Diahann Carroll, muito além de Julia


Diahann Carroll é uma grande estrela norte-americana. Cantora e atriz, ela brilhou nos palcos, em discos, no cinema e na televisão. Lembrada por sua atuação na série de televisão Julia (Idem, 1968-1971), ela foi indicada ao Oscar em 1974 e chegou a fazer uma turnê como cantora no Brasil, no começo de sua carreira.


Carol Diahann Johnson nasceu em 17 de julho de 1935, no bairro do Bronx, em Nova York. Quando ela era criança, sua família mudou-se para o bairro do Harlem, onde ela cresceu. Diahann frequentou a Music and Art High School, sendo colega de classe de Billy de Williams (o Lando da saga Star Wars). Seus pais sempre apoiaram a sua carreira, e aos 15 anos de idade, ela começou a trabalhar como modelo para a revista Ebony, destinada a comunidade negra.

Diahann como modelo, em 1953

Aos 18 anos ela participou de um programa de calouros na televisão, cantando "Why I was born?", de Jerome Kern e Oscar Hammerstein. Ela venceu o concurso, e ganhou mil dólares como prêmio. A projeção televisiva lhe valeu convites para atuar em casas noturas em Manhattan.

O cineasta Otto Preminger assistiu a uma dessas apresentações, e a convidou para atuar em Carmen Jones (Idem, 1954), um musical baseado na ópera Carmen, de Bizet, estrelado por artistas negros, com Dorothy Dandridge e Harry Belafonte encabeçando o elenco.

Diahann interpretava Myrt, a rival de Dorothy Dandridge, que disputava o coração de Belafonte.

Pearl Bailey, Dorothy Dandridge e Diahann em Carmen Jones

Após sua estréia no cinema, ela protagonizou House of Flowers (1954), na Broadway. O musical, escrito por Truman Capote, fez de Diahann a primeira protagonista negra de um espetáculo da Broadway. Durante o espetáculo, ela conheceu o produtor de elenco Monte Kaye, com quem se casaria em 1956.

Em 1959 ela retornou ao cinema, novamente dirigida por Otto Preminger e coadjuvando Dorothy Dandridge, no musical Porgy & Bess (Porgy and Bess, 1959). No elenco ainda a cantora Pearl Bailey, Sammy Davis Jr. e Sidney Poitier.

Ela voltaria a contracenar com Poitier em Paris Vive à Noite (Paris Blues, 1961), uma produção norte-americana rodada na França, tendo no elenco principal ainda Paul Newman, Joanne Woodward e Louis Armstrong.

Diahann e Poitier em Paris Vive à Noite


Em 1959 Diahann Carroll e Sidney Poitier começaram a namorar, num relacionamento que durou nove anos. Porém, ambos eram casados. O ator pediu que ela deixasse seu marido, para eles poderem se casar, e assim o fez Diahann, que se divorciou em 1963, mas Poitier não cumpriu sua parte no acordo, e eles enfim terminaram o romance.

Ainda em 1961 ela atuou em Mais Uma Vez, Adeus (Goodbye Again, 1961), outra produção americana rodada na França. Carroll contracenou com Ingrid Bergman, Anthony Perkins e Yves Montand.

Diahann Carroll e Anthony Perkins em Mais Uma Vez, Adeus

Sem conseguir grandes chances no cinema, retornou à Broadway. Em 1962 ela estrelou o musical No Strings, escrito por Richard Rodgers (a primeira peça que ele escreveu após a morte de seu parceiro Oscar Hammerstein). Rodgers escreveu o espetáculo especificamente para Diahann, que ganhou um  Tony por seu papel, tornando-se a primeira atriz negra a ganhar tal prêmio.

Diahann Carroll e seu prêmio Tony

Na década de sessenta, ela ainda retornaria algumas vezes ao cinema. Novamente sob a direção de Preminger, atuou em O Incerto Amanhã (Hurry Sundown, 1967) e em seguida estrelou Quadrilha em Pânico (The Split, 1968), ao lado do ator Jim Brown.

Mas Diahann Carroll não podia imaginar o sucesso que lhe esperava o final da década de sessenta. Em 17 de setembro de 1968 estreava na Rede NBC de televisão a série Julia (Idem, 1968-1971), como a atriz no papel principal, o da enfermeira Julia Baker.


Julia era uma enfermeira inteligente e independente, que trabalhava muito para sustentar sozinha seu filho, já que seu marido havia morrido na Guerra do Vietnã. Em seu trabalho ela precisava aguentar o mau humor de seu chefe Dr. Chagley, que apesar de tudo, tinha um bom coração.


Em uma época de lutas pelos direitos civis e o crescimento do ativismo entre os negros norte-americanos, Julia foi a primeira série de TV protagonizada por um artista negro em um papel não estereotipado.

Antes dela, houve apenas Beulah (1950-1952), que mostrava as aventuras de uma empregada doméstica em seu dia a dia. Três atrizes se dividiram no papel de Beulah ao longo das temporadas, eram elas Ethel Waters, Louise Beavers e Hattie McDaniel (a primeira atriz negra a vencer um Oscar de Atriz Coadjuvante, por ...E o Vento Levou, em 1939). Ruby Dandridge (mãe de Dorothy Dandridge) e Butterfly McQueen (a Prissy de ...E o Vento Levou) também atuavam na série, bem como a atriz Leslie Uggans (a Blind Al de Deadpoll), no começo de sua carreira.

Por seu trabalho em Julia, ela foi indicada a um prêmio Emmy, e duas vezes indicada ao Globo de Ouro, vencendo em 1969. A sua personagem também virou uma boneca Julie, lançada pela Mattel (que fabrica a boneca Barbie), foi uma das primeiras bonecas baseadas em uma celebridade lançadas.


Julia foi inicialmente exibida no Brasil pela TV Tupi em 1969 (neste ano a atriz veio ao Brasil, pela segunda vez, em um evento da Twentieth Century Fox, sua primeira vez no país havia sido em 1958, numa turnê como cantora, que falaremos mais ao final da matéria).

Depois, foi reprisada na TV Record e Globo. Em 1971 a série foi cancelada, após 86 episódios.

Com o fim da série, ela passou a dedicar-se a carreira de cantora, e continuou fazendo shows e gravando discos. Em 1974 retornou ao cinema em Claudine (Idem, 1974), onde interpretava a personagem título, uma empregada doméstica que cria sozinha os seis filhos, no bairro do Harlem. No filme, a atriz contracenava com James Earl Jones.

Claudine marcava o retorno do cineasta John Berry, incluído na lista negra do MacCarthismo, e que não realizava um filme nos Estados Unidos dese que fora banido, em 1951. Por sua atuação, Diahann foi indicada ao Oscar  e ao Globo de Ouro de Melhor Atriz.

Cartaz de Claudine

Diahann continuou atuando esporadicamente, geralmente fazendo papéis na televisão, como na série O Barco do Amor (The Love Boat) e participando do obscuro (hoje cultuado) O Especial de Natal de Star Wars (The Star Wars Holliday Special, 1978), exibido na televisão em 17 de novembro de 1978.

Em 1984 a atriz criticou os produtores da série Dinastia (Dynasty, 1981-1989) por não terem artistas negros na trama. Eles então a convidaram para ingressar na obra, interpretando Dominique Deveraux, meia irmã de Blake Carrington (papel de John Forsythe). Na série, ela contracenava com Billy Dee Williams, seu antigo colega dos tempos de escola.

Diahann e Billy Dee Williams em Dinastia

A atriz ficou na série entre 1984 e 1987, e também participou de The Colbys (1985-1986), o spin off (série derivada de outra série) de Dinastia. Ela iria retornar a trama para a décima temporada, mas a série foi cancelada ao final da nona temporada, em 1989.

Ele então foi escalada para o elenco da série A Different World (1989-1993), uma série criada por Bill Cosby. Depois reencontro Billy Dee Williams na série Lonesome Dove: The Series (1994-1995).

Entre 1987 e 1996 também fez turnês como cantora, ao lado de seu quarto marido, o cantor Vic Damone. Eles se divorciaram em 1996, após já terem se separado e reconciliado em 1991.

Casamento de Diahan e Vic Damone, em 1987

Em 1996 ela assumiu o papel de Norma Desmond na versão canadense de Sunset Boulevard, musical baseado no filme Crepúsculo dos Deuses (Sunset Boulevard, 1950). Ela deixou o espetáculo após ser diagnosticada com câncer de mama, para dedicar-se ao seu tratamento.

Em Sunset Boulevard

Ela entretanto, nunca deixou de atuar. Na televisão fez papéis notáveis como a centenária Sadie Delany em A História das Irmãs Delany (Having Our Say: The Delany Sisters' First 100 Years, 1999), ao lado das veteranas Ruby Dee e Deella Reese. Também interpretou a mãe problemática da cantora Natalie Cole em Livin' for Love: The Natalie Cole Story (2000).

Diahann Carroll e Nat King Cole em 1964

Em 2001 ela estreou na dublagem, emprestando sua voz para uma das personagens do desenho animado A Lenda de Tarzan (The Legend of Tarzan, 2001-2003). Entre 2006 e 2007 atuou na série Gey's Anatomy, interpretando Jane Burke, a exigente mãe do Dr. Preston Burke (papel de Isaiah Washington).

Em 2004 reencontrou seu colega de Claudine, James Earl Jones, e começou a ensaiar a versão teatral de Num Lago Dourado (Onde Golden Pond), mas teve que se afastar do trabalho por problemas de saúde, sendo substituída por Leslie Uggans.

Em Grey's Anatomy

Também teve papéis fixos nas séries Diary of a Single Mom (entre 2010 e 2011) e na série Crimes do Colarinho Branco (White Collar, entre 2009 e 2014). Seu último trabalho como atriz foi no filme The Masked Saint (2016).

Com Matt Bomer em Crimes do Colarinho Branco

Diahann Carroll também é membro do Celebrity Action Council, um grupo de voluntariado, formado por mulheres famosas, que ajudam mulheres de Los Angeles que tem problemas com drogas, álcool e prostituição.

Diahann Carroll e sua primeira viagem ao Brasil

Em maio de 1958 Diahann Carroll foi contratada como atração internacional para cantar no Copacabana Palace, no Rio de Janeiro.

Aos 23 anos, e sem ter ainda estrelado Julia, ela ainda engatinhava na carreira, embora já tivesse estreado no cinema em Carmen Jones (1954).


Naquele tempo, as boates e grandes casas de show competiam para ver quem trazia os maiores cartazes internacionais para seus palcos, e desta forma os brasileiros puderam ver de perto show de artistas como Edith Piaf, Louis Armstrong, Marlene Dietrich e muitos outros.

A boate Meia Noite, do Copacabana Palace acabara de trazer, novamente, a portuguesa Amália Rodrigues, e contratou Diahann Carroll como atração substituta. Acontecia, entretanto, que as vezes as casas noturnas traziam artistas pouco conhecidos, e anunciavam como grandes estrelas internacionais, muitas vezes vendendo "gato por lebre".

Dinahann, pouco conhecida por aqui, foi considerada pela nossa imprensa um desses engôdos, embora a cantora estivesse em franca ascensão nos Estados Unidos.

Em 03 de junho de 1958 o cronista Stanilaw Ponte Preta, escreveu sua habitual coluna sobre a noite carioca para o jornal O Mundo Ilustrado, onde comentava o show da cantora: "(...) em seguida temos a escurinha norte-americana Diahann Carroll no Copacabana Palace, apresentada como uma das maiores revelações da música norte-americana dos últimos tempos, o que aliás não tem importância pois qualquer uma que viesse seria apresentada assim. Diahann (porque não Diana, neguinha?) de fato canta bem e se não lotou o Copacabana Palace é porque não tem prestígio firmado para tanto."

Mas a imprensa também teceu muitos elogios a cantora, que ficou em uma longa temporada nos palcos cariocas. Em 06 de junho daquele ano, ela também iniciou uma série de apresentações musicais no horário nobre da TV Tupi, Canal 06 do Rio de Janeiro, cantando nos palcos do que outrora foi o Cassino da Urca. Na Tupi, acompanhada de Ralph Burns, cantou músicas como Over on The Rainbow, Only a Paper Moon e Strange Fruit.

Diahann em frente ao Copacabana Palace

Visitando a quadra do Salgueiro, em 06 de junho de 1958

Sobre o Rio de Janeiro, ela declaroy "Acho as montanhas parecidascom as de Hollywood. O Rio me faz lembrar de Beverly Hills. O que mais admiro é a elegância das mulheres, tôdas usando luvas e chapéus, o que considero muito próprio." Com certeza, eram tempos diferentes...

Diahann Carroll lendo a revista Radiolândia


Diahann Carroll recentemente, foto de 2017



Curta nossa página no Facebook
Se inscreva no nosso canal do Youtube

1 comentários:

Enviar um comentário

Se inscreva no nosso canal no Youtube

Postagem em destaque

A viagem de Clark Gable ao Brasil