A estranha infância de Candice Bergen


A atriz Candice Bergen estreou no cinema no filme O Grupo (The Group, 1966), mas é mais lembrada pela série de TV Murphy Brown, além de ter sido indicada ao Oscar de Melhor Atriz Coadjuvante por Encontros e Desencontros (Starting Over, 1979).


Nascida em Los Angeles, em 09 de maio de 1946, Candice cresceu em Hollywood, pois era filha da modelo e atriz Frances Westcott e do ventríloquo Edgar Bergen, um verdadeiro astro da época. Bergen era mundialmente famoso, e trabalhou muito também no cinema, ao lado de seu boneco,  Charlie McCarthy.


McCarthy era tão famoso que chegou a estrelar filmes, e era creditado como se fosse um ator real. O fantoche era também popular no rádio, por mais incrível que pareça um número de ventriloquismo sem ver o manipulador do boneco.

Aliás, foi a popularidade de Charlie McCarthy no rádio que permitiu o sucesso da famosa transmissão de Guerra dos Mundos de Orson Welles, em 1938. O programa de Edgar Bergen e seu boneco tinha uma grande audiência, e seus cinco minutos finais coincidiam com o início do programa de Welles, em outra emissora. Sabendo que praticamente não tinha audiência neste período, Orson Welles aproveitou este espaço de tempo para avisar no começo da transmissão que aquilo era uma dramatização radiofonizada. O futuro diretor de Cidadão Kane usou a estratégia para causar pânico, já transmitindo a falsa invasão marciana a partir do momento em que o público mudava o dial do rádio para sintonizar seu programa. 

Charlie McCarthy deixou Edgar Bergen famoso, e muito rico, e ele o considerava como um verdadeiro filho. Mas em 1946 ele teve uma filha de verdade, a menina Candice Bergen.

Candice Bergen e Charlie McCharthy

Nos primeiros anos de sua vida, conforme contou em sua biografia, a futura estrela de cinema cresceu acreditando que McCarthy era uma pessoa real, e que era seu irmão. O boneco tinha seu próprio quarto, que era maior que o quarto de Candice, comemorava o natal com a família, e tinha longas conversas com a menina, durante as refeições.



Charlie também dava ordens para a menina, "lave as mãos", "tome seu leite", "guarde os brinquedos". Edgar Bergen raramente se dirigia a própria filha como ele mesmo. As raras ocasiões em que pai e filha dialogavam era quando o artista colocava-a sentada em seus joelhos, e fazia ela agir como um boneco de ventríloquo. E mesmo assim, Charlie sempre estava na outra perna.


De acordo com o livro de memórias da atriz, Edgar apertava sua nuca, para que ela abrisse e fechasse a boca. A menina não podia falar, e seu pai criava os diálogos entre Candice e o "irmão" Charlie. Mas aos cinco anos de idade, sem autorização, a menina entrou no quarto dos pais, e encontrou cinco bonecos de Charlie McCarthy pendurados no armário.



Já em 1961 Candice ganhou um irmão de carne e osso, o hoje editor Kris Bergen. Aos 14 anos de idade, ela foi enviada para estudar no colégio interno na Suíça. E se tornou modelo após deixar o internato, o que abriu as portas para a sua carreira cinematográfica.

Candice já era uma atriz famosa quando seu pai morreu, em 1978. Edgar Bergen não deixou um centavo para a filha de herança, mas em seu testamento destinou 10 mil dólares para seu estimado boneco.

"Charlie McCarthy tem sido meu companheiro constante e assumiu o caráter de uma pessoal real, de quem nunca me separei por um dia". (Trecho do testamento de Edgar Bergen).

Como este dinheiro foi gasto, Candice Bergen nunca soube a resposta.


Veja também: Mães e Filhas Atrizes

Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

0 comentários:

Publicar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil