O furacão Gaby Deslys, a atriz que derrubou uma manarquia


Hoje um tanto esquecida, Gaby Deslys foi uma das artistas mais famosas da década de 1910. Mundialmente conhecida e comentada pela imprensa mundial, ela era uma das atrizes mais bem pagas de seu tempo.

A vida escandalosa da atriz que destronou um rei, renderia um bom filme, e quase chegou as telas em projetos que posteriormente foram abandonados. Nomes como Judy Garland e Brigitte Bardot já estiveram cotadas para dar vida a estrela burlesca francesa em sua cinebiografia.


Antigamente era muito comum os artistas fantasiarem sua origem, criando para si uma biografia fantasiosa afim de enfeitar sua trajetória. Infelizmente, esses golpes publicitários, amplamente divulgados pela mídia da época, posteriormente ajudaram a corroborar com a desinformação a respeito das celebridades de outrora.

Em certo momento de sua carreira, um detetive particular afirmou que Deslys não era francesa, mas sim uma camponesa Tcheca batizada com no nome de Hadiwga Nawrati ou Hedvika Navrátilová, e que a própria teria pago uma fortuna para ele manter o segredo. 

Em 1920, quando a estrela faleceu, milhares de pessoas de sobrenome Nawrati ou Navrátilová se apresentaram ao governo francês, alegando serem os herdeiros diretos da grande fortuna deixada pela atriz. A situação ficou tão complexa que o Ministério das Relações Internacionais da França  precisou intervir e promover uma grande investigação, onde enfim chegaram a conclusão que Gaby Deslys era na verdade era o nome artístico de Marie-Elise-Gabrielle Caire, nascida em Marselha, em 04 de novembro de 1881.


Gaby Deslys ganhou popularidade nos salões de dança de Paris e Londres, e desenvolveu seu próprio estilo de dança, que foi batizado de The Gaby Glide. Sua fama nas casas noturnas logo a transformaram em um estrela, requisitada por diversos países do mundo.

Em 1911 ela foi em uma turnê para os Estados Unidos, ganhando cerca de quatro mil dólares por semana, uma verdadeira fortuna para época. Na temporada americana, a artista apresentou-se em diversos locais, inclusive na afamada Universidade de Yale.

Com o preço dos ingressos inflacionados, os estudantes da Universidade se revoltaram e promoveram uma onde de protestos violentos, que resultaram até em prédios incendiados. No mesmo ano ela apresentou-se na Broadway, no espetáculo Vera Violetta (1911), tornando-se a primeira atriz a fazer um strip-tease completo nos palcos dos teatros nova iorquinos.


Seu visual exótico, sempre usando chapéus extravagantes e muitas plumas ditava moda, e Gaby foi a primeira artista contratada por um grande estilista, Erté, para usar e divulgar suas criações. Em 1910 ela também lançou alguns discos, onde demonstrava seus dotes de cantora.


Gaby Deslys não era exatamente uma cantora fenomenal, mas sua fama era imensa. Isto fez dela uma mulher cortejada por diversos cavalheiros ricos, famosos e importantes, incluindo membros de diversas realezas.

Seu caso mais notório foi com o Rei Manuel II, de Portugal, coroado em 1908. Ele havia conhecido Gaby em Paris, quando ainda era um príncipe, e caiu de amores pela atriz. Eles logo começaram um relacionamento, e em 1910 o romance fazia a alegria de todos os jornais mundiais da época.

O casal não era nada discreto, com Gaby Deslys entrando sem cerimônia pela porta da frente do Palácio  das Necessidades, residência oficial da monarquia portuguesa. Além disto, o monarca deu a francesa um palacete há poucos metros da residência real, onde a artista residia durante suas temporadas portuguesas. Mas na maioria das noites, era nos aposentos do rei que Gaby dormia.

Portugal vivia uma grande crise financeira, e a insatisfação com a monarquia já era notória. Os movimentos republicanos ganhavam força diante de uma população faminta, e a situação pareceu insustentável quando Gaby Deslys começou a ostentar um colar de pérolas raras que havia ganho de Manuel II. A joia havia custado setenta mil dólares dos cofres públicos, e era uma das mais caras da época.

Até os cães da atriz usavam coleiras cravejadas de joias, presenteadas pelo Rei de Portugal.


O famoso colar de pérolas de Gaby Deslys

Em 04 de outubro de 1910 iniciou uma revolução em Portugal, e no dia seguinte o Palácio das Necessidades foi bombardeado. Manuel II foi deposto, e foi proclamada a República Portuguesa. O rei sem trono fugiu para o exílio na Inglaterra.

Gaby Deslys estava em uma turnê na Áustria no momento, mas chegou a se encontrar com Manuel na Inglaterra, mas o romance logo esfriou, embora por um tempo ela ainda se encontrasse com seu secretário particular, o Marquês de Lavradio.

O Rei Manuel II

Mas em 1911 ela mudou-se para Nova York, e se envolveu com o ator Harry Pilcer, e Manuel casou-se em 1913. Sua carreira continuava em ascensão, e toda a publicidade acabou sendo benéfica para a fama da atriz. Mas o colar famoso foi roubado de suas malas durante a viagem de navio para os Estados Unidos.



Nos Estados Unidos ela estrelou outro espetáculo na Broadway, The Honeymoon Express, que tinha o jovem Al Jolson no elenco. Com a chegada da Primeira Guerra Mundial, a atriz retornou à França, onde chegou a usar sua influência com homens poderosos para fazer espionagem para o governo francês.

Gaby Deslys estreou no cinema no filme francês La remplaçante (1914). No ano seguinte, voltou para os Estados Unidos para estrelar O Deus do Acaso (Her Triumphe, 1915), seu único filme feito em Hollywood. Harry Pilcer também estava no elenco.


Na Inglaterra, estrelou Rosy Rapture (1915), que ainda tinha o dramaturgo George Bernard Shaw em uma rara aparição como ator. Com o marido, ela ainda estrelou o francês Destedioso de Amor (Bouclette, 1918) e Infautação (Le Diue du Hasard, 1920), que foi lançado após a sua morte.

Em 11 de fevereiro de 1920 Gaby Deslys havia falecido, com apenas 38 anos de idade. Ela foi uma das milhares de vítimas da pandemia da Gripe Espanhola, iniciada em 1918. A atriz se submeteu, sem sucesso, a diversas cirurgias para tentar conter a infeção respiratória contraída pela doença.


Todos os seus filmes se perderam com o tempo, restando apenas alguns segundos de O Deus do Acaso, descobertos recentemente. Os fragmentos ainda precisam ser restaurados.



Quando foi aberto o testamento da atriz, ela havia deixado toda a sua fortuna para os pobres de Marselha. No espólio foram encontradas diversas obras de arte valiosíssimas, inclusive uma grande coleção do pintor Bocciccelli. Ela também possuía uma coleção de livros raros, além claro, de uma vasta quantidade de joias. Sua mansão, também a seu pedido, foi transformada em uma casa para abrigar moradores de rua.

A cama suntuosa cama da atriz foi um dos muitos objetos a irem a leilão, e foi adquirida pela Metro (futura MGM), que a usou nos cenários de diversos filmes. O primeiro filme a utilizar a mobília foi Trifling Women (1922), estrelado por Barbara LaMarr.

Mais tarde a cama foi vendida para a Universal, que também a usou em diversas produções. A cama de Gaby Deslys inclusive foi usada para compor o cenário do quarto de Norma Desmond, papel brilhante de Gloria Swanson em Crepúsculo dos Deuses (Sunset Boulevard, 1950).

Gloria Swanson na antiga cama de Gaby Deslys

Após a sua morte uma atriz de nome Camile Deslys apareceu em algumas peças na Broadway alegando ser irmã de Gaby. Ela chegou a assinar contratos com estúdios de cinema, mas logo a mãe da atriz a desmentiu. A jovem na verdade era uma espanhola de nome Camile Augusta Donzella, e não tinha nenhum parentesco com Desly. Logo Camile se casou com o cônsul Sebastien Paoli, e largou a carreira. 

Em 1927 a Fox lançou Paga Para Amar (Paid to Love, 1927), estrelado por George O'Brien e Virginia Valli. O filme mostrava um jovem rei que enchia sua amante, uma atriz chamada Gaby, de joias e outros luxos. Claramente era inspirado em Gaby Deslys e Manuel II, aqui rebatizado de Michael.

Em 1931 o mesmo estúdio fez um remake, falado em espanhol, da mesma produção. Chamado de Príncipe Sem Amor (Hay que Casar al Príncipe, 1931), o filme era estrelado por Conchita Montenegro e José Mojica, um galã latino que se tornaria padre, e inauguraria a televisão brasileira em 1950. (Já contamos sua história aqui).


Paga Para Amar


Príncipe Sem Amor

Ambas as versões não eram oficiais. Em 1933 a MGM comprou os direitos de adaptar a vida de Gaby Deslys, e em 1943 Arthur Freed chegou a escrever um roteiro, que seria estrelado por Judy Garland. Mas a produção nunca foi iniciada. Em 1962, anunciou-se que Brigitte Bardot viveria a artista nas telas, mas o filme também não foi pra frente.

A única vez que Gaby Deslys foi interpretada no cinema foi no musical Bem no Meu Coração (Deep in My Heart, 1954). A bailarina russa Tamara Toumanova aparece brevemente no filme interpretando Gaby, mas o filme é uma cinebiografia do compositor Sigmund Romberg.

Tamara Toumanova em  Bem no Meu Coração



2 comentários:

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil