A bela e breve Margaux Hemingway


A modelo e atriz Margaux Hemingway foi uma das profissionais da moda mais bem pagas do começo da década de 80. Seu contrato com os cosméticos Fabergè, foi um dos primeiros a ultrapassar Um Milhão de Dólares. Neta do escritor Ernest Hemigway, e irmã mais velha de Mariel Hemingway, ela também foi atriz. Mas uma vida conturbada prejudicou sua carreira profissional, bem como a pessoal. Margaux Hemingway tinha apenas 42 anos de idade quando faleceu.


Filha de Jack Hemingway, filho mais velho do autor de O Velho e o Mar, Margot Louise Hemingway nasceu em no Oregon, em 16 de fevereiro de 1954. Ela teve uma infância tranquila, criada em uma fazenda no interior.

Aos 19 anos, sem ter completado o ensino médio, ela foi descoberta por um agente de talentos, que se encantou com a beleza da jovem, que media 1,82 de altura. Ele a levou para Nova York, onde ela logo despontou como modelo, posando para capas de revistas como Elle, Harper's Bazar e Cosmopolitan.

Em 1976 ela estreou no cinema no drama A Violentada (Lipstick, 1976), onde interpretou uma mulher estuprada pelo professor de sua irmã mais nova. Mariel Hemingway, sua irmã, contracenava com ela, e foi indicada ao Globo de Ouro de atriz revelação por este trabalho.

Margaux e Mariel Hemingway em A Violentada

Assim como a irmã mais nova, Margaux recebeu boas críticas pelo papel. Ela retornou ao cinema em O Peixe Assassino (Killer Fish, 1979), ao lado de Lee Majors e das atrizes Karen Black e Marisa Berenson. O filme, hoje, é considerado cult.

Lee Majors e Margaux Hemingway

Mas apesar de bem aceita em seus primeiros papéis no cinema, uma grave dislexia a impedia de decorar os textos, e ela precisou fazer tratamento constante, o que fez diminuir seus convites para atuar. E ao contrário da irmã, elevada a estrela graças ao filme Manhattan (1979), de Woody Allen, a atriz Margaux Hemingway acabou nunca atingindo o primeiro time nas telas.

Além disto, a atriz nunca soube lidar com a fama repentina, ainda na juventude. Sofrendo de depressão, bulimia e epilepsia, ela se entregou ao vício em álcool, e mais tarde, passou a consumir drogas. O vício teria começado no interior da badalada casa noturna Studio 54, em Nova York.

Margaux Hemingway, Carry Grant e Farrah Fawcett no Studio 54

Em 1982 ela fez o principal papel feminino em Eles Me Chamam de Bruce? (They Call Me Bruce, 1982). E estrelou mais tarde Uma Ponde Chamada Esperança (Over the Brooklyn Bridge, 1984).


Mas na segunda metade da década de 80 sua carreira entrou em decadência. O vício acabou também com sua bem sucedida carreira na indústria da moda. Ela chegou a pedir falência pessoal, e em 1988 se internou na clínica Betty Ford, especializada em dependentes químicos. A atriz engordou 25 quilos, e sua depressão aumentou ainda mais após sofrer um grave acidente de esqui, na Áustria, onde quebrou quatro vértebras.

Margaux precisou aceitar trabalhos em filmes menores, muitos deles lançado diretamente em vídeo. Ela estrelou O Santuário do Medo (Inner Sanctum, 1991), e sua sequência, lançada em 1994. Também atuou em filmes como Dinheiro Sujo (Frame-Up II: The Cover Up, 1992) e Imagem fatal (Double Obsession, 1992). Ela fez seu último filme em 1996.


Em 01 de junho o corpo de Margaux Hemingway foi encontrado em seu apartamento, já em estado de decomposição. Ela tinha 42 anos de idade.

Ela havia cometido suicídio tomando barbitúricos. Sua morte foi revelada um dia antes do aniversário de 35 anos da morte de seu avô, Ernert Hemigway, que também cometeu suicídio.



Leia também:  O galã Bradford Dillman
Leia também:  O enigmático Yul Brynner

Curta nossa página no Facebook

Se inscreva no nosso canal do Youtube

0 comentários:

Publicar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil