Atriz e cineasta Dilma Lóes morre aos 70 anos de idade

Dilma Lóes contracena com Jorge Botelho em 'O Bem Amado'

A atriz Dilma Lóes morreu nesta sexta-feira (31) na Flórida, Estados Unidos, onde morava há dois anos. Ela se tratava de um câncer, de acordo com a família. Dilma tinha 70 anos.

Filha do ator e radialista Urbano Lóes e da atriz Lídia Mattos, começou escrevendo e dirigindo suas próprias peças na escola. Estreou no cinema em 1969 atuando nos filmes Meu Nome é Lampião, Parafernália, o Dia da Caça.


Dilma Lóes e João Paulo Adour


Em 1970, atuou ao lado de Mazzaropi em Betão Ronca Ferro. Sua estreia na TV foi na novela Tempo de Viver, TV Rio, mas tornou-se mais conhecida em O Bem-Amado, TV Globo, a primeira novela brasileira produzida em cores.Roterizou e atuou em filmes como “Quando as Mulheres Paqueram” e “Aquela Gostosa Brincadeira a Dois”, com Carlo Mossy, Vera Fischer e Cléa Simões, dirigidos por Victor di Mello, com quem se casou e teve a filha Vanessa Lóes, também atriz.


Dilma e Vanessa Lóes

Durante seu tempo na Globo participou de uma série de programas de Os Trapalhões. Ainda nos anos 80 escreveu, dirigiu e produziu o musical infantil “Se a Banana Prender o Mamão Solta” que foi um grande sucesso de bilheteria e era ao mesmo tempo uma crítica aos preconceitos e normas da sociedade contemporânea.

Produziu também documentários de cunho social importante, entre eles “Quando o Crioulo Dança”, que acompanhava o movimento negro e abordava o tema do racismo no Brasil; e “Nossas Vidas”, em defesa dos direitos da mulher e da luta contra o machismo institucionalizado.

Ganhou o Kikito de melhor atriz coadjuvante no festival de gramado (em 1979) pelo filme A volta Do Filho Pródigo.


Helber Rangel e Dilma Lóes em A Volta do Filho Pródigo

Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

Diretor Allan Parker morre aos 76 anos de idade


O diretor inglês Allan Parker morreu no dia 31 de julho, aos 76 anos de idade. A morte do cineasta foi confirmada pelo Instituto Britânico de Cinema (BFI, a sigla em inglês), que comunicou que ele sofria de uma doença há alguns anos, sem especificar qual.

Parker é conhecido por dirigir clássicos como O Expresso da Meia Noite (Midnight Express, 1978) e Mississipi em Chamas (Mississippi Burning, 1988), e foi indicado ao Oscar de Melhor Diretor pelos dois trabalhos. Também dirigiu filmes como Fama (Famme, 1986), The Commitments: Loucos Pela Fama (The Commitments, 1991), e Evita (1996), estrelado pela cantora Madonna. Também é diretor do vídeo clipe The Wall, da banda Pink Floyd, que revolucionou o gênero em 1982. Seu último trabalho no cinema foi em 2003.

Alan Parker dirigindo Madonna em Evita


Curta nossa página no Facebook

Se inscreva no nosso canal do Youtube

A morte misteriosa da atriz Thelma Todd



Em 16 de dezembro de 1935 Hollywood acordo com uma notícia estarrecedora: Thelma Todd, uma popular e querida comediante estava morta, com apenas 29 anos de idade, a atriz foi encontrada morta dentro de seu carro, após supostamente cometer suicídio por asfixia de monóxido de carbono. Porém muitos detalhes não batem nesta história, como por exemplo o fato do veículo da artista estar na garagem da casa da atriz Jewel Carmen, esposa de Roland West, que era amante e sócio de Todd.




Thelma Alice Todd nasceu em 29 de julho de 1906. Ela iniciou sua carreira participando de concursos de beleza, e após ser eleita Miss Massachusetts em 1925, foi descoberta por um caçador de talentos da Paramont.

Todd estreou nos tempos do cinema mudo, atuando em Desafio da Mocidade (Fascinating Youth) e fez diversos filmes ainda neste período, mas eles pouco exploraram seu talento, usando-a apenas como uma garota bonita para enfeitar as telas. Com a chegada do cinema falado, ela teve melhores oportunidades, principalmente depois que o diretor Hal Roach a escalou para coadjuvar diversas comédias ao lado de astros como Harry Langdon, Charley Chase e da dupla O Gordo e o Magro.

Stan Laurel, Oliver Hardy, Charles Gerrard e Thelma Todd


Vendo o potencial da atriz para comédia, Roach a convidou para protagonizar sua própria série de filmes cômicos curtos. Thelma Todd passou a fazer dupla com a atriz ZaSu Pitts, com quem contracenou em 17 curta-metragens entre 1931 e 1933. Pitts deixou a dupla para seguir carreira solo em 1933, e Patsy Kelly assumiu o papel, contracenando com Todd por mais 21 filmes, feitos até 1935. Alguns deles lançados postumamente.


ZaSu Pitts e Thelma Todd


Thelma Todd e Patsy Kelly


Ao longo de sua curta carreira, com menos de dez anos, a atriz apareceu em 120 filmes, e trabalhou ao lado de mestres do humor como Buster Keaton e Jimmy Durante, em Pernas de Perfil (Speak Easily, 1932) e com os Irmãos Marx em Os Quatro Batutas (Monkey Bussiness, 1931) e Gênios da Pelota (Horse Feathers, 1932).

Também atuou em filmes sérios, como na primeira versão do suspense O Falcão Maltês (The Maltese Falcon, 1931), estrelada por Ricardo Cortez.


Thelma Todd e Chico Marx


Em 1931 ela estrelou Corsário (Corsair, 1931), ao lado do ator Chester Morris. O filme foi dirigido por Roland West, com quem Thelma Todd iniciou um conturbado relacionamento. West era casado com a antiga estrela do cinema mudo Jewel Carmen, e Todd se casaria no ano seguinte com o ator e produtor Pat DiCicco, uma espécie de secretário de Howard Hughes.

Thelma Todd e Pat DiCicco


Mas apesar disto, não era segredo em Hollywood o relacionamento da atriz com o diretor, e aparentemente seus verdadeiros conjunges conviviam com isto. DiCicco também era amigo do mafioso Lucky Luciano, com quem Todd também teve um breve romance, durante o casamento com o ator. Luciano teria viciado Thelma Todd em metanfetaminas.

Para aumentar a confusão, em 1934 a bem sucedida atriz resolveu montar um café restaurante, o Thelma Todd Sidewalk Caffe, que fazia muito sucesso entre os artistas, e consequentemente, entre os turistas que queriam ver seus astros favoritos de perto. Os sócios de Thelma eram ninguém menos que Roland West e sua esposa Jewel Carmen. Os três também moravam muito próximos um do outro.




Lucky Luciano tentou entrar no negócio também, querendo obrigar a atriz a aceitar um casino em seu estabelecimento, cujos lucros seriam controlados pelo gangster. Porém Thelma se recusou, e foi espancada por Luciano.


Roland West e Jewel Carmen


Os negócios com o restaurante iam bem, e Thelma seguia atuando em suas comédias de sucesso, além de atuar no longa Cupido e a Secretária (Two for Tonight, 1935), ao lado de Bing Crosby.

A Morte Misteriosa


Em 14 de dezembro de 1935 Thelma Todd compareceu em uma festa do artista Stanley Lupino. Na festa, ela encontrou com Pat DiCicco, de quem havia se divorciado no ano anterior, após a briga com Lucky Luciano.

Eles tiveram uma breve discussão, mas Todd permaneceu na festa após a confusão, e segundo suas amigas (incluindo a atriz e diretora Ida Lupino, filha de Stanley), ela estava extremamente bem humorada e disposta. Na madrugada do dia 15, ela foi levada para casa por seu motorista.

Porém no dia 16, segunda feira, a empregada da residência de Jewel e West encontrou Todd morta dentro de seu carro, na garagem do casal. O motor do carro estava ligado, e Thelma aparentemente teria morrido por inalação de monóxido de carbono. Existem fotos do corpo da atriz morto dentro do carro, mas não achei apropriado colocar aqui, porém elas são facilmente achadas na internet.


Policiais e imprensa diante da garagem onde a atriz foi encontrada morta


A polícia concluiu que a atriz havia cometido suicídio. E alguns apontaram que a atriz estava sem as suas chaves, e talvez na impossibilidade de entrar em casa, teria ligado o carro para se aquecer, sem saber dos perigos que corria.

Seu caso foi investigado e julgado como suicídio. Porém não haviam evidências de que a atriz pretendesse se matar. Além de terem encontrado nenhuma nota de despedida, haviam diversos pacotes de presentes de natal, já embrulhados, em sua residência.

Thelma também estava feliz por estrelar um novo filme com a dupla Stan Laurel e Oliver Hardy, A Princesa Boêmia (The Bohemian Girl, 1936). A atriz não havia concluído as filmagens, e o diretor acabou refilmando todas as suas cenas, mantendo apenas um número musical de Todd na obra, lançada após sua morte.


Cartaz de A Princesa Boêmia


Mas a versão de que atriz tenha tirado a própria vida não convence até os dias de hoje. Porque a atriz ira tirar a vida na garagem do apartamento do amante, é uma das principais questões levantadas até hoje.



Além disto, outros fatos foram deixados de lado na investigação. Testemunhas afirmaram que ela estava recebendo ameaças e pedidos de dinheiro, 10 mil dólares, uma fortuna para a época. Porém, Thelma não confidenciou o motivo da extorsão.

Jewel Carmen também estava ameaçando a atriz. Mas não por ciumes devido ao relacionamento com o seu marido, mas devido a sociedade no café restaurante, que começava a dar prejuízo por causa da má administração.

Pat DiCiccio também foi apontado como suspeito. Ele havia sido um marido abusivo, e foi visto discutindo com a atriz pouco antes de sua morte. Além disto, ele a envolveu com Lucky Luciano, que havia batido na atriz por esta se recusar a abrigar um casino em seu restaurante.

A própria mãe de Thelma chegou a ser investigada. Unica herdeira da atriz, ela passou a esbanjar a fortuna da filha poucos dias depois da morte dela.

Mas o caso da atriz foi a juri popular por duas ocasiões, e sua morte foi declarada como acidental, com possíveis tendências suicidas. Mesmo com o veredito, o jornal Chicago Tribune postou um artigo dizendo “Enquanto um grande júri determinou que Todd cometeu suicídio, não foi possível explicar o nariz quebrado, os hematomas ao redor da garganta e as duas costelas quebradas. Aparentemente, o grande júri achou que Todd também se espancara até a morte”.

Segundo o ator Chester Morris, em sua biografia publicada anos mais tarde, Roland West, de quem era um grande amigo, teria confidenciado no leito de morte, em 1952, que estava envolvido na morte Thelma Todd.



Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

Renato Barros, vocalista da banda Renato e Seus Blue Caps, morre aos 76 anos de idade



Renato Barros, vocalista da banda Renato e Seus Blue Caps, morreu nesta terça-feira (28) aos 76 anos no Hospital de Clínicas de Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio. Ele estava internado há 10 dias após uma cirurgia cardíaca e teve complicações pulmonares.




Durante a cirurgia, o cantor já havia apresentado problemas e chegou a ficar trinta minutos sem as funções vitais.

 Aconselhados por Carlos Imperial, a banda destacou-se ao fazer versões brasileiras de sucessos dos Beatles. Nos anos 1960, a banda fez sucesso com hits como “Até o fim”, " Menina Linda ", “Não te esquecerei” e “Feche os Olhos”.



Renato Cosme Vieira de Barros nasceu no Rio de Janeiro, em 27 de setembro de 1943. No auge do sucesso da Jovem Guarda, Renato Barros apareceu cantando ao lado de Lilian Knapp no filme Rio, Verão e Amor (1965).








Curta nossa página no Facebook

Se inscreva no nosso canal do Youtube

Olivia de Havilland morre aos 104 anos de idade


Faleceu no dia 26 de julho a estrela Olivia Mary de Havilland, aos 104 anos de idade. Ela morreu de causas naturais, enquanto dormia.

Olivia nasceu no Japão, em 01 de julho de 1916. Seu seu pai, um advogado inglês, trabalhava professor na Universidade Imperial de Tóquio. Sua mãe, Lilian Fontaine, havia sido atriz teatral, mas deixou a carreira quando mudou-se com o marido para o Japão. Foi lá que nasceu também sua irmã, a também atriz Joan Fontaine.

Em 1919 Lilian convenceu o marido a mudar-se para a Califórnia, que tinha um clima mais quente e propício para a saúde fragilizada de Olivia, que sofria de uma forte bronquite. A família ficaria pouco tempo, após Joan contrair pneumonia, a mãe das garotas decidiu que morariam lá em definitivo, na cidade de Saratoga. Em 1925 o pai deixou a família, fugindo para viver com uma antiga amante japonesa.

Apesar de ter abandonado a carreira de atriz, Lilian ensinava as filhas a apreciarem as artes, e o próprio nome Olivia foi retirado de um livro de William Shakespeare, Lady Olivia, da peça Noite de Reis. Após o divórcio, ela casou-se novamente, com George Milan Fontaine, um homem detestado pelas duas irmãs.

Aos 17 anos Olivia entrou para o clube dramático da escola que estudava, e em 1933 estreou no teatro interpretando o papel título na peça Alice no País das Maravilhas, uma produção dos Interpretes da Comunidade de Saratoga. No ano seguinte, a atriz ganhou o papel de Puck na peça Sonhos de Uma Noite de Verão, de Shakespeare, no teatro da Comunidade de Saratoga. O diretor austríaco Max Reinhardt estava na Califórnia, produzindo a mesma peça no Hollywood Bowl, e convidou Olivia para entrar no seu elenco, substituindo a atriz Gloria Stuart (a atriz que interpretou a personagem Rose já idosa, no filme Titanic, de 1997), que havia deixado a produção após receber um convite para atuar no cinema. Olivia interpretava Hermia.

Olivia em Sonhos de Uma Noite de Verão

Max reinhardt foi convidado pela Warner Bros para levar esta mesma peça para as telas de cinema, e chamou Olivia para fazer o papel que ela havia feito no teatro. Foi sua estreia cinematográfica.

Apesar de ser seu primeiro filme, só foi lançado no final de 1935, após o lançamento de outros três filmes em que a atriz também aparecera. A atriz agradou, e a Warner lhe ofereceu um contrato de sete anos, e lhe deu papéis maiores, promovendo-a ao estrelato.

Ainda em 1935 a atriz viveu sua primeira protagonista, no filme Capitão Bood (Captain Blood, 1935), ao lado de outro novato que despontava no estúdio: Errol Flynn.



O filme fez enorme sucesso, de público e crítica, e a dupla agradou tanto que a Warner ainda os reuniu em outros sete filmes, entre 1935-1941, incluindo outros grandes sucessos como A Carga da Brigada Ligeira (The Charge of the Light Brigade, 1936), As Aventuras de Robin Hood (The Adventures of Robin Hood, 1938) e A Estrada de Santa Fé (Santa Fe Trail, 1940).


Com Errol Flynn, em intervalo de filmagem

Em 1939 Olivia insistiu para que o presidente do estúdio, Jack Warner, deixasse-a tomar parte de um filme que eles produziam,para o qual não havia sido escalada. Ela precisou recorrer à esposa de Jack, implorando que intercedesse. E assim, a contragosto, ganhou o papel da doce Melanie Hamilton no clássico ...E o Vento Levou (Gone with the Wind, 1939), estrelado por Vivien Leigh e Clark Gable. O filme tornou-se um sucesso instantâneo, e Olivia de Havilland recebeu sua primeira indicação ao Oscar por este filme, perdendo o prêmio para a colega Hattie McDaniel (a primeira atriz negra a ser indicada pela Academia, veja ela recebendo seu Oscar, com legendas em português aqui). Embora não tenha levado o prêmio, a atriz tornou-se se símbolo da doçura em filmes norte-americanos, uma imagem que ela mesmo tentou se desvincular anos mais tarde, na tentativa de conseguir papéis mais desafiadores.


Apesar do sucesso a situação de Olivia na Warner se complicou devido à sua teimosia em atuar em ...E o Vento Levou. A atriz foi rebaixada a coadjuvante em um filme com seu antigo partner Errol Flynn, em Meu Reino por um Amor (The Private Lives of Elizabeth and Essex, 1940), uma forma de castigo imposta pelo estúdio. Mas em 1941 foi novamente indicada ao Oscar, por seu papel em A Porta de Ouro (Hold Back the Dawn, 1941), perdendo o prêmio para a sua irmã, a atriz Joan Fontaine, que ganhou por Suspeita (Suspicion, 1941), de Alfred Hitchcock.

As irmãs, na entrega do Oscar de 1941

Joan Fontaine também estreara no cinema em 1935, fazendo pequenos papéis. Quando estreou, sua mãe a proibiu de usar seu nome original no cinema (Joan de Havilland), dizendo que só poderia existir uma “de Havilland” em Hollywood. As irmãs nunca tiveram uma boa relação, e Joan ter recebido um Oscar antes de Olivia só piorou as coisas ainda mais.

Mesmo sendo indicada a prêmios importantes, Olivia de Havilland se via presa a um contrato, que a obrigava a aceitar o papel que lhe oferecessem. Cansada de interpretar ingênuas donzelas em perigo, começou a desafiar a Warner recusando os papéis que lhe eram impostos, que nada exploravam seu potencial dramático. Como consequência, recebeu uma suspensão contratual de seis meses.

Seu contrato acabou em 1943, e a atriz comemorou o fato de poder aceitar papéis mais desafiadores em outros estúdios, mas foi informada que teria que permanecer na Warner por mais seis meses, para pagar o período que ficou suspensa. Olivia se revoltou, e procurou seu pai advogado, que disse que tal punição era ilegal. Apoiada pelo Screen Actors Guild (o sindicato dos atores de Hollywood), abriu um processo contra o estúdio.

Durante a batalha judicial, ficou fora das telas por dois anos, mas acabou sendo bem sucedida na ação. Tal decisão virou uma lei batizada de “Lei Olivia de Havilland”, que reduziu o poder dos grandes estúdios e deu maior liberdade aos atores. Assim, Olivia tornou-se uma pioneira na luta pelos direitos dos atores.

A atriz retornou ao cinema fazendo três filmes na Paramount Pictures: Só Resta Uma Lágrima (To Each His Own, 1946), Champanhe para Dois (The Well-Groomed Bride, 1946) e Tarde Demais (The Heiress, 1949). Sua luta por papéis mais expressivos surtiu efeito, e a atriz finalmente recebeu seu primeiro Oscar, justamente por Só Resta Uma Lágrima. Três anos depois receberia outro por Tarde Demais.

Olivia e seus dois Oscars

Também foi indicada ao Oscar por Na Cova das Serpentes (The Snake Pit, 1948), que fez na 20th Century Fox. No filme ela interpreta uma paciente com esquizofrenia, internada em um sanatório. Até hoje ela considera que este foi seu melhor papel. Uma curiosidade: na Itália, o filme chamou-se “La Fossa delle Serpente” e um casal de brasileiros que havia assistido ao filme em Roma, comentou que a situação do amigo deprimido era como de Olivia, interna na “fossa”, e assim surgiu a expressão sinônimo de tristeza no Brasil.


A atriz recusou o papel principal de Uma Rua Chamada Pecado (A Streetcar Named Desire, 1951), pois havia acabado de dar a luz ao seu primeiro filho. Vivien Leigh, sua colega de ...E o Vento Levou ficou com papel, e recebeu um Oscar por seu desempenho. Olivia  começou a recusar cada vez mais papéis, parecendo não se interessar mais pelo cinema, e suas aparições começaram a ficar mais escassas na década de 50. Em 1953 ela conheceu em Paris o jornalista Pierre Galante, que trabalhava para a revista Paris Match. Divorciada de seu primeiro marido, Olivia e Galante se casaram em 1955, e ela passou a residir na França. Após alguns anos reclusa, atuou em Luz na Praça (Light in the Piazza, 1962), um filme da MGM rodado na Itália, e co-estrelado pelo astro italiano Rossano Brazzi.

E quando suas antigas colegas da Warner Bross, Bette Davis e Joan Crawford viram suas carreiras serem ressuscitadas após estrelarem o suspense O que Terá Acontecido a Baby Jane? (What Ever Happened to Baby Jane?, 1962), ela não demorou muito para tentar retornar ao estrelato atuando em filmes do gênero. Protagonizou então A Dama Enjaulada (Lady in a Cage, 1964), onde fazia uma milionária presa em um elevador, atormentada por uma gangue que invadiu sua mansão para roubar. O filme rendeu muitos elogios a Olivia e ao estreante James Caan (que fazia o líder da gangue), mas foi muito criticado devido as cenas excessivas de violência.



Ela faria mais um filme do gênero, Com a Maldade na Alma (Hush...Hush, Sweet Charlotte, 1964), ao lado da antiga colega e amiga Bette Davis, substituindo Jona Crawford, que havia sido a escolha original para o papel. Devido ao seu retorno às telas, foi convidada a presidir o juri do Festival de Cannes de 1965, sendo a primeira mulher a ocupar tal posto.


Na década de 70 acabou atuando nos “filmes catástrofe”, que fizeram sucesso na época, aparecendo em Aeroporto 77 (Airport’ 77, 1977) e O Enxame (The Swarm, 1978).


Foi nesta época também que cortou relações definitvas com a irmã. Olivia e Joan tinham problemas de relacionamento desde a infância e, dizem alguns biógrafos, que a mãe fazia distinção entre as duas, preterindo Olivia. A mãe inclusive foi contra a entrada de Joan no cinema, dizendo que não queria que ela se aproveitasse da popularidade da irmã (embora ela mesma tenha atuado no cinema graças à influência das filhas, usando o nome de Lilian Fontaine).

As irmãs nos anos 40

A situação das irmãs só piorou quando cada uma recebeu seus respectivos Oscar (até hoje são as únicas irmãs que conquistarem o prêmio de melhor atriz). Elas pararam de se falar definitivamente quando a mãe faleceu em 1975 e Joan também cortou relações com as próprias filhas, ao descobrir que elas ainda mantinham contato, em segredo, com a tia. Em uma entrevista em 1978 Joan declarou: “Casei-me primeiro, ganhei um Oscar antes de Olivia e se eu morresse primeiro, sem dúvida ela ficaria lívida porque eu também teria ganho dela nisso!" As irmãs nunca mais se falaram, e Joan também conseguiu morrer primeiro, em 15 de dezembro de 2013.


Na década de 80 Olivia de Havilland apareceu com certa frequência em produções feitas para a televisão, e levou um Globo de Ouro por seu papel no telefilme Anastasia: O Mistério de Anna (1986). Seu último papel também foi num telefilme, The Woman He Loved (1988).

Em Anastasia: O Mistério de Anna

Gozando de boa saúde, a atriz faz aparições públicas regulares, e tem recebido muitas homenagens e honrarias e também é constantemente chamada para participar de homenagens ao filme ...E o Vento Levou, sendo uma das últimas pessoas vivas do elenco, junto com os atores Patrick Curtis, Greg Giese e Mickey Kuhn, que interpretaram o mesmo papel no filme, justamente o de Beau Wilkes, o filho de Melanie no filme (recém nascido, com um ano e com 5 anos, respectivamente). Greg Giese, embora não creditado, também fez o papel de filha de Scarlet quando bebê, usando roupas de meninas.

Em 2017, aos 101 anos de idade, processou a Fox por retrata-la, sem autorização, na série Feud, sobre os bastidores da relação de Joan Crawford e Bette Davis fora das telas. Na série, Olivia foi interpretada pela atriz Catherine Zeta-Jones. E quando completou 103 anos de idade, comemorou a data andando de bicicleta.




Hattie McDaniel, Olivia de Havilland e Viviven Leigh em ...E o Vento Levou


Morre o ator John Saxon, aos 84 anos de idade



O ator John Saxon morreu no domingo, dia 25, aos 84 anos de idade. Segundo sua esposa, Glória, Saxon foi vítima de uma pneumonia. Com mais de 200 créditos em sua carreira, Saxon teve diversas fases artísticas, de galã das adolescentes na década de 50 a astro de filmes de terror como A Hora do Pesadelo (A Nightmare on Elm Street, 1984).


Seu nome verdadeiro era Carmine Orrico, e o ator nasceu em 05 de agosto de 1936, no Brooklyn, Nova York. Saxon estudou atuação com a lendária Stella Adler e começou a atuar no cinema no início da década de 50, como figurante em filmes como Demônio de Mulher (It Should Happen to You, 1954) e Nasce uma Estrela (A Star is Born, 1954).

O polêmico agente Henry Wilson, que era famoso por descobrir meninos bonitos e transformá-los em astros, com métodos pouco convencionais (entre seus clientes estão Tab Hunter e Rock Hudson), viu Saxon numa capa de revista e o procurou para agenciá-lo. Saxon, então com 17 anos de idade, teve permissão dos pais para assinar o contrato.

Wilson conseguiu para o rapaz um contrato com a Universal.


Seu primeiro papel de destaque foi no filme Running Wild (1955), ao lado de Mamie Van Doren. Ele se destacou como ator como o adolescente obcecado por uma mulher mais velha (Esther Williams) em Na Voragem de uma Paixão (The Ungarded Moment, 1955), e passou a receber centenas de cartas semanais de fãs.

John Saxon e Esther Williams

Após o sucesso de Curvas e Requebros (Rock, Pretty Baby!, 1956), ele tornou-se um dos astros favoritos das adolescentes, e protagonizou a sequência Estação do Amor (Summer Love, 1957). Depois, atuou em Tudo Pelo Teu Amor (This Happy Feelling, 1958), que lhe rendeu um Globo de Ouro de Ator Revelação.



Em seguida fez par romântico com a estrela teen Sandra Dee em Brotinho Indócil (The Reluctant Debutante, 1958). A dupla fária outros filmes juntos, repetindo o sucesso entre o público juvenil.

John Saxon e Sandra Dee

Embora tenha ganhou outro Globo de Ouro (de ator Coadjuvante) por Sangue em Sonora (The Appaloosa, 1966), sua popularidade começou a diminuir na década de 60, e ele passou a atuar em filmes menores, e em muitas produções feitas para a televisão. No final da década, foi para à Itália, onde atuou em diversos filmes do gênero western spaghetti, como Vou, Vejo e Disparo (I Tre Che Sconvolsero il West, 1968).


Lutador de judô desde a adolescência, também atuou em Operação Dragão (Enter the Dragon, 1973), ao lado de Bruce Lee.


Após muitos trabalhos pouco expressivos, ganhou notoriedade novamente atuando no terror  A Hora do Pesadelo (A Nightmare on Elm Street, 1984), onde interpretou o Tenente Thompson. Ele retomaria o papel em outros filmes da saga.


Nos últimos anos atuou em produções independentes e em séries de TV como CSI.

John Saxon em CSI



Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil