A resistência feminina, o cabelo de Princesa Lea e as guerrilheiras mexicanas


Em 1977 Carrie Fisher ficou mundialmente famosa com seu penteado inusitado no filme Guerra nas Estrelas (Star Wars, 1977).

A princesa Lea tornou-se imediatamente um ícone do cinema, e principalmente um símbolo de uma personagem feminina forte. Uma princesa sim, mas membro importante da resistência.


Logo surgiu a dúvida de onde George Lucas havia tirado a inspiração para o visual da princesa, e começaram as especulações. Lucas usou muitas referências de filmes e historias em quadrinhos para criar o universo Star Wars, e por muito tempo acreditou-se que o cabelo de Leia tivesse sido inspirado na Rainha Fria, vilã dos gibis de Flash Gordon, afinal o diretor bebeu muito nas fontes dos quadrinhos criados por Alex Raymond e os créditos de abertura de sua saga são inspirados nitidamente nos créditos iniciais do seriado Flash Gordon (1936), com Larry Buster Crabbe.



Porém, em 2002, em uma entrevista para a revista norte-americana Time o cineasta enfim resolveu o mistério, e revelou que o penteado da princesa foi inspirado nas “Adelitas”, as mulheres revolucionárias mexicanas que lutaram ao lado de Pancho Villa durante a Revolução Mexicana. Lucas declarou: “No filme de 1977, eu estava trabalhando duro para criar algo diferente que não era fashion, então eu escolhi um visual de uma espécie de ‘Pancho Villa’ feminina, uma mulher com um aspecto revolucionário. Os ‘montes’ de cabelo dos dois lados da cabeça são característicos da virado do século XX, no México.

O penteado era popular entre as mulheres mexicanas da época, que trançavam o cabelo e enrolavam, evitando assim que ele fosse puxado durante as batalhas.

Veja a entrevista original clicando aqui.




Natalie Portman como Padmé Amídala em Star Wars: A Ameaça Fantasma (Star Wars: The Phanton Menace, 1999) e uma guerrilheira mexicana.

Cartaz na marcha das mulheres em 21 de janeiro de 2017 em Washington (foto de Jesse Crandall)




Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube


Morre a atriz Monique Van Vooren, de Tarzan e a Mulher Diabo, aos 92 anos de idade


A patinadora, atriz, dançarina e cantora belga Monique Van Vooren morreu no dia 28 de janeiro, aos 92 anos de idade.

Ela é mais lembrada pelo papel de Lyra, a "Mulher Diabo". A inescrupulosa caçadora de marfim no filme Tarzan e a Mulher Diabo (Tarzan and She-Devil, 1953), estrelado por Lex Baker.


Nascida em Bruxelas, em 25 de março de 1927, e começou a carreira como patinadora. Após participar de alguns concursos de beleza em seu país, estreou no cinema no italiano Amanhã Será Tarde Demais (Domani è Troppo Tardi, 1950). Tarzan e a Mulher Diabo (Tarzan and She-Devil, 1953) foi seu segundo filme, e o primeiro feito nos Estados Unidos.

Na França, estrelou Massacre Total (A Sarabanda da Morte) (Série Noire, 1955) e atuou ainda em Fúria de Conflitos (Cá Va Barder, 1955).

Henri Vidal e Monique Van Vooren em Massacre Total

De volta a Hollywood, atuou em Dez Mil Alcovas (Ten Thousand Bedrooms, 1957), ao lado de Dean Martin. Também foi uma das coristas em Gigi (Idem, 1958) e atuou em Feliz Aniversário (Happy Anniversary, 1959), estrelado por Mitzi Gaynor.

Monique Van Vooren e Dean Martin em Dez Mil Alcovas

Na década de 60 atuou mais na Broadway e televisão, inclusive interpretando uma das vilãs na série Batman e Robin, em 1968. Ela também gravou alguns discos nas décadas de 50 e 60.

Monique Van Vooren e Burgess Meredith em Batman e Robin


Atuou pouco nos anos seguintes, atuando em filmes como Decameron (Ol Decameron, 1971), de Pier Paolo Pasolini, Meu Corpo em Tuas Mãos (Ash Wednesday, 1973), Carne Para Frankenstein (Flesh for Frankenstein, 1973) e Wall Street: Poder e Cobiça (Wall Street, 1987). Seu último trabalho como atriz foi em Greystone Park (2012).

Monique Van Vooren e Joe Dallesandro, em Carne Para Frankenstein 


Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

Lewis Wilson, o primeiro Batman


Muito antes dos filmes baseados nos heróis dos quadrinhos se tornarem os grandes campeões de bilheteria dos cinemas, os personagens dos Gibis já ganhavam suas adaptações cinematográficas.

Batman, o Homem Morcego, foi criado por Bill Finger e Bob Kane, e apareceu pela primeira vez na revista Detective Comics #27, em maio de 1939.

Quatro anos depois, a Columbia Pictures levou o herói para os cinemas em O Morcego (Batman, 1943), lançado em forma de seriado, com 15 episódios.


O novato Lewis Wilson interpretava Batman, bem como o milionário Bruce Wayne. Aos 23 anos, era a estréia do ator no cinema, e até hoje, é o interprete mais jovem a encarnar o personagem. Com 16 anos de idade, Douglas Croft, também foi o mais jovem ator no papel de Robin, o Menino Prodígio.

Lewis Wilson e Douglas Croft, em O Morcego

No filme Batman enfrentava o vilão Dr. Daka (interpretado por Carrol Naish), um personagem criado para a obra. A primeira versão live-action do personagem introduziu elementos, mais tarde adotados no universo de Batman, como a BatCaverna. William Austin, que interpretou o mordomo Alfred, tinha um físico esbelto e usava um bigode fino, como passou a ser representado nos quadrinhos.

Anteriormente, Alfred estava acima do peso e não tinha bigodes.

Douglas Croft, Lewis Wilson e William Austin em O Morcego

Alfred original dos quadrinhos

O filme, feito durante a Segunda Guerra Mundial, tinha ofensas racistas contra japoneses. Posteriormente, em relançamentos, os xingamentos foram editados.

Bob Kane, o desenhista de Batman, havia se inspirado no filme mudo  O Morcego (The Bat, 1926) para criar o personagem. Ele aparece brevemente em um dos episódios, em sua única incursão como ator. Kane interpreta um vendedor de jornais.

Bob Kane, em O Morcego (1943)

Lewis Gilbert Wilson nasceu em Nova York, em 28 de janeiro de 1920. Após interpretar Batman, contracenou com Lupe Velez em Torvelinho Feminino (Redhead from Manhattan, 1943).

Michael Duane, Lupe Velez e Lewis Wilson

E apesar de ter sido o primeiro homem morcego do cinema, não teve um carreira bem sucedida posteriormente. Ele faria mais 14 filmes até 1954, geralmente em pequenos papéis (muitas vezes nem creditado). Também fez algumas aparições na televisão, esboçando até um pequeno retorno em 1973.

Após deixar o show business, passou a trabalhar para uma grande distribuidora de comida, até se aposentar.

Em 1941, quando frequentava a escola de artes dramáticas de Nova York, casou-se com a atriz Dana Natol (1922-2004). Eles se separaram quando ele mudou-se para Los Angeles.

Posteriormente Dana casou-se com Albert Broccoli, que se tornou o produtor da série dos filmes de James Bond. Michael G. Wilson, filho de Dana e Lewis Wilson, também tornou-se produtor dos filmes do padrasto.

Wilson e Dana atuaram juntos em Wild Women (1951), também chamado de Bowanga, Bowanga.

Dana Broccoli em Wild Women

Batman retornaria aos cinemas em A Volta do Homem Morcego (Batman and Robin, 1949), estrelado por Robert Lowery.

Lewis Wilson faleceu em 09 de agosto de 2000, aos 80 anos de idade.



Curta nossa página no Facebook

Se inscreva no nosso canal do Youtube

Exposição: Musicais no Cinema, no MIS


O Museu da Imagem e do Som (MIS) de São Paulo, está exibindo a exposição Musicais no Cinema. Concebida originalmente pelo Musée de La Musique - Philharmonie de Paris, a mostra traça um panorama sobre os filmes musicais, agrandando uma legião de cinéfilos.



Cartazes, filmes, objetos originais, fotografias e até figurinos originais compõe a exposição, que traça um panorama sobre a história do gênero, iniciada nos primórdios do cinema falado, em 1927. Mas obras recentes, como La La Land (2017) e La La Land (2019) também são lembradas.

Figurinos originais de Rocketman

Claro, há grande destaque para os grandes clássicos, como Cantando na Chuva (1952), Amor, Sublime Amor (1961), A Noviça Rebelde (1965), e os bailados de Fred Astaire.



Apesar da curadoria original ser francesa (e alguns dos cartazes estarem em francês), o cinema brasileiro está presente, desde as chanchadas da Atlântida até produções recentes como as cinebiografias musicais feitas nos últimos anos. Até Roberto Carlos e Xuxa foram lembrados na versão brasileira.




E embora os filmes de Mazzaropi não sejam exatamente musicais, é possível ver alguns números musicais apresentados em sua obra, sendo possível inclusive ver a jovem Elza Soares cantando no cinema.

Elza Soares em O Puritano da Rua Augusta

A parte mais rica referente ao Brasil, é a galeria dedicada a Carmen Miranda, onde são exibidos figurinos, sapatos, jóias e turbantes originais, que foram usados pela Pequena Notável. Os objetos foram emprestados pelo Museu Carmen Miranda, do Rio de Janeiro.




Ainda é possível  ver depoimentos de nomes como Sílvio de Abreu, Cláudia Raia e Léa Garcia, além de figurinos usados por La Raia em alguns de seus musicais mais famosos.



A exposição Musicais no Cinema já está em cartaz há algum tempo, e fica até dia 16 de fevereiro (então ainda dá tempo de visitar). As terças feiras, a entrada é grátis. Mais informações podem ser obtidas no site do MIS (aqui).


Galeria de Fotos da Exposição































E este sou, Diego Nunes, o autor desta página

Colaboração de Alex Godinho.


Curta nossa página no Facebook

Se inscreva no nosso canal do Youtube

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil