Yara Amaral, 33 anos de Saudades


Yara Amaral foi uma grande atriz das artes brasileiras, brilhando nos palcos, cinema e televisão. Sua bem sucedida carreira foi abruptamente interrompida no réveillon de 1988, quando a atriz tinha apenas 52 anos de idade.


Yara Silva do Amaral nasceu no interior de São Paulo, mas foi criada na capital paulista, no bairro do Belenzinho. Em 1964 formou-se na Escola de Arte Dramática da USP e em 1966 ingressou no lendário Teatro de Arena, onde participou de diversos espetáculos teatrais importantes, como Arena Contra Tiradentes, de Gianfrancesco Guarnieri.

Ao longo dos anos, tornou-se uma das mais respeitadas atrizes do teatro brasileiro, tendo ganho o Troféu Molière em três ocasiões.

Yara Amaral recebendo um de seus Molières

Em 1968 a atriz fez sua primeira novela, O Décimo Mandamento (1968), na TV Tupi. Em seguida atuou em A Pequena Órfã (1968), na TV Excelsior. Na mesma emissora ainda faria O Direito dos Filhos (1968). E ainda em 1968 também fez parte do elenco de A Última Testemunha (1968), na TV Record.

De volta a Tupi, fez E Nós, Aonde Vamos? (1970) e depois foi para a Rede Globo, onde atuou em Os Irmãos Coragem (1970). Na Globo, atuou ainda em Espelho Mágico (1977), antes de interpretar a insegura e neurótica Áurea em Dancin' Days (1978), um dos maiores sucesso da teledramaturgia brasileira.

Yara Amaral e Fernando Amaral em Dancin' Days

Ainda na Globo, fez O Amor é Nosso (1981), Sol de Verão (1982), Guerra dos Sexos (1983), Um Sonho a Mais (1985), Anos Dourados (1986), Cambalacho (1986) e Mandala (1987). Também passou pela TV Manchete, onde fez Viver a Vida (1984) e Helena (1987).

Hélio Souto e Yara Amaral em Guerra dos Sexos

Yara Amaral e Cláudio Corrêa e Castro em Anos Dourados

No cinema, atuou nos filmes Tati (1973), O Rei da Noite (1978), Parada 88, O Limite de Alerta (1977), A Dama da Lotação (1978), Nos Embalos de Ipanema (1978), Mulher Objeto (1980), Prova de Fogo (1981), Tropclip (1985) e Leila Diniz (1987).

Yara Amaral em Parada 88, O Limite de Alerta

Yara Amaral, Nelson Rodrigues, Sônia Braga e o diretor Neville de Almeida, nos bastidores de A Dama da Lotação


Yara Amaral havia acabado de interpretar Joana Flores na novela Fera Radical (1988), quando  morreu tragicamente no naufrágio do barco Bateau Mouche, na Baía de Guanabara, em 31 de dezembro de 1988. Yara e a mãe estavam comemorando a virada do ano, quando a embarcação superlotada naufragou. Dezenas de pessoas morreram, e os responsáveis pela tragédia nunca foram punidos.

Yara Amaral e Malu Mader em Fera Racidal


Yara Amaral deixou órfãos dois filhos adolescentes, Bernardo e João Mário e uma legião de admiradores de seu imensurável talento.


Yara Amaral e Vera Fischer

Betty White morre aos 99 anos de idade


A atriz Betty White, morreu na manhã de 31 de dezembro enquanto dormia, em sua residência. A atriz completaria 100 anos no dia 17 de janeiro.

Ela era uma das atrizes mais queridas do cinema e televisão norte-americana, tendo estreado na televisão em 1939, quase oito décadas atrás, o que lhe valeu o título de atriz mais antiga em atividade na TV.






Betty Marion White nasceu em 17 de janeiro de 1922, em Oak Park, Illionois. Durante o período da Grande Depressão, sua família se mudou para à Califórnia e seu pai tornou-se vendedor de rádios. Betty tentou a vida no cinema, mas foi recusada em todos os testes, que diziam que ela não era fotogênica. Querendo atuar, aceitou pequenos papéis no rádio, onde sua aparência não importava.

Ainda cursando o secundário, ela começou a apresentar-se na televisão como cantora em 1939, quando o veículo ainda estava em fase experimental. Porém sua carreira foi interrompida em 1940, devido a Segunda Guerra Mundial. Em 1945, ela enfim estreou no cinema, em um curta-metragem chamado Time to Kill (1945) feito para ser exibido nos campos de batalhas para elevar a moral dos soldados.

Apesar de já ser bem popular no rádio, onde apresentou seu próprio programa, a fama chegou ao ingressar no elenco do show Hollywood on Television (1949). Em 1952, Betty tornou-se protagonista de sua própria série, Life With Elizabeth, que durou até 1955.


White tornou-se uma grande estrela da televisão, possuindo sua própria produtora, e consequentemente mandando nos rumos de sua carreira.

Por suas inúmeras participações em "games shows" ela ganhou o título de "primeira-dama dos game shows" e foi a primeira mulher a receber um prêmio Emmy como apresentadora de televisão, tendo recebido 8 deles até o momento. Em 1954, ela ganhou um programa com seu nome, The Betty White Show.

Em 1962, ela fez sua estreia em um longa metragem, interpretando uma senadora em Tempestade Sobre Washington (Advise & Consent, 1962), de Otto Preminger. Mas apesar de ter recebido elogios, este foi seu único papel cinematográfico durante décadas. Betty continuou na TV, atuando em vários programas e séries.


Em Tempestade Sobre Washington

Em 1973, ingressou na série Mary Tyler Moore, interpretando a personagem Sue Ann Nivens. Betty faria apenas uma participação em um episódio, mas agradou tanto que entrou para o elenco regular da série.


Com Mary Tyler Moore

Na década de 70, a atriz começou a estrelar inúmeros filmes feitos para a televisão.

Em 1985, Betty interpretou um dos seus papéis mais famosos, a da viúva Rose Nylund, em As Super Gatas (Golden Girls, 1985-1992). Com o fim da série, ela e as colegas de elenco Rue McClanahan e Estelle Getty repetiram as personagens na série Sarilhos no Hotel (The Golden Palace, 1992-1993).


No final da década de noventa, Betty passou a ser constantemente requisitada, tanto na televisão quanto no cinema. Betty apareceu em diversos filmes como Dennis, o Pimentinha, (Dennis, The Manece, 1999), A História de Nós Dois (The Story of Us, 1999), A Casa Caiu (Bringing Down the House, 2003), Ritmo do Amor (Love N' Dancing, 2009) e A Proposta (The Proposal, 2009).

Entre 2010 e 2015 foi uma das estrelas da série No Calor de Cleveland (Hot in Cleveland), além de atuar em diversos filmes e séries de televisão nos últimos anos. Também dubladora, emprestou sua voz para um dos novos brinquedos em Toy Story 4 (Idem, 2019). Mas em 2020, devido a pandemia do Covid-19, afastou-se dos trabalhos, para proteger sua saúde.




Betty White em Eu, a Patroa e as Crianças (My Wife and Kids)

Betty White e Lucille Ball



Veja também: Os Artistas que Morreram em 2021




Curta nossa página nFacebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

Por Onde Anda? O Ator Val Kilmer


Val Kilmer foi um dos maiores astros de grandes sucessos de bilheterias nas décadas de 1980 e 1990, e chegou a ser um dos poucos atores agraciados com o cobiçado papel de Batman nas telas. Bonito e talentoso, foi aclamado pela crítica ao viver o cantor Jim Morrison em The Doors (1991), do cineasta Oliver Stone.



Val Edward Kilmer nasceu em Los Angeles, em 31 de dezembro de 1959. Desde criança ele sonhava em ser ator, tanto que ao descobrir que morava perto do lendário cowboy das telas Roy Rogers e sua esposa, a atriz Dale Evans, foi sozinho até a casa do antigo astro das telas pedir dicas de atuação.

Aos 15 anos idade ele se tornou o mais jovem membro a ser aceito na conceituada escola de teatro Juilliard, e no ensino médio estudou com Kevin Spacey e Mare Winningham, com quem namorou na época.


Val Kilmer e Kevin Spacey no anuário escolar

Kilmer já fazia publicidade desde os 13 anos de idade, e em 1981 estreou no teatro na peça How It All Started, que ele co-escreveu. Logo ele construiu um bem sucedida carreira nos palcos, tanto que recusou atuar em Vidas Sem Rumo (The Outsiders, 1983), de Francis Ford Coppola, devido a compromissos assumidos no teatro anteriormente.

Kilmer preferiu atuar na Broadway, na peça The Slab Boys, ao lado de Kevin Bacon e Sean Penn. No mesmo ano também publicou um livro de poesias, muitas delas inspiradas em Michelle Pfeffeir, com quem também havia trabalho anteriormente.

No ano seguinte ele estreou no cinema como o cantor e espião Nick Rivers na comédia Top Secret! Superconfidencial (Top Secret!, 1984), que fez um enorme sucesso nas bilheterias. Mas o ator odiou a experiência e o roteiro final, e apenas concluiu o filme porque não tinha condições de pagar a multa contratual.

Na época um disco de "Nick Rivers" com as canções do filme chegou a ser lançado.




Kilmer se tornou um astro instantâneo, e logo recebeu inúmeros convites para atuar no cinema. Mas ele preferiu recusar todos os papéis, para fazer um mochilão de um ano pela Europa. Entre os filmes que ele negou estão Duna (Dune, 1984) e Veludo Azul (Blue Velvet, 1986), ambos de David Lynch.

O ator voltou ao cinema em Academia de Gênios (Real Genius, 1985) e firmou sua carreira como o instrutor de voo Ice no grande sucesso Top Gun: Ases Indomáveis (Top Gun, 1986). Em seguida, o ator recusou outro papel importante, o de protagonista de Dirty Dancing: Ritmo Quente (Distry Dancing, 1987), por que não queria ser visto apenas como um ator bonito.


Val Kilmer e Tom Cruise em Top Gun: Ases Indomáveis


Era um papel coadjuvante, mas que ajudou a firmar seu nome definitivamente em Hollywood. Depois vieram alguns trabalhos na televisão, até que ele foi convidado para protagonizar a fantasia Willow: Na Terra da Magia (Willow, 1987).

Em Willow ele contracenava com a atriz Joanne Whalley, com quem se casou em fevereiro de 1988. Eles ficaram juntos até 1996, e tiveram 2 filhos.

Eles contracenariam juntos novamente no trabalho seguinte do ator, Mate-me Outra Vez (Kill me Again, 1989).


Val Kilmer e Joanne Whalley em Willow: Na Terra da Mágia


Em 1990 o aclamado diretor Oliver Stone começou a produção de The Doors (Idem, 1990), cine biografia do cantor Jim Morrison, vocalista da famosa banda que da título ao filme. Inicialmente Kilmer não gostou do roteiro e disse que não queria fazer um trabalho que promovesse o uso de drogas. O ator e o diretor conversaram e adaptaram a obra de forma que Kilmer se sentisse confortável em atuar. 

Ator dedicado, Val Kilmer decorou todas as letras das músicas do cantor, e fez shows tributo aos Doors se apresentando no palco. Originalmente ele dublaria as canções, mas seu desempenho impressionou tanto Paul Rothchild (antigo produtor da banda) que ele sugeriu ao diretor que usasse a própria voz do ator.


Val Kilmer e Jim Morrison




Os antigos músicos da banda ficaram impressionados com Val Kilmer cantando, embora não tenham gostado de como Morrison foi retratado no filme. O ator foi aclamado pela crítica, provando que além de um rosto bonito era um grande ator, mas curiosamente ele não foi indicado para nenhum grande prêmio pelo seu desempenho.

Mesmo assim Val Kilmer se firmou como um dos maiores astros da época e atuou em filmes bem sucedidos como Coração de Trovão (Thunderheart, 1992), O Grande Assalto (The Real McCoy, 1993) e Asas da Coragem (Wings of Courage, 1995). Em 1993 o diretor Tonny Scott, o mesmo de Top Gun, o convidou para interpretar Elvis Presley em Amor à Queima Roupa (True Romance, 1993), que tinha roteiro escrito por Quentin Tarantino. No mesmo ano, ele aprendeu a tocar piano para viver Doc Holliday em Tombstone: A Justiça Está Chegando (Tombstone, 1993), que tornou-se outro trabalho notável do ator.


Christian Slater e Val Kilmer em Amor à Queima Roupa


Val Kilmer em Tombstone: A Justiça Está Chegando


O diretor Joel Schumacher ficou impressionado com seu trabalho em Tombstone, e achou ele era perfeito para o papel de Batman, porém este posto pertencia a Michael Keaton na época. Mas em julho de 1994 Keaton decidiu que não queria continuar na franquia, e Val Kilmer foi escalado pelo diretor.

Batman Eternamente (Batman Forever, 1995) foi um grande sucesso de bilheterias, embora tenha recebido reações mistas da crítica especializada.  Porém, Bob Kane, um dos criadores de Batman, disse em entrevista que Val Kilmer havia sido o melhor ator a interpretar Batman até então.



Val Kilmer e Chris O'Donnell em Batman Eternamente


No mesmo ano o ator ainda fez Fogo Contra Fogo (Heat, 1995), onde contracenou com nomes com Al Pacino e Robert De Niro. O filme é considerado um dos melhores filmes policiais dos anos 1990.

Val Kilmer preferiu não repetir o papel de Batman, dizendo que o personagem estava sendo deixado de lado em detrimento a atenção dada aos vilões do filme, e acabou cedendo o papel para George Clooney. Também havia relatos de que o ator e o diretor Schumacher não tinham uma boa relação de trabalho, e por isto o ator preferiu não fazer o filme seguinte.

Kilmer então contracenou com o lendário Marlon Brando em A Ilha do Dr. Moreau (The Island of Dr. Moreau, 1996), que foi um grande fracasso de bilheteria. O ator e o diretor John Frankenheimer também não tiveram uma boa relação durante as filmagens, ao ponto de Frankenheimer jurar nunca mais trabalhar com Val Kilmer novamente.

O ator ficou com fama de ser uma pessoa difícil de se trabalhar, e aos poucos isto afetou o rumo de sua carreira.



Na década de 1990 ela ainda trabalhou bastante, em filmes que fizeram sucesso e outros que foram mal recebidos pelo público. Ele esteve no elenco de Mórbido Amor (Dead Girl, 1996), e ao lado de Michael Douglas estrelou A Sombra e a Escuridão (The Ghost and the Darkness, 1997). Ele retornou ao universo dos heróis como Simon Templar em O Santo (The Saint, 1997), que fez muito sucesso e dublou Moisés na animação O Príncipe do Egito (The Ghost and the Darkness, 1998). Também se saiu muito bem no romance À Primeira Vista (At First Sight, 1999). Interpretando um homem cego, anos mais tarde o ator declarou que este foi o trabalho mais difícil de realizar em sua carreira.



Michael Douglas e Val Kilmer em A Sombra e a Escuridão


Val Kilmer e Mira Sorvino em À Primeira Vista 



Em 2000 Val Kilmer atuou na super produção Planeta Vermelho (Red, 2000) e também teve um papel coadjuvante no intimista Pollock (Idem, 2000). Depois fez A Sombra de Um Homem (The Salton Sea, 2002), que já teve um lançamento limitado.



Val Kilmer em Planeta Vermelho


No mesmo ano, ao lado de Christian Slater (seu colega de Amor à Queima Roupa) fez o filme de baixo orçamento Dinheiro Sujo (Hard Cash, 2002), o primeiro de muitos de seus trabalhos que seriam lançados direto em DVD, sem gerar interesse das salas de exibição.

Entre seus trabalhos desta época estão Crimes em Wornderland (Wonderland, 2003), onde ele interpretou o ator pornô John Holmes, e Desaparecidas (The Missing, 2003), onde ele trabalhou novamente com Ron Howard, o mesmo diretor de Willow: Na Terra da Magia. Com David Mamet fez Spartan (Idem, 2004) e viveu Moisés em Os Dez Mandamentos: O Musical (The Ten Commandaments: The Musical, 2004).

Em 2004 ele também voltou a trabalhar com Oliver Stone em Alexandre (Alexander, 2004). O filme, que retratava a vida de Alexandre o Grande, era um projeto antigo do diretor, que havia pensando em Val Kilmer para protagonista, na década de 1990.

Apesar do grande orçamento e elenco de astros, Alexandre recebeu críticas ruins da imprensa.




Val Kilmer, Clin Farrell e Angelina Jolie em Alexandre


Kilmer também voltou ao teatro, atuando em The Postman Always Rings Twice, em Londres. E apesar de ter feitos muitos filme neste período, poucas produções receberam a atenção do público. Um destaque em sua carreira foi Déjà Vu (Deja Vu, 2006), que era estrelado por Denzel Washington. O filme foi um grande sucesso de bilheteria.


Denzel Washington e Val Kilmer em Déjà Vu


Em 2008 ele substituiu Will Arnett como a voz do carro Kit na nova versão de A Super Máquina (Knight Rider). Como no programa original, o ator que dublava a "super máquina" não era creditado na produção.

Também esteve no elenco de Vício Frenético (The Bad Lieutenant: Port of Call - New Orleans, 2009), de Werner Herzog e Ruas de Sangue (Streets of Blood, 2009), ao lado do rapper 50 Cents.


50 Cents e Val Kilmer em Ruas de Sangue 


Em 2011 ele finalmente teve a chance de trabalhar com Francis Ford Coppola em Virgínia (Twixt, 2011) e no ano seguinte recebeu uma indicação ao Grammy por um disco de declamações. Dono de uma bela voz, Kilmer também dublou a animação Aviões (Planes, 2013), da Disney.

Em 2015 o ator foi hospitalizado e seu agente declarou publicamente que Kilmer estava com um tumor. Ele logo correu para as redes sociais desmentir a declaração, negando novamente estar doente em 2016, quando seu amigo Michael Douglas declarou em uma entrevista que Val Kilmer estava com câncer.

Em abril de 2017, depois de desmentir diversos rumores que ele estava doente, o ator declarou ter experimentado "a cura do câncer". Mas em dezembro de 2017 finalmente ele revelou que lutava desde 2015 contra um câncer na garganta, e que havia sido submetido a quimioterapia e duas traqueotomias, o que afetou suas cordas vocais, e consequentemente sua voz.

Em 2019 ele fez uma participação especial em Jay & Silent Bob Reboot (2019), do diretor Kevin Smith. Ainda sem voz, o ator fez uma aparição silenciosa num personagem que parodiava Batman, papel que ele eternizara anos antes.

Apesar de um pouco sumido, ele nunca parou de atuar no cinema na verdade, embora seus novos trabalhos tenham tido pouca repercussão.


Val Kilmer em Jay & Silent Bob Reboot 


Em 2021 ele protagonizou o documentário biográfico Val (2021), onde fala de sua vida, carreira, declínio e doença. Com a voz ainda prejudicada (e usando um aparelho para falar), muitas vezes suas falas foram construídas através de inteligência artificial, que usou o arquivo sonoro deixado pelo ator ao longo dos anos.  

No documentário Kilmer conta que sua voz esta permanentemente afetada, e que apesar de curado da doença, só consegue se alimentar através de tubos, devido as sequelas deixadas em seu corpo. A obra está disponível no streaming da Amazon.


Val Kilmer atualmente




A mesma técnica de inteligência artificial foi usada para concluir as filmagens de Top Gun: Maverick, que deve ser lançado em 2022.

Seus filhos, Mercedes e Jack Kilmer também são atores.





Jack e Mercedes Kilmer










Morre Pupetta Maresca, mafiosa italiana líder da Camorra que se tornou atriz, mas continuou no crime organizado



A história do cinema tem diversas histórias de atrizes que se envolveram com mafiosos, e talvez o caso mais famoso seja o de Lana Turner com o gangster Johnny Stompanato, que foi morto pela filha da atriz. Mas Pupetta Maresca é um curioso caso inverso, após se envolver com a máfia, e ficar presa anos acusado de assassinato, ela retornou a vida pública como protagonista de cinema, iniciando uma carreira de atriz.





Assunta Maresca nasceu em Castellamare di Stabia, na Itália, em 19 de janeiro de 1935. Ela era filha de Alberto Maresca, um perigoso contrabandista e sobrinha de Vicenzo Maresca, condenado pelo assassinato do próprio irmão. Sua família era membro da Camorra e controlava sua cidade natal, no sul de Nápoles. Eles eram conhecidos como "lampetielli", uma espécie de canivetes que eles usavam contra seus desafetos, e controlavam a distribuição de cigarros na região.

Asunta era a única menina entre os irmãos, e foi apelidada de Pupetta (pequena boneca). Aos 19 anos ela ganhou um concurso de beleza e se tornou Miss Rovegliano, uma vila de Nápoles.

Em 1955 ela se casou com Pasquale Simonetti, outro chefe da Camorra, que tinha um mercado de frutas de fachada para praticar contrabando, em Nápoles. 


Pasquale Simonetti e Pupetta Maresca


Três meses após o casamento, em 16 de julho de 1955, Pasquale foi assassinado por outro guapo camorrista, Antonio Esposito, que encomendou a morte do rival para assumir os negócios da região. Pupetta, grávida de seis meses, ficou arrasada. Ela acreditava que a polícia sabia quem matou seu marido, mas não estava interessada em punir ninguém.

Em 04 de agosto de de 1955 ela foi para Nápoles acompanhada de seu irmão mais novo atrás de Esposito. Ela tirou uma arma da bolsa e matou ele em público, em plena luz do dia. Seu julgamento tomou conta das manchetes internacionais, tornando-se o primeiro grande caso judicial midiático da Itália.

No julgamento, ela declarou desafiadoramente diante do juri "eu faria de novo!", arrancando aplausos das pessoas que assistiam sentadas no tribunal. A imprensa a batizou de "a diva do crime" e ela ganhou o apoio popular, e até uma canção foi composta para ela na época, La Legge D'Onore (a lei da honra). Pupetta também passou a receber centenas de cartas com pedidos de casamento de fãs apaixonados.

Ainda em 1958 o importante diretor Francesco Rossi dirigiu o filme A Provocação (La Sfida, 1958), com a estrela Rosana Schiaffino no papel de Asunta. O filme era claramente a história de Pupetta e Pasquale.



Apesar do clamor popular, ela foi condenada a 18 anos de prisão, mas sua sentença depois foi reduzida para 13 anos e 4 meses após uma apelação jurídica. Seu filho nasceu na prisão.

Em 1965, entretanto, após cumprir alguns anos na cadeia, ela foi perdoada judicialmente. Dois anos depois, ela fez sua estreia (que acabou se tornando sua única aparição no cinema), como a protagonista de Delitto a Posillipo - Londa Chiama Napoli (1967).

O filme contava a história de uma mulher acusada do assassinato do marido, que brigava na justiça para limpar seu nome, enquanto lutava para ficar com seu filho recém nascido. Sua personagem chamava-se Pupetta Amaruso.



Pupetta além de estrelar a obra, aparecia também cantando uma música composta por ela mesma, O Benne Mio.



Apelidada de "Madame Camorra", ela não conseguiu firmar uma carreira cinematográfica, e voltou a se envolver com atividades criminosas. Ela passou a namorar com Umberto Ammaturo, com quem teve gêmeos. Apesar de nunca terem se casado, ela apoiou seus negócios ilegais. 

Mas em 1974 seu primeiro filho foi sequestrado e assassinado. Ele tinha apenas 18 anos de idade, e sua morte nunca foi esclarecida. Pupetta acreditava que foi o própio Ammaturo quem mandou matar seu primogenito, porque o rapaz não aceitava o relacionamento da mãe.

Ammaturo, conhecido traficante de drogas, havia ameaçado a vida do jovem diversas vezes, e chegou a ser investigado pela sua morte, mas foi inocentando por falta de provas. Apesar disto, Pupetta ficou com ele até 1982. Ela também nunca abandonou o crime organizado, e chegou a desafiar publicamente Raffaele Cutuolo, o chefão da Camorra (que faleceu em fevereiro deste ano). Cutuolo mandou então restringir todas as atividades comercias de Pupetta, que ainda assim resistiu. Como resposta, seus homens tentaram matar seu irmão, que estava na prisão, mas ele sobreviveu ao atentando.

Ainda em 1982 ela foi novamente presa, condenada por assassinato mais uma vez. Ela sempre negou o crime, e Umberto Ammaturo acabou confessando o mesmo em 1993. Pupetta cumpriu 4 anos de prisão, e após ser solta viveu sozinha e reclusa na região de Sorrento.




Em 1982, durante seu segundo julgamento, outro filme sobre sua vida foi feito, Il caso de Pupetta Maresca (1982), estrelado pela atriz Alessandra Mussolini

Alessandra é sobrinha da atriz Sophia Loren, filha de sua irmã Maria Scicolone e do compositor Romano Mussolini, que é filho do líder italiano Benito Mussolini.



Alessandra Mussolini como Pupetta Maresca

O filme foi feito pela emissora de televisão RAI, mas Maresca conseguiu impedir sua exibição na época. A produção só foi lançada 12 anos depois, em 1994, quando enfim foi exibido na TV.

Em 2013 também foi produzida a minissérie Pupetta: Il Coraggio e La Passione, também inspirada em sua vida, tendo a atriz Manuela Arcuri como Pupetta.




Pupetta Maresca, conhecida como a primeira mulher a comandar um clã da máfia, morreu em sua casa no dia 29 de dezembro, de causas naturais, aos 86 anos de idade.



Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil