Coadjuvantes Que Amamos: Stafford Repp, o eterno Chefe O'Hara, de Batman e Robin


Quando o ator Stafford Repp foi escalado para viver o chefe de polícia Clancy O'Hara na icônica série Batman e Robin (Batman, 1966-1968), ele já era um veterano do cinema e televisão.

Com uma carreira com quase 150 trabalhos (muitos deles não creditados), Stafford Repp interpretou diversos policiais e homens da lei em programas de televisão. Curiosamente, seu irmão era policial na vida real.


Burt Ward, Stafford Repp, Adam West e Neil Hamilton em Batman e Robin

Stafford Alois Repp nasceu em San Francisco, Califórnia, em 26 de abril de 1918. Ele começou a atuar no teatro no começo da década de 1940, mas sua carreira logo foi interrompida em 1941, quando ele se alistou no exército para defender os Estados Unidos na Segunda Guerra Mundial.



Durante sua vida militar, ele atuou e produziu diversos shows para os soldados no front, enquanto estava na Força Aérea. E após deixar o exército, ele retomou sua carreira artística.

Repp ingressou na televisão na década de 1950, mas trabalhando como sonoplasta. E em 1954, fez seu primeiro papel em uma série de TV, onde trabalharia a maior parte de sua carreira.

Em 1954 ele também estreou no cinema, fazendo um papel não creditado em Brincando com Fogo (Fireman Save My Child, 1954). No mesmo ano, interpretou o primeiro policial de sua carreira em Caçado Como Fera (Shield for Murder, 1954). 

Na década de 1950 ele apareceu em diversos filmes, mas em papéis tão pequenos que nem mesmo era creditado. Ele apareceu em muitos filmes estilo Noir, e também foi um ator recorrente em westerns, como Uma Estranha em Meu Destino (Strange Lady in Town, 1955) e Armados Até os Dentes (Man With the Gun, 1955).


Stafford Repp em um filme western


Foi somente em 1956 que ele foi creditado pela primeira vez, no policial O Preço do Medo (The Price of Fear, 1956).


Mary Field eStafford Repp em O Preço do Medo

Mas foi na televisão onde o ator mais trabalho, participando de séries como Dr. Kildare, Bonanza, Perry Mason, Ben Cassey, Cheyenne, O Homem de Virginia (The Virginian), Além da Imaginação (The Twillight Zone), A Lei de Burke (Burke's Law), e O Show da Lucy (The Lucy Show).


Stafford Repp em Além da Imaginação


Lucille Ball e Stafford Repp em O Show da Lucy


Com uma extensa carreira, e muitos trabalhos no currículo, ele ainda era desconhecido do grande público quando foi escalado para viver o Chefe O'Hara no piloto Batman, O Homem Morcego (Batman: The Movie, 1966), que deu origem a bem sucedida série Batman e Robin (Batman, 1966-1968).

Muitos acreditaram que ele era de origem irlandesa, devido ao sotaque apresentado no programa. Mas na verdade, era apenas Stafford Repp demonstrando seu potencial como ator.

O Chefe O'Hara era o fiel companheiro do Comissário Gordon, interpretado pelo veterano Neil Hamilton. A série fez muito sucesso, e finalmente fez o ator famoso na indústria do entretenimento.



Neil Hamilton e Stafford Repp em Batman e Robin


Vincent Price e Stafford Repp em Batman e Robin


Com o final da série, ele voltou a atuar como convidado em outros programas de televisão. Também atuou nos filmes de terror Scream, Evelyn, Scream! (1970) e Cycle Psycho (1973). Stafford Repp também esteve no elenco do controverso Linda Lovelace Para Presidente (Linda Lovelace for President, 1975).


Ele também fez uma participação na série M*A*S*H, que acabou sendo seu último trabalho na televisão. O programa foi ao ar quatro meses após a sua morte, ocorrida em 05 de novembro de 1974.


Stafford Repp em M*A*S*H


Stafford Repp faleceu após sofrer um ataque cardíaco fulminante, com apenas 56 anos de idade. Sua irmã, que era roteirista, criou uma bolsa de estudo com o seu nome, dedicada a alunos da mesma escola que ele estudará na infância.


Antes de morrer, o ator havia filmado muitas cenas de O Outro Lado do Vento (The Other Side of the Wind), o filme inacabado de Orson Welles, que só foi lançado em 2018.







0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil