Por Onde Anda? Eduardo Tornaghi, o galã que largou tudo para viver uma vida simples


Nas décadas de 70 e 80 o talentoso ator Eduardo Tornagui fez muitas fãs suspirarem com seus belos olhos azuis. Mas no auge da fama, Eduardo estava descontente com a "gaiola de ouro da fama", e largar tudo para viver uma vida simples, sem abandonar o amor a arte.


Eduardo Henrique Tornaghi nasceu no Rio de Janeiro, em 26 de setembro de 1951. Ele é irmão da promoter social Ana Maria Tornagui, e estreou na televisão na novela João da Silva (1973), mas despontou para o sucesso como o personagem Leopoldo, na novela A Moreninha (1978).

Eduardo Tornaghi, Mário Cardoso, Nívea Maria, Roberto Bolant, Monique Lafond, Célia Biar, Marco Nanini e Carmem Monegal em A Moreninha

Também atuou nas novelas Vejo a Lua no Céu (1976), O Espantalho (1977) e Ciranda Cirandinha (1978), mas seus maiores destaques foram em Sinhazinha Flô (1977) e Dancing Days (1978), uma das telenovelas mais bem sucedidas da história da televisão brasileira.

Glória Pires e Eduardo Tornaghi em Dancing Days

Eduardo Tornaghi e Bette Mendes em Sinhazinha Flô

Todos estes trabalhos foram na Rede Globo, e após ainda atuar na emissora em Memórias de Amor (1979), foi para a TV Bandeirantes protagonizar O Todo Poderoso (1979). Mas retornaria a Globo em seguida onde ainda fez Marina (1980), Vereda Tropical (1984) e o sucesso A Gata Comeu (1985).

Tornaghi já havia pensado em deixar a televisão, mas não consegui recusar o convite de Ivani Ribeiro. Inicialmente, seu papel seria uma participação curta, de poucos episódios, mas o personagem caiu no gosto do público e acabou ficando.

Eduardo Tornaghi e Cristiane Torloni em A Gata Comeu

No cinema, estreou em Enigma Para Demônios (1975). Durante os anos de estrelato, ainda atuou em Mulher Desejada (1978) e O Grande Palhaço (1980).

Eduardo Tornaghi e Kate Hansen em Mulher Desejada

Porém, o ator estava desgosto com o preço do sucesso. Ele percebeu que havia ficado deslumbrado com a fama, e que estava deixando aquilo subir a sua cabeça, fazendo dele uma pessoa que não gostaria de ser. Após tratar mal algumas fãs que lhe pediram um autógrafo, ele resolveu que era hora de dar um tempo.

Tornaghi botou uma mochila nas costas e resolveu viajar pelo Brasil, para conhecer o país e o seu povo. No Rio Grande do Sul começou a fazer trabalhos sociais, inclusive trabalhando em um acampamento de trabalhadores sem terra. Em 1982 ele aceitou se tornar sócio de Luiz Armando Queiroz no Teatro Bexiga, em São Paulo. Mas a experiência lhe custou muita dor de cabeça e todas as suas economias.

Voltou então para a vida simples, dando aulas de teatros em comunidades carentes, promovendo sessões de leituras populares, e trabalhando como voluntário em creches e presídios. Também se formou em psicologia, pela UFRJ.

Mas apesar de viver longe dos holofotes, nunca deixou de fazer televisão, fazendo participações especiais ocasionalmente em novelas como Carmen (1987, Manchete), O Salvador da Pátria (1989, Globo), Pátria Minha (1994, Globo) e Uma Rosa Com Amor (2010, SBT). Em 2016 interpretou o roqueiro Eric na novela Rocky Story (2016).

Eduardo Tornaghi em Rocky Story

Também fez bastante cinema no período, atuando em Dôra Doralina (1982), Das Tripas Coração (1982), A Mulher-Serpente e a Flor (1983), Doce Delírio (1983), A Noite (1985), Sermões - A História de Antônio Vieira (1990), Oswaldianas (1992), Tiradentes (1998), O Príncipe (2002), Insolação (2009) e Cara e Coroa (2012). Recentemente esteve no filme A Vida Invisível (2019).


Há muitos anos promove um sarau de leitura de poesias na orla da praia no Rio de Janeiro, onde declama poesias e abre o microfone para quem quiser demonstrar a sua arte. Ele também mantém um canal no Youtube, dedicado a poesia.






Veja também: Raul Gil já foi ator

Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

0 comentários:

Publicar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil