Cantora Joni James morre aos 91 anos de idade



A cantora norte-americana Joni James, que emplacou quase 30 hits nas paradas de sucesso entre 1952 e 1961, e vendeu mais de 100 milhões de discos morreu em um Hospital em Palm Beach no dia 20 de fevereiro, aos 91 anos de idade.

Só a canção Why Don't Belive in Me?, lançada em 1952, vendeu mais de 2 milhões de cópias, e ficou em 1 primeiro lugar nas paradas da Bilboard.




Nascida em Chicago, em 22 de setembro de 1930, Jodi James foi um fenômeno musical numa era pré Beatles, e era bastante comparada a Doris Day. Em 1952 ela assinou contrato com o departamento musical da MGM, e emplacou ao longo de sua curta carreira sucessos como Your Cheatin' Heart, Have You Heard?, Almost Always, My Love, My Love, How Important Can It Be?, You Are My Love, entre outros.



Jodi nunca atuou no cinema, mas foi contatada para cantar a música tema do filme Até a Última Bala (The Mavercik Queen, 1956), um faroeste estrelado por Joan Crawford. A canção era executada nos créditos inicias da produção.

Ela também apareceu em diversos programas de televisão na década de 1950, como cantora.




Em 1956 ela se casou com o compositor e maestro Anthony "Tony" Acquaviva, e em 1964 ela se aposentou da indústria musical porque seu marido tinha uma saúde delicada, e precisava de cuidados. Ela cuidou dele até sua morte, em 1986.

Em 1997 ela voltou a se casar, com um oficial do exército aposentado, e ficou viúva novamente em 2005. Casada com um militar, ela voltou a cantar na década de 1990, geralmente se apresentando para veteranos de guerra.












Garota-Propaganda, Atriz, Apresentadora - A Inesquecível Neyde Aparecida, tá?




Nos primeiros anos da televisão brasileira não havia formas de gravar a programação, e tudo que era exibido era ao vivo. Nestes tempos, surgiram as garotas propaganda, que anunciavam os produtos dos patrocinadores, também ao vivo, durante as transmissões da TV.

Essas belas moças que faziam os anúncios chamavam a atenção, e nomes como Rosa Maria, Wilma Rocha, Maria da Glória e Idalina de Oliveira migravam da publicidade para uma carreira maior na TV. Neyde Aparecida foi outro grande nome entre as garotas propagandas, sendo uma das mais bem pagas da época. Posteriormente ela também se tornaria atriz e apresentadora, embora nunca tenha abandonado a publicidade totalmente, sendo mais tarde a garota propaganda das Perucas Lady, do famoso bordão "Perucas Lady, Tá?"


Neyde Aparecida como garota propaganda, na TV Tupi




Neyde Aparecida da Silva nasceu em São Paulo, em 26 de fevereiro de 1937, mas mudou-se com a família para o Rio de Janeiro, ainda muito jovem.

Ela sonhava ser bailarina, mas formou-se em contabilidade, e por alguns anos foi professora de ensino infantil. Sua carreira mudou drasticamente em 1954, quando foi assistir a um programa de auditório na TV Tupi, do Rio de Janeiro.

Ela acabou chamando a atenção de Jacy Campos, que a chamou para fazer um anúncio ao vivo na Tupi, já que uma das garotas propagandas havia faltando. Naquela tarde, ela já acabou contratada pela emissora.




Os anúncios eram ao vivo, e muitas vezes acabavam dando errado, e o público acostumou-se a ver uma frasco de vidro que não abria, uma porta de geladeira caindo ou uma máquina de lavar transbordando no estúdio.

em 1990, nas comemorações dos 40 anos da televisão brasileira, Neyde Aparecida gravou uma reconstituição de um incidente que havia acontecido com ela, na década de 1950. Este vídeo, feito para um programa especial sobre o a aniversário da TV, circula erroneamente na internet como sendo uma imagem real da época.





Para evitar esses acidentes, que incomodavam os patrocinadores, os comerciais passaram a ser gravados em película cinematográficas, e as garotas propagandas foram perdendo espaço na televisão. Neyde Aparecida então tornou-se apresentadora, vencendo alguns prêmios de melhor animadora e apresentadora entre 1957 e 1958.

Tendo feito publicidade em programas infantis como Gurilandia e Clube do Guri, ela já era conhecida entre as crianças, e passou a ser apresentadora infantil, uma das pioneiras do gênero na televisão.

Ainda na Tupi, tornou-se apresentadora do programa Concurso das Bonecas (1957), que sorteava bonecas para as meninas. Neyde inclusive ajudo a popularizar a Boneca Melindrosa, da Estrela, que era o sonho de consumo de muitas meninas da época.


Neyde Aparecida no Clube das Bonecas


Neyde Aparecida e a boneca Melindrosa, da Estrela


O programa durou pouco, porque ainda em 1957 Neyde migrou para a TV Rio, onde além de apresentadora, tornou-se também atriz, atuando principalmente nos programas humorísticos do canal, onde permaneceu até 1960.

Em 1959 ela estreou no cinema, atuando em O Homem do Sputinik (1959), ao lado do ator Cyl Farney, com quem chegou a namorar na época.


Cyl Farney e Neyde Aparecida em O Homem do Sputinik


Em 1960 ela voltou para a Tupi, onde apresentou outro programa infantil, O Mundo de Priminha (1960). Ela apresentou diversos programas no canal, até ser consagrada com o Programa Neyde Aparecida (1961). Eventualmente, ela voltou a ser garota propaganda, sendo lembrada por ser uma das moças dos anúncios do programa Espetáculos Tonelux, programa que levava o nome de seu patrocinador, anunciado por Neyde pausadamente (To Ne Lux). Neide ficou no Espetáculos Tonelux (programa que ela posteriormente tornou-se apresentadora) até 1964.


No mesmo período ela também apresentava um programa infantil que marcou gerações, Gincana Estrela (1961-1964), também patrocinado pelos Brinquedos Estrelas. Neste período também gravou diversos discos contando histórias infantis.


Neyde Aparecida no Gincana Estrela


Ela também retornou ao cinema, atuando em Os Três Cangaceiros (1961) e Os Cosmonautas (1961), uma comédia estrelada por Ronald Golias.


Neyde Aparecida e Ronald Golias em Os Cosmonautas


A carreira de apresentadora infantil foi ficando no passado, e Neyde Aparecida passou a ser uma requisitada apresentadora na TV Tupi. Ela também passou a atuar mais, aparecendo em produções da teledramaturgia e programas humorísticos. 


Neyde Aparecida, Jardel Filho e Myriam Pérsia



Ela também trabalhou muito no cinema brasileiro no período, aparecendo nos filmes Jerry - A Grande Parada (1967), Em Busca do Tesouro (1967), A Espiã Que Entrou em Uma Fria (1967), Adorável Trapalhão (1967), O Estranho Mundo de Zé do Caixão (1968) e Papai Trapalhão (1968).

Seu último trabalho no cinema foi em Uma Garota em Maus Lençóis (1970).


Neyde Aparecida, Jerry Adriani e Marivalda em Jerry - A Grande Parada

Neyde Aparecida em Adoravél Trapalhão


Na década de 1960 passou pela Excelsior, onde apresentou o novo Espetáculos Tonelux (1964) e fez uma breve passagem pela Rede Globo, atuando na série Andax (1968).

Neste período também foi eleita uma das Certinhas do Lalau, uma lista das mulheres mais bonitas da época, feita pelo jornalista Stanilsaw Ponte Preta. Também foi garota propaganda de discos do cantor Roberto Carlos.




Neyde Aparecida e Roberto Carlos



Em 1970 ela atuou em sua primeira novela, E Nós, Onde Vamos? (1970), na TV Tupi. A partir da década de 1970 tornou-se uma presença constante em programas de humor, e também protagonizou diversos comerciais, que agora eram gravados e não mais ao vivo.


Neyde Aparecida em 1972


Ela fez diversos programas na Tupi, tendo inclusive atuando em Os Trapalhões, programa que ela também atuaria mais tarde, quando o elenco migrou para a Rede Globo.

Ela também fez parte do elenco do SBT nos primeiros anos, e atuou em algumas produções da TV Manchete.


Neyde Aparecida em 1982

Neyde Aparecida na TV Macnhete (1987)


Na Globo, fez uma participação em A Gata Comeu (1985), a segunda e última novela em que atuou. No ano seguinte, tornou-se a famosa garota propaganda das Perucas Lady.


Em 1997, após apresentar o Programa 420, na CNT, aposentou-se das telas.




Neyde Aparecida nunca se casou, e não teve filhos. E vive tranquilamente no Leblon, no Rio de Janeiro.




Neyde Aparecida e o amigo Mario Marinho







Atriz Sally Kellerman, indicada ao Oscar por M.A.S.H., morre aos 84 anos de idade


A atriz e cantora Sally Kellerman, indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante pelo papel de Margareth "Lábios Quentes" Houlihan no filme M.A.S.H. (Idem, 1970), morreu no dia 24 de fevereiro, aos 84 anos de idade.

Sally havia sido diagnosticada com demência há 5 anos atrás.



Também cantora, ela teve uma longa carreira no cinema e televisão, atuando em mais de 130 produções, além de ter gravado diversos discos.



Sally estreou no cinema em 1957, mesmo ano que foi cotada para viver Joanna Darc em Santa Joana (Saint Joan, 1957), mas os produtores optaram por Jean Seberg, que era muito mais famosa na época.


Sally Kellerman em Reform School Girl (1957)


Ela seguiu atuando em papéis de apoio em filmes como O Terceiro Dia (The Third Day, 1965), O Homem Que Odiava as Mulheres (The Boston Strangler, 1968) e Um Dia em Duas Vidas (The April Fools, 1969).

Mas sua carreira mudou significativamente após ser convidada por Robert Altman para atuar na comédia bélica M.A.S.H. (Idem, 1970), filme pelo qual ela foi indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante.


Sally Kellerman em M.A.S.H.

Sally e Altman tornaram-se grandes amigos, e ela participou de diversos filmes do cineasta, atuando em Voar é Com Os Pássaros (Brewster McCloud, 1970), O Jogador (The Player, 1992) e Prêt-à-Porter (Idem, 1994). Robert Altman também a queria em Nashville (Idem, 1975), mas ela recusou o papel para dedicar-se a sua carreira musical na época.


Sally Kellerman e Marcello Mastroianni em Prêt-à-Porter


No cinema, ainda fez filmes como O Último Don Juan (Last of the Red Hot Lovers, 1972), Os Covardes Vivem Bem (Slither, 1973), Horizonte Perdido (Lost Horizon, 1973), Um Pequeno Romance (A Little Romance, 1979), Gatinhas (Foxes, 1980), Assim é A Vida (That's Life!, 1986) e De Volta às Aulas (Back to School, 1986).


Olivia Hussey e Sally Kellerman em Horizonte Peridido


Sally Kellerman e Rodney Dangerfield em De Volta às Aulas


Na década de 1980 os convites diminuíram, embora a atriz tenha atuado com frequência, mas em produções cada vez menos relevantes, e ela também dedicou-se muito a trabalhos de dublagem. Ela também apareceu em diversas séries de TV ao longo de sua grande carreira, tendo inclusive participado de um icônico episódio de Jornada nas Estrelas (Star Trek), em 1966.


Sally Kellerman em Jornada nas Estrelas





Ator José Carlos Sanches é encontrado morto em seu apartamento, aos 67 anos de idade


O ator José Carlos Sanches, que foi galã das novelas da Globo na década de 1980, foi encontrado morto em seu apartamento em Copacabana, no Rio de Janeiro. Ele tinha 67 anos de idade, e estava  a pelo menos 4 dias sem dar notícias aos amigos e familiares. A polícia realizará o exame de papiloscopia para confirmar a identidade do corpo, que estava em estado de putrefação.



José Carlos Sanches ficou famoso ao estrelar algumas pornochanchadas no final da década de 1970, atuando em As Taradas Atacam (1978), Sábado Alucinante (1979), A Virgem Camuflada (1979), O Preço do Prazer (1979) e As Borboletas Também Amam (1979).

Ele estreou na TV em 1980, participando da novela  Água Viva (1980).


Betty Faria e José Carlos Sanches em Água Viva

Na televisão, atuou em Sétimo Sentido (1982), Amor Com Amor Se Paga (1984), Anos Dourados (1986), Que Rei Sou Eu? (1989), Por Amor (1997), O Quinto dos Infernos (2002), Senhora do Destino (2004), A Lua Me Disse (2005), O Profeta (2005) e Caras & Bocas (2009). Em seus últimos trabalhos na TV fez apenas participações especiais nas novelas da Rede Globo.

Ele também atuou em programas humorísticos do canal.


Edson Celulari e José Carlos Sanches em Amor Com Amor Se Paga


José Carlos e Sandra Bréa em Sanches em Anos Dourados


Chico Anysio e José Carlos Sanches


José Carlos Sanches em Que Rei Sou Eu?


José Carlos Sanches em Caras & Bocas



No cinema, ainda fez Bacanal (1980), A Gostosa da Gafieira (1981), Piranha de Véu e Grinalda (1982) e Etéia, a Extraterrestre em Sua Aventura no Rio (1983). Ele também era formado em direito, e atualmente trabalhava como advogado.





Veja Também: Shazan, Xerife & Cia

Rogério Marcico Completa 92 anos de Idade


Pioneiro da televisão brasileira, Rogério Marcico tem uma grande carreira, com diversos trabalhos na televisão. Dono de uma voz potente e grave, ele também é um requisitado dublador brasileiro, emprestando sua voz para vários personagens clássicos.


Nascido em Poços de Caldas, em 24 de fevereiro de 1930, Rogério Marcico iniciou sua carreira como rádio ator, ainda em sua cidade natal, no final da década de 40.

No começo da década de 50, ele mudou-se para o Rio de Janeiro, em busca de trabalhos no rádio. Logo foi contratado pela Rádio Nacional, onde fez diversos rádio-novelas, chegando a protagonizar Padre Leonel, escrita por Amaral Gurgel.

Mas em 1952 ele mudou-se para São Paulo, onde passou a atuar na Nacional Paulista, além de estrear no teatro, na peça infantil O Gato de Botas, estrelada por Vera Nunes.


Em 1955 Rogério Marcico estreou na televisão, atuando no programa Teledrama, das Organizações Victor Costa (OVC). Sua primeira peça foi O Corcunda, ao lado de Valter Avancini, Cacilda Lanuza e Odair Marzano.

 Cacilda Lanuza, Rogério Marcico e Odair Marzano em O Corcunda


Rogério atuou em diversos teleteatros da emissora, mas ainda em 1955 foi contratado pela Rádio Tupi, para ingressar no Grande Teatro Gessy. Logo ele também passou a atuar nos programas TV de Vanguarda e TV de Aventura, na PRF-3 TV Tupi de São Paulo.


Rogério Marcico no TV de Vanguarda

E embora tenha sido considerado o ator revelação de 1955, na Tupi, ficou relegado a papéis de coadjuvantes. Na emissora, também atuou em algumas séries de aventura, como Legionário Invencível (1955), O Volante Fantasma (1957), Os Três Mosqueteiros (1957) e Lever no Espaço (1957), primeira série de ficção científica da televisão brasileira.

Insatisfeito com sua carreira na Tupi, deixou a emissora em 1958, anunciando que iria dedicar-se apenas a trabalhos publicitários. Porém, logo recebeu um convite para retornar a OVC, agora chamada TV Paulista


Em 1958 ele também começou a trabalhar com dublagens, e jogava futebol pelo Clube Tiete. Casado no ano anterior, junto com a esposa, também montou uma loja de tecidos e roupas femininas.



Na dublagem, emprestou sua voz para o Bibo Pai em Bibo Pai e Bob Filho, aos Barney de Os Flintstones e o zelador Henry Órbita em Os Jetsons. Também dublou Laurence Olivier e John Gielgud em diversos filmes, além de outros trabalhos.


Em 1961 atuou em A Muralha, na recém inaugurada TV Cultura. Mas só retornaria as novelas em 1964, agora atuando na TV Excelsior. Na emissora, sua primeira novela foi Melodia Fatal (1964).


Na Excelsior, atuou em diversas novelas, são elas: O Ébrio (1965), Anjo Marcado (1966), As Minas de Prata (1966), A Pequena Karen (1966), Os Fantoches (1967), O Terceiro Pecado (1968) e Algemas de Ouro (1969).

Rogério Marcico e Suzana Vieira em As Minas de Prata

Com a falência da Excelsior, migrou para a Bandeirantes, onde atuou em Era Preciso Voltar (1969). Após este trabalho, foi contratado pela TV Record, onde atuou em As Pupilas do Senhor Reitor (1970), considerado um de seus melhores papéis na televisão.

Fulvio Stefanini, Rogério Marcico e Agnaldo Rayol em As Pupilas do Senhor Reitor

Na Record ainda atuou em Os Deuses Estão Mortos (1971), Os Fidalgos da Casa Mourisca (1972), O Leopardo (1972) e Sol Amarelo (1972). 

Em 1973 Rogério Marcico fez sua estréia no cinema, no filme infantil Regina e o Dragão de Ouro (1973).


De volta a Tupi, coadjuvou Antônio Fagundes e Maria Isabel de Lizandra em O Machão - Um Exagero de Homem (1974).

Maria Isabel de Lizandra, Rogério Marcico e Antônio Fagundes em O Machão

 Liza Vieira e Rogerio Marcico em O Machão

Na Tupi fez diversas outras novelas, como Vila do Arco (1975), O Velho, o Menino e o Burro (1975-1976), Éramos Seis (1977) e Gaivotas (1979).

Em 1978, chegou a fazer uma participação na novela mexicana Pecado de Amor (1978), produzida pela Televisa.

Na Bandeirantes, fez outro papel marcante em Meu Pé de Laranja Lima (1980-1981), onde interpretou Paulo, o pai do protagonista Zezé.

Rogério Marcico em Meu Pé de Laranja Lima

Em 198 fez sua primeira novela no SBT, Vida Roubada. Na emissora de Silvio Santos, fez muitos trabalhos, sendo um dos atores que mais atuaram nas produções de dramaturgia do canal. Lá atuou em Meus Filhos, Minha Vida (1984),no remake de Jerônimo (1984), Sangue do Meu Sangue (1995), As Pupilas do Senhor Reitor (1995), Chiquititas (1997), Jamais Te Esquecerei (2003), Maria Esperança (2007), Amor e Revolução (2011), entre outras obras.

Rogério Marcico em As Pupilas do Senhor Reitor

Na Globo fez Selva de Pedra (1986), Vida Nova (1988), O Rei do Gado (1996) e a mini-série A Cura (2010).

Andréia Horta e Rogério Marcico em A Cura

Em 2011, após muitos anos afastado do cinema, atuou em Onde Está a Felicidade? (2011), dirigido por Carlos Alberto Riccelli e estrelado por Bruna Lombardi. Seu último trabalho como ator foi na série infantil Buuu: Um Chamado Para Aventura (2015), feito para o canal a cabo Gloob.

Rogério Marcico em Buuu: Um Chamado Para Aventura



Atualmente, o ator vive em um sítio em Atibaia.

Rogério Marcico, atualmente



Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil