Anjo e Vagabundo (1966), Sozinho no Mundo (na qual também atuou, 1968) e escreveu o texto de O Coração Não Envelhece (1967).

Merecem um destaque especial seus trabalhos como diretora de A Cor de Sua Pele (1965), a primeira novela com um casal interracial da televisão brasileira (vivido por Leonardo Villar e Iolanda Braga) e Calúnia (1966), a única novela na qual atuou Cacilda Becker.


Como atriz apenas, ainda fez Estrelas no Chão (1967).


Wanda Kosmo e Juca de Oliveira em Estrelas no Chão

Em 1969 Wanda deixou a Tupi e foi para a Record, onde atuou em Algemas de Ouro (1969), e Tilim (1970), que também dirigiu. Depois, foi para a Globo, onde atuou em Pigmalião 70 (1970), O Bem Amado (1973) e Saramandaia (1976).



Wanda Kosmo em Algemas de Ouro

Wanda Kosmo em Pigmalião 70


Na década de 1970 Wanda deixou de dirigir para a televisão, passando apenas a trabalhar como atriz, embora ainda dirigisse espetáculos teatrais. 

Não aguentando o calor do Rio de Janeiro, pediu demissão da Globo e voltou para São Paulo, onde dedicou-se ao teatro. No mesmo período, retornou ao cinema, atuando em diversas produções.

Wanda Kosmo participou dos filmes As Mulheres Amam por Conveniência (1972), Sob o Domínio do Sexo (1973), O Signo de Escorpião (1974), O Exorcismo Negro (1974), A Filha do Padre (1975), O Predileto (1975), O Sexualista (1975), Cada Um Dá o Que Tem (1975), A Sepultura (1978).


José Mojica Marins (O Zé do Caixão) e Wanda Kosmo em Exorcismo Negro


Wanda Kosmo em Sob o Domínio do Sexo


Em 1977, Wanda Kosmo retornou as novelas na recém criada TVS, em parceria com a TV Record, atuando em O Espantalho (1977). Depois, fez Cara a Cara (1979), na TV Bandeirantes.



Wanda Kosmo em O Espantalho


Na década de 1980 ela também atuaria com frequência no cinema, atuando em A Praga (1980), Motel, Refúgio do Amor (1980), A Noite das Taras II (1982), Excitação Diabólica (1982), Elas Só Transam no Disco (1983) e A Doutora é Boa Praça (1984).

No teatro, destacou-se também na comédia A Nona (1987).


Wanda Kosmo em Motel, Refúgio do Amor


Wanda Kosmo em La Nona


Na TV, ainda atuou em Amor Com Amor Se Paga (1984), na Globo, onde também viveu Marcelina, a sogra que infernizava Sinhozinho Malta (Lima Duarte), em Roque Santeiro (1985). Pouco tempo depois, um de seus filhos morreu em um acidente de carro, fazendo com que a atriz entrasse em depressão, e fosse reduzindo seus trabalhos artísticos.



Armando Bobus e Wanda Kosmo em Roque Santeiro


Wanda ainda atuaria em O Outro (1987), na Globo, e em Fronteiras do Desconhecido (1990), e Ilha das Bruxas (1991), na Manchete. Depois fez a minissérie Teresa Batista (1992), na Globo, e se aposentou definitivamente.


Wanda Kosmo e Lutero Luiz em O Outro



Zilka Sallabery e Wanda Kosmo em Teresa Batista


Em 27 de fevereiro de 2007 Wanda Kosmo faleceu, vítima de câncer de pulmão, aos 76 anos de idade.





Veja Também: A História de Ana Ariel, Filha do Palhaço Piolin



0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil