O Cabelo, o alcoolismo e a decadência de Veronica Lake, a femme fatale de Hollywood


Na década de 1940 Veronica Lake era uma das maiores femme fatales de Hollywood. O longo cabelo loiro, caído sobre o olho, virou moda, e ao lado de Allan Ladd ela personificou mulheres fatais em muitos filmes noir. Considerada uma atriz difícil, em parte pela sua rebeldia de querer ser vista apenas como um objeto sexual, a sua carreira entrou em declínio.

A atriz caiu no alcoolismo, e acabou falecendo muito cedo, com apenas 50 anos de idade.



Constance Frances Marie Ockelman nasceu em Nova York em 14 de novembro de 1922. Seu pai trabalhava em uma empresa de perfuração de petróleo, e morreu em uma explosão quando ela tinha apenas 5 anos de idade.

Sua mãe casou-se novamente, com um homem chamado Anthony Keane. Diagnosticado com tuberculose, Anthony mudou-se com a nova família para Los Angeles, para viver em uma região com temperaturas mais quentes.

Em Los Angeles, Connie (como era chamada), foi diagnosticada com esquizofrenia, e começou a ter aulas de interpretação como forma de tratar sua condição médica. Ainda estudante, foi contratada brevemente pela MGM, mas nunca filmou no estúdio.

Em 1939 ela foi acompanhar a colega de classe Gwen Horn em um teste na RKO, e acabou sendo convidada para fazer um teste cinematográfico. No estúdio, ela fez figuração no filme Adolescência (Sonority House, 1939). Sua primeira cena cinematográfica, entretanto, foi cortada na edição final.

Usando o nome artístico de Connie Keane, ela fez muitos trabalhos como figurante no estúdio. Foi em um papel não creditado no filme Mamãe eu Quero (Forty Little Mothers, 1940), que ela deixou seus longos cabelos loiros caídos sobre seu olho esquerdo, o que se tornou sua marca registrada.

O assistente de direção Fred Wilcox gostou do trabalho da atriz, e mostrou para o produtor Arthur Hornblow Jr., que procurava uma garota para fazer uma cantora de boate no filme Revoada de Águias (I Wanted Wings, 1941). Veronica ficou com o papel, e com 18 anos de idade, se tornou uma estrela de cinema.


Veronica Lake e Ray Milland em Revoada de Águias


A atriz foi eleita "o achado de 1941" e conseguiu um vantajoso contrato com a Paramount. Seu primeiro trabalho no estúdio foi em Contrastes Humanos (Sullivan's Travels, 1941). Na época, casada há um ano com o diretor John S. Detlie, Veronica estava grávida de seis meses quando estrelou o filme.




Em 1942 ela estrelou Alma Torturada (This Gun For Hire, 1942), onde contracenou com o galã Alan Ladd. E embora o protagonista do filme fosse Robert Preston, a dupla Lake e Ladd se tornaram um sucesso. Baixinha, medindo apenas 1,50 metros de altura, ela fazia o par perfeito com o astro diminuto, que media apenas 1,68.

Com Alan Ladd, Verônica Lake fez outros seis filmes, são eles: Capitulou Sorrindo (The Glass Key, 1942), Coquetel de Estrelas (Star Spangled Rhythm, 1942), Duffy's Tavern (1945), A Dália Azul (The Blue Dahlia, 1946), Saigon (1947) e Miragem Dourada (Variety Girl, 1947).


Alan Ladd e Veronica Lake em A Dália Azul


Sem Ladd, Veronica estrelou Casei-Me Com Uma Feiticeira (I Married a Witch, 1942), dirigida por René Clair. Joel McCrea, com quem ela havia feito Contrastes Humanos, deveria ser seu co-astro, mas ele recusou o papel dizendo "a vida é muito curta para dois filmes com Veronica Lake". Fredrich March acabou ficando com o papel. Ao longo da carreira, atores como Eddie Bracken e o roteirista Raymond Chandler (de A Dália Azul), fizeram criticas públicas sobre trabalhar com a atriz.


Veronica Lake em Casei-Me Com Uma Feiticeira



Em 1943 a atriz foi aclamada pela critica no papel de uma enfermeira suicida em A Legião Branca (So Proudly We Hail!, 1943), onde pode demonstrar seu talento dramático. Lake queria fugir do papel de mocinhas bonitas e ingênuas, e declarou "eu não sou era sex symbol, eu era um sex zombi".



Veronica Lake em A Legião Branca



Seu penteado na época fazia tanto sucesso, que se tornou uma grande moda entre as mulheres, que queriam imitia-la. Porém, com os homens lutando na Segunda Guerra Mundial, muitas mulheres passaram a trabalhar nas máquinas pesadas das fábricas, e o longo cabelo causava graves acidentes nas funcionárias.

Veronica foi chamada para fazer uma campanha publicitária alertando sobre o risco do cabelo comprido nas fábricas, que não surtiu efeito. Como resultado, ela cortou os longas madeixas. Os acidentes diminuíram, mas a sua carreira entrou em declínio com o novo visual.

Havia também um boato que dizia que a atriz escondia o olho esquerdo devido a uma deficiência visual, mas isto não era verdade.





Veronica Lake amargou grandes fracassos nos anos seguintes, e mesmo seu grande esforço para arrecadar fundos e entreter os soldados não foi suficiente para reviver sua carreira.

Nem o fato dela demonstrar ser boa cantora no musical Acontece Que Sou Rico (Bring on the Girls, 1945), fez o público despertar interesse na atriz novamente e o filme foi um grande fracasso de bilheterias.

A atriz também foi muito criticada por interpretar uma espião nazista em A Hora Antes do Amanhecer (The Hour Before the Dawn, 1944). As duras críticas, somadas a um aborto espontâneo (a atriz perdeu o bebê após tropeçar no cabo de iluminação e cair nos sets de filmagens) e seu divórcio com John S. Detlie, fizeram a atriz entrar em depressão, e Veronica Lake começou a beber compulsivamente.

Já com fama de difícil, muitos atores se recusaram a trabalhar com a atriz, que viu seus convites para o cinema diminuírem drasticamente.


Veronica Lake em A Hora Antes do Amanhecer


Neste período, seu único sucesso foi A Dália Azul (The Blue Dahlia, 1946), ao lado do amigo Alan Ladd. A Paramount começou a escalar a atriz para papéis de coadjuvantes, onde ocupava o segundo ou terceiro papel feminino, e a emprestou para um estúdio pequeno, onde ela fez A Abrasadora (Ramrod, 1947), um western dirigido por seu novo marido, Andre de Toth, com quem ela havia se casado em 1944.


Veronica Lake em A Abrasadora



Tentando voltar ao estrelato, ela adotou o velho penteado em Saigon (1948), último filme que fez com Ladd. Mas o filme não foi bem recebido pelo público.


Veronica Lake e Alan Ladd em Saigon



Após o fracasso da comédia As Duas Santinhas (The Sainted Sisters, 1948), a Paramount decidiu demitir a atriz. Na Fox, ela virou coadjuvante em Furacão da Vida (Slattery's Hurricane, 1949), mas o filme também deu prejuízo, e o estúdio não se interessou mais pela atriz.


Veronica Lake e Richard Widmark em Furacão da Vida



Sem trabalho, a atriz recorreu a televisão, e foi anunciada em diversos filmes do marido De Toth, que nunca saíram do papel. Veronica só retornou ao cinema em Baluarte de Heróis (Stronghold, 1951), feito por um estúdio menor, no México.

A atriz processou o estúdio que não pagou seu salário. Na mesma época, o Imposto de Renda confiscou sua casa e todos os seus bens, por dívidas com impostos atrasados.  Ela abandonou Andre De Toth e os filhos, e fugiu para Nova York. Agora falida, a atriz já havia possuído seu próprio avião, e tinha licença de piloto.






Eventualmente, trabalhou no teatro, inclusive na Inglaterra. Mas o vício em bebida havia prejudicado sua carreira, e ela chegou a desmaiar durante a apresentação de uma peça, em Londres, em 1955.

Veronica Lake passou a morar em hotéis baratos, e era constantemente presa por embriaguez. Após sumir da mídia, uma revista e encontrou trabalhando como garçonete em um pequeno café em Nova York. 

Aos 40 anos de idade, a atriz reaparecia bastante envelhecida, e quase irreconhecível.



Veronica Lake como garçonete


A notícia repercutiu muito, e seus fãs ficaram comovido com a história da atriz, e lhe enviavam dinheiro para ajuda-la, mas ela devolveu todas as doações, como "uma questão de orgulho". Marlon Brando enviou um cheque de mil dólares para a atriz, mas ela nunca o descontou. Veronica emoldurou o cheque e exibia aos amigos para dizer "que conhecia Marlon Brando", embora nunca tenham contracenado.

Ela também recebeu convites para voltar a atuar, e fez a peça Best Foot Forward (1963).


Veronica Lake em foto promocional de Best Foot Forward



A atriz teve uma breve passagem como apresentadora em uma emissora local de Baltimore, e fez outras peças, e retornou ao cinema no inexpressivo Footsteps in the Snow (1966).

Em 1969 Veronica Lake publicou uma biografia, que rendeu muito lucro para atriz. No livro, ela contou os problemas que teve com a mãe desde sempre (na década de 1940 sua mãe havia a processado exigindo uma pensão alimentícia) e seu arrependimento por ter abandonado seus filhos, com quem não tinha mais contato (Veronica Lake teve quatro filhos).


Veronica Lake em 1970, em frente aos Estúdios da Paramount, onde havia sido estrela



Veronica usou os lucros obtidos para produzir o filme de terror Flesh Feast (1970), que ela estrelou.  A atriz vivia uma cientista que desenvolvia uma técnica usando vermes para rejuvenescer e permanecer jovem para sempre. O filme foi um grande fracasso, e foi considerado uma das piores produções do ano.


Veronica Lake em Flesh Feast




Lançado em abril de 1970, foi o último trabalho de Veronica Lake no cinema. Três anos depois, em 07 de julho de 1973, a atriz morreria de insuficiência renal e hepática (doença causada pela bebida), com apenas 50 anos de idade. Ela foi declarada indigente na época.

A atriz foi cremada, mas ninguém reclamou suas cinzas, e durante três anos sua urna ficou abandonada em uma casa funerária, até que um amigo da atriz reclamou seus restos mortais. Em 2004, entretanto, suas cinzas foram encontradas a venda em um antiquário em Nova York.

Alan Ladd, seu amigo e colega, também morreu de tanto beber, com a idade de 50 anos, em 1964.






Leia também:  O enigmático Yul Brynner


Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube
Siga também nosso Instagram


0 comentários:

Postar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil