Carlos Alberto Riccelli Completa 75 Anos de Idade



Bonito e talentoso, Carlos Alberto Riccelli foi um dos mais prestigiados galãs da televisão e cinema brasileiro. Ao lado da esposa, a também atriz Bruna Lombardi, ele forma um dos casais mais longevos das artes nacionais.





Carlos Alberto Riccelli nasceu em São Paulo, em 03 de julho de 1946. Ele começou a carreira no teatro, atuando na peça infantil O Cavalinho Azul (1969). No mesmo ano fez O Último Hurrah e foi consagrado nos palcos na primeira montagem brasileira de Hair (1969).


Mas em 1970, após estrelar a mal sucedida peça Tom Paine (1970), decidiu abandonar a carreira de ator, e passou a trabalhar como engenheiro, sua formação universitária.

Mas para a alegria dos fãs, ele foi chamado pela TV Tupi para atuar na novela O Preço de Um Homem (1971). Era um papel pequeno, mas ele foi novamente escalado para atuar em O Hospital (1971), na mesma emissora. 

Na Tupi ele acabou emendando vários trabalhos, atuando em Na Idade do Lobo (1972), Vitória Bonelli (1972), Supermanoela (1974), A Viagem (1975) e Éramos Seis (1977).



Flamínio Fávero, Ana Maria Dias, Berta Zemel, Carlos Alberto Riccelli e Tony Ramos em Vitória Bonelli


Carlos Augusto Strazzer, Carlos Alberto Riccelli, Maria Izabel de Lizanda, Ewerton de Castro, Nicette Bruno e Gianfrancesco Guarnieri em Éramos Seis


Após uma breve passagem pela TV Record, onde atuou em O Espantalho (1977), retornou a Tupi, sendo consagrado como protagonista da novela Aritana (1978). Com os cabelos pintados de negro, estilo tigelinha, ele viveu o índio Aritana, que dava nome a produção. Foi então que se tornou um grande astro da teledramaturgia brasileira.


Carlos Alberto Riccelli e Bruna Lombardi em Aritana


Foi durante a produção de Aritana que ele conheceu a atriz Bruna Lombardi, com quem se casou em 1978. O casal permanece juntos até hoje, e tem um filho, Kim, nascido em 1980.

Antes de Bruna, o ator havia sido casado com outra colega de elenco da Tupi, a atriz Carmen Monegal, com quem foi casado entre 1973 e 1977.


Carlos Alberto Riccelli e sua primeira esposa, Carmen Monegal


Ao lado de Bruna, ele também protagonizou Drácula, Uma História de Amor (1980), uma novela produzida pela TV Tupi, mas que teve apenas quatro capítulos exibidos pela emissora, que acabou saindo do ar. A mesma equipe e elenco reformulou o projeto, que foi exibido na TV Bandeirantes, agora chamada de Um Homem Muito Especial (1980).


Carlos Alberto Riccelli, Bruna Lombardi e Rubens de Falco em Drácula, Uma História de Amor


Depois o ator foi para a Rede Globo, onde atuou em Sétimo Sentido (1982) e Louco Amor (1983). Desde então, desacelerou sua carreira, mas retornou a televisão em um de seus papéis mais famosos, o do cafajeste César Ribeiro em Vale Tudo (1988), uma das mais bem sucedidas e famosas novelas brasileiras.

César era o cumplice da interesseira Maria de Fátima, vivida por Glória Pires, e um dos suspeitos da morte de Odette Roitman (papel de Beatriz Segall).


Carlos Alberto Riccelli, Glória Pires e Marcos Manzano em Vale Tudo



Carlos Alberto Riccelli e Beatriz Segal em Vale Tudo


Ainda na Globo, atuou também nas minisséries A, E, I, O... Urca (1990) e Riacho Doce (1990). Depois, mudou-se com a esposa Bruna Lombardi para os Estados Unidos, onde ela teve um bem sucedido programa de entrevistas, do qual ele fazia parte da equipe de produção, e o casal passou a dedicar seu tempo mais a produções cinematográficas.



Fernanda Montenegro e Carlos Alberto Riccelli em Riacho Doce


No cinema, Riccelli estreou no filme A Moreninha (1970). Seu filme seguinte foi O Principio do Prazer (1979), mas seu primeiro grande papel nas telas foi no clássico Eles Não Usam Black-Tie (1981), baseada na icônica peça de Gianfrancesco Guarnieri.


Carlos Alberto Riccelli em A Moreninha


Gianfrancesco Guarnieri e Carlos Alberto Riccelli em Eles Não Usam Black-Tie


E embora tenha feito poucos filmes no período, ele se tornou um dos mais importantes artistas do cinema nacional da década de 1980, atuando em Sonho Sem Fim (1986) e Ele, o Boto (1987), uma das maiores bilheterias nacionais da época. Também viveu o cineasta Domingos de Oliveira na cinebiografia Leila Diniz (1987) e estrelou Jorge, Um Brasileiro (1988), que tinha no elenco o astro de Hollywood Dean Stockwell.


Cartaz de Ele, o Boto


Louise Cardoso e Carlos Alberto Riccelli em Leila Diniz



Morando nos Estados Unidos, Bruna e Riccelli atuaram no filme americano A Melhor Vingança (The Best of Revenge, 1996), que tinha elenco o ator Robert Pine, de C.H.I.P.s




Em 1999 o ator retornou ao Brasil, onde atuou no tocante filme Dóis Córregos (1999), de Carlos Reinchenbach. Posteriormente, ele viveria Olavo Bilac em Brasília 18% (2006) estreou como diretor no filme O Signo da Cidade (2007). No cinema, ainda atuou em Federal (2010) e Amor em Sampa (2016).


Ingra Liberato e Carlos Alberto Riccelli em Dois Córregos


Carlos Alberto Riccelli e Malu Mader em Brasília 18%



Na televisão, atuou ainda na minissérie Chiquinha Gonzaga (1999), na Globo, e em Trago Comigo (2009), na TV Cultura. Também fez uma participação especial na novela Guerra dos Sexos (2012) e desde 2017 está na série A Vida Secreta dos Casais, produzida pela HBO. No programa, ele interpreta o detetive Luís.


Carlos Alberto Riccelli em Chiquinha Gonzaga




O roteiro do programa é escrito por sua esposa, Bruna Lombardi (que também está no elenco) e seu filho Kim Riccelli.



Bruna Lombardi e Carlos Alberto Riccelli em A Vida Secreta dos Casais


Bruna Lombardi e Carlos Alberto Riccelli atualmente


Bruna Lombardi, Carlos Alberto Riccelli e o filho Kim Riccelli





Leia também:  Morre a atriz Berta Zemel

3 comentários:

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil