Ator Carl Schell, irmão de Maria e Maximilian Schell, morre aos 91 anos



Na história do cinema, há diversos casos de irmãos artistas bem sucedidos, como os Arquette, Shirley MacLaine e Warren Beatty, Vanessa e Lyn Readgrave, Carmen e Aurora Miranda e John e Joan Cussack.

Há também os irmãos menos famosos de grandes astros, como John Mitchum (irmão de Robert Mitchum), Jocelyn Brando (irmã de Marlon Brando) e Brooks Clift (irmão de Montgomery Clift). Carl Schell era um destes casos, o ator austríaco era irmão dos astros Maximillian (1930-2014) e Maria Schell (1926-2005). Havia ainda uma quarta irmã, também atriz, Immy Schell (1934-1992), a primeira irmã do clã Schell a falecer.

Carl Schell também era filho do escritor Hermann Ferdinand Schell (1900-1972) e da atriz Margarethe Noé von Nordberg (1905-1995).

 Carl, Maria, Immy, Margarethe Noé, Hermann Ferdinand, Maximillian

Carl, Maria, Immy e Maximillian
 
Nascido em 04 de novembro de 1927, Carl Schell era o mais velho dos irmãos artistas. Ele estreou no cinema austríaco em 1950, mas sua carreira só começou a ganhar destaque no final da década. Junto com os irmãos, ele chegou a tentar a sorte no cinema brasileiro, pedindo emprego nos Estúdios Vera Cruz, quando estes já estavam em seus últimos dias.

E embora fosse o mais velho dos irmãos Schell, ele nunca se tornou um astro como os irmãos Maria e Maximillian, que chegou a ganhar um Oscar de Melhor ator em 1961.


Em 1961 Carl Schell teve seu primeiro papel de protagonista, no filme de terror italo-austríaco A Face do Monstro (Lycanthropus, 1961), contracenando com Barbara Lass (primeira esposa de Roman Polanski) e com Curt Lowens, ator que na vida real, salvou centenas de crianças dos campos de concentração nazistas (leia sobre esta história aqui).

 Curt Lowens e Carl Schell em A Face do Monstro

Em 1962 Carl Schell atuou em sua primeira produção norte-americana, o drama O Tunel 28 (Escape from East Berlin, 1962). Estrelado por Don Murray e dirigido por Robert Siodmak, o filme contava a história de um casal tentando fugir do Muro de Berlim, e foi rodado na Alemanha.

Carl atuou em filmes na Itália e Alemanha, além de trabalhar em produções para a televisão. Ele também fez parte do elenco de The Conession (1964), filme norte-americano estrelado por Barbara Eden e Ginger Rogers.

Em Crepúsculo das Águias (The Blue Max, 1966), teve seu melhor papel, interpretando Von Richthofen, O Barão Vermelho. O filme ainda tinha George Peppard e Ursula Andress no elenco.

 Carl Schell em Crepúsculo das Águias

Após atuar na série alemã Butler Parker (1973-1974), o ator aposentou-se da carreira de ator, passando a trabalhar como produtor e escritor.

Schell teve três filhos com sua primeira esposa, Candida Robert. Também teve mais dois filhos de seu segundo casamento, com a atriz Stella Mooney, com quem estava casado desde 1970. 

Carl Schell, o último dos irmãos Schell, faleceu em Locarno, em 06 de junho de 2019, aos 91 anos de idade.


0 comentários:

Enviar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil