Últimas Notícias

6/recent/ticker-posts

Mel Brooks, o gênio da comédia




Ator, diretor e roteirista, Mel Brooks tem uma carreira de mais de sete décadas, e é um dos poucos artistas a receber o EGOT, que é uma sigla para os vencedores dos principais prêmios da indústria do entretenimento: Emmy, Grammy, Oscar e Tony. Ao longo dos anos, Mel Brooks se tornou uma refência da comédia mundial.

Melvin James Kaminsky nasceu em Nova York, em 28 de junho de 1926. Brooks era filho de imigrantes judeus pobres, e cresceu em um precário cortiço de Nova York. A situação financeira da família se agravou ainda mais quando seu pai morreu de tuberculose quando Brooks tinha apenas dois anos de idade.

Mel Brooks foi um menino franzinho e bastante doente, e sofria muito bulling na escola. Para se defender, ele desenvolveu um enorme senso de humor, paara conseguir fazer amizades e evitar maiores problemas. Certa vez ele declarou em uma entrevista que fazia as pessoas rirem para evitar de levar um soco na cara.

Brooks tinha um tinha um tio que era taxista, e certo dia ele ganhou ingresssos para um espetáculo da Broadway, como gorjeta. O menino foi vero espetáculo com o tio, e ficou fascinando, dizendo que era aquilo que ele queria fazer quando crescesse.

Aos 14 anos de idade ele começou a trabalhar como comediante, entretendo hóspedes de um hotel de luxo, na região da piscina. Foi lá que ele conheceu outro jovem animador, Sid Caesar, de 18 anos. Eles se tornaram amigos e parceiros por toda a vida.

Os jovens Mel Brooks e Sid Caesar

Nesta idade ele tambpem trabalhou como baterista, usando seu verdadeiro nome, Mel Kaminsky. Mas após ser confundido com o trompetista Max Kaminsky, adotou o nome artístico de Mel Brooks, faznedo uma homenagem a mãe (cujo sobrenome de solteira era Brookman).

Em 1944 Mel Brooks foi convocado pelo Exército Americano, e foi enviado para à Europa, onde lutou na Segunda Guerra Mundial. Além de lutar no combaten, o judeu Brooks gostava de provocar os nazistas, e quando seu batalhão estava próximo dos soldados alemães, ele pegava um megafone e cantava sucessos de Al Johnson, que também era judeu.

Com o fim da guerra, o exército o convidou para fazer show para as tropas, atividade que ele exerceu até 1946, quando deu baixa das Forças Armadas. E com o fim de suas obrigações militares, Mel Brooks retornou à Nova York, e começou a fazer shows de stand up em casas noturnas da cidade.

Em 1949 ele reencontrou Sid Caesar, que na época estava apresentando um programa de televisão, e chamou Brooks para ser seu roteirista. O programa era exibido na pequena emissora Dupont, mas fez tanto sucesso que o comediante acabou sendo contratado pela gigante NBC. Lá, ele formou um time de roteiristas que incluía Mel Brooks, Carl Reiner e Neil Simon.

Em 1954, quando Caesar passou a apresentar o Caesar's Hour, Mel Brooks também passou a escrever roteiros ao lado do novato Woody Allen. O filme Um Cara Muito Baratinado (1982) foi inspriado nas memórias do jovem roteirista Mel Brooks. Em 1954 ele também escreveu algumas esqueteches para o espetáculo da Broadway New Faces (1954), que fez tanto sucesso que foi filmado e exibido nos cinemas.

Com o amigo Carl Reiner, Mel Brooks criou o personagem O Homem de 2000 Anos (2000 Year Old Man), um ancião que havia visto a crucificação de Cristo, e tinha como bordão "eu tenho mais de 42 mil filhos, e nenhum deles vem me visitar". O personagem era interpretado por Brooks, enquanto Reiner fazia um jornalista que entrevista o idoso, perguntando sobre suas histórias.

Inicialmente apresentado em casas de shows, logo o personagem caiu nas graças do público, e Brooks e Reiner começaram a apresentá-lo no programa de Milton Berle, na televisão, fazendo com que Brooks ficasse conhecido como ator. A dupla gravou diversos discos com as piadas do Homem de 2000 Anos, e em 1975 o quadro ganhou um longa metragem de animação, com Brooks e Reiner dublando seus respectivos papéis.

Em 1961 Brooks foi um dos roteiritas da comédia O Terror das Mulheres (1961), um grande sucesso estrelado por Jerry Lewis. Ele também escreveu o roteiro de The Critic (1963), um curta-metragem que debochava dos críticos de filmes de arte. Ele também emprestou a sua voz ao crítico, e o filme foi indicado ao Oscar de Melhor Curta-Metragem. Dois anos depois, junto com Buck Henry, Mel Brooks criou uma das séries mais bem sucedidas da história da televisão, Agente 86 (Get Smart, 1965-1970). Estrelada por Don Adams, a série era uma paródia dos filmes de James Bond.

Don Adams na série Agente 86

O sucesso do programa deu carta branca para Mel Brooks em Hollywood, e ele lançou um ambicioso projeto, a comédia Primavera Para Hitler (The Producers, 1967). Brooks assinou o roteiro e direção, e também cantava a música apresentada nos créditos de abertura, e o filme ganhou o Oscar de Melhor Roteiro, derrotanto inclusive Stanley Kubrick.



Apesar do texto polêmico (dois produtores fazendo um musical sobre Adolf Hitler), o filme fez um grande sucesso nas bilheterias. O sucesso de Primavera Para Hitler garantiu para Brooks o dinheiro para produzir seu próximo filme, Banzé nna Rússia (1970), que foi muito criticado na época, e foi um fracasso financeiro. Mel Brooks também atuava no filme, aparecendo em seu primeiro papel como ator no cinema. Nos anos seguintes, ele atuaria, dirigiria, escreveria e produziria a maioria dos seus filmes.

Apesar do prejuízo, ele conseguiu realizar seu terceiro filme, Banzé no Oeste (1974), no qual também atuava. A crítica novamente odiou o filme, mas o púlbico amou, e Banzé no Oeste foi a segunda maior bilheteria do ano, e hoje é uma comédia clássica com status de cult.

Cleavon Little e Mel Brooks em Banzé no Oeste

Gene Wilder era uma das estrelas de Banzé no Oeste, e só concordou atuar no filme se Brooks escreve o roteiro e dirigisse um projeto no qual ele estava interessado, O Jovem Frankenstein (1974), rodado logo após o termino das filmagens de Banzé. Mel Brooks não atuou nesta obra, mas sua voz pode ser ouvida em três ocasiões, dublando o uivo de um lobo, o Dr. Victor Frankenstein e o barulho de um gato logo após Wilder atirar um dardo.

O filme foi a terceira maior bilheteria de 1974, e foi indicado ao Oscar de Melhor Roteiro e Melhor Som.

Em nome da amizade com Wilder, Brooks também dublou um pequeno personagem no filme O Irmão Mais Esperto de Sherlock Holmes (1975).

Gene Wilder e Peter Boyle em O Jovem Frankenstein

Em 1975 Mel Brooks tentou rotomar o sucesso na televisão, criando a série Wheb Thing Were Rotten (1975), uma paródia sobre o personagem Robin Hood. O programa era estrelado por Dick Gautier, antigo coadjuvante da série Agente 86, mas não fez sucesso, e foi cancelada após treze episódios. Porém, anos mais tarde, ele aproveitaria piadas do roteiro para fazer o filme A Louca! Louca História d eRobin Hood (1993).

Na década de 1970 Mel Brooks já era um dos diretores mais atuantes e conceituados de Hollywood, e podia fazer projetos ousados, como A Última Loucura de Mel Brooks (1976). Um filme mudo, que homenageava os grandes comediantes dos tempos silenciosos do cinema. O filme foi o primeiro no qual Brooks era o protagonista, e tinha participações especiais de grandes astros, como Liza Minelli, Burt Reynolds, Paul Newman, Anne Brancroft (esposa do diretor), James Caan e o mímico Marcel Marceu, que pronunciava a única palavra do filme.

Don DeLuise, Mel Brooks e Marty Feldman em A Última Loucura de Mel Brooks

Sua carreira foi marcada com grandes homenagens e referências a história do cinema, e seu filme seguinte não fugiu da regra. Alta Ansiedade (1977) remetia aos suspenses dirigidos por Alfred Hitchcock.

E em 1979, Mel Brooks foi convidado para atuar em Muppets: O Filme (1979), seu primeiro projeto nas telas onde ele era exlcusivamente ator.

Mel Brooks em Muppet: O Filme

Em 1980 os críticos de cinema Gene Siskel e Roger Ebert se referiram a Mel Brooks e Woody Allen como "os dois diretores de comédia de maior sucesso no mundo de hoje... os dois cineastas mais engraçados da América". Curiosamente, Brooks se lançou como produtor de filmes sérios, como O Homem (1980), dirigido por David Lynch. Ele também produziu Frances (1982), A Mosca (1986) e Nunca Te Vi, Sempre Te Amei (1984), que era estrelado por sua esposa Anne Bancfroft e Anthony Hopkins. Ele também produziu O Gorducho (1980), que foi dirigido por Bancroft.

Em 1981 ele dirigiu A História do Mundo - Parte I (1981), onde também atuou (Mel Brooks está impagável como Moisés), e no ano seguinte atuou e produziu (mas não dirigiu e nem escreveu o roteiro) em Sou ou Não Sou (1982), onde contracenava com Anne Bancfroft. O filme era um remake de uma comédia estrelada por Carole Lombard.

Mel Brooks como Moisés em A História do Mundo - Parte I

Mel Brooks e Anne Bancroft em Sou ou Não Sou

O segundo filme dirigido por Mel Brooks na década de 1987 foi S.O.S: Tem Um Louco Solto no Espaço (1987), uma paródia do sucesso Star Wars.

Em 1989 Brooks produziu a série The Nutt House, estrelada por Harvey Korman e Cloris Leachman, mas o programa foi um fracassom e foi cancelado após apenas cinco episódios.

Na década de 1990 Mel Brooks já era uma lenda consagrada da história do cinema, mas seus filmes já não repetiam o sucesso do passado. Ele dirigiu e Droga de Vida! (1991), A Louca! Louca História de Robin Hood (1993) e Drácula, Morto Mas Feliz (1995), no qual contracenava com outra lenda do humor, Leslie Nielsen. Todos grandes fracassos de crítica e público.

Drácula, Morto Mas Feliz foi o último filme dirigido por Brooks.

Mel Brooks e Leslie Nielsen em Drácula, Morto Mas Feliz

Nesta época, também fez alguns trabalhos apenas como ator. Ele dublou um personagem em Olha Quem Está Falando Também (1990), e apareceu em filmes como Loucos, Birutas e Debilóides (1994), Os Batutinhas (1994), Um Convite Italiano (1999) e Uma Paixão em Florença (2000). Também fez participações em Frasier e Os Simpsons, e teve um papel regular na série Louco Por Você (1994), que lhe rendeu três prêmios Emmy de melhor ator convidado em série de comédia.

Mel Brooks e Paul Raiser em Louco Por Você

Em 2005 Mel Brooks ficou viuvo, quando a atriz Anne Bancroft faleceu, após após quase 50 anos de união. O casal teve um filho, o ator Max Brooks (nascido em 1972). Brooks havia sido casado anteriromente com a atriz Florence Braun (entre 1953 e 1962), com quem teve outros três filhos.

Anne Bancroft e Mel Brooks

Em 2001 Brooks retornou à Brodway, produzindo The Producers, o exto original de Primavera Para Hitler. A peça fez um enorme sucesso, e lhe rendue um prêmio Tony e um Grammy, e foi adaptada para o cinema em 2005. No filme, Mel Brooks voltou a dublar pequenos personagens.

Como ator, ele ainda atuaria em Um Time Show de Bola (2013). Mas Mel Brooks seguiu trabalhando, dublando diversas animações. Ele emprestou sua voz para desenhos como As Aventuiras de Jimmy Newtron, o Menino Gênio (2003), Robôs (2005), Dora, a Aventureira (2014), Hotel Transilvânia 2 e 3 (2015, 2018), e Toy Story 4 (2019), onde deu lado de ícones da comédia (Carl Reiner, Betty White e Carroll Burnett). Ele vivia o personagem Melefante Brooks.









Mel Brooks também dublou O Lendário Cão Guerreiro (2002), que tinha roteiro seu, e atualmente dubla a série A História do Mundo : Parte II (2023), continução de seu sucesso de 1980, onde também assina o roteiro, além de produzir o roteiro.

Em 2023 foi anunciado que Mel Brooks receberá o Oscar Honorário, pelo conjunto de sua obra, no ano de 2024.

Mel Brooks em 2023, no lançamento da série A História do Mundo: Parte II

Veja também: Tributo a Betty White




Leia também: Morre Carl Reiner

Leia também:  Betty White morre aos 99 anos de idade

Leia também:  Carol Burnett, a rainha da comédia televisiva

Leia também: Don Adams, o eterno Agente 86

Leia também: Por onde anda? Dick Van Dyke,de Mary Poppins

Veja também: Antes e Depois do Elenco de Punky, a Levada da Breca

Veja também: Os Artistas que Morreram em 2022 - In Memoriam

Curta nossa página no Facebook

Se inscreva no nosso canal do Youtube

Siga também nosso Instagram

Siga também no Kwai

Ajude o site a se manter no ar, contrib

Postar um comentário

0 Comentários