Hedy Lamarr, a atriz que inventou a telefonia celular e o WI-FI


A austríaca Hedy Lamarr foi considerada uma das atrizes mais lindas de Hollywood nas décadas de 1940 e 1950. Eternizada em Sansão e Dalila (Samson and Delilah, 1949), Hedy teve uma vida conturbada, de extremos, e um final triste e decadente.

Muito mais que um rosto bonito, ela era uma mulher muito inteligente, e se neste momento você está lendo está matéria, deveria agradecer a ela.


Em 1940 Hedy Lamarr inventou um sistema que serviu de base para os telefones celulares e a transmissão de dados via Wi-Fi. Criado como um dispositivo para despistar radares nazistas durante a Segunda Guerra Mundial.

A idéia surgiu quando Lamarr e  o compositor George Antheil brincavam em um piano. Lamarr repetia as notas tocada por Antheil, em outra escala. Eles perceberam então que duas pessoas podem conversar entre si mudando frequentemente o canal de comunicação. Basta que façam isso simultaneamente.

Eles ofereceram a descoberta para o Departamento de Defesa Norte-Americano, que rejeitou, achando-a muito complicada. Em 1942 então os dois patentearam o invento. 

Mas em 1962, quando a patente havia sido expirada, o governo norte-americano então começou a usar o invento durante a tentativa de invasão de Cuba. Sem a descoberta de Lamarr, não exisitiram as torres de transmissão de sinais de telefonia celular e internet sem fio (wireless).

Somente em 1997 ela recebeu crédito pelo invento (Antheil morreu em 1959), quando foi homenageada pela empresa Electronic Frontier Foundation. No mesmo ano, foi homenageada pelo governo dos Estados Unidos com uma menção honrosa "por abrir novos caminhos nas fronteiras da eletrônica". Mas nunca recebeu nem um centavo por isto, pelo contrário, Hedy Lamarr passou bons anos de sua vida em sérias dificuldades financeiras.




Hedy Lamarr é o nome artístico de Hedwig Eva Maria Kiesler. Ela nasceu em Viena, Áustria, em 09 de novembro de 1914. Hedy era judia, filha de uma pianista e um diretor de um banco, e foi criada em uma família de classe média alta. Ainda na infância, estudou pintura, balé e piano.

Aos 16 anos estreou no cinema em seu país, usando o nome de Hedy Kiesler. Em 1933 ela protagonizou o filme um filme tcheco, feito em Praga, chamado Êxtase (Ekstase, 1933), de Gustav Machatý. Nele a atriz aparecia nua, tomando banho de rio, e também havia uma cena que insinuava um orgasmo feminino. O filme causou um grande escândalo, mas também fez muito sucesso, e projetou seu nome mundialmente.

 Hedy Lamarr em Êxtase

Por muitos anos, erroneamente, Lamarr foi creditada como a primeira atriz a aparecer nua no cinema. O filme foi lançado em janeiro de 1933, e em agosto do mesmo ano ela se casou com o rico industrial Friedrich Mandl, um fabricante de armas, 13 anos mais velho que ela. Ele a proibiu de continuar atuando, e Hedy largou a carreira após o casamento. Ele também tentou, sem sucesso, comprar todas as cópias do polêmico filme da esposa, destruindo todos os rolos que conseguiu adquirir.

Mas Mandl fazia mais que isto, ele a trancou em sua mansão, e só permitia que a atriz saísse de casa para acompanhá-lo a eventos sociais. Em sua autobiografia, Ecstasy and Me, Lamarr contou que o marido era violento e extremamente controlador. Mandl também era de origem judia, mas se aliou ao nazismo para vender armas para eles. Ele obrigava a esposa a comparecer em diversos jantares oferecidos pela ascendente elite nazista.

Benito Mussolini tinha uma cópia particular de Extâse, que exibia em sessões privadas para lideres fascistas.

Em 1937, durante um desses jantares, ela convenceu o marido a retirar suas jóias mais valiosas do cofre, para que ela pudesse exibi-las no evento. Ele concordou, e após o marido ficar embriagado, Hedy fugiu da festa e do país, indo se esconder na França. Foi durante o período que planejava fugir do marido que ela começou a pensar em formas de comunicação e meios e despistar as conversas para não ser espionada 

Depois a atriz se mudou para Londres, onde conheceu o produtor Louis B. Mayer, da MGM, que se encantou com sua beleza. Mayer levou-a para Hollywood, onde a rebatizou de Lamarr, em homenagem a atriz do cinema mudo Barbara LaMarr, morta de overdose em 1926. Em seus primeiros dias nos EUA, ela dividia apartamento com a atriz húnaga Illona Massey

Após cinco anos sem atuar, Lamarr estreou em Hollywood em Argélia (Algiers, 1938), ao lado dos também europeus Charles Boyer e Singrid Gurie.

Singrid Gurie, Charles Boyer e Hedy Lamarr em Argélia

Lamarr protagonizou muitos filmes nos anos seguintes, entre eles  Flor dos Trópicos (Lady of the Tropics.1939), A Mulher Que Eu Quero (I Take This Woman, 1940), Fruto Proibido (Boom Town, 1940), Inimigo X (Comrade X, 1940) e Pede-se Um Marido (Como Live With Me, 1941), mas com exceção de Este Mundo é Um Teatro (Ziegdelg Girl, 1941), nenhum deles fez muito sucesso. Ela geralmente era escalada para papéis de mulheres exóticas europeias, em produções menores do estúdio.

Em 1942 ela cometeu o que considerou o maior erro de sua carreira, ao recusar o papel principal em Casablanca (Idem, 1942). O filme, hoje considerado um dos maiores clássicos do cinema, abriu as portas para a bem sucedida carreira da sueca Ingrid Bergman. Lamarr recusou atuar em Casablanca para fazer Demônio do Congo (White Cargo, 1942), que também fez sucesso, mas nada comparado ao filme que recusou.

Ela ainda faria Boêmios Errantes (Tortilla Flat, 1942), mas se afastaria do cinema por um tempo, para se cuidar de uma criança que ela adotou em 1941, junto com seu segundo marido, o roteirista Gene Markey, com que se casou em 1939, e se separou logo depois da adoção.

Hedy Lamarr em Demônio do Congo

Em 1943, ainda afastada das telas, Lamarr se casou com o ator John Loder, que adotou legalmente seu filho. Com ele Lamarr também teve dois filhos biológicos, Denise (nascida em 1945) e Anthony (nascido em 1947). Ela e Loder ficaram casados até 1947.

Lamar retornou ao cinema na comédia Um Rival nas Alturas (The Heavenly Body, 1944), ao lado de William Powell. Mas a MGM parecia não se interessar mais por ela. A atriz foi então emprestada para a Warner, onde atou no noir Conspiradores (The Conspirators, 1944), um filme que originalmente deveria ser a continuação de Casablanca, mas Ingrid Bergman recusou o papel.

O filme se passa em Portugal, embora totalmente rodado em estúdio, e tinha a brasileira Aurora Miranda (irmã de Carmen Miranda), cantando um fado.

Aurora Miranda em Os Conspiradores

Em seguida a atriz foi emprestada para a RKO, onde fez Idílio Perigoso (Experiment Perilous, 1944). Seu último filme na MGM foi Sua Alteza e o Groom (Her Highness and the Bellboy, 1945), ao lado de Robert Walker e Agnes Morehead.

Como freelancer, fez os filmes Flor do Mal (The Strange Woman, 1946), Mulher Caluniada (Dishonored Lady, 1947) e Por Causa de um Beijo (Let's Live a Little, 1948). A demissão da MGM permitiu que o diretor Cecil B. DeMille convidasse Lamarr para estrelar Sansão e Dalila (Samson and Delilah, 1949), ao lado de Victor Mature. Dalila, a personagem bíblica que cortou os cabelos de Sansão, acabou sendo seu papel mais famoso no cinema.

 Hedy Lamar e Victor Mature em Sansão e Dalila 

O filme épico fez um enorme sucesso, mas não fez muito pela carreira de Lamarr, que entrou em decadência após estrelar a super produção. A atriz recebeu poucos convites para atuar após Sansão e Dalila, aparecendo nos inexpressivos A Mulher Sem Nome (A Lady Without Passport, 1950) e O Vale da Ambição (Copper Canyon, 1950). Também atuou na comédia A Cigana Me Enganou (My Favorite Spy, 1951), ao lado de Bob Hope.

Em 1951 ela casou-se novamente, com Teddy Stauffe, dono de um clube norturno, mas o casamento durou menos de um ano. Divorciada do quarto marido, e sem convites em Hollywood, Lamarr mudou-se para à Europa, em busca de oportunidades, mas só fez filmes menores na França e Itália. 


De volta aos Estados Unidos, Hedy Lamarr só recebeu poucos convites para atuar na televisão. Ela teve todas as suas cenas cortadas do filme Assassinato na 10ª Avenida (Slaughter on 10th Avenue, 1957), um filme de baixo orçamento da Universal. 
Lamarr ainda atuaria em A História da Humanidade (The Story of Mankind, 1957), onde interpretou Joana D'Arc, e no filme Naufrágio de uma Ilusão (The Female Animal, 1958). Depois, nunca mais teve convites para trabalhar.
Na época, Lamarr estava casada com W. Howard Lee, um milionário do petróleo texano, mas ele a largou para se casar com a atriz Gene Tierney. Em 1963 ela se casou pela última vez, com Lewis J. Boies, o advogado do seu último divórcio. Mas a união também não durou, e o casal se separou em 1965.

Em 1965 ela tentou esboçar um retorno,  fazendo um teste para um filme de terror barato chamado O Estranho Retrato de Jessica (Picture Mommy Dead, 1966), mas ela perdeu o papel para Zsa Zsa Gabor. Após ser rejeitada, Lamarr foi presa em janeiro de 1966, por roubar um sanduíche em uma loja. A imprensa fez a festa expondo sua situação, no tribunal, perante o juiz, Lamarr declarou-se culpada, e disse que o fez porque estava com fome, e não tinha nada para comer.


A notícia botou Lamarr novamente nas manchetes, de uma forma não muito agradável. Ela era motivo de piadas e humilhação. O artista Andy Warhol dirigiu um filme chamado Hedy (1966), onde o travesti Mario Montez interpretava Lamarr, uma personagem vaidosa e egoísta, que pede a um cirurgião plástico que a transforme na menina de 14 anos que ela acredita ser. Em seguida, ela é presa roubando, e é julgada num tribunal onde tanto o juiz como todos os membros do juri são ex-maridos seus.

 Mario Montez em Hedy

Ainda em 1966, diante de toda a exposição, Hedy Lamarr lançou sua autobiografia, bastante sincera e melancólica. A atriz começa o livro dizendo:

"Numa noite dessas, sentada sozinha em casa, sofrendo ao pensar no tratamento que recebera na delegacia de polícia, por causa de um incidente numa loja de departamentos, e me lembrando que fora substituída por Zsa Zsa Gabor em um filme (imagine como isso fez bem ao ego!), eu me dei conta de que tinha ganhado - e gastado - cerca de trinta milhões de dólares. No entanto, um pouco mais cedo, naquele mesmo dia, eu tinha sido incapaz de pagar por um sanduíche na Schwab's."

Nos anos seguinte, ela foi novamente esquecida. Lamarr, que chegou a morar na mansão onde foi rodado o filme A Noviça Rebelde (The Sound of Music, 1964), acabou morando em um acampamento de trailers. Foi presa novamente em 1991, por roubar remédios no valor de 20 dólares em uma farmácia.

Hedy Lamarr após sair da prisão, em 1991

Não querendo protagonizar outro escândalo nos tribunais, ela declarou-se culpada e foi colocada em liberdade condicional durante um ano. Lamarr, a inventora que revolucionou as telecomunicações, estava na miséria.

Em 1997 sua imagem foi usada sem autorização para ilustrar a embalagem do programa de ilustração digital Corel Draw. Lamarr processou a empresa por usar seu rosto no logotipo, e esta alegou que ela não era dona do seu direito de imagem.



Após dois anos na justiça, eles chegaram a um acordo extra-judicial em 1999, cujos termos nunca foram divulgados. A atriz recebeu uma indenização, que foi suficiente para lhe dar um final de vida mais digno. Pouco tempo depois, em 19 de janeiro de 2000, Hedy Lamarr faleceria aos 85 anos de idade.

Seu corpo foi cremado, e seu filho Anthony jogou suas cinzas em um bosques de Viena, o último pedido de sua mãe.


Curta nossa página no Facebook

Se inscreva no nosso canal do Youtube

1 comentário:

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil