Stelvio Rosi (Ou Stan Cooper), o ator italiano radicado no Brasil, morre aos 80 anos



Nas décadas de 60 e 70 os chamados Spaghetti western eram muito populares. Sucesso também no Brasil, eram exibidos nos cinemas de bairros e na televisão brasileira, em sessões como  Bang Bang à Italiana, na TV Record.

As produções eram baratas, e geralmente contavam com um antigo astro de Hollywood, que desempregado partira para à Europa em busca de trabalho. O ator Stelvio Rosi foi um caso contrário. Italiano, mudou-se para o Brasil em 1973.

Stelvio também é conhecido com o nome de Stan Cooper, pois era comum os atores italianos adotarem nomes norte-americanos, para tentar angariar fãs no exterior. Até o astro Giuliano Gema adotou o nome de Montgomery Wood certa vez.

Stelvio Rosi, ou Stan Cooper

Stelvio Rosi nasceu em Roma, em 01 de agosto de 1938. Ele estreou no cinema ainda criança, atuando em Sissignora (1942), seu único trabalho como ator mirim.

Stelvio só retornou ao cinema em em Gli Attendenti (1960). Ele começou então a atuar em comédias e musicais italianos, como Brotos ao Sol (Diciottenni al sole, 1962) e Um Pedaço de Mau Caminho (La voglia matta, 1962).


 Catherine Spaak e Stelvio Rosi em Brotos ao Sol

Stelvio chegou a ter um pequeno papel em O Leopardo (Il Gattopardo, 1963), obra prima de Luchino Visconti. Após fazer diversos filmes com seu nome próprio, adotou o nome Stan Cooper, nome artístico usado em seus filmes mais famosos.

Stan Cooper foi creditado pela primeira vez em História de Um Crime (Colpo sensazionale al servizio del Sifar, 1968). Em seguida atuou em A Batalha do Último Panzer (La battaglia dell'ultimo panzer, 1969) e Os 7 Comandos do Inferno (Comando al infierno, 1969), ambos com o antigo galã de Hollywood Guy Madison no elenco. Stan Cooper também trabalhou com o americano Ty Hardin, outro desempregado em Hollywood na Itália.

  
Seu primeiro filme western spaguetti foi Franco e Ciccio sul sentiero di guerra (1970). Ele ainda faria Dólares para os MacGregors (Ancora Dollari per I MacGregor, 1970),  Mato todos e salvo Minha Pele (Monta in Sele figlio di...!), Com a morte no Olhar (Sei jellato amico...hai incontrato Scramento, 1972) e Pistoleiros de Trinity (Scansati...a Trinità arriva Eldorado, 1972).


Stelvio Rosi fez 38 filmes na Europa, o último deles foi a produção italo-espanhola Orgia dos Mortos (La orgía de los muertos, 1973). No Brasil, seus filmes eram distribuidos pelo diretor e produtor Livio Bruni. O ator conheceu a irmã de Livio, Ana Maria Bruni, e com ela se casou.


No Brasil, ele chegou a atuar em alguns filmes, são eles: Quando as Mulheres Querem Provas (1975), O Homem da Cabeça de Ouro (1975), O Estranho Vicio do Dr. Cornélio (1975), Costinha, o Rei da Selva (1975) e Amantes, Amanhã Se Hover Sol (1975). Também fez participações em novelas como Louco Amor (1983) e Salomé (1991).

Aqui ele montou a produtora Universo Filmes, que fazia filmes publicitários e cobria a fórmula 1 para a televisão italiana. Ele chegou a produzir o filme Terror e Extâse (1979) e tentou fazer um filme infantil com Daniel Azulay e Xuxa, sem sucesso.

Ele também foi produtor de dois filmes norte-americanos rodados no Brasil, Lambada, O Filme (Lambada, 1990) e Anaconda (Idem, 1997).

 Stelvio Rosi em 2017

A morte de Stan Cooper, ou Stelvio Rosi, passou despercebida pela imprensa, sendo apenas divulgada em um site norte-americano, dedicado a memória dos filmes de faroeste. O ator morreu no Rio de Janeiro, em 19 de dezembro de 2018, aos 80 anos de idade.

Leia também: Relembrando Bud Spencer.

Leia também: Por onde Anda? Ron Ely, o Inesquecível Tarzan.

Leia também: Que fim levou Manuel Paddila Jr? O Jay de Tarzan





Curta nossa página no Facebook

Se inscreva no nosso canal do Youtube

0 comentários:

Enviar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil