Barbara Payton, a atriz que preferiu beber a viver

 

A bela Barbara Payton poderia ter sido uma grande estrela. Ela foi a primeira opção de John Huston para atuar em O Segredo das Jóias (The Asphalt Jungle, 1950), mas o estúdio preferiu não arriscar com sua contratada problemática, que acabou perdendo o papel para a novata Marilyn Monroe.

Mas uma vida conturbada, cheia de problemas pessoais e escândalos, arruinaram sua carreira, fazendo com que a atriz chegasse a morar nas ruas, onde se prostituía, já no final de sua curta vida.

Barbara Lee Redfield nasceu no Minnessota, em 16 de novembro de 1927. Seus pais eram imigrantes noruegueses de origem humilde. E apesar de muito trabalhadores, ambos tinham sérios problemas com o álcool, e segundo relatos, começavam a beber logo que acordavam, continuando até o anoitecer.

O pai era distante emocionalmente, e a mãe era a única encarregada na criação dos filhos. Incentivada pela mãe, aprendeu muito cedo sua beleza tinha um efeito poderoso sobre os homens. Aos 16 anos de idade a jovem fugiu de casa para se casar com um namorado do colégio, abandonando também os estudos. Seus pais não fizeram objeção, por não acreditarem na importância da educação formal.

O casamento foi anulado pouco tempo depois, e em 1945 Barbara casou-se novamente, desta vez com John Lee Payton, um piloto muito condecorado pelo seu trabalho na Segunda Guerra Mundial. Ela passou a adotar o sobrenome do segundo marido.

John Lee e Barbara Payton

John Lee Payton, com quem ela teve seu único filho, mudou-se para Los Angeles, para ingressar na Universidade. Entediada com a vida de dona de casa, Barbara passou a trabalhar como modelo, agora na terra do cinema.

Logo ela já era figurinha conhecida na noite da cidade, frequentando as melhores festas e casas noturnas de Hollywood. Um executivo da Universal a conheceu em uma festa, e lhe ofereceu um contrato no estúdio.

Payton estreou no cinema como figurante, atuando em Nascida para Amar (Once More, My Darling, 1949). Mas já era estrela de seu filme seguinte, o Noir O Cerco (Trapped, 1949), onde trabalhou com Lloyd Bridges.


Sua carreira no cinema deslanchava, mas seu casamento estava arruinado. Em 1950 John Lee Payton pediu o divórcio, e alegando que a esposa tinha uma vida desregrada, e conseguiu tirar a guarda do filho da promissora atriz. No tribunal, John declarou que ela era "imoral e incapaz de dar educação para a criança".

Artisticamente, a atriz estava bem, e James Cagney insistiu que queria ela no elenco de O Amanhã que Não Virá (Kiss Tomorrow Goodbye, 1950), e bancou do seu bolso um salário altíssimo para Barbara, contrariando a vontade do estúdio. O filme foi um grande fracasso de bilheteria.

James Cagney e Barbara Payton

Sem dar retorno financeiro, ela foi rebaixada a coadjuvante em Vingador Impiedoso (Dallas, 1950), estrelado por Gary Cooper. Nesta época, a atriz havia se entregado ao alcoolismo e também era viciada em pílulas para emagrecer (oferecidas pelas estúdios), e frequentemente chegava atrasada nas gravações, esquecia o texto, ou causava problemas nos bastidores.

A situação era tão grave, que ao final de cada cena de Payton gravada, a equipe hasteava uma peça de seu figurino no mastro da bandeira localizado na Warner Bros, para anunciar o sucesso de mais uma demorada filmagem com a atriz.

Barbara Payton ainda teve mais uma grande chance no cinema, ao estrelar Resistência Heroica (Only the Valiant, 1951), fazendo par romântico com Gregory Peck. Mas novamente o filme não deu o retorno financeiro esperado.

Gregory Peck e Barbara Payton

Nesta época, Barbara estampava diversas revistas, que pouco comentavam sobre seu trabalho. Todos os holofotes eram voltados para suas bebedeiras e farras. Os tabloides vibravam com o seu conturbado namoro com o ator Franchot Tone, e paralelamente seu affair com o ator Tom Neal. Uma hora Barbara era vista com Tone, e outra com Neal.

Franchot Tone e Barbara Payton

Em 14 de novembro de 1951 Neal, que era boxeador, bateu em Tone ao encontrá-lo no apartamento da atriz. Franchot Tone entrou em coma, e Barbara e Neal foram colocados em uma lista negra em Hollywood (anos mais tarde ele seria acusado de matar sua ex-eposa, e ficou alguns anos preso).


Barbara se casou com Tone após o incidente, mas ficaram pouco tempo juntos. Ele descobriu que ela ainda se encontrava com Tom Neal, e com outros homens também. Tone mandou um detetive particular seguir a esposa, e mandou fotos íntimas dela se relacionando com outros homens para as revistas de fofocas.

Em uma das fotos, ela estava na cama com o ator Guy Madison, com quem ela fez par romântico no filme Os Tambores Rufam ao Amanhecer (Drums in the Deep South, 1951), uma produção barata que se passava na Guerra de Secessão Americana, e tinha pretensões de repetir o sucesso de ...E o Vento Levou (...Gone With the Wind, 1939). O filme inclusive era dirigido por William Cameron Menzies, o diretor de fotografia do clássico estrelado por Vivien Leigh e Clark Gable.


Payton e Tone se divorciaram em 1951. Ela ainda atuaria no cinema em Bride of the Gorilla (1951), um filme de baixo orçamento que pouco fez por sua carreira, que estava em franca decadência. No filme ela contracenava com o astro do futebol norte-americano Woody Strode, que iniciava sua carreira de ator.

Barbara e Strode tiveram um romance, e o fato de ele ser negro rendeu ainda mais fofocas em Hollywood, que não aceitava um romance inter-racial na América da década de 50. Isto enterrou de vez sua carreira no cinema.

Barbara Payton e Woody Strode

O relacionamento do casal durou pouco, e Barbara Payton logo estava de volta aos braços de Tom Neal. Juntos, eles fizeram diversos trabalho no teatro, já que não recebiam convites para o cinema. As produções fizeram sucesso junto ao público, que queria ver de perto o explosivo casal.

Barbara Payton e Tom Neal

O casal anunciou o noivado, e retornaram ao cinema para estrelar The Great Jesse James Raid (1953), uma produção obscura de um estúdio menor. Logo após as filmagens, o casal terminou definitivamente.

A atriz foi para à Inglaterra, em busca de trabalho. Mas só conseguiu estrelar dois filmes ingleses de baixo orçamento, ainda em 1953. Mas ela já não possuía mais a fama dos primeiros anos de sua carreira. Além disto, estava inchada pela bebida, e uma grande mancha de queimadura solar havia marcado seu rosto, que não lembrava mais a loira fatal que seduziu Hollywood quatro anos antes.


Suas finanças estavam arruinadas, tanto que em 1954 ela entregou dois casacos de pele valiosos para o dono de uma loja de bebidas, em troca do perdão de uma dívida de 200 dólares. No ano seguinte, ela foi condenada à prisão pela primeira vez, por passar um cheque sem fundos na mesma loja.

Barbara já não era ré primária. Ela havia sido julgada em 1950, quando ela e seu namorado Don Cooper, um figurante, foram acusados de espancarem a senhoria do apartamento onde eles viviam, quando ela tentava cobrar o aluguel atrasado. Na época, o casal havia sido inocentado após Cooper, que era também traficante, concordar em depor contra um grande fornecedor de drogas ilícitas.

Payton ainda estrelou um último filme, O Morto Desaparecido (Murder is My Beat, 1955), sua despedida quase despercebida nas telas.


Nos anos seguintes ela ainda seria novamente notícia, mas devido a sua vida destruída física e emocionalmente. Ela ainda teve dois outros casamentos que não duraram, e foi presa em diversas ocasiões. Por cheques sem fundos, porte de drogas, por roubar roupas em uma loja, e outros pequenos delitos.

Em 1962 ela foi presa por se prostituir nas ruas de Los Angeles. O juiz ofereceu uma pena alternativa, ao invés de ir para a cadeia a atriz seria internada em uma clínica para combater o vício em bebidas. No tribunal ela declarou que "preferia morrer a parar de beber". Semanas depois, ela voltou aos jornais, desta vez após ser esfaqueada por um cliente que não quis pagar pelos seus serviços.


Em 1963 Barbara Payton recebeu uma oferta de vender os direitos de sua vida para um livro, "I Am Not Ashamed" (Eu não me envergonho, na tradução). Ela recebeu 1000 dólares pela obra, e pediu para ser paga em vinho, pois estava endividada, e todos os seus bens seriam confiscados imediatamente para quitar os seus débitos.


No livro a atriz relatava sua vida nas ruas, a prostituição e as constantes agressões que sofreu enquanto dormia nos bancos das praças. Os editores também convenceram a atriz a fazer fotos sensuais, que na verdade pretendiam explorar seu declínio físico para obter mais vendas.



Em 1967, com 39 anos de idade, ela estava muito doente. Tentando se recuperar e deixar a vida tumultuada para trás, ela procurou ajuda, em vão. Sem ter opção, retornou à casa de seus pais. Para uma amiga, ela confidenciou na época não gostaria de vê-los nunca mais, e que naquela casa teria todo acesso a bebidas, algo que queria evitar, mas não tinha outra opção.


A tentativa de reabilitação não durou muito. Em 08 de maio de 1967 ela foi encontrada morta no banheiro da residência, vítima de um ataque cardíaco, agravado por doenças hepáticas.






Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

1 comentário:

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil